Category: Exclusivo

Vivo convoca “ninjas” e muda app para resolver problemas dos clientes

Vivo convoca “ninjas” e muda app para resolver problemas dos clientes

Vivo aparece entre as maiores operadoras de telecomunicações do país (Ilustração: Vitor Pádua/Tecnoblog)

“Nós queremos parar de apenas resolver os problemas dos clientes e passar a gerar valor para eles.” Assim se resume o movimento mais recente da Vivo no campo do atendimento ao consumidor. Para tanto, uma série de iniciativas estão em andamento: desde a inauguração de centros de excelência técnica pelo país, passando pela unificação de dois aplicativos num só, de acordo com a diretora executiva de experiência do cliente.

Carla Beltrão me atendeu para uma franca (e exclusiva) conversa sobre as muitas dificuldades de qualquer empresa de telecomunicações na hora em que o consumidor passa por um pepino. Ela detalha o que a Vivo tem feito nos últimos meses. Vamos lá?

Centro de excelência

Talvez o passo mais ousado seja a criação de centros de excelência técnica com profissionais que são “ninjas” (palavra da Carla) em aspectos específicos dos produtos e serviços. A novidade está em seis regiões e deve chegar a todo o território nacional até agosto.

A executiva nos conta que o cliente ligará no 0800 e cairá nesta verdadeira força de elite apta a tratar de reparo ou instalação. “O operador tem um conhecimento técnico maior do que os atendentes que cuidam de outros assuntos”, diz Carla.

Atual app Vivo traz informações de fixo e móvel (imagem: reprodução)

O projeto é fruto de uma mudança organizacional. Antes, as empresas terceirizadas lidavam diretamente com os assinantes, o que poderia gerar uma enxurrada de ligações ou mensagens via Zap. Agora, o centro técnico da Vivo captura as necessidades e coordena as comunicações com os clientes.

“Nós vamos avisar caso haja chances de o técnico atrasar. Saberemos onde ele está e quanto tempo falta para chegar ao cliente.” A novidade é particularmente interessante para o serviço de fibra ótica, já que a internet residencial vem ganhando importância dentro do portfólio da Vivo.

Carla explica que os atendentes do centro técnico contam com ferramentas mais robustas para tentar resolver complicações que não dependam de atendimento presencial. Eles vão ligar para o cliente depois de uma falha massiva numa região, a fim de ter certeza que o sinal voltou.

Inteligência artificial

Outro ponto promissor tem a ver com a inteligência artificial. Os modems na casa dos clientes já conversam com a nave-mãe da Vivo. Agora, uma nova solução em fase de implementação também avisa quando a pessoa fez reinicializações forçadas (quem nunca?!) muitas vezes seguidas.

Carla me disse que a Vivo está em fase de calibrar o modelo para este tipo de funcionalidade. “Estamos avaliando frequência e similaridade, entre outros atributos. Um representante da Vivo vai te ligar para perguntar se está com dificuldade ou mandar uma carga adicional se for de madrugada”. conta a executiva. “Estamos só no começo dessa mudança!”

Carla Beltrão é diretora executiva de experiência do cliente na Vivo (imagem: divulgação)

A ideia é entender melhor a realidade do assinante e eventualmente rentabilizar essa relação. Digamos que a pessoa more numa casa de 300 m² e tenha se acostumado a ficar sem internet na piscina. Isso poderia ser facilmente resolvido com a instalação de um repetidor. “Daremos essa consultoria porque entendemos que faz parte de sermos uma empresa de tecnologia.”

Será o suficiente para mudar a percepção do cliente? Não temos como saber. Os dados mais recentes da Anatel colocam a Vivo na desagradável primeira posição em queixas de banda larga, com quase 99 mil no ano passado. Já no Reclame Aqui, o principal motivo para críticas são as cobranças indevidas (25,4% do total).

Mais app oficial e menos WhatsApp

A Vivo decidiu unificar os aplicativos dedicados aos serviços móvel e fibra em 2021. Desde então, a transição vem sendo feita com o objetivo de “focar mais no cliente e menos no produto”. É por isso que a versão inclui opções de rever a assinatura em variadas áreas. É o que Beltrão classifica como “jornada cruzada”.

Ela nos explica que os procedimentos dentro do app estão mais curtos e requerem menos etapas. E o que os clientes mais fazem por lá? Aqui vai o ranking:

Consultar a fatura (e, a partir daí, realizar tarefas como gerar PDF, compartilhar com alguém, pagar ou renegociar)

Verificar o consumo da franquia de internet móvel (junto de opções como aumentar o plano, compartilhar a informação, contratar pacote adicional ou balancear melhor entre titular e dependente)

Suporte técnico

O time de Carla tem planos ambiciosos para o futuro. Por exemplo, permitir a criação de uma rede Wi-Fi para visitantes diretamente no app, sem entrar no admin do modem. O software também deve ganhar funções de realidade aumentada (AR), de modo a orientar melhor o cliente sobre como realizar certos procedimentos que envolvem o corpo do aparelho.

Consulta de fatura é o serviço mais procurado do app Vivo (imagem: reprodução)

O app oficial passa a ter papel central na relação com a empresa. Enquanto isso, o perfil oficial no WhatsApp perde força. Carla resume: “Reavaliamos a situação e concluímos que os recursos principais ficariam no nosso aplicativo, onde controlamos 100% da tecnologia. Replicar a funções no WhatsApp era um desvio de atenção.” Ela salienta, porém, que o mensageiro continua em uso para vendas e o que chama de “conversas quentes”, quando é necessário falar de imediato com o consumidor.

Tamanho interesse pelo app oficial se explica nos números oficiais: são 22 milhões de usuários por mês, que geram 84 milhões de interações.

Cada assinante abre o app cerca de 4,4 vezes por mês. Resta saber se, com estes novos movimentos, as pessoas irão passar menos raiva ao interagir com a gigante das telecomunicações. Estou curioso para saber: você tem tido uma experiência melhor com a Vivo nos últimos tempos? Conte nos comentários.
Vivo convoca “ninjas” e muda app para resolver problemas dos clientes

Vivo convoca “ninjas” e muda app para resolver problemas dos clientes
Fonte: Tecnoblog

As três apostas da Apple para tornar seu relógio indispensável

As três apostas da Apple para tornar seu relógio indispensável

Apple Watch Ultra 2 no pulso (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O que um relógio inteligente é capaz de fazer? Sem sombra de dúvida, muita coisa. A segunda pergunta é: o que as pessoas de fato realizam com os seus smartwatches? No que depender da Apple, qualquer que seja a resposta atual, será muito mais com a chegada da próxima geração do watchOS.

A fabricante preparou uma série de novidades para o watchOS 11 que deverão torná-lo mais atrativo para os usuários. Porque, sejamos francos, às vezes o relógio pode se tornar uma espécie de Alexa pra gente: dá pra fazer muita coisa, mas a gente só se lembra de chamá-la para colocar música ou ativar o timer.

Tela de widgets no Apple Watch (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

A Apple me convidou para uma conversa exclusiva com dois profissionais do time de Apple Watch. Papo vai, papo vem, e abaixo você confere quais as armas secretas para o futuro do aparelho.

1. Muitos widgets com muitos botões

Widgets vão mostrar até três botões no watchOS 11 (Imagem: Divulgação/Apple)

A gerente de engenharia Lori Hylan-Cho não disfarça a empolgação ao mostrar todo o potencial dos futuros widgets para Apple Watch. Eles poderão ser acionados em várias faces e também ao rodar a Digital Crown para baixo (como já acontece atualmente).

