Category: negócios

Shopee inaugura seu 10º centro de distribuição no Brasil

Shopee inaugura seu 10º centro de distribuição no Brasil

Shopee abriu primeiro CD no Brasil em 2021 (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

A Shopee inaugurou seu 10º centro de distribuição no Brasil, na cidade de Goiânia (GO). Este é o primeiro centro de distribuição do marketplace na região Centro-Oeste do país — as regiões Sul, Sudeste e Nordeste já são atendidas por instalações similares.

Os centros de distribuição da Shopee operam no modelo cross-docking, sem armazém. As mercadorias são coletadas por parceiros logísticos, levadas até o centro de distribuição, reorganizadas e encaminhadas para os hubs de última milha.

Entregas no Centro-Oeste devem ficar mais rápidas (Imagem: Divulgação/Shopee)

“Esta abertura representa um passo estratégico da Shopee para fortalecer sua infraestrutura logística, se aproximando dos pontos de coleta do Distrito Federal e Goiás”, avalia Rafael Flores, head de logística da Shopee. O executivo afirma que o novo centro de distribuição vai aumentar a velocidade de entrega para consumidores do Centro-Oeste.

Além do CD em Goiânia, a Shopee tem instalações do tipo em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Bahia e Pernambuco. A estrutura logística da empresa conta ainda com mais de 100 hubs de primeira e última milha, exclusivos para produtos de lojistas brasileiros, mais de 20 mil motoristas de parceiros logísticos e cerca de 1.800 pontos de coleta e entrega.

Segundo a consultoria Cushman & Wakefield, a Shopee contava com 266.268 m² em instalações no final de 2023. A título de comparação, o Magazine Luiza tinha 648.140 m², e o Mercado Livre, 1.410.058 m².

Centro de distribuição do Mercado Livre em Cajamar (Imagem: Divulgação)

Shopee investe em logística e afiliados

A Shopee pertence ao Sea Group, de Singapura — que também é dono da Garena, famosa pelo game Free Fire. O marketplace abriu seu primeiro centro de distribuição no Brasil em 2021.

Além de logística, ela também investiu em programas de lojas oficiais e afiliados. A plataforma de comércio está instalada em um escritório de três andares em São Paulo (SP), no mesmo prédio que Google e Meta.

Com informações: Exame
Shopee inaugura seu 10º centro de distribuição no Brasil

Shopee inaugura seu 10º centro de distribuição no Brasil
Fonte: Tecnoblog

Nvidia quer desenvolver chips customizados para empresas de IA

Nvidia quer desenvolver chips customizados para empresas de IA

Nvidia chegou a US$ 1,7 trilhão de valor de mercado, impulsionada por crescimento da IA (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

A Nvidia está criando uma unidade de negócios para receber outras empresas e criar chips sob medida em parceria com elas. Este braço da companhia poderia atender necessidades do setor de inteligência artificial, mas também montadoras de automóveis, empresas de telecomunicações e fabricantes de consoles. As informações são da agência de notícias Reuters, que falou com nove fontes com conhecimento dos planos da Nvidia.

A nova unidade seria uma forma de proteger seus negócios de outras empresas, já que a demanda por chips customizados vem crescendo com a popularização da inteligência artificial generativa. Microsoft, Meta e Amazon, por exemplo, estão desenvolvendo componentes caseiros para atender a este tipo de tarefa. Chips criados pelas próprias empresas podem ser mais baratos e gastar menos energia, resolvendo dois problemas do setor de IA.

ChatGPT é um dos maiores exemplos de IA generativa (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Segundo a Reuters, duas fontes disseram que representantes da Nvidia se reuniram com Amazon, Meta, Microsoft, Google e OpenAI, além de empresas automotivas, de telecomunicações e de games. Em 2022, a Nvidia anunciou um programa para integrar tecnologias proprietárias de outras empresas a seus chips, como forma de criar soluções customizadas. Desde então, a companhia não falou mais sobre esse assunto.

A Nvidia teve um crescimento impressionante em 2023, graças ao aumento da demanda por chips para treinar e rodar modelos de inteligência artificial. Ela tem uma fatia de 80% do mercado de chips de topo de linha para IA. Com isso, a companhia chegou a US$ 1 trilhão de valor de mercado em junho de 2023 e não parou por aí. Atualmente, esta cifra está em US$ 1,73 trilhão, após um crescimento de 40% só em 2024.

OpenAI está em busca de investimentos para chips

De acordo com a Reuters, o mercado financeiro estima que o setor de chips customizados valia cerca de US$ 30 bilhões em 2023. O crescimento em 2024 deve ficar na casa dos US$ 10 bilhões, e em 2025, acelerar para aproximadamente US$ 20 bilhões.

Além das informações sobre a nova unidade de negócios da Nvidia, outra reportagem aponta que Sam Altman, CEO e cofundador da OpenAI, está em busca de investimentos entre US$ 5 trilhões e US$ 7 trilhões para aumentar a capacidade global de produção de chips para IA. A apuração foi feita pelo Wall Street Journal.

