Category: Tipografia Vídeo

Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 02]

Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 02]

Eae. Td Bele?
Hoje continuaremos com a série sobre tipografia.
Na primeira parte da série (se você ainda não leu, clique AQUI para ler) vimos sobre a história e a anatomia das letras.
Nesta segunda parte continuaremos a falar sobre tipografia. Veremos as suas classificações tipográfica, os estilos e entraremos na composição tipográfica.
Estamos evoluindo (não é, Galucho?) e até o final da série iremos saber como escolher nossas fontes da melhor maneira. Portanto, vamos continuar destrinchar a tipografia.
Preparado? Então, vamos lá!
O que você verá nesse artigo?

A classificação Tipográfica 
O estilo dos tipos
O que é Kerning, Tracking e Leading
Alinhamentos

Classificação da Tipografia
Essa parte é um pouco complexa. Existiram várias classificações ao longo do tempo para as famílias. Citarei algumas como exemplo:

O Sistema de Francis Thibaudeau (uma das mais usadas por aí);
A DIN (Deutsches Für Normung);
Classificação Europa;
Maximilian Vox;
Robert Bringhurst;
Maximilian Vox e, derivada dela, a Vox/ATYPI (Association Typographique Internationale);
British Standards;
Linotype ;
Lucy Niemeyer.

(Ufa!)
Não quero julgar nenhuma nem outra, até porque não tenho capacidade para tal, mas todas as classificações, pelo que puder ver, pecam em algum quesito.
Devido a isso vou usar uma classificação, que obtive no espaço acadêmico através do professor Cesar Benatti, e que usa a presença ou não de serifas (senão lembra o que é serifa veja o que é clicando AQUI) como característica determinante para esse processo de classificação.
Com serifa
Humanistas
Simulam a caligrafia clássica feita a mão e fazem parte dos primeiros tipos de metal produzidos na Itália e França entre os séculos XV e XVI.

Transicionais
Possuem serifas mais finas e planas com acabamento agudo.
Seu eixo vertical é levemente inclinado.

Modernas
Esse estilo possuem serifas retas e um alto e contraste na espessuras das hastes.
Eixo na vertical.

Mecânicas
Traço e serifas retangulares. São do século XIX e vieram para uso em propagandas.

Sem Serifa
Grotesco
Uma variação das letras mecânicas sem as serifa.
Oriundas do final do séc XIX.

Gothic
Possuem uma variação espessura dos seus  traços.
É uma variação das grotescas gravadas nos EUA no final do séc XIX .

Humanistas
Possuem leve variação no traço e resquícios de traços caligráficos.
Tem como origem a estrutura das letras serifadas.

Geométrico
Usam formas geométricas básicas para a sua estruturação.

Neo Grotesco
É variação da grotesca que surgiu na década de 1950.

Outros Estilos
Cursiva
São tipos que usam como referência a escrita manual, logo procuram reproduzir as características da escrita manual. Costumeiramente, possuem uma legibilidade complicada e sua utilização deve ser feita com cautela.

Fantasia
São tipos diversos, com diversas inspirações, padrões e características.
O objetivo desses tipos é um passar um forte impacto visual. São bem irregulares e vão de “8 à 80”: algumas possuem boa legibilidade enquanto que outras quase nenhuma legibilidade.
Normalmente funcionam melhor só em tamanhos grandes.

Gótica
É um tipo com características dos manuscritos antigos. Procuram reproduzir a escrita dos monges copistas da idade média (anterior à invenção da tipografia). Normalmente são mais densas e com baixa legibilidade.

Históricos
São tipos inspirados nas escritas greco romanas.
Também possuem muitas irregularidades e pouca legibilidade.

Estilos dos Tipos
Cor (tonalidade)
Diz respeito a espessura (ou o peso) dos tipos: light, thin, medium, roman, bold, black, etc.

Largura
Se refere à relação entre a base e altura da letra. Existem inúmeras famílias que já vem com essas variações. Evite “condensar” ou “expandir” um tipo por conta própria. Isso irá deformá-lo e prejudicará a sua estrutura.

Postura
Trata-se da inclinação do eixo central das letras. A postura básica dos caracteres é regular (como eixo central vertical).
Os caracteres regulares “inclinados” recebem o nome de “oblíquos”. O termo itálico é aplicado erradamente. Itálico diz respeito aos tipos cursivos.

E os caracteres inclinados (cursivos) recebem o nome de “itálico” ou “grifo”, em referência ao tipógrafo italiano do séc. XV, Francesco Griffo, percursor com o trabalho de tipos inclinados.

