Category: Europa

Microsoft e Apple se afastam de conselho da OpenAI para evitar problemas

Microsoft e Apple se afastam de conselho da OpenAI para evitar problemas

OpenAI recebeu investimentos da Microsoft e fechou parceria com a Apple (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A Microsoft deixou seu assento de observadora no conselho da OpenAI, posto que obteve em novembro de 2023, e a Apple recusou posição semelhante, que faria parte do acordo para colocar o ChatGPT nos iPhones. Segundo o Financial Times, o motivo do movimento é o crescente escrutínio de governos em todo o mundo sobre os investimentos de gigantes da tecnologia em startups de inteligência artificial.

A União Europeia e o Reino Unido, por exemplo, investigam a relação entre a Microsoft e a OpenAI: elas querem saber se a gigante de Redmond é dona ou exerce controle da desenvolvedora do ChatGPT. A Microsoft investiu mais de US$ 13 bilhões e tem direito a parte dos lucros da OpenAI, até um certo limite. Em seu site, a startup de IA diz ser totalmente independente e comandada pela OpenAI Nonprofit, organização sem fins lucrativos.

Tecnologias da OpenAI ajudaram a impulsionar ferramentas de IA da Microsoft (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Já a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês) está examinado os investimentos feitos por Microsoft, Amazon e Google. Uma fonte ligada ao FTC disse ao Financial Times que a saída do conselho não deve resolver as preocupações da agência.

OpenAI fará reuniões com quem não está no conselho

Em uma carta escrita pelo conselheiro Keith Dolliver, a Microsoft diz que o assento de observadora no conselho da OpenAI não é mais necessário, já que a empresa viu “progresso significativo do novo conselho e está confiante nos rumos da companhia”.

A empresa comandada por Satya Nadella tinha esta posição desde novembro de 2023, quando Sam Altman, CEO e cofundador da OpenAI, foi demitido abruptamente e readmitido em um intervalo de menos de duas semanas.

Já o posto de observadora da Apple seria ocupado por Phil Schiller, líder da App Store e dos eventos, de acordo com informações publicadas pela Bloomberg na semana passada. Agora, de acordo com o Financial Times, isso não vai mais acontecer.

Segundo o jornal, apesar deste afastamento, o contato permanecerá: a OpenAI fará reuniões regulares com Microsoft e Apple, além de investidores como Thrive Capital e Khosla Ventures.

Com informações: Financial Times
Microsoft e Apple se afastam de conselho da OpenAI para evitar problemas

Microsoft e Apple se afastam de conselho da OpenAI para evitar problemas
Fonte: Tecnoblog

Vision Pro chega a mais oito países, mas Brasil fica fora da lista

Vision Pro chega a mais oito países, mas Brasil fica fora da lista

Apple Vision Pro na sede da Apple nos Estados Unidos (Imagem: Thássius Veloso / Tecnoblog)

A Apple vai vender o headset Vision Pro em mais oito países. Ele chega a Japão, China e Singapura em 28 de junho (com pré-venda a partir do dia 13 de junho) e a Reino Unido, Austrália, Canadá, França e Alemanha em 12 de julho (com pré-venda a partir de 28 de junho). Por enquanto, nada de lançamento oficial no Brasil.

A expansão foi anunciada na abertura da WWDC 2024, conferência da Apple voltada a desenvolvedores. A empresa também apresentou sua aguardada inteligência artificial, chamada Apple Intelligence, o iOS 18 com recursos para trancar e esconder apps e o macOS Sequoia com espelhamento da tela e de notificações do iPhone, entre outras novidades.

Tela virtual ultrawide é uma das novidades do visionOS 2 (Imagem: Divulgação / Apple)

O Vision Pro foi lançado na WWDC 2023 e chegou às lojas em fevereiro de 2024, com preços que vão de US$ 3.499 a US$ 3.899 (cerca de R$ 18,7 mil a R$ 20,9 mil, em conversão direta). No entanto, ele era exclusivo para o mercado dos Estados Unidos.

visionOS 2 tem tela virtual maior e vídeo imersivo

Além de vendas em mais países, a Apple também apresentou o visionOS 2, nova versão do sistema operacional do headset de computação espacial, como a Apple gosta de chamar. A atualização traz diversas novidades.