As cifras impressionam, já que superam a soma dos valores de mercado de Apple e Microsoft. Para isso, Altman teria se reunido até com autoridades dos Emirados Árabes Unidos. O executivo tem uma visão bastante ousada para o futuro da IA. Ele também investiu em startups de energia nuclear, na esperança de reduzir os custos para rodar modelos de IA.

Com informações: Reuters, The Wall Street Journal
Nvidia quer desenvolver chips customizados para empresas de IA

Nvidia quer desenvolver chips customizados para empresas de IA
Fonte: Tecnoblog

Exclusivo: TVs Hisense serão fabricadas pela Multi no Brasil

Exclusivo: TVs Hisense serão fabricadas pela Multi no Brasil

Resumo

Lançamento: A empresa chinesa Hisense fechou parceria com a Multi para o lançamento de TVs no Brasil, segundo apurou o Tecnoblog com exclusividade.
Minas Gerais: O cronograma prevê que os primeiros modelos sejam importados. No futuro, as TVs serão produzidas na fábrica da Multi em Extrema (MG).
Valores em segredo: O presidente da Hisense no Brasil disse que as TVs terão “preços acessíveis” e que os tamanhos vão variar de 65 a 110 polegadas.
Indústria: A antiga Multilaser já trabalha com a importação de produtos da DJI, Microsoft, Razer, Sony e Targus. Ela está finalizando uma parceria com a HMD, responsável pelos telefones Nokia.

TVs Hisense chegam ao Brasil em 2024, segundo presidente disse em entrevista ao Tecnoblog (Ilustração: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O lançamento das TVs Hisense no Brasil contará com o reforço da Multi, a antiga Multilaser. O conglomerado industrial será responsável pela fabricação dos televisores ao longo dos próximos meses e anos. A ideia da Hisense é inicialmente importar os produtos, mas depois iniciar a produção local.

O Tecnoblog apurou que a Hisense e a Multi chegaram a um entendimento. As TVs serão produzidas na fábrica de Extrema, em Minas Gerais. Este é um importante parque industrial, que recebeu investimento de milhões de reais.

Imagem aérea da fábrica em Extrema, no estado de Minas Gerais (Foto: Divulgação/Multi)

Conforme revelamos com exclusividade, a gigante das TVs Hisense pretende entrar na disputa com a Samsung e principalmente a LG no mercado brasileiro. O presidente Vincent Zhou me disse que serão comercializados televisores “a preços acessíveis”. Ele não deu detalhes sobre o line-up de 2024.

A parceria entre Hisense e Multi não é de hoje. A antiga Multilaser é a atual responsável pela fabricação das TVs Toshiba, marca que pertence à Hisense. Ou seja, bastaria uma readequação ou ampliação da planta para atender à produção dos novos equipamentos.

Interface do sistema Vidaa OS, usado nas TVs da Hisense (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O presidente Vincent Zhou antecipou ao Tecnoblog que o planejamento prevê o lançamento de modelos de 65 até 110 polegadas. A entrevista ocorreu durante a feira CES 2024, que aconteceu em Las Vegas nas primeiras semanas de janeiro. As TVs vão rodar o sistema próprio Vidaa ou a plataforma Android TV, mantida pelo Google.

As TVs Hisense de menor tamanho até serão lançadas no Brasil, mas não serão o foco da empresa. Os executivos costumam bater na tecla de que a Hisense é a número dois em televisores em diversos países, inclusive os Estados Unidos.

A Multi é parceria de diversas marcas conhecidas. Ela faz a importação de produtos da DJI, Microsoft, Razer, Sony e Targus. Ela está por trás dos telefones da Nokia, mas o acordo de cooperação está perto do fim e a própria marca Nokia deve desaparecer.

Exclusivo: TVs Hisense serão fabricadas pela Multi no Brasil

Exclusivo: TVs Hisense serão fabricadas pela Multi no Brasil
Fonte: Tecnoblog

Microsoft demite 1.900 funcionários de Activision Blizzard e Xbox

Microsoft demite 1.900 funcionários de Activision Blizzard e Xbox

Microsoft (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A Microsoft demitiu cerca de 1.900 funcionários da Activision Blizzard e do Xbox esta semana. A divisão conta com aproximadamente 22 mil funcionários, o que significa que o layoff representa 8% do quadro de empregados. Os cortes se concentraram em cargos da Activision Blizzard, mas as saídas afetam também Xbox e Zenimax.

O CEO da Microsoft Gaming, Phil Spencer, divulgou um memorando, obtido pelo site The Verge. Ele diz que a liderança da empresa “está comprometida em alinhar uma estratégia e um plano de execução com uma estrutura de custos que suporte o crescimento de nossos negócios”. Spencer também escreve que a chefia identificou áreas desnecessárias e alinhou as melhores oportunidades para crescimento.

