Category: Snapdragon

Moto G85 é lançado no Brasil com tela pOLED de 6,7″ e chip Snapdragon 6s

Moto G85 é lançado no Brasil com tela pOLED de 6,7″ e chip Snapdragon 6s

Moto G85 (imagem original: reprodução/Motorola)

O Moto G85 G5 foi homologado pela Anatel em junho. Agora, quase um mês depois, a Motorola faz o anúncio oficial do modelo no Brasil. A novidade chega com tela pOLED de 6,7 polegadas e, como previam os rumores, o chip intermediário Snapdragon 6s Gen 3. O preço oficial é de R$ 2.299.

A tela é o destaque do Moto G85

O atributo mais notável do Moto G85 é a tela. Além do tamanho de 6,7 polegadas e do painel pOLED, que garante preto profundo e boa saturação nas demais cores, o componente tem taxa de atualização de 120 Hz. A resolução é de 2400×1080 pixels. Já o brilho de pico é de 1.600 nits.

O Moto G85 é mais um aparelho da Motorola a vir com curvatura nas bordas da tela. Há quem não goste dessa característica por entender que o painel pode ser danificado mais facilmente em caso de queda. De todo modo, a tela é reforçada com o padrão Gorilla Glass 5.

Moto G85 é um smartphone intermediário

A Motorola equipou o Moto G85 com o octa-core Snapdragon 6s Gen 3. Até certo ponto, trata-se de um chip polêmico. Isso porque o Snapdragon 6s Gen 3 é um Snapdragon 695 levemente melhorado, não um SoC realmente novo.

Seja como for, a presença do Snapdragon 6s Gen 3 deixa claro que este é um smartphone intermediário.

As especificações técnicas do Moto G85 no site da Motorola indicam que o modelo tem 16 GB de RAM, mas não é bem assim. O aparelho tem 8 GB de RAM. Os outros 8 GB vêm da tecnologia RAM Boost, que usa parte dos 256 GB de armazenamento interno do celular como memória RAM extra.

Moto G85 na cor azul (imagem original: reprodução/Motorola)

Câmeras e bateria

Na traseira, o Moto G85 conta com uma câmera principal de 50 megapixels baseada no sensor Sony Lytia 600. O componente é complementado com estabilização óptica (OIS) e tecnologia quad pixel, além de fazer par com uma câmera ultrawide de 8 megapixels.

Já na parte frontal, o modelo traz uma câmera de 32 megapixels, também com tecnologia quad pixel.

Outra característica digna de nota é a bateria de 5.000 mAh. O componente é complementado com o carregador rápido TurboPower 33.

Preço e disponibilidade do Moto G85

O Moto G85 G5 já está à venda no site oficial da Motorola no Brasil, bem como na loja da companhia no Mercado Livre.

O preço sugerido é de R$ 2.299, mas, na data de publicação desta nota, o aparelho custava R$ 1.758,73 no pagamento à vista via Pix ou cartão no site da fabricante.

Especificações do Moto G85

Tela: 6,7″ e resolução Full HD+ (2400×1080 pixels)

Tipo de painel: pOLED

Taxa de atualização: 120 Hz

Proteção da tela: Gorilla Glass 5

Brilho de pico: 1.600 nits

Processador: octa-core Snapdragon 6s Gen 3

GPU: Adreno 619

Memória RAM: 8 GB + 8 GB de RAM Boost

Armazenamento: 256 GB

Câmeras:

Principal de 50 MP, 81,4º, f/1,79 e OIS

Híbrida (ultra wide, macro e profundidade) de 8 MP, 118,6º e f/2,2

Frontal de 32 MP, 83º e f/2,45

Sistema: Android 14

Conexão móvel: 2G, 3G, 4G e 5G

Conexão sem fio: Wi-Fi 802.11ac, Bluetooth 5.1, NFC

Bateria: 5.000 mAh

Carregador: TurboPower 33 W

Dimensões: 161,91 x 73,06 x 7,59 mm

Peso: 173 g

Moto G85 é lançado no Brasil com tela pOLED de 6,7″ e chip Snapdragon 6s

Moto G85 é lançado no Brasil com tela pOLED de 6,7″ e chip Snapdragon 6s
Fonte: Tecnoblog