O usuário poderá fazer um gesto de pinça para abrir a visualização inicial; ao girar a mão, o dispositivo mostra hora e bateria, e ao repetir o gesto de pinça, abre a Central de Controle.

Tela virtual ultrawide para o Mac, equivalente a dois monitores 4K, além contar com suporte a um mouse físico.

Suporte a até cinco transmissões esportivas simultâneas via Apple TV.

Suporte a AirPlay de conteúdo do iPhone, iPad ou Mac.

APIs para apps imersivos e jogos de tabuleiro.

Novo formato de vídeo imersivo, com resolução 8K, campo de visão de 180 graus e Áudio Espacial.

Suporte a trens no Modo Viagem, para poder usar o aparelho durante o transporte do dia a dia.

O visionOS 2 está disponível em preview para desenvolvedores, mas não há previsão de lançamento.

Confira o resumo da abertura da WWDC 2024 no vídeo abaixo

Ver essa foto no Instagram Uma publicação compartilhada por Tecnoblog (@tecnoblog)

Com informações: Apple
Vision Pro chega a mais oito países, mas Brasil fica fora da lista

Vision Pro chega a mais oito países, mas Brasil fica fora da lista
Fonte: Tecnoblog

Pequenos navegadores crescem na Europa

Pequenos navegadores crescem na Europa

Vivaldi é um dos navegadores que relata o crescimento de usuários na União Europeia (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Semanas após entrar em vigor, a Lei dos Mercados Digitais (DMA) da União Europeia está mostrando resultado no mercado de navegadores. Browsers menos populares, como o DuckDuckGo, Ecosia, Vivaldi e Aloha relatam que o número de seus usuários está aumentando nos países membros do bloco econômico. E isso aparentar estar ligado com o recurso de escolher o navegador padrão no iPhone e celulares Android.

A DMA institui diretrizes que visam reduzir a força das big techs em forçar seus serviços para os usuários. Uma das soluções apresentadas pela legislação é que as fabricantes de smartphones facilitem a escolha do navegador padrão. No caso do iOS, o usuário recebe uma tela listando, em ordem aleatória, diferentes browsers.

Nova tela do iOS para escolha do navegador padrão. Listagem de browsers é aleatória (Imagem: Reprodução/Brave)

Navegadores poucos conhecidos ganham espaço na UE

Além do Opera e Brave, navegadores que possuem uma certa fama no Brasil, browsers menores, como o DuckDuckGo, Ecosia, Vivaldi e Aloha estão relatando o aumento de instalações em celulares na União Europeia.

Em resposta para a Reuters, o navegador Aloha relatou que o número de usuários cresceu 250% em março. A empresa relata que possui 10 milhões de usuários ativos, mas essa informação não explica se isso era antes ou depois desse salto de crescimento. Assim como o seu rival Vivaldi, o Aloha se vende como um produto focado em privacidade.

O CEO do navegador Aloha, Andrew Frost Moroz, explica que a Europa saltou de quarto para segundo maior mercado da empresa. Bélgica e França lideram o ranking de países com mais novos usuários.

Talvez desconhecido para muitos, o Ecosia, criado na Alemanha, é também um buscador. Sua proposta é usar parte do dinheiro da publicidade para plantar árvores. O navegador alemão, assim como o Vivaldi, DuckDuckGo e Brave, relatam que as instalações estão subindo nas últimas semanas — e talvez isso seja só o começo.

Brave e Opera apresentaram crescimento nas últimas semanas, mas instalações podem seguir crescendo (Imagem: Denny Müller/Unsplash)

Apple e Google segurando atualização?

Segundo a Mozilla, dona do navegador Firefox, apenas 19% dos usuários de iPhone na UE receberam o update que mostra a tela para escolher o navegador padrão. Além disso, a tela só aparece quando se clica no navegador Safari, de propriedade da Apple. O DuckDuckGo também destaca que a aceleração do update pode ampliar o número de instalações.

O Google, assim como a Apple, é acusado pelos navegadores de atrasar o envio da atualização com a função de escolher o navegador padrão. A big tech do buscador mostra essa tela apenas nos Pixels, que têm uma fatia de mercado muito inferior ao iPhone.