Phil Spencer, CEO da Microsoft Gaming, diz que cortes são para garantir crescimento sustentável (Imagem: Divulgação/Microsoft)

Blizzard perde executivos e cancela game

Quem também deixa a Microsoft é Mike Ybarra, presidente da Blizzard. O anúncio consta em outro memorando interno, assinado por Matt Booty, presidente de conteúdo e estúdios de jogos da Microsoft. Outro nome a sair da empresa é Allen Adham, diretor-chefe de design e um dos cofundadores da Blizzard.

A Blizzard cancelou um survival game anteriormente anunciado, devido às demissões e saídas. Booty diz que a Microsoft vai realocar as pessoas para outros projetos que estão em fase inicial de desenvolvimento.

A Microsoft concluiu a compra da Activision Blizzard em outubro de 2023, em uma transação de cerca de US$ 69 bilhões. O negócio ficou quase dois anos sob investigação de autoridades nos EUA e no Reino Unido, que temiam concentração de mercado.

As primeiras semanas de 2024 estão sendo marcadas pelos layoffs nas áreas de games e tecnologia. Até agora, Riot Games, Twitch, Discord e Unity fizeram cortes de pessoal. Saindo um pouco da área de jogos, o Google já dispensou cerca de 1 mil funcionários e deve fazer mais demissões nos próximos meses.

Com informações: The New York Times e The Verge
Microsoft demite 1.900 funcionários de Activision Blizzard e Xbox

Microsoft demite 1.900 funcionários de Activision Blizzard e Xbox
Fonte: Tecnoblog

O Galaxy leva a mágica da IA para a vida das pessoas, diz VP da Samsung

O Galaxy leva a mágica da IA para a vida das pessoas, diz VP da Samsung

Gustavo Assunção lidera a divisão de dispositivos móveis no Brasil (Foto: Divulgação/Samsung)

A Samsung quer fazer barulho com a chegada do Galaxy AI – tanto que o investimento no lançamento do Galaxy S24 será 25% maior do que no Galaxy S23. A informação foi revelada por Gustavo Assunção, o vice-presidente de dispositivos móveis, num bate-papo com o Tecnoblog. Eu o entrevistei por cerca de uma hora, para entender como pensa um dos principais nomes do mercado de smartphones do Brasil.

A linha do Galaxy S24 foi anunciada nesta quarta-feira (dia 17) com preços no Brasil a partir de R$ 5.999. Gustavo reflete sobre a aposta na IA: “tiramos a fricção, pois era algo muito fragmentado e agora entregamos um produto pronto para o consumidor”. Ele afirma que as novas ferramentas de inteligência artificial precisam ser simples para que as pessoas possam adotá-las no dia a dia. A meta da gigante sul-coreana é democratizá-las.

O executivo fala dos bastidores da chegada do produto, com direito a perguntas sobre temas controversos, como o chip Exynos e o corpo de titânio. Gustavo se mostra animado com a trajetória da linha Galaxy S, que, segundo ele, é amada pelos consumidores. Ele também projeta crescimento “de dois dígitos” em 2024.

Confira a entrevista nas linhas a seguir. As falas foram editadas para fins de clareza e brevidade.

 O lançamento do Galaxy AI

Galaxy AI: botão de gerar conteúdo está presente no S24 (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Thássius Veloso (Tecnoblog) – Qual vai ser a estratégia da Samsung para promover algo que me parece ser mais software do que hardware na parte da inteligência artificial?

Gustavo Assunção (Samsung) – O Galaxy S24 é apenas o primeiro produto da Samsung com esta tecnologia. Nós temos a clara intenção de expadir o Galaxy AI para outros smartphones. Serão dois ou três, provavelmente no segundo semestre. Queremos prestigiar as pessoas que compraram gerações anteriores do Galaxy. Para isso, os telefones precisam ter o devido poder de processamento.

O Galaxy AI vai ser gratuito ou pago?

Totalmente gratuito. A gente não tem previsão de cobrar pela plataforma, seja no curto, médio ou longo prazo. Queremos democratizar o acesso à inteligência artificial, e por isso oferecemos o Galaxy AI de graça para os nossos consumidores.

Eu pergunto isso porque o ChatGPT tem uma modalidade mais sofisticada que requer assinatura. Algumas partes do Microsoft Copilot também. Como a Samsung vai bancar a IA de graça enquanto os outros cobram? Essa conta não tá fechando.

Eu não posso falar dessas empresas, até porque não conheço os modelos de negócios delas. Mas asseguro que não temos nenhuma intenção de cobrança pelo Galaxy AI. A nossa intenção aqui é de ser a marca inovadora que trouxe a inteligência artificial para os dispositivos móveis. Naturalmente que também queremos trazer novos usuários para a plataforma Galaxy.

Galaxy AI pode formatar texto para você (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O que você, enquanto pessoa de negócios, tem usado de inteligência artificial?