A novidade tem a ver com o número de botões clicáveis exibidos nos widgets, que poderá ser muito maior. Desta forma, o usuário não precisará entrar no menu de aplicativos, escolher o programa desejado, e só então definir a ação que será executada.

2. Gesto de Double Tap em tudo

Parece mágica para algumas pessoas: os Apple Watch mais recentes sabem quando a pessoa faz uma espécie de clique com os dedos. O gesto de Double Tap estará em todo o sistema a partir do watchOS 11, o que não acontece hoje em dia.

Double Tap por enquanto não faz nada no app de atividades físicas (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Abriu um app e não quer fazer o scroll na tela touch? Será possível fazer o Double Tap para navegar pelas opções e interagir com o smartwatch somente na hora de definir a próxima ação.

Além disso, os criadores de aplicativos passam a contar com uma API para uso desta funcionalidade. O gerente de marketing Eric Charles nos traz o exemplo de um adulto com uma criança de colo que acaba de cair no sono. Será possível fazer o Double Tap para rapidamente ativar uma ferramenta de monitoramento parental.

3. As Live Activities chegam ao watchOS

A função de Live Activity se tornou uma interessante implementação nos iPhones. Os apps podem informar dados importantes em tempo real, como o tempo restante até o carro da Uber chegar até você. Tornou-se notória a aplicação da United Airlines, que consegue exibir dados elementares de um passageiro, como o número de embarque, portão do voo, assento e – já no ar – tempo restante até o pouso.

App da Uber mostra informação em tempo real do carro (Imagem: Divulgação/Apple)

Quem tem iPhone com notch conta ainda com as Live Activities sempre no topo do telefone. Isso chega ao watchOs graças a uma integração entre os sistemas. Ou seja, a mesma atividade será mostrada tanto na tela do telefone quanto na do Watch. E nisto, cada usuário pode definir a melhor maneira de interagir com aquele conteúdo.

De acordo com Lori Hylan-Cho, todos os apps de iPhone automaticamente terão Live Activity no Apple Watch. No entanto, os desenvolvedores que assim quiserem poderão personalizar ainda mais e criar uma interface diferente, que tire mais proveito da experiência de usuário proporcionada pelo relógio da maçã.

Quando chegam as novidades?

O watchOS 11 foi apresentado na WWDC, realizada há duas semanas no Apple Park, nos Estados Unidos. A empresa não revelou uma data, mas o mais provável é que o sistema seja liberado em setembro, junto com o iPhone 16 e os possíveis novos Apple Watches.
As três apostas da Apple para tornar seu relógio indispensável

As três apostas da Apple para tornar seu relógio indispensável
Fonte: Tecnoblog

O WhatsApp vai continuar de graça, promete diretor da Meta

O WhatsApp vai continuar de graça, promete diretor da Meta

Guilherme Horn é diretor do WhatsApp para mercados estratégicos (Foto: Caio Graça/Divulgação/Meta)

(Direto de São Paulo) O conglomerado Meta realizou um grande evento nesta semana no qual anunciou novidades do WhatsApp para empresas: desde as transações com Pix até o selo de verificado. Alguns recursos custam dinheiro. E apesar da sua potência enquanto habilitador de negócios, o aplicativo continuará de graça para o usuário final – esta é a promessa de Guilherme Horn, diretor do app em mercados estratégicos.

O executivo reflete sobre o tanto de ferramentas que facilitam a vida de lojistas e comerciantes. Tudo isso faz do WhatsApp um ecossistema completo que caiu no gosto do brasileiro, a ponto de Mark Zuckerberg surgiu num vídeo chamando o app por seu apelido. Confira os destaques da conversa concedida por Horn a mim com exclusividade. O material foi editado para fins de clareza e brevidade.

Thássius Veloso – Quanto custa e qual é a estratégia por trás do Meta Verified no WhatsApp?

Guilherme Horn (WhatsApp) – O serviço começa em R$ 55 por mês. Esta será a faixa de preço mais interessante para a maioria dos negócios, na nossa visão. Os demais valores serão propostos de acordo com os recursos incluídos nos planos. Empresas que quiserem mais possibilidades vão poder mudar para modalidades mais caras. Nós começamos com essa novidade agora no Brasil e em alguns outros países, depois de testes na Colômbia.

Os testes foram bem-sucedidos?

Foram sim. Estes experimentos acontecem sempre com grupos muito pequenos, mas a gente decidiu trazer para o Brasil porque foi bem-sucedido.

Há influenciadores, profissionais liberais e autônomos que atuam por meio do MEI. Essas pessoas vão poder contratar o selo de verificado?

Qualquer CNPJ estará apto a solicitar a verificação do Meta Verified no WhatsApp.

Lá no comecinho, os fundadores batiam na tecla de que a plataforma seria gratuita para sempre. Ele vai continuar de graça para as pessoas físicas? Noto que algumas empresas já têm custo vinculado ao WhatsApp, dependendo do que querem fazer na plataforma.

A gente não tem nenhum plano de cobrar do usuário final. A forma como as empresas usam o WhatsApp (e elas usam cada vez mais para diferentes coisas) naturalmente traz um custo para elas. Nós somos uma plataforma tecnológica e vemos com muita naturalidade que negócios paguem para usar certos recursos.

Me pareceu que o Pix via WhatsApp vai funcionar como o que o Banco Central categoriza como iniciador de pagamentos. O aplicativo virou banco?

Na verdade não é nem uma iniciação de pagamento. Nós estamos usando uma integração com a API do Banco Central para exibir o código Pix na tela. É aquele código dinâmico que já inclui o valor da transação. Nós estamos simplesmente divulgando esta informação. O cliente pega o código e vai para o app da instituição de pagamento ou do banco para concluir a transação.

Executiva detalha chegada do Pix ao WhatsApp (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O que o WhatsApp ganha com isso? O WhatsApp Pagamentos inicialmente era vinculado a certas bandeiras e certos bancos, então rolava alguma grana neste arranjo. E no caso do Pix?

Não tem custo nenhum. A gente já vê transações comerciais deste tipo acontecendo dentro do WhatsApp. Tem quem compre produtos ou contrate serviços pela plataforma. Ouvíamos dos pequenos negócios que parte dos potenciais consumidores abandonava a compra no momento do pagamento. Havia uma perda deste cliente.

Algum motivo específico?

É um comportamento natural quando existe uma fricção na jornada do consumidor. No momento em que você tem que parar e ir para um outro aplicativo fazer uma outra coisa, é natural que exista uma ruptura. A função de pagamentos foi criada para reduzir ou talvez eliminar essa fricção. A integração com o Pix é um complemento que estava faltando.

Minha impressão é de que o WhatsApp Pagamentos nunca deslanchou. Tinha gente que tinha medo de golpe, por exemplo. Qual a sua visão sobre a ferramenta?

As pessoas que usam adoram.

E quem usa?

A gente não divulga os números. Mas assim, tanto os usuários finais quanto as empresas adoram o Pagamentos. Ele resolve o problema da fricção e cria um novo hábito. O Brasil tem um sistema financeiro extremamente sofisticado, com muita pulverização e inúmeras formas de fazer qualquer transação. Talvez exista a expectativa de que o WhatsApp vá se tornar o principal meio, mas essa não é a ideia.