Por isso, o crescimento desses navegadores no Android pode ser maior quando as fabricantes que utilizam o sistema operacional do Google, como Samsung e Xiaomi, liberarem a tela de escolha de browser padrão em suas interfaces.

E sim, essas reclamações não passaram batidas pela União Europeia. O bloco já anunciou que está investigando se as big techs estão cumprindo a legislação.  

Com informações: ReadWrite e Reuters
Pequenos navegadores crescem na Europa

Pequenos navegadores crescem na Europa
Fonte: Tecnoblog

Epic recupera conta na App Store europeia e Fortnite voltará ao iPhone

Epic recupera conta na App Store europeia e Fortnite voltará ao iPhone

App Store da Apple (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A Apple restaurou a conta de desenvolvedor da Epic Games na Europa, o que permitirá que a publisher de jogos libere o Fortnite e outros games no iOS — mas só nos países que integram a União Europeia (UE). A recuperação da conta de desenvolvedor acontece dois dias depois da Epic Games ter a conta removida pela Apple. Agora, a empresa de games seguirá o plano de lançar sua própria loja no iOS.

Em outro efeito desta medida, a UE deve interromper a coleta de informações sobre o caso, uma ação que antecede uma investigação formal de violações da Lei de Mercados Digitais (DMA), que tem entre seus objetivos combater práticas anticompetitivas em plataformas digitais. O bloco econômico divulgou na quarta-feira que estava colhendo informações acerca dos motivos que levaram a Apple a excluir a conta da Epic Games.

Apple chiou, mas fechou acordo

Apple justificou decisão da justiça americana, mas reverteu banimento em acordo com a Epic (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Em nota, a Apple explicou que autorizou o retorno da Epic após esta concordar com suas regras e políticas baseadas na DMA. A big tech não explica quais são essas regras, mas podemos supor que se trata da comissão de venda para lojas de terceiros.

Mesmo liberando a loja de aplicativos de terceiros no iOS, obrigada pela DMA, a Apple cobrará uma taxa de 0,50 Euros (R$ 2,70) por download de apps com mais de 1 milhão de atualização por aplicativos instalados por essas lojas — o que gerou críticas do Spotify e da própria Epic Games.

Na quarta-feira, ao defender a exclusão da conta da Epic, a Apple relembrou que a justiça americana a autorizou a banir a empresa. A big tech apontou que a empresa de jogos violou as políticas de desenvolvedores. A Apple diz que liberou após conversar com a Epic e esta concordar com as regras, mas os bastidores podem envolver o medo de uma nova multa bilionária — jamais saberemos.

Com informações: TechCrunch e The Verge
Epic recupera conta na App Store europeia e Fortnite voltará ao iPhone

Epic recupera conta na App Store europeia e Fortnite voltará ao iPhone
Fonte: Tecnoblog

Edge, Bing e iMessage “escapam” de novas leis da União Europeia

Edge, Bing e iMessage “escapam” de novas leis da União Europeia

Bing não estará sujeito às mesmas regras que a busca do Google (Imagem: Divulgação/Microsoft)

A União Europeia decidiu que o Edge e o Bing, ambos da Microsoft, bem como o iMessage, da Apple, não precisam seguir as regras da Lei de Mercados Digitais (DMA, na sigla em inglês). O bloco considerou que estes serviços não se enquadram na classificação de “gatekeepers”.

A DMA da União Europeia é uma legislação que visa impedir que as gigantes da tecnologia favoreçam seus próprios serviços e sufoquem a concorrência. Para isso, ela tem critérios para considerar aplicativos, lojas e plataformas como “gatekeepers” (ou “controladores de acesso”), isto é, serviços essenciais para acessar mercados digitais. Se uma plataforma não é relevante o suficiente, ela fica isenta das regras.

iMessage não vai precisar “conversar” com outros apps (imagem: Rodnae Productions / Pexels)

A melhor forma de entender a importância dessa decisão para Apple e Microsoft é entender o que os concorrentes terão que fazer para cumprir o que manda a União Europeia. Com a decisão de hoje, o iMessage não será obrigado a seguir a interoperabilidade entre aplicativos de mensagem. O WhatsApp e o Messenger, ambos da Meta, vão precisar adotar este recurso, por exemplo.