A gente viu a mágica da inteligência artificial com o ChatGPT. Eu comecei a pagar a assinatura logo no lançamento e usei por um tempo. Hoje em dia uso bem pouco, mas passei a me interessar mais pelo assunto. Muita gente estuda e fala disso, mas ainda não tem uma aplicação específica que mude a nossa vida. Estamos vivendo o início de algo maior que está por vir. Acredito que a IA é diferente do metaverso, que foi hype há alguns anos. O Galaxy AI traz benefícios reais para o consumidor.

Chip Exynos e chegada ao Brasil

O Galaxy S24 e o Galaxy S24 Plus usam o processador Exynos 2400, da própria Samsung, enquanto o Galaxy S24 Ultra tem Snapdragon 8 Gen 3, da Qualcomm. Sempre dá polêmica quando a gente fala do Exynos. Então pergunto: por que este chip? A Samsung está preparada para as críticas?

A escolha do processador obedece a alguns aspectos maiores do que somente o negócio de smartphones. Nós levamos em consideração a disponibilidade de chips, a nossa visão para o Exynos e os testes de desempenho nas redes de telefonia de cada país. Entendemos que, no caso do Brasil, poderíamos trazer o Snapdragon no Ultra e o recém-lançado Exynos 2400 nas versões básica e Plus. Recentemente lançamos o Galaxy S23 FE também com Exynos e vimos pela imprensa especializada que ele tem performance muito melhor. A Samsung não faria esse movimento se não estivesse muito confiante no que está oferecendo.

Como será a chegada do S24 ao Brasil? Haverá espera em relação aos Estados Unidos?

Novamente temos um lançamento no Brasil simultâneo ao global. Os produtos estão nas lojas desde quarta-feira (dia 17/01), para que as pessoas possam conhecê-lo melhor. Também estão nas operadoras, em parceiros comerciais e no varejo em geral. A nossa pré-venda oferece o dobro de memória pelo mesmo preço. É a mesma oferta que tivemos no S23 e foi muito bem aceita. Também daremos o que chamamos de boost no trade-in. A Samsung aumenta o valor residual do aparelho antigo durante as três semanas de pré-venda. Ou seja, o smartphone atual passa a valer mais na troca pelo S24.

Por que a estratégia do armazenamento em dobro foi tão bem sucedida?

Os nossos dados internos mostram que as pessoas usam muito armazenamento do aparelho, por mais que tenham acesso à nuvem. Isso tem a ver com jogos, música, streaming. Ainda existia dúvida se a estratégia traria valor para o consumidor, mas os resultados de 2023 mostraram que sim. Temos total confiança de que seremos novamente vitoriosos neste ano.

Smartwatch de brinde? Não

Mas Gustavo, até aí eu não vejo nada de novo em relação ao ano passado. Cadê a inovação nessa parte?

Nós fizemos um trabalho importante com as operadoras para oferecer planos específicos para quem quer o Galaxy S24, até porque alguns serviços do Galaxy AI usam a rede de telefonia. Eles também são nossos sócios no processo de comunicação da chegada do S24. Teremos ofertas especiais na nossa loja própria, desta vez em conjunto com outros dispositivos do ecossistema Galaxy, como os fones de ouvido.

Galaxy Watch 6, lançamento de 2023 (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Vocês vão dar relógio de brinde?

Não faremos isso. É algo que eu te contei em outra entrevista e provou ser a estratégia correta. Tivemos um resultado muito bacana com o Galaxy Watch 6 em 2023. Nós recuperamos o negócio de smartwatches no Brasil. Vimos que as pessoas veem valor e estão dispostas a pagar pelo relógio.

Você disse que “recuperou”. Então a situação estava ruim?

A gente vinha de uma situação em que o smartwatch era usado como brinde, o que naturalmente leva a uma perda de valor deste produto. Isso foi resolvido. O Galaxy Watch 6 vendeu cerca de três vezes mais do que o Watch 5. Ele foi comercializado desde o começo, sem ser dado de graça na compra do Galaxy S23. A Samsung tem a vocação de oferecer um ecossistema completo de produtos tecnológicos.

Os smartphones estão todos iguais?

Eu já te perguntei se os celulares estavam todos iguais e você disse que não era bem assim. Agora eu fiquei muito impressionado com o que vi de Galaxy AI porque a impressão é de que essa nova inteligência está na ponta dos seus dedos. Você diria que é uma virada de página?

Sem dúvida nenhuma. Acho que é importante voltar um pouquinho e reconhecer que a inteligência artificial não é algo novo. Ela já está na nossa vida e você sabe muito bem disso. Vários dos nossos aparelhos têm otimização de bateria, por exemplo, mas isso era invisível para o consumidor. A Samsung entendeu que a IA precisa ser simples para o usuário. O Galaxy AI é exatamente assim: fácil de usar e seguro. A gente se preocupou para que as pessoas possam ter a mágica da inteligência artificial no dia a dia delas.

Como fica a privacidade? O Galaxy AI tem acesso às mensagens das pessoas no WhatsApp, às fotos e muito mais. Existe o receio de que estes dados sejam repassados a terceiros.