Thássius Veloso viajou para São Paulo a convite da Meta
O WhatsApp vai continuar de graça, promete diretor da Meta

O WhatsApp vai continuar de graça, promete diretor da Meta
Fonte: Tecnoblog

InternetBras: Governo descarta provedor de internet nos moldes da Starlink

InternetBras: Governo descarta provedor de internet nos moldes da Starlink

Dirigentes da Anatel participaram de evento (Ilustração: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Resumo

O Ministério das Comunicações descartou a criação da “InternetBras”, um suposto projeto para fornecer internet via satélite que foi recentemente discutido na mídia.
“Não sei de onde tiraram isso. Nós não temos planos de construir uma rede de satélites”, declarou Hermano Barros Tercius, secretário de telecomunicações, em entrevista exclusiva ao Tecnoblog.
O governo quer levar conexão de internet a mais de 40 mil escolas em todo o país, priorizando o uso de fibra ótica para áreas acessíveis, mas considerando o uso de satélites em regiões remotas.
Em áreas de difícil acesso, a Telebras pode contratar capacidade satelital de empresas como Starlink, Embratel, Hughesnet e Viasat, com a meta de garantir pelo menos 1 Mb/s por aluno e ao menos 20 Mb/s para escolas em locais mais isolados.

(Direto do Rio de Janeiro) O Ministério das Comunicações descarta a possibilidade de constituir uma empresa para fornecimento de internet via satélite. O projeto apelidado extraoficialmente de “InternetBras” ganhou as manchetes nos últimos dias, mas isso jamais foi cogitado dentro do governo, de acordo com Hermano Barros Tercius, secretário de telecomunicações da pasta.

“Não sei de onde tiraram isso”, declarou o secretário com exclusividade ao Tecnoblog durante um evento setorial promovido pelo jornal Valor Econômico no Rio de Janeiro. “Nós não temos planos de construir uma rede de satélites”.

Hermano Barros Tercius é secretário de telecomunicações do Ministério das Comunicações (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Tercius deu detalhes sobre o projeto para levar conexão à internet para mais de 40 mil escolas. O grupo de trabalho receberá propostas para ligar os colégios à rede por via terrestre – essencialmente fibra ótica.

No entanto, o dirigente do MCom ressaltou que as empresas do setor não costumam se interessar pelo projeto em áreas remotas. Em situações assim, a empresa estatal de telecomunicações Telebras poderia contratar a capacidade satelital no mercado para proporcionar o acesso à internet.

Tercius disse que a Starlink poderia participar do projeto caso apresentasse proposta. Além do provedor de internet de Elon Musk, outras empresas conhecidas deste setor são Embratel, Hughesnet e Viasat.

Antena Starlink de segunda geração (imagem: divulgação/SpaceX)

O grupo de trabalho avaliou que o uso de internet por via terrestre será mais difícil em localidades da região Norte. A ideia do governo é garantir rede com pelo menos 1 Mb/s por aluno nos horários de pico. Há ainda a excepcionalidade de conexão totalizando 20 Mb/s para escolas de difícil acesso.
InternetBras: Governo descarta provedor de internet nos moldes da Starlink

InternetBras: Governo descarta provedor de internet nos moldes da Starlink
Fonte: Tecnoblog

IA fará Windows durar mais 40 anos, diz VP da Microsoft

IA fará Windows durar mais 40 anos, diz VP da Microsoft

Aaron Woodman é vice-presidente de marketing da Microsoft (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

(Direto de Redmond, nos EUA) A cada segundo, são vendidos no mundo nove computadores com algo em comum: eles rodam Windows. Nesta semana, a Microsoft deu um importante passo para um futuro no qual a inteligência artificial offline fará parte do sistema mais usado no mundo corporativo. Este gesto permitirá que o Windows dure mais 40 anos, na visão de um dos principais nomes da empresa: Aaron Woodman.

Eu realizei uma entrevista exclusiva com o vice-presidente de marketing da Microsoft no novo e belo campus da companhia nos Estados Unidos. Woodman me explicou o que está por trás do anúncio do selo Copilot+, que contempla notebooks tão poderosos a ponto de rodarem IA sem depender da internet.

Também joguei pimenta na conversa: perguntei se o lançamento tinha o objetivo de sair na frente da principal, que não oferece nenhum MacBook com IA offline. Ele foi taxativo: “não penso muito na Apple”. Entenda o motivo nas linhas a seguir.

Tecla no Surface Laptop aciona a IA do Copilot (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Thássius Veloso – Eu considero Copilot um nome excelente. Como vocês chegaram nesta escolha? Os nomes de produtos de IA similares me parecem bem mais técnicos.

Aaron Woodman (Microsoft) – Nós temos essa crença de que a inteligência artificial serve ao propósito de auxiliar os humanos, e não o de tomar o controle de tudo. Esse nome nos ajuda a enfatizar a parceria entre os indivíduos e as ferramentas. Nós somos a companhia do Copilot.

Quando eu cheguei aqui hoje, havia algumas placas falando que era o início de uma nova era da IA. Por que disso? Já se fala sobre esta nova leva de inteligência artificial há quase dois anos.

Isso é muito interessante! A minha história com IA começou há cerca de sete anos, quando nós vimos os primeiros modelos de machine learning. Eles dependiam de grandes servidores de computação em nuvem para funcionar. Agora é a primeira vez que a gente tem uma plataforma funcionando localmente nos nossos dispositivos eletrônicos. Ocorreram avanços importantes de desempenho, velocidade e privacidade. As NPUs simplesmente pedem muito menos energia para realizar as inferências. Além disso, o Windows existe há quase 40 anos e é utilizado por 1,4 bilhão de pessoas, mas eu diria que é a primeira vez desde 1995 que a gente tem uma nova visão do que o sistema é capaz de fazer para ajudar os usuários. Para completar, é a primeira vez que se vê AMD, Intel, Qualcomm e fabricantes de PC indo na mesma direção, praticamente em uníssono.

Quem foi a pessoa que conseguiu juntar tantas pessoas diferentes? O Satya Nadella?

Nós estamos trabalhando neste projeto há quatro ou cinco anos. No entanto, foi o Stevie Bathiche quem realmente compreendeu como os modelos de IA poderiam funcionar na borda. Isso combinou com a visão do Satya (CEO), da Amy Hood (do departamento de finanças), do Kevin Scott (que cuida das parcerias) e do Pavan Davuluri (vice-presidente do Windows). Eles conseguiram visualizar o futuro da inteligência artificial e também quais progressos nos permitiriam criar um produto assim.

Existe uma famosa entrevista em que o Satya Nadella fala que a Microsoft fez o Google se mexer com relação à IA no ambiente online. Agora vocês anunciam um sistema com IA local. Nessa caso, estão tentando fazer a Apple se mexer?

Na verdade, eu não penso muito na Apple.

Sério?! Por que não?

Nós estamos em categorias bem diferentes: fazemos PCs, enquanto o principal produto deles é o smartphone. É bem verdade que cerca de 70% dos usuários de iPhone estão num computador com Windows, até porque a Apple tem produtos muito caros. O Windows é a plataforma preferida das empresas, e foi por isso que começamos a pensar sobre quais problemas seriam resolvidos com a IA local. A Apple fez um trabalho fantástico os chips M nos MacBooks, algo que ainda não tínhamos visto na categoria dos PCs. Usamos isso como um marco de onde gostaríamos de chegar. Eu não fico pensando que eles fizeram isso, então nós temos que fazer aquilo. O projeto do Copilot+ existe há dois anos.

Ou seja, existe uma visão por trás disso tudo.

Com certeza. E sabe, acredito que começaremos a ver um monte de empresas implementando a inteligência artificial offline, inclusive a Apple. Eles definitivamente possuem NPUs tanto nos telefones quanto nos computadores. A questão aqui é sobre como construir uma plataforma em cima disso.

