Category: iPhone

Galaxy AI já pode ser testado no iPhone; veja como

Galaxy AI já pode ser testado no iPhone; veja como

Aplicativo Try Galaxy recebeu atualização para testar a Galaxy AI e One UI 6.1 (Imagem: Divulgação/Samsung)

A Samsung liberou a nova versão do Try Galaxy, web app que mostra recursos dos seus celulares nos iPhones. Desta vez, o destaque vai para os recursos de inteligência artificial do Galaxy AI. Os usuários do smartphone da Apple podem visualizar uma demonstração dessa tecnologia, além de conhecer outras novidades da One 6.1, interface do Galaxy S24 baseada no Android 14.

As simulações do Galaxy S24 e seus recursos não são totalmente interativos. O web app permite tocar em alguns botões e acessar galeria de fotos ou app de mensagens, para que a pessoa conheça a One UI. Outros recursos são apresentados por meio de vídeos. O Try Galaxy só está disponível para iPhone 7 ou posterior.

Try Galaxy mostra novidades de fotografia e tradutor

Try Galaxy mostrando remasterização de foto com Galaxy AI (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Os principais recursos destacados pelo vídeo do Try Galaxy são as melhorias para fotos e o tradutor em tempo real — todos eles utilizando a potência do Galaxy AI. Numa parte da demonstração, o app mostra como a inteligência artificial pode ser usada para remasterizar uma fotografia. Aqui, a Samsung também aproveita para exibir para o usuário de iPhone o design da galeria e mais informações de uma foto.

Uma parte da simulação exibe a funcionalidade de tradução em tempo real. A promessa da Samsung com essa ferramenta é facilitar a comunicação entre pessoas que não falam o idioma. A demonstração da sul-coreana exibe a tradução em ação durante uma conversa via texto e outra em uma ligação.

Tradução em tempo real do Galaxy AI é um dos destaques do Try Galaxy (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O Try Galaxy ainda mostra como funciona o Samsung Health, aplicativo de saúde e bem-estar da Samsung. Este app da Samsung é rival direto do Saúde, aplicativo com mesmo foco e nativo do iPhone.

Samsung já levou Galaxy S23 e Z Fold 5 para o iPhone

Antes do Galaxy AI, algumas das demonstrações apresentadas no Try Galaxy tiveram relação com o Galaxy S23 e o Galaxy Z Fold 5. No primeiro caso, a proposta do app (uma bela jogada promocional da Samsung) era idêntica a esta do Galaxy AI, com destaque para a nova câmera, o Nightography e a One UI 5.1.

Já no caso do Galaxy Z Fold 5, era necessário usar dois iPhones para testar o dobrável da Samsung. Nesse exemplo, o usuário conseguia visualizar os recursos multitarefas e até ver a FlexCam, funcionalidade de dobrar a tela para ajustar o ângulo de captura.

Com informações: SamMobile
Galaxy AI já pode ser testado no iPhone; veja como

Galaxy AI já pode ser testado no iPhone; veja como
Fonte: Tecnoblog

Como saber se um e-mail foi lido no Gmail ou Outlook pelo PC ou celular

Como saber se um e-mail foi lido no Gmail ou Outlook pelo PC ou celular

Como saber se um e-mail foi lido no Gmail ou Outlook pelo PC ou celular (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Saber se um e-mail foi lido é o processo de verificar se o destinatário abriu uma mensagem enviada por meio de plataformas como Gmail e Outlook.

É possível usar o Mailsuite (antigo Mailtrack) no PC ou no celular para saber se seus e-mails foram abertos ou não, tanto em contas pessoais como empresariais.

Para isso, basta instalar a extensão da ferramenta no PC ou usar o plugin do recurso no app do Gmail para celulares. Veja mais detalhes a seguir.

ÍndiceComo saber se um e-mail foi lido no Gmail pelo PC1. Acesse o site do Mailsuite2. Instale a extensão do Mailsuite no Google Chrome3. Conecte a sua conta do Gmail ao Mailsuite4. Selecione uma conta no Gmail para conectar ao Mailsuite5. Escolha o plano gratuito do Mailsuite6. Use o Mailsuite para saber se o e-mail foi visualizadoComo saber se um e-mail foi lido no Gmail pelo celular1. Acesse a página do Mailsuite no Google Workspace2. Instale o plugin do Mailsuite para Gmail3. Instale a extensão do Mailsuite no Google Chrome, se a ferramenta solicitar4. Ative o Mailsuite ao escrever no Gmail para celular5. Vá em “Enviados” no Gmail para saber se o e-mail foi lidoComo saber se um e-mail foi lido no Outlook pelo PC1. Entre no site do Mailsuite2. Instale o plugin do Mailsuite a partir do Microsoft AppSource3. Ative o Mailsuite em sua conta no Outlook4. Envie e-mails com o Mailsuite no OutlookO Outlook para celular permite saber se um e-mail foi lido?É possível saber de forma nativa no Gmail se a pessoa leu meu e-mail?Dá para confirmar o recebimento de um e-mail pelo Gmail?

Como saber se um e-mail foi lido no Gmail pelo PC

O modo mais prático para confirmar o recebimento de e-mails enviados via Gmail é usando a ferramenta Mailsuite, conforme as seguintes instruções.