Snapdragon 6s Gen 3 é o novo chip da Qualcomm para celulares intermediários

Snapdragon 6s Gen 3 é o novo chip da Qualcomm para celulares intermediários

Chip Snapdragon 6s Gen 3 (imagem: reprodução/Qualcomm)

Sem chamar a atenção, a Qualcomm incluiu mais um modelo ao seu portfólio atual de chips para celulares: o Snapdragon 6s Gen 3 chega como uma opção voltada a smartphones intermediários. A novidade conta com processo de fabricação de 6 nanômetros e é compatível com 5G.

Uma análise rápida das especificações técnicas mostra que o Snapdragon 6s Gen 3 é um SoC (system-on-a-chip) posicionado ligeiramente abaixo do Snapdragon 6 Gen 1, modelo anunciado em 2022. Observe o comparativo:

Snapdragon 6s Gen 3: 2 núcleos Cortex-A78 de 2,3 GHz, 6 núcleos Cortex-A55 de 1,8 GHz, GPU Adreno 619

Snapdragon 6 Gen 1: 4 núcleos Cortex-A78 de 2,2 GHz, 4 núcleos Cortex-A55 de 1,8 GHz, GPU Adreno 710

Em ambos os SoCs, os núcleos Cortex-A78 são direcionados às tarefas que demandam mais desempenho, enquanto os núcleos Cortex-A55 são focados em eficiência energética.

Essa diferença de configuração sugere que o novo chip deve equipar celulares intermediários, mas não aqueles de categoria premium.

Modem Snapdragon X51 5G

O que faz o Snapdragon 6s Gen 3 ter algum destaque é a presença do modem Qualcomm Snapdragon X51, que torna o chip compatível com redes 5G em picos de download de 2,5 Gb/s (gigabits por segundo) e upload de até 1,5 Gb/s.

Ainda no quesito conectividade, o novo chip oferece suporte a Wi-Fi 4 ou Wi-Fi 5, a Bluetooth 5.2 e a NFC.

Chip Snapdragon (imagem: divulgação/Qualcomm)

Outros destaques do novo SoC

Outras características dignas de nota no Snapdragon 6s Gen 3 incluem:

suporte a memórias LPDDR4x de até 2.133 MHz e armazenamento no padrão UFS 2.2

suporte a telas com resolução de até 2520×1080 pixels e taxa de atualização de 120 Hz

suporte para um sensor de até 108 megapixels ou a até três câmeras de 13 megapixels na traseira

suporte à tecnologia de recarga rápida Quick Charge 4+

Ainda não há informações sobre celulares a serem lançados com o novo SoC da Qualcomm, mas espera-se que os primeiros modelos sejam anunciados até o próximo trimestre.
Snapdragon 6s Gen 3 é o novo chip da Qualcomm para celulares intermediários

Snapdragon 6s Gen 3 é o novo chip da Qualcomm para celulares intermediários
Fonte: Tecnoblog

Asus lança Vivobook S 15 com Snapdragon e promete até 18 horas de bateria

Asus lança Vivobook S 15 com Snapdragon e promete até 18 horas de bateria

Vivobook S 15 é certificado para o Copilot+ (Imagem: Divulgação / Asus)

A Asus é mais uma das marcas a lançar um notebook com o novo processador Snapdragon X Elite, da Qualcomm. O Vivobook S 15 cumpre os requisitos para ser classificado como uma máquina Copilot+ e traz também bateria de 70 Wh (suficiente para 18 horas, segundo a marca) e tela OLED de 15,6 polegadas, entre outras características.