O Windows Recall é um bom exemplo: imagine que você está num documento com três páginas, você está na primeira e aos poucos vai rolando para as próximas. Criar um índice disso para buscas rápidas normalmente exigiria muito processamento e energia. No entanto, nós usamos o compositor gráfico do próprio Windows para isso. Esse tipo de implementação não acontece se a gente ficar pensando “hmmm, o que vamos fazer hoje?”, mas sim porque temos um cronograma.

Por falar em Recall… Algumas empresas monitoram o que os funcionários fazem no PC, tanto que existe uma categoria de programas chamada bossware. Essa nova ferramenta poderia ser usada para isso?

Eu torço para que não usem. Nós tivemos uma abordagem muito conservadora ao criar o Windows Recall. O índice semântico dele fica salvo localmente no computador da pessoa, de forma criptografada. Além disso, os dados do usuário não são usados para treinar nossos modelos de IA nem vão para a nuvem. O cliente ainda pode pausar o Recall a qualquer momento ou definir certas regras. Um administrador de TI consegue ver o quando de espaço está sendo usando pelo Recall, mas não o conteúdo. Ele poderia se autenticar como funcionário para ver as coisas? Sim, mas isso já é possível hoje. Eles não terá nenhum acesso remoto à memória do Recall.

Será necessário um computador com selo Copilot+ para aproveitar essas novidades?

Nós anunciamos que os preços da nova linha do Surface começam em US$ 999 e as vendas estão marcadas para 18 de junho aqui nos Estados Unidos. As funcionalidades apresentadas na Build 2024 não são possíveis em processadores antigos ou em outros dispositivos. A nossa expectativa é de que mais laptops com os atributos do Copilot+ sejam anunciados nos próximos meses, em especial conforme a AMD e a Intel apresentarem suas novidades.

Produtos realmente importantes acabam se transformando numa espécie de plataforma que possibilita a inovação de outros agentes. É assim com o Windows e os provedores de serviços ao redor dele. A Apple fez o mesmo com o iPhone e os desenvolvedores de aplicativos para iOS, ou ainda o Google com a busca e os responsáveis pelos websites. Nós acreditamos que os computadores do Copilot+ serão este tipo de produto.

A AMD e a Intel terão que produzir chips compatíveis com ARM64?

Não necessariamente. Elas ainda poderão fabricar chips em x86 ou x64, mas é realmente importante alcançar os parâmetros de velocidade e colocar uma NPU no SoC. Não há nenhuma exigência para que elas adotem a arquitetura da Arm.

Vocês falaram tanto de Copilot que muita gente me fez a seguinte pergunta: a Microsoft mudou de marca?

Nós estamos dizendo que o Windows está aí há 40 anos e provavelmente continuará conosco mais 40. A diferença não está na experiência de usuário, mas sim no que o Windows é capaz de fazer – e isto está contemplado pelo Copilot. Nós estamos falando de uma plataforma completa que existe desde a nuvem, com o Azure, até localmente no aparelho da pessoa, com a NPU.

Surface Laptop de 13,8 polegadas (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Qual é a versão do GPT no Copilot+?

Não é um GPT, mas sim cerca de 40 funções de IA rodando simultaneamente no Windows, dentre elas vários SMLs (pequenos modelos de linguagem). Estas ferramentas são preparadas para tarefas muito específicas, como o OCR para reconhecimento de texto. Nós também temos LLMs, como o Phi, que está em uso no Windows. Alguns modelos de Gen AI são proprietários e foram produzidos pela Microsoft para atividades como a do Cocreate na nova versão do Paint.

E como diferenciar um AI PC de um Copilot+ PC?

AI PC é qualquer computador que permita acelerar a inteligência artificial diretamente no dispositivo. Existem vários assim com poder de processamento de 10 ou 12 trilhões de operações por segundo (tops). Eles são muito bons para coisas específicas, como ajudar na edição de imagem. Já o Copilot+ dá um salto em termos de processamento e permite a execução permanente de funções de IA. O Recall, por exemplo, continuamente observa cada pixel na tela e constrói uma semântica em cima do que ele vê. Para isso, são necessários pelo menos 40 tops.

Ver essa foto no Instagram Uma publicação compartilhada por Tecnoblog (@tecnoblog)

Há algumas semanas surgiu uma polêmica com a Microsoft por causa de propagandas no menu Iniciar. Isso realmente vai acontecer?

Não é a nossa intenção. Assim como qualquer outra empresa, quando se trata do navegador, se você acessar microsoft.com, queremos falar sobre o Edge e promover nossos serviços. Acreditamos que nestes espaços é razoável promover coisas da Microsoft, assim como o Google oferece o Chrome para quem entra no YouTube. Há uma década, você instalava um antivírus e vinha um novo navegador junto. Isso confundia os consumidores e nós não permitimos mais que aconteça. Nossa meta é proteger as pessoas. Ainda assim, podemos sugerir aplicativos quando o usuário acessa Microsoft Store. Nós estamos sempre em busca de sinais sobre quais são os limites.

Os usuários de Windows ficaram muito aborrecidos com essa história. É um sinal para vocês?

Com certeza. E nós temos iniciativas como o programa Windows Insider, em que nós experimentamos abordagens novas e diferentes. As pessoas sabem disso quando entram neste programa. Nele são feitos testes e temos diálogos sobre o que estamos tentando fazer. Pra gente ficou muito claro que os usuários não queriam aquilo.

A alucinação continua sendo um assunto frequente quando falamos de inteligência artificial generativa. Como resolver isso no Windows 11 do Copilot+?

Não há muita criação de texto ou produção de respostas no Windows 11. O Recall depende de Gen AI porque estamos levando em consideração o entendimento semântico do texto e tentando casar com os pixels que apareceram na tela. É muito improvável que uma ferramenta assim produza comportamentos inadequados porque ela apenas olha o conteúdo que você viu. Até mesmo a criação de imagens se baseia num prompt que realiza a compreensão semântica. Para isso, há diversos limites de uso.

Para fechar aqui: como vocês escolhem os países que vão receber o Surface? O Brasil não está na lista…

Adorei a pergunta! Nós temos um enorme ecossistema de hardware, o que nos permite vender PCs Windows em mais de 142 países. O Copilot+ estará à disposição numa ampla gama de aparelhos. Isso é determinado com base no volume potencial de vendas e nas nossas parcerias comerciais. Assim como qualquer outro negócio, tentamos descobrir onde estão os clientes que se interessariam pelas características únicas dos nossos produtos. Nosso comportamento é ditado por isto.

Também tem o fato de que a IA é uma daquelas áreas em que a linguagem importa muito, tanto na semântica quanto na compreensão. Então nosso suporte a idiomas também precisa amadurecer, seja no português, no espanhol ou em qualquer outra língua. Este aspecto também dita a rapidez com que levamos as inovações às localidades.

Thássius Veloso entrevista Aaron Woodman, VP global de marketing da Microsoft (Foto: Tecnoblog)

Thássius Veloso viajou para os Estados Unidos a convite da Microsoft
IA fará Windows durar mais 40 anos, diz VP da Microsoft

IA fará Windows durar mais 40 anos, diz VP da Microsoft
Fonte: Tecnoblog

Spoofing numérico: golpistas te ligam com números parecidos com o seu

Spoofing numérico: golpistas te ligam com números parecidos com o seu

Entenda como golpistas usam spoofing para tentar aplicar golpes telefônicos (Ilustração: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Faz algumas semanas que comecei a receber inúmeras ligações de golpes bancários. Até aí nada anormal, uma vez que esse tipo de chamada é muito comum. Mas há algo curioso nessa última leva de tentativas: todos os telefonemas foram efetuados por números com o mesmo prefixo do meu celular.