1. Acesse o site do Mailsuite

Acesse o site do Mailsuite usando o Google Chrome e clique em “Install on Gmail”. Quando o navegador abrir a Chrome Web Store, clique em “Usar no Chrome” ou “Add to Chrome”.

2. Instale a extensão do Mailsuite no Google Chrome

Clique em “Adicionar extensão” quando o Google Chrome perguntar se você quer fazer isso. A extensão ainda poderá ter o nome antigo, Mailtrack.

3. Conecte a sua conta do Gmail ao Mailsuite

Clique em “Conectar com Google ” ou em “Connect with Google” na página que surgir após a extensão ser instalada. O procedimento conecta a sua conta do Gmail ao Mailsuite.

Se a página de conexão não for exibida automaticamente, abra o Gmail no Chrome e clique em “Ativar” ou “Enable”.

4. Selecione uma conta no Gmail para conectar ao Mailsuite

Escolha uma conta do Gmail para adicionar ao Mailsuite (antigo Mailtrack). Em seguida, clique em “Continuar”. Finalize o procedimento clicando em “Permitir” para a extensão ter acesso à sua conta de e-mail.

5. Escolha o plano gratuito do Mailsuite

Na tela seguinte, escolha o plano “Free” do Mailsuite que é suficiente para você saber se um e-mail foi lido no Gmail. Ou escolha um dos planos pagos se você quiser mais recursos, como rastreamento de cliques em links nas mensagens.

6. Use o Mailsuite para saber se o e-mail foi visualizado

A partir de agora, os e-mails enviados via Gmail terão um selo do Mailsuite no rodapé. O seu computador poderá ainda exibir uma notificação quando cada mensagem for aberta pelo destinatário.

Você também pode acompanhar as mensagens indo na pasta “Enviados” ou “Sent”. Cada e-mail exibirá um ou dois sinais de visto na cor verde, que significam:

Um sinal verde: confirma o recebimento do e-mail pelo destinatário;

Dois sinais verdes: a pessoa recebeu e abriu o e-mail. Passe o cursor do mouse sobre o sinal para saber a hora ou data em que a mensagem foi lida.

Como saber se um e-mail foi lido no Gmail pelo celular

Saber se um e-mail foi lido no Gmail para celular requer a instalação de um plugin na sua conta e de uma extensão do Mailsuite (antigo Mailtrack) no Google Chrome. O passo a passo é descrito a seguir.

1. Acesse a página do Mailsuite no Google Workspace

Abra a página do plugin do Mailsuite para Gmail no Google Workspace Marketplace via Chrome para desktop. É preciso fazer login em sua conta Google, caso você não esteja autenticado no serviço.

2. Instale o plugin do Mailsuite para Gmail

Clique no botão “Instalar” e selecione a conta no Gmail a receber o plugin do Mailsuite. Finalize clicando em “Continuar” e em “Permitir” para que a ferramenta tenha acesso à sua conta.

3. Instale a extensão do Mailsuite no Google Chrome, se a ferramenta solicitar

Instale a extensão do Mailsuite no Google Chrome, caso não tenha feito isso ainda.

4. Ative o Mailsuite ao escrever no Gmail para celular

Abra o aplicativo do Gmail para Android ou iOS. Escreva um e-mail ou responda a uma mensagem recebida. Toque no ícone de três pontos do e-mail e vá em “Inserir de Mailtrack” e em “Track Mail”. Escreva a mensagem e a envie.

5. Vá em “Enviados” no Gmail para saber se o e-mail foi lido

Para saber pelo celular se o e-mail foi entregue, toque no ícone com símbolo de três traços do Gmail para Android ou iPhone. Abra a opção “Enviados” ou “Sent” no menu que surgir. Os e-mails rastreados terão um ou dois sinais de visto, indicando:

Um sinal de visto: o e-mail foi entregue ao destinatário;

Dois sinais de vistos: o e-mail foi entregue e aberto pelo destinatário.

Como saber se um e-mail foi lido no Outlook pelo PC

O Mailsuite (antigo Mailtrack) também tem uma extensão para Google Chrome ou Microsoft Edge que permite saber se o e-mail foi lido no Outlook ou Hotmail. As orientações são dadas a seguir.

1. Entre no site do Mailsuite

Acesse o site do Mailsuite e, na página inicial, clique em “Install on Outlook”. Uma página no Microsoft AppSource será aberta para instalação do rastreador de e-mail. Clique em “Obter agora” ou em “Get it now”.

2. Instale o plugin do Mailsuite a partir do Microsoft AppSource

Na tela seguinte, informe seu e-mail e clique em “Sign in”. Preencha o formulário que surgir informando pelo menos os dados obrigatórios, como nome e país de residência. Clique em “Obter agora” ou em “Get it now”.

3. Ative o Mailsuite em sua conta no Outlook

A página do Outlook ou Hotmail será aberta com uma tela do Mailsuite (antigo Mailtrack) por cima. Clique em “Adicionar” ou “Add”. Isso fará o rastreador ser integrado à sua conta de e-mail.

4. Envie e-mails com o Mailsuite no Outlook

Ao enviar e-mails via Outlook ou Hotmail, clique no botão do Mailsuite para ativar o rastreamento, se o recurso ainda não estiver habilitado.