E agora veremos um pouco sobre composição tipográfica, mais especificamente sobre os alinhamentos e espaçamentos. Vamos conferir?
Kerning, Tracking e Leading
Kern
Trata-se do espaçamento entre os caracteres. Existem partes das letras que ultrapassam o bloco para permitir um encaixe com outras letras, para que não fiquem muito afastas e assim prejudicar o visual.

Kerning
É o processo de ajustar os espaços entre pares de caracteres, ou seja, somente em algumas letras.
O Kerning da fonte é definido pelo type designer quando está criando-a. Hoje em dia os softwares de computador também oferecem um opção de Kerning (óptico) definido para amenizar defeitos de fontes mal produzidas. Porém, quando esses kernings não atendem nossas necessidades é necessário ajustá-lo manualmente.

Tracking (espaçamento)
É o espaçamento entre letras e entre as palavras de todo um bloco de texto. Isso significa que alteramos o espaçamento de todo o conjunto de caracteres (palavra, frase, parágrafo) por inteiro.

O espaçamento entre as palavras deve ser consistente, para se evitar grandes espaços em brancos ou encavalamentos no texto, prejudicando o a leitura.
Leading (entrelinhas)
A entrelinha é o espaço entre duas linhas de texto.  A medida é a distância da linha de base de uma linha tipográfica para outra. Normalmente o leading automatizado está cerca de 20% a mais que o tamanho do tipo utilizado. Ex: tamanho 10pt leading 12pt.
Quanto mais aumentamos a entrelinha, mais aberto e leve se torna o bloco de texto e quanto mais diminuímos a entrelinha (entrelinha negativa) mais apertado se torna o texto.

Deve-se usar esse recurso com parcimônia. Devemos tomar cuidado para não aumentar muito, transformando os textos praticamente em “tópicos” ou estreitar demais fazendo com que as linhas das ascendentes e descentes se colidam tornando o texto um emaranhado de letras inelegíveis. Por via de regra, sempre os espaços das entre linhas serão maiores que o espaço entre as letras e o tamanho do tipo.
Alinhamento
Nada mais é que o posicionamento do texto em relação ao espaço e aos elementos contidos nele (no espaço).
Os tipos de alinhamentos básicos você já deve estar cansado de saber… Mas vamos recapitular: à esquerda, à direita, centralizado e justificado.
Cada um deles possui suas peculiaridades e suas vantagens e desvantagens, e para chegarmos ao um bom resultado devemos saber como usá-los.
À esquerda:
Nesse tipo de alinhamento o texto segue o nosso fluxo (no ocidente, da esquerda para a direita). As linhas dos textos tem diferentes tamanhos e são irregulares na sua margem, ou seja, à direita.

À direita:
Nesse tipo de alinhamento os textos são alinhados à direita e suas linhas tem diferentes tamanhos, sendo irregulares nas margens, ou seja, à esquerda. Isso acaba dificultando a legibilidade, pois força o olhar (estou falando no nosso caso ocidental, ok?) a “caçar” uma posição inicial.
Por isso ele é pouco usado em textos longos e é mais usual em trechos, notas, citações, etc.

Esses dois alinhamentos, à esquerda e à direita, normalmente exigem uma atenção maior do designer para conseguir ajustar de forma harmoniosa o desalinhamento das margens.  No caso do alinhamento à esquerda a margem direita e no alinhamento à direita a margem esquerda, sem utilizar muitos hifens e sem deixar aqueles “bicos de papagaios” no bloco de texto.
Centralizado
No centralizado as linhas de textos têm tamanho irregulares em ambos os lados.
É muito usado para se enfatizar uma frase, em títulos, convites de casamento, certificados, epitáfios, etc. Normalmente usa-se esse alinhamento quando se quer transmitir certa formalidade e elegância.
Como todos os alinhamentos, o centralizado tem que ser usado com sabedoria, pois o texto pode ficar tedioso para o leitor.

Justificado
Ele é o mais formal de todos. Suas linhas têm o mesmo comprimento, portanto cria-se margens “duras” ( ou uniformes) em ambos os lados. É muito utilizado em textos longos como jornais e livros. Quando bem aplicado o justificado aproveita o espaço de forma eficiente. Se mal aplicado pode produzir grandes espaços em brancos (“rios”) quando o tamanho do tipo é maior em relação ao tamanho da linha.
Utilizar a hifenização pode ajuda a quebrar palavras muito longas e assim manter o espaçamento harmonioso. Também pode-se fazer o uso do tracking para ajustar as linhas.