Meu número de telefone começa com 99957, e comecei a receber ligações com números que compartilhavam o mesmo prefixo. Se atendesse alguma chamada, era certo que se tratava de algum golpe — seja se passando pela central de atendimento do Mercado Livre, Casas Bahia, Nubank ou Itaú, com objetivo de confirmar uma compra de valor significativo.

Foram várias ligações simulando o mesmo prefixo do meu número (Imagem: Lucas Braga/Tecnoblog)

Chamadas de spam com números parecidos não são exatamente uma novidade mas também não é algo muito comentado, somado ao fato de que muitas pessoas sequer percebem a similaridade do prefixo. No Reddit há relatos sobre essa situação desde setembro de 2023.

Golpistas usam spoofing para ganhar confiança de vítimas

A grande questão é que as chamadas eram falsas. Quer dizer, o telefone tocava e era possível atender a ligação, mas o número que aparece no identificador não era verdadeiro. Os golpistas estão utilizando a técnica de spoofing telefônico, que manipula os metadados de uma chamada para adulterar o número que irá aparecer no identificador.

Com o grande número de chamadas indesejadas que acontecem atualmente, é cada vez mais comum que um usuário de telefonia deixe de atender ligações de números com prefixos estranhos ou de outros DDDs. Ao aplicar a técnica de spoofing nas chamadas de golpes, os criminosos tentam ganhar a confiança da vítima. Se o prefixo é parecido com o seu, maiores as chances de atender uma ligação.

Decidi retornar algumas das ligações com prefixos similares ao meu. Alguns números não existiam, mas um dos telefones pertencia a uma pessoa que jamais havia tentado me ligar. Pois é: o seu número pode ser utilizado para aplicar golpes a qualquer momento e você pode até mesmo ser denunciado por engano.

A dificuldade para acabar com o spoofing

O Tecnoblog entrou em contato com a Anatel para entender um pouco mais sobre o spoofing e o que a agência tem feito para evitar esse tipo de ação. “O spoofing realizado para fins espúrios é um problema que afeta o mundo inteiro e que não tem uma solução imediata e definitiva definida pela indústria”, diz o comunicado da agência.

A Anatel aponta a dificuldade de evitar o spoofing: “As redes atuais de telefonia em todo mundo são concebidas para a fruição do tráfego de chamadas, não sendo possível de antemão a rede receptora determinar se aquela chamada recebida em seu tráfego de interconexão sofreu alteração do número do chamador.”

Na regulação brasileira, o spoofing é uma prática completamente proibida e as operadoras não podem permitir a manipulação do código de acesso do usuário originador da chamada na sua rede.

Questionado sobre como devem ser feitas as denúncias desse tipo de chamada, a Anatel orienta que a vítima faça uma reclamação na operadora, na própria agência e também registre um boletim de ocorrência na Polícia Civil.

Chamada Autenticada: uma tentativa para diminuir golpes

Uma das principais pautas da Anatel nos últimos anos é o combate às ligações abusivas. A agência instituiu o Não Me Perturbe (que não foi muito efetivo, por sinal) e criou o 0303 para telemarketing. Em breve, ligações de cobrança e doações também devem adotar o prefixo especial.

A próxima tentativa para diminuir as ligações abusivas é o protocolo STIR/SHAKEN, chamado pela Anatel de Contato Verificado. O recurso permite que empresas mostrem seu nome, logo e o motivo da ligação na tela do identificador de chamadas do seu smartphone.

Novo protocolo de chamadas mostrará logo da empresa e motivo da ligação (Ilustração: Vitor Pádua/Tecnoblog)

De acordo com a Anatel, a chamada verificada garante “confiabilidade de que não ocorreu alteração indevida de código de acesso do chamador, ou seja, spoofing”. Com isso, fica mais fácil identificar se o banco realmente está ligando para confirmar uma compra indevida ou se é um golpista do outro lado da linha tentando roubar o seu dinheiro.

O STIR/SHAKEN não deve acabar com o spoofing, já que apenas empresas poderão ter contatos verificados. Enquanto isso, o seu número pode ser utilizado para aplicar golpes nesse exato momento — e não há nada o que você possa fazer para evitar esse tipo de manipulação.

Como me livrei de muitas chamadas indesejadas

Existem algumas técnicas para bloquear chamadas indesejadas no seu celular.

O ajuste mais óbvio é restringir ligações de desconhecidos, pois esse recurso recusa automaticamente todos os telefonemas de números que não estão cadastrados na agenda de contato. O problema é que nem todo mundo pode se dar ao luxo de perder ligações, como quem aguarda retorno de uma vaga de emprego ou se você é vendedor e precisa atender potenciais clientes.

Por aqui, apostei no Whoscall, um app para Android e iOS que dispõe de um banco de dados colaborativo com informações sobre um número. Se você possui um smartphone Samsung, pode ativar a proteção ID de chamadas no discador nativo.

Os identificadores colaborativos ajudam bastante, mas não são 100% eficazes. O que reduziu significativamente o telemarketing indesejadas foi o bloqueio de prefixos. Graças ao Number Shield, app pago disponível para iOS, consegui colocar fim em todas as ligações de 0303 e outros prefixos de chamadores insistentes. No Android, o Truecaller possui recurso similar mesmo na versão gratuita.

Number Shield para iOS permite bloquear ligações de prefixos inteiros (Imagem: Lucas Braga/Tecnoblog)
Spoofing numérico: golpistas te ligam com números parecidos com o seu

Spoofing numérico: golpistas te ligam com números parecidos com o seu
Fonte: Tecnoblog

Testamos a nova IA que vê tudo que você faz no PC

Testamos a nova IA que vê tudo que você faz no PC

Carolina Hernandez detalha a ferramenta Recall (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

(Direto de Redmond, nos EUA) Sua memória também é péssima? Pois saiba que Windows Recall é o nome da nova ferramenta que observa tudo o que você faz no PC para te ajudar a encontrar dados de forma veloz. Ao menos esta é a intenção da Microsoft com o anúncio da tecnologia baseada em inteligência artificial.

Nós estamos no congresso Microsoft Build e eu pude testar o Recall por alguns minutos. Ao menos na versão prévia, a ferramenta se chama Busca Rápida em português do Brasil. Ela grava o que quer que tenha sido exibido na tela do laptop, de modo a possibilitar uma poderosa pesquisa de informações.

“O Recall utiliza um modelo que combina texto e elementos visuais para apresentar resultados muito relevantes aos nossos usuários”, nos explica Nicci Trovinger, diretora sênior de marketing de produto na Microsoft. Essa função recorre a reconhecimento de texto (o famoso OCR) e visão computacional para fazer associações.

Ferramenta de Busca Rápida na área de notificações do Windows (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Aqui estão alguns exemplos de pesquisas na Busca Rápida:

Busque por “restaurantes” para localizar conversas no WhatsApp sobre um encontro entre amigos

Pesquise por “planejamento da viagem” para ver conteúdo turístico, itinerário e sites consultados

Para quem tem filhos pequenos: escreva “crianças e atividades” para gerenciar as tarefas deles

No trabalho: pesquise por palavras-chave para encontrar informações compartilhadas com os colegas

Como é o uso do Recall

Resultados da busca pelo planejamento de viagem no Windows (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

A interface da Busca Rápida inclui uma linha do tempo com momentos-chave do uso do computador. Os quadros funcionam como prints, e são chamados em português de instantâneos. O campo de busca é o ponto de partida: o usuário deve escrever ou falar aquilo que está buscando.