Acesse a pasta de itens enviados do Outlook para saber se o e-mail foi recebido ou lido pelo destinatário de acordo com o seguinte:

Um sinal de visto no e-mail: a mensagem foi entregue ao destinatário;

Dois sinais de vistos no e-mail: a mensagem foi entregue e aberta pelo destinatário.

O Outlook para celular permite saber se um e-mail foi lido?

O Outlook para Android ou iOS não permite a integração de ferramentas que confirmam o recebimento e a abertura de e-mails enviados, tampouco oferece um recurso nativo para isso.

É possível saber de forma nativa no Gmail se a pessoa leu meu e-mail?

Sim, mas só é possível ativar a confirmação de leitura no Gmail se a sua conta no serviço estiver em um plano do Google Workspace para uso corporativo ou educacional. O recurso precisa ainda ser habilitado pelo administrador da assinatura. A confirmação de leitura não está disponível no Gmail para uso pessoal.

Dá para confirmar o recebimento de um e-mail pelo Gmail?

Sim, mas só é possível solicitar confirmação de leitura no Gmail se a sua conta pertencer a um plano do Google Workspace para organizações ou uso educacional. Mesmo nesses casos, a ferramenta deve ser ativada pelo administrador do plano para funcionar em sua conta. O recurso não funciona em contas gratuitas do Gmail.
Como saber se um e-mail foi lido no Gmail ou Outlook pelo PC ou celular

Como saber se um e-mail foi lido no Gmail ou Outlook pelo PC ou celular
Fonte: Tecnoblog

Especialistas querem interruptor físico para desligar as IAs

Especialistas querem interruptor físico para desligar as IAs

Pesquisadores propõem a criação de kill switches para inteligências artificiais (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Um grupo de pesquisadores publicou nesta semana um artigo no qual defendem um interruptor físico para desligar inteligências artificiais. O paper, publicado pela célebre Universidade de Cambridge, tem entre seus autores alguns membros da OpenAI, criadora do ChatGPT e principal empresa do ramo de IA generativa. A ideia dos cientistas é que o hardware dessa tecnologia conte com elementos físicos para interromper seu funcionamento — se necessário.

A proposta dos pesquisadores pode ser comparada como um kill switch para IA. Kill switch é o nome dado para botões ou outros mecanismos de segurança que desligam uma máquina em caso de emergências. Por exemplo, aquele grampo de esteiras das academias que devem ser presas a camiseta. Caso o corredor caia, o grampo puxa o cordão e desliga a máquina.

Kill switch para IAs é defendida até por membros da OpenAI

Entre os 19 autores do artigo, cinco são integrantes da OpenAI. A empresa é, na atualidade, a principal referência em inteligência artificial. A popularidade do ChatGPT e seus recursos, ainda que suscetível à falha e “preguicite”, cresceu rapidamente após o seu lançamento no fim de 2022 — seguido de uma queda em junho de 2023.

Cinco integrantes da OpenAI estão entre os 19 autores do artigo (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Essa ascensão do ChatGPT gerou uma corrida de IAs generativas e levantou o debate sobre possíveis riscos dessa tecnologia. Google lançou o Gemini (que antes se chamava Bard), a Meta lançou IA generativa para figurinhas, ferramentas de criação de fotos e vídeos estão ganhando mais espaço, Elon Musk saiu às compras para lançar sua própria IA, Samsung estreou a Galaxy AI na linha Galaxy S24, Tim Cook falou de IA no iPhone — você já deve ter entendido.

A proposta dos pesquisadores para solucionar possíveis problemas de segurança é incluir kill switches diretamente no hardware da IA. No artigo, os cientistas destacam que como há poucas fornecedoras de GPU (para não dizer que é basicamente a Nvidia nesse segmento), ficaria fácil controlar quem tem acesso a essa tecnologia, o que facilita também identificar o mal uso de IAs.

Pelo artigo, temos a impressão de que os pesquisadores defendem que é fácil aplicar o mecanismo de kill switch nas GPUs. Os cientistas sugerem que o botão de segurança no hardware permitirá que órgãos reguladores o ativem se identificarem alguma violação. Além do mais, o próprio kill switch poderia se ativar em caso de mal uso.

Os autores propõem também uma licença de operação para as empresas, que deveria ser renovada periodicamente para autorizar a pesquisa e desenvolvimento de IA — nada diferente do que ocorre com alvarás. Sem renovação, o sistema seria interrompido. Obviamente, essas propostas de controle remoto trazem outro risco: elas viram alvos de ciberataques.

Com informações: The Register
Especialistas querem interruptor físico para desligar as IAs

Especialistas querem interruptor físico para desligar as IAs
Fonte: Tecnoblog

Meta está ensinando os usuários a fugir das taxas da Apple

Meta está ensinando os usuários a fugir das taxas da Apple

Impulsionamento de posts no Instagram e Facebook ficarão mais caros, mas Meta ensina a pagar menos (Imagem: Vitor Padua/Tecnoblog)

Em algumas semanas, a Meta atualizará os preços do impulsionamento no iOS, adicionando ao valor a comissão de 30% da Apple. Porém, a dona do Facebook e Instagram já está ensinando os usuários a burlar essa taxa no iPhone e outros dispositivos da empresa da maçã. E isso poderá ser feito usando navegadores instalados nos eletrônicos, incluindo o Safari, desenvolvido pela própria Apple.