Outro caso é a busca do Google. Em certas pesquisas, como produtos e hotéis, a empresa vai colocar áreas dedicadas a sites de comparação desses setores, como forma de não favorecer seus próprios serviços do tipo. Já o Chrome precisará perguntar para o usuário qual o buscador padrão desejado. Bing e Edge não vão precisar fazer nada disso.

Google não vai poder destacar seus serviços de hotéis e passagens aéreas (Imagem: Nathana Rebouças / Unsplash)

Além de iMessage, Bing e Edge, o serviço de venda e exibição de anúncios da Microsoft também não foi classificado como “controlador de acesso” e poderá continuar operando normalmente.

DMA vale para iOS e Windows

Como a União Europeia analisou cada produto e serviço individualmente, Apple e Microsoft precisarão fazer mudanças em outras partes de seus negócios.

iPhone finalmente poderá receber apps por fora da App Store (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O caso da Apple foi bem marcante, já que ela foi obrigada a fazer grandes mudanças no iOS, como liberar a instalação direta de apps (conhecida como sideloading). Isso só vai valer para usuários da União Europeia.

Já a Microsoft vai liberar que alguns aplicativos que vêm com o Windows sejam desinstalados e permitir que desenvolvedores alterem o mecanismo de pesquisa usado pela busca do sistema.

Apple e Microsoft comemoram

Apple e Microsoft reagiram bem à decisão. “Hoje, os consumidores têm acesso a uma grande variedade de aplicativos de mensagem, e frequentemente usam vários ao mesmo tempo, o que mostra como é fácil alternar entre eles”, disse um representante da Apple.

Já a Microsoft declarou que Bing, Edge e sua plataforma de anúncios são “desafiantes” no mercado. Isso significa que a própria empresa admite que eles não têm lugar de destaque, já que o Google domina estes três setores.

Com informações: Reuters, The Verge, União Europeia
Edge, Bing e iMessage “escapam” de novas leis da União Europeia

Edge, Bing e iMessage “escapam” de novas leis da União Europeia
Fonte: Tecnoblog

Hyundai confirma que sofreu invasão na Europa, mas não fala de ransomware

Hyundai confirma que sofreu invasão na Europa, mas não fala de ransomware

Hyundai sofreu ataque no início de janeiro, mas só agora se pronunciou sobre o caso (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

A Hyundai confirmou nesta semana que foi vítima de uma invasão aos seus sitemas. O alvo foi a divisão da montadora na Europa, cuja sede está na cidade de Berlim. O ataque aconteceu no início de janeiro, mas na época a Hyundai não se pronunciou sobre a causa dos problemas em seu site.

De acordo com o BleepingComputer, o primeiro a relatar o caso, uma imagem dos dados sequestrados indica que os cibercriminosos tiveram acesso aos arquivos dos departamentos jurídicos, vendas, recursos humanos, contabilidade, TI e gerências. As informações roubadas incluem dados da KIA Europa — a KIA é de propriedade da Hyundai.

O ataque é atribuído ao grupo Black Basta, cujas atuações começaram por volta de 2022. O grupo foi responsável pelos ataques ransomware contra a Biblioteca Pública de Toronto, a associação de dentistas dos Estados Unidos e a editora Yellow Pages Canada. É especulado que o grupo já recebeu US$ 100 milhões (R$ 499 milhões) desde o início de suas operações.

Hyundai sofre terceiro ataque em menos de um ano

Hyundai passa pelo terceiro ciberataque em menos de um ano (Imagem: Facebook/Hyundai)

Este é o terceiro ciberataque sofrido pela Hyundai desde abril de 2023, quando dados de clientes da marca na França e Itália foram roubados — incluindo de pessoas que agendaram test drive com a fabricante. Nesse caso, os cibercriminosos roubaram endereços de email, residência, número de telefone e chassi dos veículos. Nenhum dado de pagamento foi vazado.