O notebook é um entre muitos apresentados nesta segunda-feira (dia 20/05) com a nova linha de chips da Qualcomm. Por enquanto, a Asus não tem previsão de trazer o Vivobook S 15 para o Brasil.

Vivobook S 15 tem bateria que dura até 18 horas, segundo a Asus (Imagem: Divulgação / Asus)

Snapdragon X Elite e tela OLED 3K

Vamos começar pelo poder de processamento. O chip Snapdragon X Elite usado no Vivobook S 15 conta com uma NPU que alcança até 45 TOPS (trilhões de operações por segundo). Acompanhando, temos até 32 GB de RAM LPDDR5X de 8.448 MHz e SSD PCIe 4.0 de até 1 TB.

O equipamento vem com bateria de 70 Wh. Segundo a Asus, ela é suficiente para durar até 18 horas longe da tomada, com o modo de eficiência energética do Windows ativado e a tela definida para a resolução 1080p.

Por falar em tela, o display do Vivobook S 15 usa a tecnologia OLED e tem resolução 3K. A taxa de atualização é de 120 Hz, com tempo de resposta de 0,2 ms.

Tela OLED tem 120 Hz de taxa de atualização e resolução 3K (Imagem: Divulgação / Asus)

O Vivobook S 15 traz duas portas USB 4 para carregamento rápido, monitores 4K e transferências de até 40 Gbps. Ele também conta com duas portas USB 3.2 Gen 1, do tipo A, uma HDMI 2.1, um leitor microSD e plug de áudio. Nas conexões sem fio, ele já tem suporte ao Wi-Fi 7.

No design, o notebook tem formato ultrafino, com 14,7 mm de espessura e 1,42 kg. O corpo é todo em metal.

Vivobook S 15 é Copilot+

O Vivobook S 15 cumpre as especificações que a Microsoft exige para a classificação Copilot+ PC:

Memória RAM de 16 GB

Armazenamento por SSD de 256 GB

NPU integrada

Tecla dedicada ao Copilot

Nenhum notch no display

Entre os recursos inteligência artificial que a Asus destaca, está o Windows Studio Effects. Ele aperfeiçoa as imagens da câmera frontal, adicionando desfoque de fundo, corrigindo o olhar e cortando o quadro de acordo com onde o usuário está.

O Vivobook S 15 tem uma câmera com infravermelho. Com ela, o sistema escurece a tela quando o usuário está olhando para outro lugar e ativa o bloqueio quando o usuário sai da frente do computador.

A Asus também criou um aplicativo de IA chamado StoryCube, para classificar, editar, gerenciar e exportar arquivos RAW.

Outros recursos mencionados pela Microsoft estão presentes, como as legendas em tempo real com o Live Captions. Os computadores Copilot+ receberão em breve o modelo GPT-4o, da OpenAI.

Asus vai enfrentar Dell, Microsoft e outras marcas

Várias fabricantes aproveitaram o anúncio da classificação Copilot+, feito pela Microsoft, para apresentar seus novos computadores prontos para IA.

Tecla no Surface Laptop aciona a IA do Copilot (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Uma delas foi a Dell, que anunciou cinco modelos. Dois deles devem chegar ao mercado brasileiro: o Inspiron 14 Plus e o Latitude 5455. Eles usam o chip Snapdragon X Plus, voltado a modelos mais acessíveis. Por enquanto, nada de preço, nem data de lançamento.

A própria Microsoft apresentou seu Surface Laptop e seu Surface Pro atualizados. Eles não têm previsão de lançamento no Brasil.
Asus lança Vivobook S 15 com Snapdragon e promete até 18 horas de bateria

Asus lança Vivobook S 15 com Snapdragon e promete até 18 horas de bateria
Fonte: Tecnoblog

Qualcomm pode buscar espaço em servidores com chip de 80 núcleos

Qualcomm pode buscar espaço em servidores com chip de 80 núcleos

Qualcomm pode buscar espaço em servidores com chip Arm de 80 núcleos (imagem: divulgação/Qualcomm)

Grande parte dos smartphones e tablets Android é equipada com chips Snapdragon, mas a Qualcomm quer mais. A companhia anunciou a linha Snapdragon X como seu mais recente esforço para emplacar em notebooks. Existe também uma boa chance de que a Qualcomm anuncie um chip de 80 núcleos voltado a servidores.