Para pagar o preço mais baixo no impulsionamento de uma publicação, o usuário terá que acessar a página do Facebook ou do Instagram em algum browser, seja o Chrome, Opera, Edge, Safaria ou outros. A Meta explica em uma publicação que não é necessário entrar nas páginas por um desktop. Mesmo acessando um navegador no iOS o usuário terá o preço original do serviço.

Meta pode se aproveitar de disputa entre Epic e Apple

Impulsionamentos ficarão mais caro no iOS, mas Meta pode divulgar “drible” na Apple após decisão da justiça americana (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

A Meta poderá divulgar dentro dos seus aplicativos meios de pagamento fora da App Store — pelo menos nos Estados Unidos. Na publicação, ela não explica se também usará essa forma de comunicação. Essa permissão para divulgar pagamentos por meios fora da App Store é resultado da disputa entre Epic e Apple.

No comunicado oficial, a Meta explica que ela era obrigada a se adequar às novas políticas da Apple (que incluem a comissão para impulsionamento) ou remover o serviço da plataforma. O impulsionamento é uma ferramenta para ampliar o alcance de publicações. Ela é uma opção mais simples para quem deseja aumentar o alcance sem usar o gerenciador de anúncios da Meta, que pode ser mais complexa para alguns usuários e desnecessária para pequenos negócios.

No Brasil, a Apple não é obrigada a permitir que as empresas divulguem outros meios de pagamento dentro de seus apps. No entanto, a dica informada pela Meta é válida para os usuários brasileiros — e não só com produtos da empresa de Mark Zuckerberg. Algumas companhias podem fornecer serviços e assinaturas mais baratas se contratadas fora do aplicativo para iOS.

Com informações: PC Mag
Meta está ensinando os usuários a fugir das taxas da Apple

Meta está ensinando os usuários a fugir das taxas da Apple
Fonte: Tecnoblog

Primeiro trojan para iPhone consegue roubar dados do reconhecimento facial

Primeiro trojan para iPhone consegue roubar dados do reconhecimento facial

Empresa de cibersegurança detecta primeiro trojan capaz de roubar dados de reconhecimento facial no iOS (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O Group-IB, empresa de cibersegurança, divulgou que o malware GoldDigger tem uma versão atualizada capaz de roubar dados de reconhecimento facial no iPhone. A atualização, batizada de GoldPickaxe, é o primeiro trojan para golpes bancários do iOS. Após a instalação, o malware rouba as informações de reconhecimento facial, que pode ser usada pelos cibercriminosos acessar as contas bancárias das vítimas.

O ecossistema fechado e restritivo da Apple sempre foi um ponto positivo para a segurança do iPhone — e justificativa da empresa para melhorar ou piorar a experiência do usuário, dependendo da sua opinião. A chegada de um trojan para o iOS muda um pouco esse cenário, ainda que a sua instalação seja complicada.

Como revela o relatório do Group-IB, o cavalo de Troia é instalado através do TestFlight, plataforma da Apple para teste de apps, disponível para desenvolvedores. Outro meio de instalar o trojan é pelo MDM usando de engenharia social. MDM é a sigla em inglês para Mobile Device Management, um recurso para dispositivos usados em empresas que permite a configuração à distância.

Com invasão ao smartphone, GoldPickaxe pode roubar dados para entrar em contas bancárias (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

GoldPickaxe começou focando em cripto

O malware GoldPickaxe tem como alvo as carteiras de criptomoedas — que vai se tornando o alvo mais comum desses cibercrimes. No entanto, como outros apps financeiros podem exigir o reconhecimento facial, as contas bancárias sem criptoativos podem ser invadidas. E ao pegarmos o Brasil como exemplo, o app do gov.br também é importante e exige o reconhecimento facial para o cadastro.

O GoldPickaxe também pode interceptar SMS, canal pelo qual aplicativos costumam enviar códigos de confirmação. Segundo o Group-IB, a maior parte dos cibercriminosos que utilizam o malware estão na Ásia. Nos últimos anos, Vietnã e Tailândia se tornaram dois polos de grupos hackers — e esses países são os alvos do vírus.

A primeira detecção do GoldPickaxe para iOS aconteceu em outubro de 2023. A linha do tempo divulgada pelo Group-IB mostra que o malware evoluiu rapidamente. O GoldDigger, sua base, apareceu no Android em junho de 2023.

Como dito anteriormente, o alvo dos criminosos são moradores da Tailândia e Vietnã. O surgimento do vírus acontece meses depois do Banco da Tailândia (órgão similar ao nosso Banco Central) recomendar o uso de reconhecimento facial nos bancos do país. Porém, mesmo com o foco nessas nações, o desenvolvimento do malware pode levar os criminosos a atuar em outros países ou fornecê-lo para outros grupos hackers.