Trovinger conta que princípios de IA generativa são utilizados pelo Recall. Ainda assim, o Windows não apresenta nenhuma resposta por escrito nem é capaz de produzir resumos. Em vez disso, a pesquisa retorna capturas de tela que destacam as potenciais respostas. Todo este procedimento é muito ligeiro, leva questão de segundos.

Imagine ter lido sobre câmeras fotográficas durante a semana, mas não se lembrar dos modelos específicos. A Busca Rápida consegue trazer isso, inclusive em páginas nas quais havia apenas imagens dos produtos.

Busca Rápida no Surface Laptop (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

A nova ferramenta tem muito potencial de facilitar o nosso cotidiano. Eu mesmo vivo me perdendo em janelas e mais janelas, em busca de alguma informação que inicialmente me passou batida. Nessas horas, o Recall entrará em cena e irá atuar como uma verdadeira memória do que aconteceu na vida digital daquela pessoa – ao menos se ela tiver um potente notebook integrante do projeto Copilot+.

Dá para filtrar por aplicativo ou tipo de conteúdo. No futuro, será possível clicar num botão e ir diretamente para o trecho do documento de Word que cita uma determinada informação localizada pelo Recall.

Funcionamento, privacidade e requisitos mínimos

Talvez o grande trunfo do Recall seja rodar localmente as funções necessárias para produzir os instantâneos e catalogar as informações. Por isso mesmo, será preciso um aparelho moderno, conforme explicamos acima, que possua uma NPU. PCs antigos não serão capazes de executá-lo.

Pensar numa IA que te monitora ao longo do dia pode dar frio na espinha para usuários cientes da própria privacidade. Diz a Microsoft que será possível desativar o Recall a qualquer tempo. Nas configurações, também é possível escolher sites específicos (do seu banco, por exemplo) e programas que não serão capturados pela Busca Rápida.

Ele não irá funcionar em janelas anônimas do Microsoft Edge nem em conteúdo protegido por DRM (os naturais suspeitos são apps de Netflix, Prime Video e outros serviços de streaming). Cada desenvolvedor deverá adaptar seu programa para funcionar bem com o Windows 11 e o Recall.

Painel de controle da Busca Rápida no Windows (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Ainda segundo a empresa, as informações coletadas não serão usadas para treinamento de modelos de IA.

Outro empecilho pode estar ligado ao armazenamento. A Microsoft diz que os computadores deverão ter mínimo de 256 GB e espaço livre de 50 GB. As pessoas poderão escolher o quanto de espaço irão alocar para a funcionalidade, mas a Microsoft tem falado em algo entre 25 GB e 50 GB, o que daria para até três meses de memória.

Ao menos em meu primeiro contato aqui nos Estados Unidos, notei que uma semana de instantâneos consome cerca de 60 MB. Não é muito para uma ferramenta tão interessante.

Mais Build: no vídeo abaixo, conheça o primeiro notebook Copilot+ da Microsoft

Ver essa foto no Instagram Uma publicação compartilhada por Tecnoblog (@tecnoblog)

Thássius Veloso viajou para os Estados Unidos a convite da Microsoft
Testamos a nova IA que vê tudo que você faz no PC

Testamos a nova IA que vê tudo que você faz no PC
Fonte: Tecnoblog

Multi enfrenta síndrome de vira-lata do brasileiro, diz presidente

Multi enfrenta síndrome de vira-lata do brasileiro, diz presidente

Alexandre Ostrowiecki é CEO da Multi, a antiga Multilaser (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Resumo

Alexandre Ostrowiecki, CEO da Multi (antiga Multilaser), discute o preconceito com a marca e destaca que 70% do faturamento da empresa provém de produtos fabricados nacionalmente, abrangendo uma diversidade de itens como eletrônicos e eletrodomésticos.
A Multi amargou um prejuízo líquido de R$ 836 milhões em 2023, seu primeiro resultado negativo em 15 anos, atribuído à limpeza de estoques acumulados durante a pandemia.
A empresa expandiu para o segmento de motos elétricas com a submarca Watts, que já detém 25% do mercado. Toda a produção ocorre em Manaus.
Ostrowiecki aborda a complexidade do ambiente de negócios no Brasil, mencionando o “manicômio” burocrático que impacta os custos e a operacionalidade das empresas.
A Multi terminou a parceria com a HMD devido à falta de competitividade dos celulares Nokia no mercado pós-pandemia.

Qual nome vem à sua mente quando te peço para pensar num produto eletrônico genérico? Talvez seja a Multilaser, uma indústria genuinamente brasileira que está no mercado há quatro décadas. Numa conversa exclusiva e honesta, o CEO da agora Multi comenta pontos interessantíssimos: desde o preconceito com a marca até a rotina de desenvolvimento de novos produtos, passando por detalhes de fabricação e também pelo que Alexandre Ostrowiecki chama de “manicômio” burocrático do Brasil.

Em março de 2024, a Multi divulgou prejuízo líquido de R$ 836 milhões. Foi o primeiro resultado negativo depois de 15 anos consecutivos no azul. Ostrowiecki explica que foi feita uma limpa em estoques remanescentes dos anos de pandemia e que agora a Multi está pronta para enfrentar novamente a concorrência.

Moto elétrica Multi Watts W125 tem três modos de pilotagem (Imagem: Divulgação/Multi)

O executivo se mostra particularmente orgulhoso com o desempenho num segmento que é novidade para mim (e talvez seja para você também): de motos elétricas. A submarca Watts realiza toda a produção em Manaus e já abocanha 25% do mercado.

Vamos à conversa? Não custa ressaltar que ela foi editada para fins de clareza e brevidade. Lembre de me contar suas impressões nos comentários desta página.

Antiga Multilaser passou a se chamar Multi em julho de 2022 (Imagem: Divulgação/Multi)

Entrevista exclusiva com Alexandre Ostrowiecki

Thássius Veloso (Tecnoblog) – Há quem diga que a Multi não fabrica os produtos, que ela apenas os importa. É verdade?

Alexandre Ostrowiecki (Multi) – Esse é mais um dos mitos que existem sobre a nossa empresa e sobre outras indústrias nacionais. Nós, brasileiros, temos um pouco da síndrome de vira-lata, que é achar que as coisas lá de fora vão ser automaticamente melhores. Será assim em alguns casos, mas em outros não. Mais de 70% do faturamento da Multi é produzido por nós. São 13 linhas de produtos: TV, celular, tablet, computador, roteador, cartão de memória, pendrive, liquidificador, ventilador, moto elétrica, bicicleta elétrica, patinete elétrico e tapetes para pet.

Os componentes vêm de fora? As peças são produzidas por vocês?

Não existe nenhuma indústria no planeta que faça tudo do zero. A Mercedes-Benz não cava o chão, tira o minério e produz o aço. Todas as empresas compram diversas partes intermediárias para agregar valor no final. Quando eu compro um resistor na China e uma placa pelada ESMT, ponho na minha máquina de inserção, coloco pasta de solda, passo no forno, pego peça plástica, coloco no produto, e aí monto… tudo isso é processo fabril. Essa é uma pergunta inócua porque montagem é uma forma de fabricação.

E os outros 30%?