Não que esse seja um terreno inexplorado pela companhia. A Qualcomm já tem algumas soluções direcionadas a redes ou aplicações nas nuvens, áreas que se relacionam com servidores. Um exemplo é a Cloud AI 100 Ultra, placa aceleradora de inteligência artificial ideal para computação de alto desempenho.

Mas, se o tal chip de 80 núcleos se tornar realidade, ele provavelmente virá para ser o componente central de um servidor, não um hardware complementar. Com isso, a Qualcomm estará disputando espaço com os processadores para servidores de companhias como Intel e AMD.

Não seria um plano recente. A compra da startup Nuvia pela Qualcomm em 2021 pode ser um sinal desse movimento. O negócio foi considerado parte dos esforços da Qualcomm de melhorar o projeto de seus chips para dispositivos móveis e notebooks. A Nuvia era especializada em projetar chips Arm para aplicações diversas. Isso inclui servidores. Então, é só juntar os pontos.

Um chip de codinome SD1

Uma reportagem do Android Authority sobre os planos atuais da Qualcomm relata que, no segmento de servidores, a companhia está trabalhando em um chip de codinome SD1. Ele teria como base o processo N5P de 5 nanômetros da TSMC, além de 80 núcleos Oryon de 3,8 GHz. Estas seriam as principais características do chip:

80 núcleos Oryon com frequência de até 3,8 GHz

Suporte a 16 canais de memória DDR5 de até 5.600 MHz

PCI Express 5.0 em 70 pistas

Suporte a CXL 1.1

Soquete LGA de 9. 470 pinos (98 × 95 mm)

Suporte para configuração de dois soquetes

Litografia de 5 nm da TSMC (N5P)

A fonte do Android Authority não soube informar o estágio atual do SD1. Porém, parceiros da Qualcomm teriam sido informados sobre o projeto entre o final de 2021 e o início de 2022. Considerado o tempo percorrido desde então, é se presumir que o chip esteja em fase avançada de desenvolvimento.

Em 2017, a Qualcomm lançou uma linha de chips para datacenters chamada Centriq, mas ela foi mantida por apenas um ano. O SD1 seria um retorno em grande estilo a esse mercado.

Enquanto isso, Qualcomm aposta em linha Snapdragon X para notebooks (imagem: divulgação/Qualcomm)

Enquanto isso, Qualcomm aposta em notebooks

Por ora, o que é factível é que a Qualcomm continua empenhada em conquistar espaço em notebooks. O esforço mais recente da companhia no segmento é o chip Snapdragon X Plus, com dez núcleos de CPU e uma NPU de 45 TOPS para inteligência artificial.

A expectativa é a de que os primeiros laptops baseados nesse modelo sejam anunciados nos próximos meses.
Qualcomm pode buscar espaço em servidores com chip de 80 núcleos

Qualcomm pode buscar espaço em servidores com chip de 80 núcleos
Fonte: Tecnoblog

Samsung renova contrato com a Qualcomm para usar Socs Snapdragon

Samsung renova contrato com a Qualcomm para usar Socs Snapdragon

Samsung e Qualcomm renovam contrato e Galaxy S devem seguir usando chips diferentes (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

A Qualcomm seguirá fornecendo processadores Snapdragon para os celulares da Samsung. A empresa americana, em sua apresentação dos resultados trimestrais do fim de 2023, revelou que o contrato plurianual entre as duas companhias foi renovado. Assim, os smartphones Galaxy S, Galaxy Z Fold e Z Flip continuarão usando os chips.