Com informações: Tom’s Guide
Primeiro trojan para iPhone consegue roubar dados do reconhecimento facial

Primeiro trojan para iPhone consegue roubar dados do reconhecimento facial
Fonte: Tecnoblog

iPhone não terá mais suporte para web apps na União Europeia

iPhone não terá mais suporte para web apps na União Europeia

Apple encerra suporte a progressive web apps após Lei dos Mercados Digitais entrar em vigor (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A Apple confirmou nesta quinta-feira (15) que está encerrando os web apps no iPhone. A medida vale apenas para os consumidores na União Europeia. A justificativa da big tech para acabar com o suporte para progressive web apps é Lei dos Mercados Digitais, que obrigou a Apple a abrir o ecossistema do iOS para lojas e recursos de terceiros.

Caso o nome web app não te ajude, vamos relembrar: esses aplicativos são instalados no seu smartphone direto de uma página web. Por exemplo, você pode abrir o site da Uber no Safari, clicar nas opções da aba e selecionar “adicionar à tela de início”. Algumas páginas, como é o caso da Uber, são progressive web apps (PWA) e terão uma experiência próxima ao aplicativo baixado na App Store.

Apple culpa UE por fim dos PWA

PWA permite que usuários utilizem páginas da web com experiência próxima aos aplicativos baixados na App Store (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Na página de Perguntas Frequentes para desenvolvedores, a Apple explica que a decisão de encerrar o suporte para os PWAs é resultado da Lei dos Mercados Digitais (DMA). A big tech diz que essas exigências da legislação europeia afetam a segurança e a privacidade do iOS, o que prejudicaria o uso dos web apps.

A funcionalidade de adicionar páginas à tela inicial é baseado no Safari. Você “abre um app”, mas roda uma aba do navegador da empresa. Antes da DMA, todos os browsers do iOS usavam o kit de desenvolvimento do Safari. Agora, a Apple é obrigada a liberar outras engines, o que permite, por exemplo, que o Chrome passe a usar o Chromium.

A big tech até poderia contornar esse problema, mas ela diz que isso exigiria uma nova arquitetura de integração que ainda não existe no iOS. Além do mais, a Apple explica que ela possui outras demandas com a DMA e o uso de web apps é muito baixo — traduzindo: muito trabalho para pouca coisa.

Por outro lado, os usuários europeus poderão “instalar” as páginas da web na tela inicial do iPhone. A diferença é que a experiência deve ficar mais distante de um PWA, cuja ideia é deixar a página web mais parecida com um aplicativo.

Com informações: The Verge e 9to5Mac
iPhone não terá mais suporte para web apps na União Europeia

iPhone não terá mais suporte para web apps na União Europeia
Fonte: Tecnoblog

Apple Vision Pro: alguns compradores decidiram devolver o aparelho

Apple Vision Pro: alguns compradores decidiram devolver o aparelho

Apple Vision Pro na sede da Apple nos Estados Unidos (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Duas semanas após o início de suas vendas, alguns clientes estão devolvendo o Apple Vision Pro. O headset VR da Apple, que tem preço inicial de US$ 3.499 (R$ 17.390 em conversão direta), chegou com grande alarde, ótimos recursos e hardwares, mas não é um produto para todos. E não estamos falando do custo, mas sim do fato de que sua usabilidade ainda é bem limitada.

Nas redes sociais, os consumidores relataram os seguintes motivos para a devolução:

Peso

Desconforto

Problemas de visão

Falta de utilidade

Por que clientes estão devolvendo o Apple Vision Pro

Já pensou trabalhar duas horas com headset de aproximadamente 650 g pesando a sua cabeça para baixo? (Imagem: Divulgação/Apple)

Vamos aprofundar a lista de motivos que levou alguns clientes a devolverem o Apple Vision Pro. Começando pelo peso e desconforto, o Vision Pro possui pouco mais de 600 g, sem contar a bateria, que é externa, e tem 353 g. Esse valor é por volta de 100 g a mais do que o Meta Quest 3.

Os usuários do headset VR da Apple dizem que o centro de gravidade está na frente do visor. Isso significa que, caso você consiga ficar usando o Vision Pro por duas horas (capacidade da bateria), seu pescoço ficará empurrando a cabeça para trás (para compensar o peso do headset empurrando-a para baixo). Isso acaba gerando um sintoma da síndrome da visão do computador.

Outro incômodo é usar o produto com uma bateria externa. Caso o consumidor decida se mover com o Apple Vision Pro, ele precisa levar a bateria consigo, seja no bolso ou na mão — cuidado com o fio. Há ainda clientes que reclamaram da faixa de suporte para cabeça.

As reclamações de sintomas de visão não são exclusivas do Apple Vision Pro. Relatos de cansaço na vista, vermelhidão e até rompimento de vaso são comuns entre usuários de headsets VR (que, lembrando, existem há anos). O usuário fica um bom tempo com telas a centímetros de distância dos olhos e ainda pisca menos.

The Verge criou simulação de como realmente é a visão do Vision Pro fora da captura de tela. Alguns clientes reclamaram dessa resolução levemente borrada e cortada (Imagem: Reprodução/The Verge)

Essa situação é um lado negativo do ótimo marketing da Apple. Ela conseguiu encantar diversas pessoas que nunca se interessaram por realidade virtual. No entanto, parafraseando o “glass is glass” do JerryRigEverything, o Apple Vision Pro ainda é um headset VR. Ele terá os mesmos problemas dos seus concorrentes.