Outro ponto relevante que deve ser levado em conta é o tamanho das linhas. Ela serve para guiar o olho a seguir o texto, por isso seu tamanho deve ser harmonioso para que a leitura não se torne cansativa.
Uma boa tática a se usar na estruturação dos textos é usar o mínimo de sete palavras e no máximo dezenove palavras por linha. Claro que isso varia de acordo com as características da tipografia, do suporte e de cada projeto, logo não deve ser encarado como um dogma (que você vai para inferno caso não utilize), mas com certeza uma média entre sete e quatorze palavras por linha é bem útil na hora que você pensar na diagramação dos seus textos.
Assimétrico
Normalmente são usados quando quer transmitir a  mensagem através da forma do texto. É uma composição sem padrão nas linhas.
Capitular
É a ênfase que se dá a letra inicial no começo de um capítulo aumentando o tamanho do corpo dessa letra, a inicial, no parágrafo.

Indentação ou Entrada
Se refere ao espaço em branco, um “avanço do texto”, no início do parágrafo. Normalmente a indentação é à esquerda e na primeira linha do parágrafo.

Recuo
É praticamente o inverso da indentação. A primeira linha fica alinhada à esquerda enquanto que as demais linhas são alinhadas um pouco à direita.

E chegamos ao fim da segunda parte!
No próximo artigo irei concluir essa série de artigos sobre tipografia.
Agora já temos uma boa base sobre tipografia, mas veremos um pouco mais sobre composição tipográfica para saber como usar os tipos da melhor forma nos nosso projetos.
Antes de me despedir, vou deixar para você uma vídeo-aula que gravei para meu curso tempos atrás sobre tipografia. A playlist inteira, com todos os vídeos sobre tipografia, está no canal do Chief no Youtube.

E você gosta de tipografia?  Está gostando da série?  Tem alguma coisa a acrescentar?
Você pode deixar seu comentário abaixo.
Até mais.
Forte Abraço.
Confira a primeira parte aqui  → https://www.chiefofdesign.com.br/tipografia
Confira a terceira parte aqui  →https://www.chiefofdesign.com.br/tipografia-03/

Referências:
Livro Elementos Do Estilo Tipográfico – Robert Bringhurst
Livro Pensar com Tipos – Ellen lupton
http://www.woww.com.br/2008/08/espacejamento-entrelinhamento-e.html
http://tudibao.com.br/2010/07/o-que-e-kerning-e-traking-em-um-texto.html
http://www.academia.edu/557631/Um_panorama_das_classificacoes
_tipograficas_An_overview_of_typeface_classifications
The post Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 02] appeared first on Chief of Design.

Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 02]
Fonte: Chef of Design

Qual é a melhor Tipografia? Como escolher a fonte certa?

Qual é a melhor Tipografia? Como escolher a fonte certa?

Eae, tudo bele?
Você sabe qual é a melhor tipografia? Qual é aquela fonte ideal para o seu projeto de design?
Pois bem, eu trago este conteúdo para falar um pouco sobre isso. Escolher uma família tipográfica nem sempre é uma tarefa fácil, por mais incrível que possa parecer, pois hoje em dia temos tantas opções.
Talvez esse número grande de opções que por um lado nos dá um mar de possibilidades, por outro abre um leque de dúvidas.
A questão sobre “Qual é a melhor tipografia” é muito relativo, porque qualquer fonte pode ser a melhor para um determinado projeto. Antes de pensar em sair caçando fonte na internet e baixando tudo o que vê pela frente, você deve entender o projeto, quais seus objetivos de comunicação e principalmente qual “voz” ele precisa ou deseja transmitir.
E sim, você não leu errado! Eu disse voz do projeto. A seguir vamos entender do que se trata, pois se trata de uma parte importante quando a questão é “qual é a melhor tipografia?”.
Também é importante lembrar que é preciso levar em conta várias questões técnicas como legibilidade, leiturabilidade, se é uma tipografia feita para ver ou para ler, entre outras questões.
Eu falo sobre tudo isso em uma série de artigos sobre tipografia que temos no Chief of Design. Você pode conferir nos links abaixo:

Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 01]

Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 02]

Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 03]