Em 2022, a Qualcomm e a Samsung firmaram a primeira parceria desse tipo. Na época, como revelou a própria empresa americana, o acordo levou o Snapdragon para todos os Galaxy S23 do mundo. Agora, seguindo a estratégia do Galaxy S24, os processadores da Qualcomm devem equipar algumas versões Ultra dos futuros Galaxy S.

Mais Snapdragon e mais Exynos nos Galaxy S

Galaxy S23 FE utiliza Exynos 2200 (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Com a renovação do contrato, temos a certeza de que não será dessa vez que a Samsung encerrará o uso de Snapdragon nos seus smartphones. A fabricante sul-coreana está investindo pesado na linha Exynos.

O chip da Samsung retornou ao mercado com o Galaxy S23 FE (Exynos 2200) e está presente no Galaxy S24 e S24 Plus (Exynos 2400). Os reviews indicam que os SoCs estão com um bom desempenho e sem os superaquecimentos que fizeram sua má fama.

Os processadores da Qualcomm são usados nos dobráveis da Samsung desde o primeiro Galaxy Z Fold, lançado em 2019. Já que o acordo seguirá por mais uns anos, o cenário da linha Galaxy Z não será alterado: veremos Folds e Flips usando Snapdragon — a dúvida é até quando.

Com o grande investimento em seus próprios chips, o caminho natural da Samsung é usar os Exynos em todos os seus dispositivos. Logo, em alguns anos, é provável que o SoC da empresa equipe todos os dobráveis da marca. Mas até isso acontecer, a Samsung precisa lançar um Exynos com desempenho do nível do Snapdragon.

Com informações: SamMobile
Samsung renova contrato com a Qualcomm para usar Socs Snapdragon

Samsung renova contrato com a Qualcomm para usar Socs Snapdragon
Fonte: Tecnoblog

Xiaomi lança Redmi Note 13 no Brasil; saiba os preços

Xiaomi lança Redmi Note 13 no Brasil; saiba os preços

Redmi Note 13 Pro 5G, novo lançamento da Xiaomi, nas cores preto e lilás (Foto: Isabela Giantomaso/Tecnoblog)

Resumo

Lançamento: A linha Redmi Note 13 da Xiaomi foi lançada no Brasil com preços variando entre R$ 1.999 e R$ 3.299. Eles terão sistema HyperOS no lugar da MIUI.
Câmeras: As versões 13 e 13 5G tiram fotos de 108 MP, enquanto o Pro faz registros de até 200 MP. Eles trazem recursos avançados de captura e edição de imagens.
Versão Pro: O Redmi Note 13 Pro 5G se sobressai pela bateria de 5.100 mAh com recarga ultra-rápida. Ele alcança 100% em 46 minutos.
Ficha técnica: Todos os celulares da linha Redmi Note 13 chegam com 8 GB de RAM e 256 GB de armazenamento, além de tela de 6,67 polegadas.
Chipset: Existem diferenças significativas em termos de processador. Tanto Qualcomm quanto MediaTek fornecem chips para os modelos.

Direto de Bogotá (Colômbia) – Os celulares da linha Redmi Note 13 chegam ao Brasil a partir desta quarta-feira (31) por preços entre R$ 1.999 e R$ 3.299. Pela primeira vez, a gigante chinesa Xiaomi lança produtos no país que receberão o novo sistema HyperOS, que substitui a antiga e já conhecida MIUI.

Na ficha técnica, os smartphones se destacam pelas câmeras principais de 108 MP nas versões Redmi Note 13 e Redmi Note 13 5G. Já o Redmi Note 13 Pro 5G conta com sensor de 200 MP. O anúncio global dos novos celulares da Xiaomi aconteceu em evento realizado em Bogotá, na Colômbia.