São produtos importados porque são muito baratos e não justificaria a produção nacional. Fazemos todos os testes e embalamos no Brasil. É o caso das caixas de som, por exemplo: elas eram fabricadas em Manaus, mas passamos a importar porque o frete de lá é muito caro. A linha de carrinhos de neném não tem nenhum processo local.

Itens fabricados pela Multi representam 70% do faturamento (Imagem: Divulgação/Multi)

O site da Multi fala na comercialização de 6 mil itens. Como vocês fazem para manter os sistemas e drivers atualizados naqueles produtos de mais tecnologia, como celular, smart TV, computador e periféricos? Porque esse número me pareceu alto.

Uma parcela desses produtos, como liquidificador, por exemplo, é apenas hardware e não depende de atualização de software. Mouse e teclado também são baseados no plug and play. O software é importante principalmente nos PCs, por isso fazemos muitos testes com o Windows, além dos smartphones, tablets e smartwatches. Cada linha de produto tem um time em Extrema (MG) responsável pela perfeita integração e funcionamento. Esse trabalho é superimportante. Eu acredito que não passe de cem o número de produtos que precisam de software.

Esse trabalho tem sido realizado a contento?

A gente começou lá atrás sem tanto conhecimento. Com o tempo foi ficando mais firme. Eu tenho usado o nosso celular top de linha, o Multi H, e posso te dizer que está redondo. Nunca deu dor de cabeça, roda rápido e não quebra os programas.

Agora falando especificamente de smartphones: o que rolou para encerrarem a parceria com a Nokia?

Nós fomos muito felizes por dois, três anos. Depois, com o fim da pandemia e o encolhimento do mercado, sentimos que os produtos deixaram de ser competitivos. A parceria não conseguiria nos levar aonde gostaríamos de chegar.

Onde?

Não adianta a gente ficar trabalhando para ter 1% ou 2% do mercado. Precisaríamos estar pelo menos no top 5 de celular e os produtos da Nokia não estavam muito formatados para o que o brasileiro queria. Havia questões sobre a qualidade da câmera e o custo-benefício. Por isso decidimos encerrar.

O gargalo era com a Multi ou com a HMD?

Dos dois lados. Houve falhas nossas com lançamentos não tão agéis quanto o necessário. Vimos também que a HMD mudou de foco: agora quer atuar em cibersegurança, projetos corporativos e mercado europeu. A linha de produtos não estava mais voltada ao consumidor brasileiro.

Como o consumidor pode confiar de que será bem atendido caso role um problema com produto de vocês?

O consumidor pode ficar muito tranquilo com a nossa pós-venda porque nosso atendimento é premiado e tem histórico de resolver todos os problemas. Nunca deixamos ninguém na mão, tanto que as nossas notas costumam ser mais altas que a de indústrias multinacionais. Nós trocamos rápido quando é necessário. Também temos 40 anos de mercado, dívida zero e caixa líquido de R$ 200 milhões.

A que você atribui esse preconceito com a marca?

Historicamente, nós somos uma empresa que tenta focar no custo-benefício. O nosso celular tem ticket médio de R$ 500. Ele é diferente de um aparelho de R$ 5.000. Não tem como esperar a mesma coisa. O nosso tablet custa R$ 499 enquanto o da concorrência começa em R$ 1.000, por exemplo. É natural que a gente tenha cometido erros ao longo do tempo, assim como todo mundo. Mas em geral, a gente entrega produtos que são muito mais acessíveis. Eu sou usuário de todos os produtos da Multi: tenho air fryer, liquidificador, um mouse gamer guerreiro que me acompanha há três anos.

Me parece que a Multi quer ser a porta de entrada para a tecnologia. Vocês conseguem depois reter estes consumidores?

Depende da categoria. Realmente não tem pessoas de classe A e B que deseje um smartphone nosso. Normalmente é o primeiro celular da pessoa, ou o aparelho do filho adolescente, ou ainda uma opção para não ir a um show com um telefone de R$ 10.000. Por outro lado, somos muito bem aceitos e líderes na parte de tablets, acessórios de PC, gaming, eletroportáteis, itens de saúde como o oxímetro, produtos baby. Nós não temos o perfil de atender a essa parte mais aspiracional.

Já teve algum produto que você percebeu que não tava legal?

Com certeza, eu caio matando! Vai email pra todo lado. (risos) Lá atrás, eu comprei uma caixinha de som boombox que tocava CD. Pluguei na tomada e não ligava. Pensei que estava queimado. Bem depois, descobri que era bivolt e estava ajustado para 220 V. O pessoal técnico me disse que precisava mudar para o 110 V. Muitas vezes o produto não foi pensado adequadamente por todos os ângulos.

E qual tecnologia desenvolvida por vocês te deixou mais orgulhoso?

Nós criamos um SIM Card com cartão memória embutido. Seria uma espécie de dois-em-um desenvolvido pela área de semicondutores. O cliente só precisaria colocar esse chip no telefone para ter a telefonia e mais memória. Ele poderia revolucionar os slots de todos os smartphones do planeta. Nós vendemos esse projeto corporativo para os Estados Unidos. No entanto, o padrão de dois slots já tinha se tornado o padrão global. Também criamos um robô limpador de vidros que consegue ficar do lado de fora da janela. Ele fica preso por uma ventosa, reduzindo o risco das pessoas.

Grupo possui duas fábricas em Extrema (MG) e Manaus (Imagem: Divulgação/Multi)

Falando especificamente da sua atuação: quais os desafios de liderar uma empresa de tecnologia, mas que está inserida num contexto brasileiro?

Não importa o país, existe o desafio global da mudança rápida de tecnologia. Tudo evolui muito rápido e produtos atuais ficam obsoletos com o tempo. É preciso um planejamento muito bom para se manter atualizado, senão vira prejuízo. Existe ainda uma camada especial de desafio ligada ao manicômio tributário do Brasil. Não tem uma semana que não apareça alguma maluquice que chega de repente. Por exemplo, venceu a licença do carimbo de sei lá quem porque tal setor está em greve, portanto não pode usar água do poço da fábrica, correndo risco de levar multa. E nisso, a gente começa a trazer caminhão-pipa para abastecer a unidade. Outro caso real: a fábrica de motos de Manaus está com espaço sobrando e a de TVs, com espaço faltando. Pode parecer óbvio, mas é ilegal pegar as TVs e guardar na área de motos. Precisa de outra autorização para mover os seus produtos do seu depósito A para o B. Esse é o motivo para tantas multinacionais abandonarem o país. A gente não tem essa opção, precisa realmente se virar.

Por isso o produto é caro no Brasil?

O público não tem a menor ideia do estrago dessa burocracia. O efeito é essencialmente aumentar os preços. Não estou aqui dizendo que as empresas são coitadas. Mas elas ficam mais estressadas e os gestores repassam o custo para os consumidores. Fica caro porque você paga o produto mais o imposto mais o manicômio.

Até os produtos considerados mais baratinhos são caros para o consumidor final?

Com certeza. Pega o mouse de uma marca famosa e global. Agora compara o preço do Walmart nos Estados Unidos e em alguma loja do Brasil. O produto é o mesmo, produzido na mesma fábrica da China, custa um terço lá fora.
Multi enfrenta síndrome de vira-lata do brasileiro, diz presidente

Multi enfrenta síndrome de vira-lata do brasileiro, diz presidente
Fonte: Tecnoblog

Exclusivo: Veek prepara plano de celular grátis na rede da Vivo

Exclusivo: Veek prepara plano de celular grátis na rede da Vivo

Veek permitirá que clientes escolham entre rede da Vivo ou TIM (Imagem: Lucas Braga/Tecnoblog)

O mercado de operadoras virtuais terá uma nova sacudida nos próximos meses: a Veek, que oferece serviço de celular na modalidade freemium, permitirá que o cliente escolha qual sinal quer usar. Um novo acordo foi firmado com outra fornecedora de infraestrutura, e os clientes terão a rede da Vivo à disposição.