Então vamos começar a fala sobre qual é a melhor tipografia. Antes de tudo, primeiro, vamos entender o que é tipografia. Vamos nessa?
Mas afinal…O que é tipografia?
Tipografia: Do grego typos = forma e graphein = escrita.
É a mecanização da escrita feita através da tecnologia para a reprodução de textos em série.
Tipografia também é o termo usado para definir o estudo dos tipos (apesar de algumas pessoas usarem bastante também o termo tipologia).
Quando falamos de tipografia no design, estamos falando do estudo da aplicação dos tipos em um layout.
Existem vários pontos a serem estudados, desde técnicos até psicológicos e emocionais.
A tipografia é com certeza um dos elementos mais importantes da mídia impressa e também digital. Talvez seja o principal elemento quando estamos falando do Design Visual.
Em 2006, o designer Oliver Reichenstein criou um artigo onde dizia que a 95% do Web Design era composto por tipografia. Eu não posso afirmar com 100% de certeza que realmente a tipografia corresponde a tal número, mas com certeza desde muito antes desse artigo a tipografia já era rei de peças do design visual.
Por isso escolher uma família tipográfica não é, em muitas vezes, um caso simples de definir. poder qualificada apenas como aglomerado de letras. A sua escolha e aplicação deve ser pensada a fim de atingir o objetivo de comunicação.
Escolher e utilizar a tipografia da maneira certa pode fazer a total diferença entre um projeto bem sucedido de um trabalho que irá para o limbo.
A seguir vou te passar algumas dicas de tipografia. Mas não irei a fundo em outros temas que envolvem o mundo da tipografia, pois já falei sobre eles em outros conteúdos.
Aqui no Chief of Design nos temos muito conteúdo sobre isso e também temos uma playlist exclusiva sobre o assunto em nosso canal no Youtube.
Mas voltando ao assunto, um desses pontos, que citei anteriormente, e que tem extrema importância é descobrir qual é a voz do seu projeto. Então a seguir vamos entender do que se trata.
Qual é a “A Voz” do seu projeto?
Em um projeto devemos considerar todos os aspectos: desde técnicos até os psicológicos e socioculturais que trataremos.
E sobre a tipografia a primeira coisa que devemos levar em conta para escolher uma família tipográfica é escolher “qual a voz que queremos transmitir”.
E aí, como de de costume, você me pergunta: David? Como assim? Voz do que?
A tipografia é feita para comunicar, logo ela é a voz da sua comunicação. Compreendes?
Irei exemplificar:
Imagine que você chega em casa e no espelho do banheiro está escrito com batom a seguinte mensagem:

Agora pegamos a mesma mensagem e colocamos com uma tipografia um pouco diferente, veja o resultado.

Agora eu te pergunto: qual voz de cada mensagem?
Aposto que na primeira opção pensou em se tratar de uma mensagem de uma pessoa apaixonada e que transmite afeto. Pode ser uma mensagem de uma namorada, esposa ou até de um admirador secreto. Correto?
Porém, já no segundo caso, aposto que você interpretou com uma mensagem de terror, como se fosse um psicopata maluco ameaçando alguém. Certo? E mesmo que a pessoa , que escreveu o texto, tenha também um sentimento afetivo por ti, eu duvido que você vá querer algo com uma pessoa assim, né?
E eu não preciso ser “adivinho” ou mágico para saber o que você pensou. Simplesmente a voz que cada família tipográfica transmite me diz o que você achou de cada mensagem, mesmo que em ambos os casos utilizamos o mesmo conteúdo.
E isso é muito doido: utilizamos o mesmo conteúdo, no mesmo fundo, com mesma cor e mesmo assim a mensagem muda completamente do exemplo A para o exemplo B.
Agora você consegue compreender quando falo sobre a “voz do projeto”?
Então, pense nisso antes de escolher uma fonte. “Qual voz você quer transmitir?”
Esse é um dos caminhos para chegar na resposta da pergunta inicial que é sobre qual é a melhor tipografia para você utilizar.
Qual é a melhor Tipografia?
Essa questão é bem recorrente entre o pessoal que segue o Chief e entre os designers de uma forma em geral. Por isso decidi falar sobre.
Abaixo segue o vídeo que gravei para falar sobre esse tema. Nele falo sobre como você pode escolher a melhor tipografia para o seu design. Assista e confira:

Então é isso, Galucho! Se você gostou desse vídeo deixe o seu like e compartilhe com seus amigos que tiverem interesse
Espero que esse vídeo tenha sido útil para você e que você estude mais sobre tipografia. Só assim, com estudos, testes e trabalho, que você encontrará a tipografia ideal para o seu projeto.
E não esqueça de se inscrever em nosso canal no Youtube [CLIQUE AQUI ]
Deixe a sua opinião, dúvida e experiência nos comentários aqui abaixo, bele?
Até mais.
Forte abraço.
Até mais.
The post Qual é a melhor Tipografia? Como escolher a fonte certa? appeared first on Chief of Design.