A falta de utilidade também levou alguns clientes a devolverem o produto, vendido nos Estados Unidos por a partir de US$ 3.499. Mesmo com uma biblioteca de mais de mil apps e 150 filmes preparados para o Vision Pro, uma parte dos usuários não vê valor no produto — e não falamos do preço. O headset segue no ecossistema fechado da Apple, o que te impede de, por exemplo, de jogar um título AAA de corrida. Contente-se com Fruit Ninja VR.

Essas reclamações não devem ser surpresa para a Apple. A própria equipe responsável pelo Vision Pro acredita que levará quatro gerações para que ele alcance o nível de maturidade almejado. Os hardwares são bons, mas não adianta uma Ferrari se for para rodar em estrada de terra. No mais, mesmo que o rival Meta Quest 3 seja 7x mais barato e com mais recursos, ambos são produtos nichados e que não resolvem nenhum problema do usuário comum.

Com informações: The Verge e Business Insider
Apple Vision Pro: alguns compradores decidiram devolver o aparelho

Apple Vision Pro: alguns compradores decidiram devolver o aparelho
Fonte: Tecnoblog

Como excluir a conta do Instagram pelo celular ou PC

Como excluir a conta do Instagram pelo celular ou PC

Conheça as diferentes formas de apagar a sua conta do Instagram (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Excluir a conta do Instagram é um processo para apagar o perfil e todos os dados de uma conta na rede social. A plataforma permite deletar a conta do Instagram definitivamente pelo celular ou PC.

Após solicitar a exclusão da conta, o Instagram mantém o perfil inativo por 30 dias antes de apagar permanentemente o cadastro. Dentro desse período, o usuário pode voltar a fazer login na conta para interromper o processo de exclusão, caso mude de ideia.

Após o período de 30 dias, todo o conteúdo da conta do Instagram é apagado. Isso inclui as fotos e os vídeos publicados, além das interações com outros perfis.

A seguir, veja como excluir sua conta do Instagram definitivamente:

ÍndiceComo excluir a conta do Instagram pelo celular1. Abra seu perfil no Instagram2. Acesse o menu “Configurações e privacidade” do Instagram3. Toque em “Central de Contas” para ver mais opções da sua conta no Instagram4. Acesse “Dados pessoais” para ver suas informações da conta da Meta5. Toque em “Desativação ou Exclusão” para encerrar a conta do Instagram6. Selecione a conta para ser deletada do Instagram7. Toque em “Excluir conta” para apagar a sua conta do Instagram8. Selecione o motivo pelo qual você quer excluir sua conta do Instagram9. Insira a sua senha para deletar a conta do InstagramComo excluir a conta do Instagram pelo PC1. Acesse o link da página para excluir sua conta do Instagram2. Faça login na sua conta do Instagram pelo navegador3. Selecione por que você deseja encerrar a conta do Instagram4. Digite sua senha para deletar seu cadastro no Instagram5. Clique em “Excluir [nome de usuário]”Dá para excluir a conta do Instagram sem lembrar a senha?Consigo excluir uma conta bloqueada do Instagram?Minha conta é excluída se eu desinstalar o app do Instagram?O que acontece ao excluir a conta do Instagram?Posso recuperar a conta do Instagram que foi excluída?Por que não consigo excluir minha conta do Instagram?Qual a diferença entre excluir e desativar a conta do Instagram?

Como excluir a conta do Instagram pelo celular

O tutorial abaixo ensina a apagar a conta do Instagram pelo aplicativo do celular. Caso precise usar um navegador, siga para a segunda parte deste texto, com o link para excluir a conta do Instagram.

1. Abra seu perfil no Instagram

Abra o aplicativo do Instagram no seu celular Android ou iPhone (iOS) e toque no ícone com a sua foto, no canto inferior direito, para acessar seu próprio perfil na rede social.

2. Acesse o menu “Configurações e privacidade” do Instagram

Toque no ícone com três riscos na horizontal, no canto superior direito, para abrir o menu principal do Instagram. Depois, toque na opção “Configurações e privacidade” para acessar mais recursos da rede social.

3. Toque em “Central de Contas” para ver mais opções da sua conta no Instagram

Toque na opção “Central de Contas” para acessar mais recursos de gerenciamento da sua conta do Instagram.

4. Acesse “Dados pessoais” para ver suas informações da conta da Meta

Role a tela do app até encontrar a seção “Configurações de contas” e toque em “Dados pessoais” para visualizar suas informações cadastradas na Meta.

5. Toque em “Desativação ou Exclusão” para encerrar a conta do Instagram

Selecione a opção “Propriedade e controle da conta” e toque na opção “Desativação ou exclusão” para iniciar o processo para apagar a conta do Instagram.

6. Selecione a conta para ser deletada do Instagram

Escolha qual perfil do Instagram da sua conta Meta vai ser excluído e toque nele.

7. Toque em “Excluir conta” para apagar a sua conta do Instagram

Selecione a opção “Excluir conta” para deletar definitivamente o seu perfil no Instagram. Então, toque no botão azul “Continuar”, na parte inferior da tela, para seguir o processo.