Vale lembrar que o Redmi Note 13 mais barato não traz a tecnologia 5G. Isso ocorre num momento em que grandes marcas, como Samsung e Motorola, incluem a internet móvel de quinta geração até mesmo em smartphones da categoria básica.

Ver essa foto no Instagram Uma publicação compartilhada por Tecnoblog (@tecnoblog)

Foco nas câmeras

Principais destaques dos novos modelos, a série Redmi Note entrega dois conjuntos diferentes de câmeras com promessas de fotos em alta qualidade. Para as versões Note 13 e Note 13 5G, uma câmera tripla de 108 MP + 8 MP e 2 MP.  Já no Note 13 Pro 5G, o sensor principal é de 200 MP,  com ultra wide de 8 MP e macro de 2 MP. A câmera para selfies é a mesma em todos os aparelhos, com 16 MP. 

Câmeras do modelo Redmi Note 13 Pro 5G (Foto: Isabela Giantomaso/Tecnoblog)

Há modo Noturno, Retrato e Documentos entre as opções do aplicativo nativo de câmera. Na edição, é possível utilizar desde recursos simples até opções nativas de inteligência artificial como apagador de objetos, pessoas e sombras, desfoque e embelezador. Há ainda opções para reconhecer texto em imagens. 

Modo noturno da câmera do Redmi Note 13 Pro 5G (Foto: Isabela Giantomaso/Tecnoblog)

Carregamento rápido

Outro diferencial prometido pela Xiaomi com a nova linha é a bateria avançada, principalmente no Redmi Note 13 Pro 5G. Segundo a fabricante chinesa, o smartphone com 5.100 mAh é capaz de alcançar 100% da carga em apenas 46 minutos, ou 50% em 16 minutos, desde que seja usado o carregador de 67W que acompanha o celular na caixa. 

Os modelos de Redmi Note 13 mais simples trazem bateria de 5.000 mAh e carregamento rápido de 33W. Para comparação, o iPhone 15 Pro Max recebe somente 25W do carregador.

Os novos Redmi Note 13 trazem bateria avançada (Foto: Isabela Giantomaso/Tecnoblog)

Adeus MIUI, olá HyperOS

Aos amantes da Xiaomi que já estão acostumados com a interface MIUI, vale lembrar que ela foi encerrada e substituída pelo HyperOS. A Xiaomi explicou que o Redmi Note 13 ainda terá a MIUI em seu lançamento, mas a atualização irá ocorrer aos poucos. Ela depende do modelo e do lote do aparelho.

Redmi Note 13 ainda será lançado com MIUI; atualização para HyperOS irá acontecer aos poucos (Foto: Isabela Giantomaso/Tecnoblog)

Apresentado em outubro de 2023, o sistema operacional promete uma melhor integração entre smartphones e dispositivos da Internet das Coisas, ou seja, produtos para casas inteligentes. 

Promessa de velocidade 

Apesar de terem uma série de semelhanças, os três modelos chegam ao Brasil com diferenças nos processadores. Rodando 4G, o Redmi Note 13 mais básico roda o Snapdragon 685. Já o Note 13 5G conta com o MediaTek Dimensity 6080 para mais velocidade. Para o Note 13 Pro 5G o equipamento escolhido pela Xiaomi foi o Snapdragon 7S Gen 2.

256 GB para todos

Todos os modelos de Redmi Note 13 desembarcam no Brasil com memória RAM de 8 GB e armazenamento de 256 GB. Uma versão de 12 GB de RAM e 512 GB para o Note 13 Pro 5G também é esperada no país, mas ainda não há uma data definida para a disponibilidade.

Nova linha da Xiaomi oferece armazenamento de 256GB em todos os modelos (Foto: Isabela Giantomaso/Tecnoblog)

E o IP68?

Na categoria resistência, a linha Redmi Note 13 que chega ao Brasil vem equipada somente com classificação IP54, que protege contra respingos e poeira. O sonhado IP68, que oferece resistência em caso de imersão do celular na água, ficou apenas para o modelo Redmi Note 13 Pro Plus, que não deve ser vendido oficialmente no país.