A pauta da privacidade e da segurança é um pilar para a Samsung enquanto corporação. Permeia todo o negócio, independentemente de ser Galaxy AI ou não. Nesse novo serviço nós usamos criptografia de ponta a ponta. Já as ferramentas de tradução não aprendem com o que é dito pelo usuário porque rodam dentro do dispositivo. Nós estamos tomando todas as medidas possíveis para deixar o usuário confortável com relação a isso.

A Samsung divulgou o compromisso de atualizar o Android do S24 por sete anos. Ou seja, ele sai com o Android 14 e terá, lá na frente, o Android 21. Como vocês podem ter certeza de que um smartphone de 2024 será capaz de rodar um sistema que ainda nem existe, que não tem como saber o quão pesado será?

Nossa intenção é assegurar que o usuário Samsung que optou pela compra de um S24 receba atualizações, esteja sempre seguro e apto a usar todos os recursos disponíveis. Isso naturalmente aumenta o valor do produto. Hoje existe o mercado de economia circular, em que o aparelho antigo é parte do pagamento do aparelho novo. A Samsung está muito atenta a este novo comportamento. Por isso trabalhamos para aumentar a longevidade do aparelho. O cliente tira máximo proveito por mais tempo e isso aumenta o valor de ter um Galaxy S24.

Celular de titânio e a disputa com a Apple

Galaxy S24 Ultra tem quatro câmeras traseiras, duas delas teleobjetivas de 3x e 5x (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

A gente entra numa característica que me chamou a atenção: a carcaça de titânio no Galaxy S24 Ultra. A Apple fez exatamente o mesmo com o iPhone 15 Pro e o Pro Max há alguns meses. Por que a Samsung decidiu por este caminho?

A Samsung tem um pipeline próprio de pesquisa e desenvolvimento. Isso já estava previsto muito antes do nosso concorrente fazer. Não teria como mudar o projeto em poucos meses.

Fiquei curioso em saber o quão antes. Como é o processo de criação de um novo celular?

Toda a parte de R&D começa cerca de dois anos antes do lançamento final. Hoje mesmo nós estamos conversando um pouco sobre os recursos do flagship de 2025.

Pergunto isso porque o consumidor não sabe como funciona. Às vezes ele acha que a Apple fez algo e que a Samsung repetiu logo em seguida.

Exatamente, é impossível fazer isso. O titânio é muito importante porque dá mais durabilidade ao produto. No entanto, nosso principal diferencial é a inovação que o Galaxy AI traz ao mercado móvel.

Tá muito nítido que vocês estão jogando junto com o Google na parte de busca na web. E a Microsoft?

O Galaxy AI é fruto de uma colaboração dessas três empresas. Acho que muita coisa vai acontecer ao longo dos próximos anos. A Samsung sempre tem uma postura de colaboração aberta com esses parceiros. O Galaxy AI também permeará os laptops, e aqui entra um contato importante com a Microsoft. Essa colaboração extrapola os smartphones.

Galaxy S é amado pelos consumidores

Aparelhos da linha Galaxy S24 saem da caixa com Android 14 e One UI 6.1 (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Eu queria entrar num tema mais abrangente: a marca Samsung. Hoje em dia, quando a gente pensa nas caixinhas em que as marcas são colocadas, todo mundo fica tentando ser uma love brand – o consumidor quer ter tudo daquela empresa e muitas vezes não se importa com a ficha técnica. O que vocês fazem para entrar nessa categoria de love brand?

A Samsung tem uma abordagem mais democrática do que as outras empresas de tecnologia porque estamos em várias categorias de produtos. Portanto, há o ônus e o bônus de ser uma marca mainstream. Quando estudamos os cases do mercado, vemos que marcas abastadas abrem mão de consumidores para serem amadas. Nós queremos atender a todos. Fazemos muita pesquisa e temos o entendimento de que a Samsung é amada pelos consumidores de Galaxy S. O índice de retenção é muito alto. Só não posso te abrir os dados porque são estratégicos, mas sabemos que os usuários do Galaxy S Ultra costumam migrar para um novo Ultra de tempos em tempos.

Então você acha que as pessoas desejam o Galaxy S, às vezes sem se importar tanto com especificações técnicas, mas pelo estilo de vida?

Sim. Um exemplo: pessoas que querem a liberdade de um sistema operacional aberto. Elas encontram isso no aparelho da Samsung. Temos os recursos mais robustos do mercado, o melhor design, e agora a inteligência artificial. 

Os clientes de Galaxy S trocam de aparelho com que frequência?

Eu diria que os usuários de Ultra fazem isso a cada dois anos, eventualmente até um ano e meio. A gente percebe que o ciclo de troca está se estendendo, caminhando para os três anos. Iniciativas como a do Sempre de Samsung encorajam a troca.

Crescimento de dois dígitos

O mercado de celulares passa por um momento de estabilidade. Você acredita que a IA irá elevar as vendas ou que os esforços são no sentido de manter os patamares atuais?

Eu diria que o mercado oficial registrou desempenho positivo no ano passado. Nós deixamos de captar uma parte dos clientes que optou pelo mercado não oficial. Já o segmento premium. Ele não foi afetado pela condição macroeconômica.