8. Selecione o motivo pelo qual você quer excluir sua conta do Instagram

Escolha uma das opções que representa a razão pela qual você está encerrando a conta do Instagram. Toque no botão azul “Continuar”, na parte inferior da tela, para avançar.

9. Insira a sua senha para deletar a conta do Instagram

Por fim, coloque a sua senha do Instagram e toque no botão azul “Continuar” e encerre a sua conta na rede social.

Como excluir a conta do Instagram pelo PC

1. Acesse o link da página para excluir sua conta do Instagram

Acesse o seguinte link para iniciar o processo de excluir a conta no Instagram: instagram.com/accounts/remove/request/permanent/. Você pode usar um navegador como o Google Chrome, Microsoft Edge, Mozila Firefox ou Apple Safari.

2. Faça login na sua conta do Instagram pelo navegador

Caso ainda não tenha feito o login, o Instagram pedirá que você acesse sua conta para seguir com o processo de exclusão.

3. Selecione por que você deseja encerrar a conta do Instagram

Selecione uma das respostas no menu suspenso ao lado da pergunta “Por que você deseja excluir [nome da conta]?”.

4. Digite sua senha para deletar seu cadastro no Instagram

Desça a página do site e insira a senha da sua conta do Instagram no campo ao lado de “Redigite sua senha”.

5. Clique em “Excluir [nome de usuário]”

Após inserir a senha, desça a página do site e clique no botão azul “Excluir [nome de usuário]” para encerrar a conta no Instagram.

Dá para excluir a conta do Instagram sem lembrar a senha?

Não. Caso não se lembre da combinação, você deve recuperar a senha do Instagram para excluir a sua conta na rede social. Esse processo pode ser feito ao acessar a Central de Contas da Meta pelo app ou pelo Facebook, caso a conta do Instagram seja vinculada a outra plataforma. Em certos casos, é necessário o código da autenticação em dois fatores para realizar a recuperação da senha.

Consigo excluir uma conta bloqueada do Instagram?

Sim. Inicialmente, a pessoa precisa recuperar o acesso à conta bloqueada do Instagram. Depois, é possível fazer o mesmo processo de excluir um perfil da rede social através do navegador.

Minha conta é excluída se eu desinstalar o app do Instagram?

Não. Você não irá perder a conta do Instagram se desinstalar o app do celular Android ou iPhone (iOS). Dá para acessar sua conta em outro dispositivo ou navegador usando seu e-mail e senha do cadastro. Ao desinstalar o app do Instagram, você só perde seus rascunhos de publicações.

O que acontece ao excluir a conta do Instagram?

Durante os primeiros 30 dias após a exclusão, seu perfil, posts e interações ficarão ocultas para os outros usuários do Instagram. Após o período de 30 dias, todas as informações da conta serão apagadas permanentemente. Isso inclui curtidas, comentários, fotos e vídeos publicados. Além disso, o nome de usuário (seu @) poderá ser usado por outra pessoa.

Você pode fazer o backup do Instagram antes de excluir a conta definitivamente para salvar seu conteúdo. Todas as fotos e publicações serão adicionadas a um único arquivo compactado que pode ser baixado no seu PC. É importante dizer que após a exclusão da conta, você perde o acesso à ferramenta de backup.

Posso recuperar a conta do Instagram que foi excluída?

Depende. Você consegue recuperar a conta do Instagram em até 30 dias após a exclusão. Depois desse prazo, será necessário fazer uma nova conta no Instagram com o antigo nome de usuário, se outra pessoa não estiver usando o “arroba”.

Por que não consigo excluir minha conta do Instagram?

Há algumas razões pelas quais você pode não conseguir excluir sua conta no Instagram. Algumas delas são:

Perfil profissional: o Instagram usa um processo mais rigoroso para deletar perfis de empresas e criadores por questões de segurança. A solução é transformar a conta em um perfil pessoal antes de deletar;

Ações pendentes: a plataforma pode impedir a exclusão da conta se houver ações pendentes, como campanhas de anúncios ativas. A opção de encerrar o perfil será liberada após concluir as pendências;

Medidas de segurança: o Instagram bloqueia temporariamente a opção de excluir uma conta após detectar atividades suspeitas. Por exemplo, várias tentativas seguidas de login feitas de diferentes locais.

Qual a diferença entre excluir e desativar a conta do Instagram?

Excluir a conta do Instagram é a ação de apagar todas as informações do perfil e cadastro na rede social. Já desativar a conta do Instagram é uma opção para “excluir a conta temporariamente”. Nesse caso, todos os dados — nome de usuário, perfil, posts e interações — serão ocultados e ficam congelados até a conta ser reativada. O perfil pode ser desativado por quanto tempo for necessário para o usuário.
Como excluir a conta do Instagram pelo celular ou PC

Como excluir a conta do Instagram pelo celular ou PC
Fonte: Tecnoblog

Será que chove? Google Maps agora exibe previsão do tempo

Será que chove? Google Maps agora exibe previsão do tempo

Google Maps agora mostra previsão do tempo no aplicativo (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O Google liberou no Android a função de previsão do tempo para o Maps. A atualização do aplicativo será liberada gradualmente. Para saber se o recurso já chegou no seu app, basta visualizar se o ícone de previsão do tempo está aparecendo no canto superior esquerdo da tela, logo abaixo das abas de locais de interesse.