Qual é a melhor Tipografia? Como escolher a fonte certa?
Fonte: Chef of Design

Livro Pensar com Tipos – Desconto de 25%

Livro Pensar com Tipos – Desconto de 25%

Eae, tudo bele? Hoje venho falar de um livro muito conhecido por quem trabalha com comunicação visual.
Venho trazer o review do livro Pensar com Tipos da Ellen Lupton.
Esse livro ajudou a construção dos artigos Guia Sobre tipografia aqui do Chief of Design e que é um dos artigos mais visitados do blog. Com certeza ele é uma das grandes referências quando o assunto é tipografia e sua utilização. A editora GG Brasil me disponibilizou o livro além de um desconto para você possa adquiri-lo.
Livro Pensar com Tipos da Ellen Lupton
A primeira coisa que notamos no livro é o avisa existente na capa e contra capa, que faz questão de ressaltar que “não se trata de um livro sobre tipos e sim sobre como usá-los”. Esses avisos, que fazem parte da composição e design da capa do livro, parecem que fazem questão de ressaltar o que o p´próprio título já diz, que é “Pensar” com tipos. E realmente se trata disso. O livro não ensina você a construir uma fonte ou uma família tipográfica. O objetivo dele é apresentar a tipografia e suas mais diversas formas de utilizá-la.
E como a autora define no subtítulo, trata-se de um “Guia para designers, escritores, editores e estudantes”. Esse guia apresenta através de exemplos, e de exercícios práticos para você realizar, todo o seu conteúdo como utilizar a tipografia da melhor maneira em seus projetos.
Para isso ele começa “do começo”, contextualizando sobre a história e a evolução da escrita e tipografia, passando pela anatomia dos tipos, falando o que é kerning, entrelinha, versalete, altura e tamanhos dos tipos, pontuação, etc; até a classificação das famílias tipográficas.

O livro Pensar com Tipos nos apresenta também outros elementos do mundo tipografia como lettering, ornamentos,a tipografia em logotipos e no design. Sempre utilizando de exemplos para melhor assimilação. E por ser uma nova edição podemos ver dentro do livro exemplo tópicos e exemplos sobre a tipografia no digital e na web. Em alguns pontos podemos ver até exemplos utilizando HTML.
E apesar de ser um livro aparentemente pequeno (com 223 páginas) ainda cabe mais conteúdo. É impressionante o tanto de conteúdo dentro dele. Além de toda essa base sobre tipografia ele ainda passa por tópicos como hierarquia, grids, proporção áurea, utilização de letras maiúsculas, listas entre outros. O livro consegue abordar desde questões técnicas e teóricas de design ( sim, você também aprende sobre grid com o livro) até questões culturais que devem ser levadas em conta quando estamos lidando com design tipográfico.
Vale a pena adquirir o Livro Pensar com Tipos?
Sim, e muito. Esse livro é direto e reto quando o assunto é tipografia. Fala de forma claro e consegue passar por todos os aspectos importantes relativos a tipografia. A Ellen Lupton fez um trabalho fenomenal no livro e por isso ele é uma grande referência sobre tipografia e está em qualquer lista de livros que um Designer deveria ler. O Pensar com Tipos vale o investimento independente do seu nível na área de comunicação visual ou do seu conhecimento em tipografia.
Se você for uma principiante ele te dará uma ótima base sobre tipografia, por outro lado se você tiver conhecimentos avançados sobre o assunto, o livro pode te passar uma nova visão sobre determinados pontos além de ser um guia que você sempre poderá consultar quando quiser reforçar algum conhecimento.
Caso tenha gostado e tem interesse pelo livro, você pode adquiri-lo com desconto.. E eu não sei quando estará lendo este artigo, mas saiba que esse livro é muito procurado e por isso as vezes é difícil encontrá-lo. Então caso tenha interesse aproveita essa nova edição que a editora GG Brasil acabou de lançar.
Para isso basta se cadastrar neste no site da Editora utilizando este link (CLIQUEI AQUI)
Se você já tiver cadastro no site, não vai conseguir visualizar o desconto. Mas para isso existem duas soluções:

Se você já tem cadastro, envia uma mensagem via chat solicitando a ativação do desconto.

Cadastra um novo e-mail através do link.