Já neste ano, também no início de janeiro, a conta da Hyundai MEA, que atende os públicos da África e Oriente Médio, no Twitter/X foi invadida. Os hackers usaram a conta para se passar pela Overworld, um jogo de RPG, e divulgar um golpe de criptomoedas.

Com informações: TechRadar e BleepingComputer
Hyundai confirma que sofreu invasão na Europa, mas não fala de ransomware

Hyundai confirma que sofreu invasão na Europa, mas não fala de ransomware
Fonte: Tecnoblog

WhatsApp faz últimos acertos para exibir mensagens de outros apps

WhatsApp faz últimos acertos para exibir mensagens de outros apps

WhatsApp irá exibir mensagens de outros apps na União Europeia (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O WhatsApp divulgou detalhes de como será o processo de abertura para outros aplicativos de mensagens, uma exigência da lei europeia de mercados digitais. A mudança começará em março de 2024. Daqui a poucas semanas, os usuários da Meta verão as mensagens de outras plataformas numa aba separada, porém dentro da tela de chats do WhatsApp.

A modificação faz parte da interoperabilidade exigida pelos legisladores europeus. Numa entrevista à revista Wired, o diretor de engenharia Dick Brouwer contou alguns bastidores do mensageiro. Ele disse, por exemplo, que cada app terceiro precisará assinar um contrato com o WhatsApp antes da integração ser feita.

Brouwer também bateu na tecla de que os aplicativos deverão adotar criptografia de ponta a ponta tão boa ou mais sofisticada do que a prevista no protocolo Signal, utilizado pelo app de mensagens, bem como pelo Skype e o Google Mensagens. As regras da União Europeia inicialmente exigem que a interoperabilidade ocorra com texto, foto, vídeo e outros elementos gráficos. Ela só será obrigatória para chamadas de voz/vídeo daqui a alguns anos.

O executivo do WhatsApp explicou que as conversas em outros apps só serão visualizadas por usuários que optarem por isso. Por padrão, o aplicativo da Meta continuará do jeito que é hoje. Será necessário fazer o opt-in, o que, de acordo com Brouwer, tem o potencial de coibir spam.

WhatsApp Beta exibe atalho para mensagens provenientes de outros apps (Imagem: Reprodução/WABetaInfo)

Já se sabia que o WhatsApp teria de passar pela mudança. O mensageiro foi designado como um intermediário importante do mercado digital, o que significa que precisará dar espaço para aplicativos rivais. Em tese, será possível abrir o WhatsApp e mandar mensagens para pessoas que estão no Telegram, no iMessage da Apple ou Snapchat, entre outros.

Especialistas chegaram a alertar sobre os riscos de afrouxar a criptografia do WhatsApp para cumprir a legislação do Velho Continente. Na entrevista, Brouwer afirma que esta característica está mantida.

A administração do WhatsApp promete revelar outros detalhes do assunto em março. Não se sabe, por exemplo, se usuários em outras regiões – como o Brasil – poderão tirar proveito da interoperabilidade. A mesma regra forçou a Apple a abrir a App Store na UE, mas a mudança não foi adotada fora do bloco.

Com informações: Wired e The Verge
WhatsApp faz últimos acertos para exibir mensagens de outros apps

WhatsApp faz últimos acertos para exibir mensagens de outros apps
Fonte: Tecnoblog

Apple quer liberar NFC para concorrentes do Apple Pay na Europa

Apple quer liberar NFC para concorrentes do Apple Pay na Europa

Apple Pay terá concorrentes europeus no iPhone (Imagem: naipo.de/ Unsplash)

A Apple fez uma proposta para permitir que desenvolvedores e empresas dos países da União Europeia usem o NFC de seus aparelhos, como o iPhone e o Apple Watch, para pagamentos por aproximação, sem cobrar taxas. O compromisso valeria por dez anos e é uma resposta à investigação das autoridades do bloco sobre a exclusividade do Apple Pay no ecossistema da empresa.

A informação consta em um comunicado da Comissão Europeia, que investigava desde 2020 se restringir o acesso não era uma forma de excluir concorrentes. Em 2022, a Apple foi formalmente acusada de restringir a competição no mercado de pagamentos móveis, o que seria uma violação das leis da União Europeia. As autoridades abriram as propostas para comentários.