Mas eu te perguntei se a meta é manter vendas estáveis ou crescer…

Crescimento, sem dúvida nenhuma. A Samsung projeta crescimento de dois dígitos.

Confira o Galaxy AI em ação no vídeo abaixo

Ver essa foto no Instagram Uma publicação compartilhada por Tecnoblog (@tecnoblog)
O Galaxy leva a mágica da IA para a vida das pessoas, diz VP da Samsung

O Galaxy leva a mágica da IA para a vida das pessoas, diz VP da Samsung
Fonte: Tecnoblog

Vem mais demissão por aí, antecipa CEO do Google a funcionários

Vem mais demissão por aí, antecipa CEO do Google a funcionários

Google terá “escolhas duras” pela frente, diz Pichai (Imagem: Divulgação/Google)

Sundar Pichai, CEO do Google, disse a funcionários que a empresa terá que fazer “escolhas duras” para “investir em suas grandes prioridades”. No memorando enviado, ele dá explicações sobre os cortes recentes e diz que mais postos de trabalho podem ser impactados.

“Muitas dessas mudanças foram anunciadas, mas para antecipar, algumas equipes vão continuar fazendo decisões específicas de alocação de recursos ao longo do ano, onde for necessário, e alguns cargos podem ser impactados”, escreve Pichai.

Divisão de hardware do Google, que faz o Pixel 8 (Imagem: Divulgação/Google)

“Estas eliminações de cargos não são na mesma escala que as reduções do ano passado e não vão afetar todas as equipes”, diz o executivo. “Mas eu sei que é muito difícil ver colegas e equipes impactadas”.

Pichai ainda comenta que os layoffs deste ano foram para “remover camadas para simplificar a execução e aumentar a velocidade em algumas áreas”.

O memorando foi obtido pelo site The Verge. A reportagem procurou a assessoria do Google, que disse não ter comentários a fazer. À Reuters, a empresa disse ter enviado um e-mail a todos os funcionários, mas não revelou o conteúdo.

Google já fez primeiro layoff de 2024

Na semana passada, o Google informou que demitirá cerca de 1 mil usuários. Segundo o New York Times, o corte afeta as divisões de hardware, engenharia e Google Assistant, entre outras. O YouTube, por exemplo, teve cerca de 100 demitidos, segundo relatos. James Park e Eric Friedman, cofundadores da Fitbit, comprada pelo Google em 2021, também deixaram a companhia.

O Google diz que os funcionários terão 60 dias para conseguir outro emprego. Eles podem se candidatar a outros cargos dentro da própria empresa, mas não há garantia que serão aceitos. Como lembra a Reuters, em 2023, a Alphabet (dona do Google) anunciou planos para cortar 12 mil cargos. A empresa tem mais de 180 mil funcionários em todo ano, segundo dados de setembro de 2023.

As demissões em massa deram o tom das decisões corporativas das big techs em 2023. Meta, Amazon e Microsoft também tomaram medidas do tipo.

Com informações: The Verge, TechCrunch, Reuters
Vem mais demissão por aí, antecipa CEO do Google a funcionários

Vem mais demissão por aí, antecipa CEO do Google a funcionários
Fonte: Tecnoblog

Exclusivo: TVs Hisense chegarão ao Brasil por preços acessíveis, promete presidente

Exclusivo: TVs Hisense chegarão ao Brasil por preços acessíveis, promete presidente

Hisense demonstra TV de 110 polegadas durante a CES 2024 (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Direto de Las Vegas, EUA – Os consumidores brasileiros vão contar com as TVs da Hisense a partir do segundo trimestre de 2024. O presidente da companhia no Brasil, Vincent Zhou, revelou com exclusividade ao Tecnoblog que está acertando os últimos detalhes para que os produtos desembarquem no país entre abril e maio.

Hoje em dia, a Hisense vende itens como geladeiras, máquinas de lavar, ar-condicionados e fornos, entre outros produtos da chamada linha branca. Ela também está por trás das TVs da marca Toshiba, que foi adquirida há três anos.

O portfólio ainda está sendo definido, mas a Hisense tem interesse principal em telas grandes. São esperados modelos de 65 até 110 polegadas. TVs menores também devem fazer parte do catálogo. A maioria delas vai rodar o sistema próprio Vidaa OS, que já está nos televisores da Toshiba.

Interface do sistema Vidaa OS, usado nas TVs da Hisense (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Controle remoto de TV Hisense com sistema Vidaa OS (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Sistema Vidaa e apps

Eu pude experimentar uma smart TV com Vidaa OS na CES 2024. Deu para notar que tudo ocorre de maneira muito veloz. Os aplicativos de streaming abrem instantaneamente. Aliás, os principais estão presentes na plataforma, como Netflix, YouTube e Globoplay.

Alguns produtos também vão rodar sistema Android TV. De acordo com executivos, esta plataforma estará nos produtos flagship, ou seja, aqueles mais caros e sofisticados.