Deixei seu cometário abaixo sobre a sua experiência com o Livro. Vc já leu o Pensar com tipos? Gostou? Fala aí!
Forte Abraço
Até mais.
The post Livro Pensar com Tipos – Desconto de 25% appeared first on Chief of Design.

Livro Pensar com Tipos – Desconto de 25%
Fonte: Chef of Design

Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 01]

Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 01]

Eae. Td Bele?
Um projeto de design, como você já deve saber, engloba várias coisas, e uma das mais importantes é a escolha tipográfica. Independente se o seu projeto é digital ou impresso a tipografia será a “voz” dele. Por isso ela deve ser coerente com o objetivo de comunicação do mesmo.
A escolha certa da tipografia em um trabalho pode fazer toda a diferença.
Mas antes de escolher aquela “fonte” legal, cheia de curvas e linhas, você precisa saber o que é tipografia. Precisa saber como ela funciona, quais são os tipos, quais elementos compõem esses tipos, como usá-la da melhor maneira, etc.
Então, Galucho, para resolver isso, e para você parar de escolher “tal fonte” só porque é bonitinha, o Chief traz para você esse Guia sobre Tipografia.
Esse assunto é pouco extenso e por vezes um pouquinho complexo, por isso eu decidi criar uma série de artigos sobre ele. Pretendo passar por praticamente todos os tópicos que envolvem a tipografia.
Bele? Preparado?
Então, vamos começar a desvendar esse mundo da tipografia!
O que você verá nesse artigo?

O que é tipografia 
A história da tipografia
O que é fonte, glifo e família tipográfica
A anatomia dos tipos
A caixa de tipos
As unidades de medidas

O que é Tipografia
Tipografia: Do grego typos = forma  e graphein = escrita.
É a mecanização da escrita feita através da tecnologia para a reprodução de textos em série.
Tipografia também é o termo usado para definir o estudo dos tipos (apesar de algumas pessoas usarem bastante também o termo tipologia).
Mas antes de tudo … Vamos voltar um pouco na história…
Começo da escrita
O Homem desde os primórdios sempre buscou meios de se comunicar e se expressar em relação ao mundo e aos seus pares. Portanto, bem antes do início da escrita o Homem já se comunicava através de sons, cantos, gestos, desenhos, pinturas, danças, esculturas…
Após o desenvolvimento da fala, e obviamente da comunicação oral, surgiu a necessidade de criar registros, de preservar e repassar a memória, etc.
E a consequência dessa necessidade foi a invenção da escrita.
“O surgimento da escrita é um marco importante na história do mundo por demarcar a separação entre a história e a pré-história iniciando o registro dos acontecimentos.”
A escrita é o sistema que utiliza signos para expressar graficamente em um suporte o pensamento humano.
“A assimilação e interiorização da tecnologia do alfabeto fonético translada o homem do mundo mágico da audição para o mundo neutro da visão.” Marshall McLuhan, A galáxia de Gutenberg, 1972”
A escrita, esse sistema de registro através desses signos, existe a cerca de 3.000 ac e passou por várias fases e evoluções. Não vou adentrar na história, até porque ficaria muito extenso este artigo, mas é muito válido que você pesquise sobre a história da escrita.
O surgimento da tipografia
Os chineses (tinha que ser os asiáticos hehe) foram os primeiros a criar um sistema de tipografia, muito antes do Gutemberg (veremos mais adiante). O inventor foi Pi Shêng por volta do ano 1040 dc. Os tipos eram feitos em argila cozida, madeira e até bronze, e eram dispostos numa tábua, a huóban (tábua viva).
“Shên Kua, contemporâneo do inventor, relatou a produção de milhares de cópias, mas não é específico se foram em forma de rolos ou livros. Essas obras impressas eram o que ele chamava de Os cinco Clássicos.”
Mas o grande inventor da tipografia, feita através da prensa com tipos em metal, foi Johann Gutemberg no ano de 1450.
“Nascido na Mangucia, atual Mainz, Alemanha, ele Trabalhou na Casa da Moeda com a técnica de fundir metais e cunhar moedas, o que favoreceu a criação da liga de chumbo com a qual ele passou a preparar as letras para montar os tipos móveis em metal. Gutemberg e a Imprensa A Imprensa A História do Livro e da Editoração”
A invenção de Gutemberg possibilitou a reprodução em série dos textos. No século XV, em 1456, ele imprimiu a “Bíblia de 42 linhas”, o primeiro livro impresso e a primeira comprovação da eficiência da tipografia. Composto por 642 páginas ela teve uma tiragem que de aproximadamente 200 exemplares. Com isso Gutemberg também tornou mais acessível os livros e a cultura, tirando o monopólio dos mosteiros e abadias responsáveis pelos manuscritos (livros escritos à mão).
Então, agora que já sabemos as origens vamos entender como funcionam as coisas… Vem comigo!
O que é fonte, letra e família tipográfica
Glifos (letras, caracteres):
São signos alfabéticos projetados para reprodução mecânica.