Apple vai criar API para pagamentos com NFC

A Apple confirmou a proposta em um comunicado enviado ao Wall Street Journal. “Assumimos compromissos de fornecer a desenvolvedores independentes do Espaço Econômico Europeu uma opção para permitir pagamentos por aproximação com seus apps para iOS, sem usar o Apple Pay e a Apple Wallet”, declarou a empresa.

União Europeia pode aplicar multa bilionária caso Apple descumpra acordo (Imagem: Thijs ter Haar/Wikimedia Commons)

As propostas da Apple incluem criar APIs para o uso do NFC, dar aos usuários o direito de escolher seus apps de pagamento favoritos e permitir que os aplicativos acessem recursos como o Face ID, entre outros.

Os compromissos valeriam por dez anos. Caso a Apple não cumpra as promessas, ela seria multada em 10% do faturamento global anual. Para dar uma ideia desse valor, a Apple recebeu cerca de US$ 394 bilhões em 2022, com lucro de aproximadamente US$ 99 bilhões. A punição poderia ser da ordem de US$ 39 bilhões, portanto.

Ao contrário do iOS, em que o Apple Pay é exclusivo, o Android permite que apps usem o NFC para transações financeiras, sem precisar da Carteira do Google. Um exemplo disso é o Mercado Pago, que é capaz de fazer pagamentos por débito ou crédito usando o celular. O Santander também oferecia essa opção no app Way, mas o recurso foi descontinuado.

Com informações: The Verge, Reuters, The Wall Street Journal
Apple quer liberar NFC para concorrentes do Apple Pay na Europa

Apple quer liberar NFC para concorrentes do Apple Pay na Europa
Fonte: Tecnoblog

Adblock: YouTube é acusado de espionagem e de violar legislação europeia

Adblock: YouTube é acusado de espionagem e de violar legislação europeia

YouTube é acusado de espionagem por script que impede o uso de adblocks (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O YouTube e a Meta são acusadas de utilizar scripts de espionagem. O autor das acusações, Alexander Hanff, profissional especializado em privacidade de digital, abriu uma ocorrência na polícia nacional da Irlanda. Em suas denúncias, Hanff afirma que o script usado pelo Google para impedir adblocks se enquadra como spyware, nome dado a programas de espionagem, porque monitora o dispositivo dos usuários.

Ao denunciar os casos para a Garda, polícia nacional da Irlanda (órgão similar à nossa Polícia Federal), o profissional espera que o caso vá para os tribunais. Em uma publicação no LinkedIn, Hanff explica que está abrindo as queixas para as duas empresas com base nas seções 2 e 5 da lei crimes relacionados a sistemas da informação, sancionada em 2017 na Irlanda.

O especialista também abriu uma queixa na Comissão de Proteção de Dados da Irlanda, um órgão cuja função é fiscalizar o cumprimento da legislação da União Europeia (UE) no país. No entanto, em entrevista para o The Register, Hanff relata que a UE e os órgãos nacionais de proteção de dados são falhos em proteger os interesses dos usuários.

Autor de denúncias contra Meta e YouTube explica suas acusações no LinkedIn (Imagem: Reprodução/LinkedIn)

YouTube usa “espionagem” para bloquear adblocks

Não é de hoje que todo mundo sabe que as redes sociais nos espionam (por exemplo, eu só falei no WhatsApp sobre minha mudança e o YouTube começou a me jogar anúncios de lojas de móveis). Todavia, a acusação de Alexander Hanff usa o recém-lançado script para detectar o uso de uma extensão de bloqueador de anúncios.

Desde que o YouTube começou a impedir a execução de vídeos para quem usa adblock, uma parte dos usuários estão tentando novos meios de seguir sem anúncios no YouTube. O caso de Hanff é, pelo que foi apurado, o primeiro a tentar judicializar a política anti-adblock da plataforma de vídeos.

Na entrevista para o The Register, Hanff explica que o código do Google é espionagem porque é lançado sem o conhecimento e autorização do usuário em seu dispositivo, com único objetivo de monitorar o seu comportamento durante a navegação.