Esse recurso já estava disponível no Maps para iOS. A ferramenta de previsão de tempo do aplicativo utiliza informações do The Weather Channel, que já fornece os dados do clima para o widget de previsão do tempo da One UI e do app de clima do iOS. Ao contrário dos aplicativos dedicados, o recurso do Maps apenas informa o tempo atual e as previsões para as próximas horas.

Previsão do tempo chega para o Maps no Android

Ferramenta de clima no Maps mostra previsão do tempo para sete horas (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

O recurso de previsão de tempo do Maps permite que você visualize o clima do bairro em que você se encontra ou do lugar no qual você deseja ir. Por exemplo, se você tem um compromisso em determinado horário em um bairro próximo, pode abrir o Maps, arrastar até o local desejado e visualizar o clima no momento e nas próximas sete horas.

Nos testes feitos pelo Tecnoblog, essa função de visualizar outras localidades não indica o bairro ou cidade se você estiver com o zoom mais afastado. Nesses casos, após clicar no ícone de previsão de tempo, a ferramenta se refere ao lugar como “clima na localidade”. Assim, você não consegue usar o recurso para saber a previsão do tempo em uma cidade.

Nos Estados Unidos, esse recurso apresenta a qualidade de ar. Até o fechamento dessa notícia, essa função não estava disponível. Lembrando que a atualização de ferramenta para o Maps é lançada gradualmente. Caso o recurso não esteja disponível no seu aparelho, aguarde mais umas horas.

Com informações: 9to5Google e PhoneArena
Será que chove? Google Maps agora exibe previsão do tempo

Será que chove? Google Maps agora exibe previsão do tempo
Fonte: Tecnoblog

Donos de iPhone estão demorando mais para instalar o iOS 17

Donos de iPhone estão demorando mais para instalar o iOS 17

Ritmo de atualização para iOS 17 tem sido mais lento que no iOS 16, em 2023 (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O iOS 17 está instalado em 76% dos iPhones lançados nos últimos quatro anos, segundo dados divulgados pela Apple. O número representa uma queda no ritmo de atualização: em fevereiro de 2023, 81% os iPhones lançados nos quatro anos anteriores já tinham o iOS 16.

Ainda nos dados divulgados nesta segunda-feira (5), 20% dos iPhones lançados nos últimos quatro anos rodam o iOS 16. Os 4% restantes estão com versões anteriores do sistema operacional.

Versão do iOSFevereiro de 2024Fevereiro de 2023Mais recente76% (iOS 17)81% (iOS 16)Anterior20% (iOS 16)15% (iOS 15)Versões antigas4% (iOS 15 ou anterior)4% (iOS 14 ou inferior)Dados de iPhones lançados nos últimos quatro anos (Fonte: Apple)

Levando em consideração todos os modelos, o iOS 17 está em 66% dos iPhone, e o iOS 16, em 23%. Os 11% restantes estão com versões anteriores do sistema.

Versão do iOSiPhones lançados nos últimos 4 anos Todos os iPhonesiOS 1776%66%iOS 1620%23%Versões anteriores4%11%Dados de fevereiro de 2024 (Fonte: Apple)

Esta é a primeira vez que a Apple divulga dados sobre a adoção do iOS 17. No entanto, números de outras fontes já indicavam este mesmo quadro.

Segundo o Mixpanel, em quatro semanas após o lançamento, o iOS 17 estava em 28,6% dos aparelhos compatíveis. Já no ano passado, neste mesmo ponto, o iOS 16 tinha sido instalado em 37,2% dos dispositivos compatíveis.

Não há dados sobre os motivos para um ritmo mais lento de atualização. Algumas hipóteses são as poucas novidades do iOS 17 e os bugs da atualização, além da piora nas sugestões do teclado.

No iPad, ritmo de atualização aumenta

O iPadOS 17 está presente em 61% dos tablets da Apple lançados nos últimos quatro anos. Neste mesmo recorte, o iPadOS 16 está em 29% dos aparelhos, e os 10% restantes rodam versões anteriores do sistema.

Na comparação com o ano passado, a situação é oposta à dos iPhones, já que taxa de adoção cresceu. Em fevereiro de 2023, 53% dos iPads estavam com iPadOS 16. Ou seja, o iPadOS 17 está 8 pontos percentuais acima na velocidade de atualização.

Versão do iPadOSFevereiro de 2024Fevereiro de 2023Mais recente61% (iPadOS 17)53% (iPadOS 16)Anterior29% (iPadOS 16)39% (iPadOS 15)Versões antigas10% (iPadOS 15 ou anterior)8% (iPadOS 14 ou inferior)Para iPads lançados nos últimos quatro anos (Fonte: Apple)

Isso tem uma explicação: em 2023, a Apple atrasou o lançamento do iPadOS 16 em um mês. Em vez de ser liberado em setembro, com o iOS 16, como é de costume, a atualização daquele ano para os iPads só chegou em outubro, no mesmo momento que o macOS Ventura.

Com informações: MacRumors, GSM Arena
Donos de iPhone estão demorando mais para instalar o iOS 17

Donos de iPhone estão demorando mais para instalar o iOS 17
Fonte: Tecnoblog