Família tipográfica:
É o conjunto de caracteres que possuem as mesmas características de desenho independentemente das suas variações (peso, inclinação, corpo).

Fonte:
É conjunto de glifos que compõem uma família tipográfica. O termo também é utilizado para designar os arquivos de fonte digitais, ou seja, uma coleção de glifos digitais em forma de arquivos para serem utilizados em computadores.

Anatomia dos tipos:
Os tipos são compostos por um conjunto de elementos:bojo, haste, barra, perna, serifa, oco, cauda, terminal, ombro, vértice, ligação, orelha, gancho, junção, espora, incisão, abertura, espinha e braço. Confira a imagem a seguir para ver cada parte da anatomia.

Ao menos que você seja um tipógrafo, você não precisa decorar cada parte que compõe a lera, mas é interessante você saber principalmente se for lidar com alguma ilustração do tipo lettering.
Ligaduras:
São as conexões de dois ou mais caracteres. Em português, a mais funcional é a FI, mas existem várias ligaduras (st, ae, oe, ff, ij, etc). Ela pode ajudar na legibilidade e estética da palavra.

Como ou sem serifa:
A Serifa  é o elemento, da anatomia dos tipos, que você vai mais ouvir falar. É o mais importante e o que você DEVE conhecer obrigatoriamente.
Existem tipos com e sem serifa (ou sans-serif, do francês) e a classificação dos tipos, em serifados e sem serifa, é a principal forma de diferenciação das letras.
Serifas são os pequenos traços, ou prolongamentos, que existem no final das hastes dos glifos.

Nos próximos artigos falaremos bem mais sobre essa diferenciação.
Mas de antemão saiba que os tipos serifados são os mais adequados para  as caixas de textos “corrido” em trabalhos gráficos (em livros, por exemplo), pois a serifa tem a função de auxiliar a leitura, proporcionando continuidade para o texto e tornando-o menos cansativo para os olhos.
Enquanto que os tipos sem serifa são mais indicados para títulos, chamadas e também para textos em geral  nas aplicações digitais (em websites, por exemplo), pois as serifas acabam se tornando “borrões” no digital, prejudicando, assim, a leitura e o entendimento. Mas isso não é uma regra, ainda mais em tempos de telas de retinas, por isso o bom senso deve sempre prevalecer.
Corpo:
O corpo é o tamanho do tipo que começa do ponto mais alto (versal ou ascendente) até o ponto mais baixo (descendente).

Ascendentes:
É a parte das letras b, d, f, k, h, l e t que se estendem acima da altura de x.
Descendentes:
É a parte das letras g, j, p, q, y e por vezes a letra J (caixa alta), que se estendem abaixo da altura de x.

EIXOS:
É a angulação do traço. Diz respeito ao eixo de inclinação principalmente das letras b, c, e, g, o, p e q.
Eixo humanista: é o eixo oblíquo e que condiz com a inclinação da escrita manual.
Eixo racionalista: é o eixo vertical. Condiz com as formas neoclássicas e românticas ↓.

Caixa de tipos:
As letras possuem três tipos de tamanhos: caixa baixa, caixa alta e versalete.
Caixa baixa:
É o conjunto de caracteres em letras minúsculas.

Caixa Alta (capitais ou versais):
É o conjunto de caracteres em letras maiúsculas.

Caixa alta e baixa derivam da organização dos tipos em caixas de madeira sobre um cavalete, nas oficinas tipográficas, onde as letras maiúsculas ficavam na parte superior (caixa alta) e as as minúsculas na inferior (caixa baixa), já que eram mais utilizadas e assim era mais fácil de pegá-las.
Versalete (small caps):
É o conjunto de caracteres em letras maiúsculas com a altura de minúsculas (altura de x).

Algarismos:
Os algarismos (ou numerais) também são classificados em 3 grupos: old style, lining e small caps.
Old style:
São os numerais alinhados pelo texto. Por isso eles ultrapassam a linha de x  e, consequentemente, possuem ascendentes e descendentes.