Garantia e mais detalhes

Todas as TVs de tela grande terão garantia de dois anos, um diferencial em relação a outras marcas do mercado brasileiro. Zhou me contou que não tem pegadinha: o acesso prolongado a suporte técnico prevê até mesmo os eventuais problemas de burn-in. A oferta valerá para TVs com resolução 4K.

A Hisense deve revelar os detalhes técnicos mais para frente, quando estivermos mais próximos do lançamento no Brasil. A nossa expectativa é de que sejam itens com tecnologias QLED, OLED ou MiniLED. “Os preços serão acessíveis”, prometeu Vincent Zhou durante nossa visita ao estande da marca na CES 2024.

Vincent Zhou e Thássius Veloso na CES 2024 (Foto: Arquivo pessoal)

Thássius Veloso viajou aos Estados Unidos a convite da LG
Exclusivo: TVs Hisense chegarão ao Brasil por preços acessíveis, promete presidente

Exclusivo: TVs Hisense chegarão ao Brasil por preços acessíveis, promete presidente
Fonte: Tecnoblog

Mercado global de smartphones premium contraria tendência e cresce em 2023

Mercado global de smartphones premium contraria tendência e cresce em 2023

Galaxy Z Flip 5 é um diferencial da Samsung no mercado premium (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O mercado de smartphones premium (acima de US$ 600) teve crescimento em 2023 e deve fechar o ano com uma alta de 6% em relação a 2022. As vendas tiveram recorde em mercados emergentes. A Apple ainda é líder no segmento, mas com uma fatia menor do segmento.

Os dados são da empresa de pesquisa Counterpoint. Segundo a companhia, os números contrariaram o declínio do mercado geral de smartphones. Ela afirma que o segmento premium, composto por aparelhos com preço no atacado de US$ 600 ou mais, teve cerca de 25% do mercado global de smartphones e 60% das receitas. “Nos últimos anos, o segmento premium se destacou como uma área de crescimento em um mercado fraco”, escreve a firma em um comunicado em seu site.

Novo comportamento e novos mercados

Para Varun Mishra, analista sênior da Counterpoint, o crescimento do segmento premium está ligado a uma mudança dos padrões de consumo. “Considerando a importância de um smartphone, os consumidores estão dispostos a gastar mais em um aparelho de alta qualidade, que possa ser usado por um período mais longo”, avalia.

iPhone dá à Apple uma larga vantagem na liderança do mercado premium (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Os números da Counterpoint mostram que o crescimento do mercado premium foram puxados pela China, Europa Ocidental, Índia e a região composta por Oriente Médio e África (MEA). As vendas nessa faixa de preço bateram recordes na China, Índia, MEA e América Latina em 2023.

Para Mishra, nestes mercados, os smartphones premium são também um símbolo de status, fazendo muitos consumidores pularem da faixa média para a faixa mais elevada de preço. Ele também destaca promoções e condições de pagamento facilitadas como um dos fatores para muitos compradores gastarem mais.

Apple perde mercado nos smartphones premium

O ranking das marcas que mais vendem smartphones premium permanece o mesmo, mas a fatia de cada uma das empresas teve uma leve alteração. A Apple continua líder, mas perdeu 4 pontos percentuais, de 75% para 71%. Samsung, Huawei e Xiaomi vêm em seguida e cresceram suas participações. Fechando o top 5, a Oppo continua com 1% do segmento premium.

Marca20222023Apple75%71%Samsung16%17%Huawei3%5%Xiaomi1%2%Oppo1%1%Outras4%4%

A Counterpoint atribui o crescimento da Samsung aos dobráveis, que são um diferencial no mercado premium. Já a Huawei “ressurgiu” com a série Mate 60, nas palavras da empresa de pesquisa. A companhia chinesa está sujeita a sanções dos EUA, que a impedem de obter as mesmas tecnologias avançadas a que as concorrentes têm acesso.

Com informações: Counterpoint
Mercado global de smartphones premium contraria tendência e cresce em 2023

Mercado global de smartphones premium contraria tendência e cresce em 2023
Fonte: Tecnoblog

Amazon revela data em que o Prime Video começará a mostrar comerciais

Amazon revela data em que o Prime Video começará a mostrar comerciais

Prime Video passará a exibir anúncios nos Estados Unidos (Ilustração: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Resumo

Inclusão de comerciais no Prime Video: Amazon Prime Video começará a exibir comerciais a partir de 29 de janeiro de 2024, inicialmente nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e Canadá.
Justificativa: A decisão segue uma tendência iniciada pela Netflix e visa gerar receita adicional para investir em conteúdo.
Mudança na Estrutura de Preços: Nos EUA, o Amazon Prime custa US$ 139/ano com comerciais limitados. Para uma experiência sem anúncios, o preço será de US$ 157/ano.
Comparação com outros serviços de streaming: Disney Plus, Hulu e Max já adotam modelos semelhantes, com publicidade nos planos básicos.
Situação no Brasil: Mudança não tem previsão para ocorrer no Brasl. A Amazon planeja implementar a medida em outros países, como México, Itália, França, Espanha e Austrália, ao longo de 2024.