Para o caso de quedas e arranhões, o Note 13 conta com Corning Gorilla Glass 3, enquanto o Note 13 5G e Note 13 Pro 5G são fabricados com Corning Gorilla Glass Victus, uma tecnologia mais avançada.

Design do novo Redmi Note 13 Pro 5G (Foto: Isabela Giantomaso/Tecnoblog)

Preços e cores do Redmi Note 13 no Brasil

A Xiaomi Brasil divulgou os seguintes preços oficiais para os aparelhos no mercado doméstico:

Redmi Note 13: R$ 1.999 (preto, verde e azul)

Redmi Note 13 5G: R$ 2.499 (preto, verde e branco)

Redmi Note 13 Pro 5G: R$ 3.299 (preto, verde e roxo)

Confira a ficha técnica do Redmi Note 13

Redmi Note 13Redmi Note 13 5GRedmi Note 13 Pro 5GTela6,67 polegadasFull HDAMOLED6,67 polegadasFull HDAMOLED6,67 polegadasCrystalRes 1.5kAMOLEDCâmera traseira108 MP + 8 MP + 2 MP108 MP + 8 MP + 2 MP200 MP + 8 MP + 2 MPCâmera frontal16 MP16 MP16 MPProcessadorQualcomm Snapdragon 685MediaTek Dimensity 6080Qualcomm Snapdragon 7S Gen 2DimensõesAltura: 162,24 mmLargura: 75,55 mmEspessura: 7,97 mmPeso: 188,5gAltura: 161,11 mmLargura: 74,95 mmEspessura: 7,6 mmPeso: 174,5gAltura: 161,15 mmLargura: 74,24 mmEspessura: 7,98 mmPeso: 187gCoresMidnight Black (preto)Mint Green (verde)Ice Blue (azul)Graphite Black (preto)Arctic White (branco)Ocean Teal (verde)Midnight Black (preto)Ocean Teal (verde)Aurora Purple (roxo)Compilação feita pelo Tecnoblog com dados da Xiaomi

Especificações em comum dos três modelos

Sensor de impressão digital na tela 

Classificação IP54 contra respingos e poeira

Alto-falantes compatíveis com Dolby Atmos

Conector para fone de ouvido de 3,5 mm

Wi-Fi 6, infravermelho e NFC multifuncional

Carregador USB x USB-C na caixa

Isabela Giantomaso viajou à Colômbia a convite da Xiaomi
Xiaomi lança Redmi Note 13 no Brasil; saiba os preços

Xiaomi lança Redmi Note 13 no Brasil; saiba os preços
Fonte: Tecnoblog

Próximo Microsoft Surface terá IA e opções com chips Intel e Snapdragon

Próximo Microsoft Surface terá IA e opções com chips Intel e Snapdragon

Microsoft tem planos de transformar Surface Laptop 6 e Surface Pro 10 em dispositivos feitos para IA. Imagem ilustrativa (Imagem: Divulgação/Microsoft)

A Microsoft estaria desenvolvendo dois novos modelos dos laptops Surface com foco em inteligência artificial. O Surface Laptop 6 e Surface Pro 10 (este um dispositivo dois em um) seriam os primeiros aparelhos da linha a ter duas opções de processadores: Intel e Arm — usando um Snapdragon X Series neste caso. Junto desses laptops, a Microsoft pode apresentar uma nova versão do Windows.

A informação foi publicada pelo site Windows Central, um dos principais sites sobre Microsoft e Windows. De acordo com fontes, o Surface Laptop 6 e o Surface Pro 10 serão os primeiros PCs verdadeiramente preparados para tarefas de inteligência artificial, trazendo a próxima geração das Unidades de Processamento Neural (NPU, em inglês).