Lining:
São os numerais com o mesmo tamanho de uma versal (caixa alta) e não possuem ascendentes e descendentes.

Small Caps:
São os numerais com o mesmo tamanho de uma versalete e não possuem ascendentes e descendentes.

Unidades de medidas
As unidades de medidas servem para determinar desde o tamanho do corpo, o tamanho dos caracteres até o tamanho das entrelinhas.
Basicamente as medidas “primárias” (irei chamá-las assim) são: o ponto, o cícero e a paica. Hoje em dia, graças ao digital, temos outras como:  milímetros (mm),  pixel (px), etc.
Por ora, e por questão mais de conhecimento, falaremos das primeiras: o Ponto, a Paica (em inglês pica) usado na Inglaterra e nos países de língua inglesa, e o Cícero empregado na Europa continental.
Ponto: é a medida tipográfica estabelecida pelo francês Francisco Ambrósio Didot. Um ponto equivale aproximadamente de 0,376mm. (ou 2,6 pontos = 1 mm).
Cícero: também é uma medida do sistema Didot e que corresponde a 12 pontos.
Paica (pica): é uma unidade de medida anglo-saxão usada na Inglaterra e nos países de língua inglesa. Corresponde 1/6 polegada.
Divide-se ambas medidas (Cícero e Paica) em 12 partes. E existe uma diferença pequena entre os tamanhos, sendo a paica um pouco menor que o cícero. Veja a seguir:
1 paica (4,22 mm) = 12 pontos (Inglaterra).
1 cícero (4,52 mm) = 12 pontos (Europa Continental).
Abaixo mais alguns números:

Antes da era digital era preciso conhecer bem sobre essas medidas porquê tudo se fazia com a régua, na mão, com cálculos… Hoje em dia não existe mais tal preocupação, porque o próprio software se encarrega de fazer isso.
E como a maioria dos softwares são oriundos dos USA, logo o sistema por padrão é o Paica, usando a polegada como referência, ou seja, 1/6 de polegada (4,23 mm).
Quadratim (ou eme):
Outro tipo de medida é o espaço tipográfico derivado da letra M em caixa alta. Dividindo a largura da letra “M” em 18 unidades, essa unidade de medida é usada, principalmente, para determinar os espaços horizontais e endentações.

E isso só foi o começo…
Para não ficar muito extenso e cansativo vou parar por aqui essa primeira parte da série de artigos sobre tipografia.
Nos próximos artigos continuaremos a destrinchar esse mundo da tipografia para realmente termos uma boa base para escolhermos a fonte certa para os nossos projetos, bele?
E você gosta de tipografia? Trabalha com tipografia? Sabe como usá-la corretamente?
Quem sabe você gostaria de compartilhar conosco a sua experiência com os “tipos”.
Até mais.
Forte Abraço.
Confira a segunda parte aqui  → http://www.chiefofdesign.com.br/guia-tipografia-parte-02/
Confira a terceira parte aqui  →http://www.chiefofdesign.com.br/guia-tipografia-parte-03/
Referências:
Livro Elementos Do Estilo Tipográfico – Robert Bringhurst
Livro Pensar com Tipos – Ellen lupton
Anatomia do tipo
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_escrita
http://www.museutec.org.br/linhadotempo/inventores/johann_gutemberg.htm
http://tipografos.net/glossario/anatomia.html
http://www.artigonal.com/ciencia-artigos/a-origem-do-livro-1542468.html

Glossário – Para ajudar os aprendizes de Chief

Neoclassicismo e Romantismo ↑
São movimentos artísticos.
O Neoclassicismo corresponde às últimas décadas do século XVIII e início do século XIX.  E chama-se assim, porque os artistas retomaram os princípios e valores da arte da Antiguidade grego-romana. Teve nomes como  os arquitetos
Jacques Germain Souflot, Karl Gotthard Langhans e o pintor Jacques-Louis David.

O Romantismo contempla as últimas décadas do século XVIII e grande parte do século XIX. O Romantismo foi uma reação ao movimento anterior (Neoclassicismo) buscando se libertar das convenções acadêmicas do neoclassicismo valorizando principalmente os sentimentos, o nacionalismo, a natureza e  a imaginação .
Teve nomes como os pintores Goya, Delacroix e Tuner.

RECEBA MAIS ARTIGOS POR EMAIL!Fique atualizado das novas postagens do Chief direto no seu email!

The post Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 01] appeared first on Chief of Design.

Tipografia: Guia Sobre Tipos – Escolhendo a fonte certa [parte 01]
Fonte: Chef of Design