A Amazon informou que o Amazon Prime Video começará a mostrar comerciais e mensagens publicitárias em 29 de janeiro de 2024. A decisão inicialmente vale para assinantes do streaming nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e Canadá. Nós apuramos com a Amazon que estas mudanças “não acontecerão no Brasil neste momento”.

Já existiam sinais de que o Prime Video repetiria uma fórmula adotada pela Netflix em novembro de 2022. No comunicado aos clientes, a Amazon diz que a receita com publicidade permitirá continuar com os investimentos em conteúdo interessante.

Novos preços

É importante notar que a Amazon está refazendo a estrutura de preços do Prime Video. Até agora, os clientes dos Estados Unidos pagavam US$ 139/ano pelo Amazon Prime, que dá acesso aos conteúdos em vídeo. Esse plano está mantido, porém com “comerciais limitados”. Quem não quiser ver publicidade deverá pagar mais: US$ 18/ano, o que faz esta modalidade saltar para US$ 157. As cifras anuais equivalem a R$ 670 e R$ 760, respectivamente.

A gigante da internet entra numa lista com vários serviços de streaming que, ao menos nos Estados Unidos, exibem publicidade no plano mais básico. É o caso de Disney Plus, Hulu, Max (antigo HBO Max) e Paramount Plus, além da própria supracitada Netflix, de acordo com um levantamento publicado pelo site especializado The Verge.

SAC para o Brasil não traz informações sobre Prime Video Ad Free (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

O serviço brasileiro Globoplay recentemente foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo por exibir anúncios a assinantes da modalidade premium. Igor da Silva Oliveira se sentiu enganado por ter de ver comerciais antes e durante os vídeos, de acordo com reportagem do portal Notícias da TV.

Impacto no Brasil e em outros países

Conforme explicamos acima, a Amazon nos disse que “não tem previsão de implementação por aqui”. O serviço de atendimento ao cliente para o mercado doméstico por enquanto exibe uma explicação em inglês sobre o chamado Prime Video Ad Free.

No exterior, a Amazon prepara a adoção da medida no México, Itália, França, Espanha e Austrália no decorrer de 2024.

Com informações: The Verge e Notícias da TV
Amazon revela data em que o Prime Video começará a mostrar comerciais

Amazon revela data em que o Prime Video começará a mostrar comerciais
Fonte: Tecnoblog

Governo do Uruguai recua e Spotify vai continuar operando no país

Governo do Uruguai recua e Spotify vai continuar operando no país

Spotify enviou e-mail a usuários garantindo que fica no Uruguai (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

O Spotify anunciou que continuará oferecendo seu serviço de streaming no Uruguai. A decisão foi tomada após o governo local assinar um decreto que garante que a empresa não precisará pagar duas vezes pelas músicas da plataforma.

Em e-mail, a plataforma pede que os usuários uruguaios que assinam o plano Premium mantenham seus dados atualizados. Para quem usa o Spotify Free, nada muda.

Retomando cenas dos capítulos anteriores: no fim de novembro, o Spotify havia anunciado que deixaria de operar no Uruguai em fevereiro de 2024.

O motivo era uma mudança na lei de direitos autorais. O novo texto tinha dois trechos que, dependendo da interpretação, poderia obrigar o Spotify a pagar os artistas duas vezes.

Um dos trechos dizia que os intérpretes poderiam exigir pagamento por obras difundidas ou retransmitida pela internet e redes digitais. O outro definia que os artistas teriam direito a remunerações justas quando suas gravações são reproduzidas publicamente.

Agora, um decreto do governo uruguaio “resolveu” a questão. No novo texto, os responsáveis pela remuneração são as partes com quem os artistas têm contratos — ou seja, selos, gravadoras, editoras e outras formas de representação. Por isso, o Spotify não será obrigado a pagar em duplicidade os artistas.

Governo uruguaio subestimou reação do Spotify (Imagem: Matt Rubens/Flickr)

Governo uruguaio reconheceu “erro político”

Segundo o El País, foi o próprio presidente uruguaio, Luis Lacalle Pou, quem articulou o texto inicial com os deputados governistas, respondendo a reclamações de artistas locais, que disseram não receber pagamentos justos por sua obra. No entanto, a reação do Spotify surpreendeu.

A publicação afirma que, internamente, o governo uruguaio considerou que foi um “erro” político não dimensionar a reação do Spotify à nova lei de direitos autorais.

Desde o anúncio da saída, o governo uruguaio passou a tentar resolver a situação. De acordo com o El País, houve uma reunião entre representantes do poder local e do Spotify antes da assinatura do decreto, para acertar os detalhes do novo texto.

Com informações: Spotify, Exame, El País Uruguay
Governo do Uruguai recua e Spotify vai continuar operando no país

Governo do Uruguai recua e Spotify vai continuar operando no país
Fonte: Tecnoblog