Alberto Blanco, CEO da Veek, contou com exclusividade ao Tecnoblog que a empresa firmou um acordo com a Telecall, operadora que utiliza a rede da Vivo. O funcionamento será em paralelo com a rede existente, da Vero/Americanet (e sinal da TIM).

“O que a gente quer é ter mais uma opção de rede, porque existem algumas localidades em que a rede da Vivo tem cobertura melhor. O cliente vai poder brincar com a rede ‘roxa’ e a rede ‘azul’. Não vamos deixar a Americanet, é um excelente parceiro que nos possibilitou desenvolver nossa oferta gratuita, o Freemium, e temos muita gratidão com a empresa.”Alberto Blanco, CEO da Veek

Essa é a primeira vez que uma MVNO permite que o cliente escolha qual rede irá utilizar. O executivo ainda diz que o acordo com a Telecall dá mais segurança para a continuidade da operação da Veek:

“A gente já teve alguns tropeços no passado, então ter duas redes nos dá mais segurança. É muito mais uma questão de dar opção aos nossos clientes, mas [o acordo] permite maior segurança para continuidade do negócio.Alberto Blanco, CEO da Veek

A operação ainda não tem data certa para começar, mas Blanco revela que a Veek trabalha para lançar a operação comercial com o sinal da Vivo em agosto de 2024.

Os detalhes da Veek com a rede da Vivo

Com as duas teles simultâneas, as operações ficarão separadas, com chips diferentes para a rede da Vivo ou TIM. O cliente poderá escolher qual sinal prefere, e o SIM Card correspondente será enviado para o endereço.

Clientes existentes da Veek, com a rede da TIM, poderão migrar para o sinal da Vivo e vice-versa. Nesse caso, será necessário trocar de chip; após a ativação, a Veek fará uma portabilidade numérica interna.

Plano grátis também estará disponível na rede da Vivo

Um dos questionamentos do Tecnoblog é se o Freemium ficará restrito ao serviço da TIM e Americanet. Blanco confirma que as ofertas serão as mesmas em qualquer uma das redes, inclusive o Freemium.

Atualmente, para ter o Freemium é necessário comprar o chip no valor de R$ 120. O plano inclui até 2 GB de internet por mês, ligações ilimitadas e 30 SMS por dia, desde que o cliente faça “check-ins” diários. O check-in é o ato de entrar no aplicativo e assistir uma publicidade.

Para usar serviços de celular de graça, clientes precisam assistir publicidade no app da Veek (Imagem: Lucas Braga/Tecnoblog)

Quem precisar de mais dados poderá comprar pacotes adicionais. A Veek também vende planos de celular tradicionais, sem anúncios. O pacote mais barato custa R$ 30 mensais com 3 GB, e os dados não utilizados acumulam para os próximos meses.

Veek quer ser a operadora de outras empresas

Além de comercializar telefonia móvel com sua marca própria, a Veek também está no caminho para ser fornecedora de solução para outras empresas. “A gente consegue com facilidade criar um app com mudanças de marca, customizações específicas e de conteúdo. Já temos quatro ou cinco pilotos rodando”, afirma o executivo.

Blanco nos revelou que o Botafogo deve lançar uma nova MVNO através da Veek, também com o plano Freemium. É a segunda vez que o clube tenta lançar sua própria operadora — em dezembro de 2020, a Botafogo Celular foi lançada em parceria com a Dry Company, derivada da Surf Telecom e TIM.

Além disso, a Veek vê futuro em parcerias com foco empresarial. O CEO comentou sobre um acordo feito com uma rede de postos de combustíveis, cujo público-alvo do serviço móvel são os próprios frentistas.

Nesse projeto, a matriz utiliza a plataforma de check-ins para divulgar sobre metas, promoções e pequenos treinamentos em troca de internet grátis. A ideia nasceu a partir de um programa de benefícios oferecido aos funcionários da empresa de combustíveis, em que os principais resgates eram créditos para celular pré-pago.
Exclusivo: Veek prepara plano de celular grátis na rede da Vivo

Exclusivo: Veek prepara plano de celular grátis na rede da Vivo
Fonte: Tecnoblog

Android da Motorola não terá política de atualizações; saiba o motivo

Android da Motorola não terá política de atualizações; saiba o motivo

Motorola é a número 2 em vendas de celulares no mercado brasileiro (Ilustração: Vitor Pádua/Tecnoblog)

(México) Sempre que noticiamos sobre um novo smartphone da Motorola, imediatamente os seguidores do Tecnoblog comentam sobre a falta de uma política consistente de atualizações do Android. O tema é tão recorrente que levei este assunto para dois porta-vozes da empresa. Em resumo, a empresa não tem planos de divulgar uma política unificada para todo o portfólio.

O gerente global de produtos de hardware, Thomas Milner, explica que as atualizações de Android e os pacotes de segurança “são mais complexos do que as pessoas imaginam”. Eles exigem o envolvimento de muitos engenheiros, muito trabalho e muitos recursos da companhia. Por isso, a ideia é evolui-la especificamente nos lançamentos da categoria premium, como os da linha Edge.

Ainda de acordo com Milner, os usuários de telefones premium costumam ficar dois anos com os mesmos produtos. O desafio da Motorola seria, portanto, propor regras de atualização que contemplem este período e ainda deem um chorinho enquanto a pessoa pensa em trocar de dispositivo.

Updates são um benefício de cada linha

A diretora-executiva global de marketing, Nicole Hagen, acrescenta que a fabricante encara os updates como um das variadas características dos produtos. O posicionamento dá a entender que ele é oferecido a quem topa pagar mais pelos aparelhos.

“Não quer dizer que o smartphone vá parar de funcionar depois disso, até porque muita coisa é atualizada via Google Play Store”, diz Milner. Por exemplo, o aplicativo nativo de câmera, um dos mais valorizados pelos usuários.

Hoje em dia, a rival Samsung oferece possivelmente a política mais generosa de todas: chega a cinco anos para versões de Android e sete anos para pacotes de segurança na linha do Galaxy S24, lançada em janeiro de 2024. Já a Apple não divulga um número exato, mas sabe-se que o iPhone também costuma receber novas versões de iOS por cinco anos.

Perfil dos usuários da Motorola

Pergunto se os usuários da Motorola não se importam com este tipo de coisa, já que os clientes das empresas acima citadas ficam alvoroçados diante do assunto. Thomas diz que alguns “com certeza querem saber mais disso, mas eles podem ser uma minoria vocal”. O executivo faz a ressalva de que é justo querer saber quanto tempo seu smartphone será contemplado por updates, mas que estes clientes “ficarão felizes conforme apresentarmos novos produtos, sempre bem equilibrados de recursos”.

Ao menos a Motorola será clara ao divulgar as regras de atualização para cada novo dispositivo que chegar ao mercado? “Sim, eu não vejo motivos para não fazermos isso”, pontua Milner. Não custa lembrar: de modo geral, os telefones da série Moto G recebem somente uma grande versão do sistema Android.

Thássius Veloso viajou para Tulum, no México, a convite da Motorola

Android da Motorola não terá política de atualizações; saiba o motivo

Android da Motorola não terá política de atualizações; saiba o motivo
Fonte: Tecnoblog