Script do Google responsável por bloquear adblocks é chamado de “spyware” por especialista que denunciou a empresa (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

Essa justificativa também é usada na acusação contra a Meta e seu monitoramento de dados para enviar anúncios direcionados. O especialista em privacidade reforça, nas duas situações, que as empresas tem acesso ao que acontece no seu dispositivo. No caso da Meta, ele ainda afirma que desde 2018, quase um ano após a sanção da lei de crimes ligados a sistemas da informação, a empresa não tem uma base legal para justificar o processamento de dados dos usuários.

Em seu LinkedIn, Alexander Hanff, que tem mestrado no tema de cibersegurança e privacidade informou que irá prestar um depoimento em Dublin, onde fica a sede da Garda, “em um futuro próximo”.

Com informações: AndroidAuthority e The Register (1 e 2)
Adblock: YouTube é acusado de espionagem e de violar legislação europeia

Adblock: YouTube é acusado de espionagem e de violar legislação europeia
Fonte: Tecnoblog

TIM Viagem é o novo pacote da operadora para roaming internacional

TIM Viagem é o novo pacote da operadora para roaming internacional

A TIM anunciou nesta segunda-feira (4) a reformulação de seus serviços de roaming internacional dos planos pós-pagos. O novo pacote se chama TIM Viagem e oferece a franquia nacional para uso em outros países. Clientes Black e titulares do Black Família terão a novidade já inclusa em suas mensalidades, com coberturas diferentes.

TIM revelou o serviço TIM Viagem em setembro de 2023 (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O TIM Viagem oferece três diferentes pacotes, divididos por região: Américas, Europa e Mundo. Essas regiões dizem respeito ao uso de internet: ligações e SMS são gratuitos para o Brasil e para números do mesmo país.

Ao contratar o roaming internacional, o cliente ganha a mesma quantidade de dados do seu plano “brasileiro” para usar no exterior.

“Quem tem um plano com 60 GB, por exemplo, vai ter outros 60 GB por mês para usar em viagens, sem consumir da franquia do Brasil”, explica Fabio Avellar, VP de receitas da TIM. “A ideia é que ele mantenha seu perfil de consumo como se estivesse no Brasil, nas suas atividades cotidianas, sem precisar se preocupar em controlar o uso.”

O TIM Viagem será vendido como um pacote mensal recorrente, com fidelização de 12 meses:

Américas: R$ 9,99 por mês

Europa: R$ 19,99 por mês

Mundo: R$ 29,99 por mês

É possível contratar o serviço sem a fidelização, mas o valor quintuplica:

Américas: R$ 49,99 por mês

Europa: R$ 99,99 por mês

Mundo: R$ 149,99 por mês

Segundo a operadora, clientes Black terão o pacote Américas incluso em seu plano. Já os titulares dos planos Black Família terão os pacotes Américas e Europa. A contratação, portanto, é necessária para outros destinos, bem como para outros usuários dos planos familiares.

Cabine de avião (Imagem: Suhyeon Choi/Unsplash)

TIM se equipara a Claro e Vivo com novo roaming

Se você procurar as alternativas no site das concorrentes, não encontrará nada muito diferente: Claro, TIM e Vivo oferecem opções parecidas no roaming internacional.

Claro e Vivo dividem as regiões do mesmo jeito que a TIM: Américas, Europa e Mundo. Elas também vendem os pacotes com fidelização de 12 meses, aos mesmos preços que a TIM.

A Claro inclui o Passaporte Américas em seus planos pós. Na Vivo, o Vivo Travel varia: alguns planos pós têm cobertura nas Américas inclusa, enquanto outros têm Américas e Europa, e alguns poucos, Mundo.

Claro e TIM oferecem a mesma franquia de internet que o plano contratado no Brasil e minutos ilimitados para fazer ligações.

Já a Vivo estipula um limite diário de uso de dados, dependendo do país visitado, além de restringir a 50 minutos o tempo de ligações.

Por fim, é importante verificar quais países estão cobertos pelos pacotes de cada uma das operadoras. Essas informações estão nos sites do Passaporte Américas da Claro, do Vivo Travel e do TIM Viagem.
TIM Viagem é o novo pacote da operadora para roaming internacional

TIM Viagem é o novo pacote da operadora para roaming internacional
Fonte: Tecnoblog