Desde de que a Microsoft passou a investir pesado em ferramentas como Windows Copilot e Microsoft Copilot, os rumores sobre um novo Windows focado em IA e PCs preparados para uma maior integração com a tecnologia vem ganhando força. Sobre os novos Surfaces, neste ano, a Microsoft não atualizou a linha Surface e Surface Pro — o que torna crível a ideia de novas versões em 2024.

Surfaces prontos para brigar com Macbooks

Linhas Surface Laptop e Surface Pro não tiveram novos modelos em 2023 (Imagem: Divulgação/Microsoft)

Com o novo Surface Laptop 6 e o 2-em-1 Surface Pro 10, a Microsoft espera lançar dispositivos capazes de rivalizar com o Macbook Air. O Surface Pro 10, por causa do seu segmento, também é um concorrente do iPad Pro.

Para atingir essa meta, a Microsoft fornecerá esses dois Surfaces com duas opções de processadores: Intel 14ª geração ou o Snapdragon X Series — ambos lançados em outubro. Essa configuração também marcaria a primeira vez em que as arquiteturas x86 e Arm seriam ofertadas em um único dispositivo da Microsoft.

Com a nova geração de NPUs, o Surface Laptop 6 e Surface Pro 10 terão maior desempenho para rodar os recursos de IA esperados para o Windows 12 (nome especulado), cotado como o Windows mais inteligente já feito.

Para entender melhor o plano da Microsoft e de outras empresas no desenvolvimento de dispositivos preparados para IA, podemos relembrar do artigo da Apple sobre um novo método de executar tarefas de IA sem depender da nuvem. O que as fabricantes buscam são meios de rodar os modelos de linguagem grande (LLM) direto no hardware do aparelho.

O problema é que a tecnologia atual exige muito consumo de energia e tempo para executar um prompt de IA generativa direto de um notebook, por exemplo. Com 2024 dando “oi”, não falta muito tempo para vermos como será o desempenho da nova geração de NPUs.
Próximo Microsoft Surface terá IA e opções com chips Intel e Snapdragon

Próximo Microsoft Surface terá IA e opções com chips Intel e Snapdragon
Fonte: Tecnoblog

Primeiro carro da Xiaomi tem chip Snapdragon e alcance de até 800 km

Primeiro carro da Xiaomi tem chip Snapdragon e alcance de até 800 km

Xiaomi SU7 chega para rivalizar com Porsche Taycan e Tesla Model S (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

Resumo

A Xiaomi apresentou seu primeiro carro elétrico, o SU7. Ele será vendido na versão básica e na versão premium SU7 Max, que se destaca por maior velocidade, alcance ampliado e tração integral.
Ele é equipado com chip Qualcomm Snapdragon 8295 e roda sistema HyperOS. O SU7 tem uma tela central de 16 polegadas, com resolução de 3K.
O SU7 Max possui alcance de 800 km, velocidade máxima de 265 km/h.
Os preços ainda não foram anunciados, mas espera-se que sejam competitivos com o Tesla Model S (US$ 80 mil).

A Xiaomi revelou as informações completas sobre o Xiaomi SU7, carro elétrico que marca sua estreia em um novo mercado. Dessa vez, a fabricante mostrou o visual e as especificações do veículo, que será vendido em duas versões: SU7 e SU7 Max. Este último é o modelo premium, mais veloz, com maior alcance e tração integral. O lançamento ocorreu na madrugada de hoje.

O CEO Lei Jun tinha já tinha mostrado que o SU7 utilizaria o sistema HyperOS (o mesmo dos smartphones da marca). Aproveitando o gancho dos smartphones, a Xiaomi não cometeu o erro de deixar o painel apenas com touchscreen. Os clientes poderão controlar o ar condicionado por de botões físicos e ainda há o opcional para adicionar mais botões ao painel. O SU do nome significa Speed Ultra, enquanto o número 7 na China é associado com sorte — a pronúncia do nome, soo-chee, também é fluída e fácil de falar.

O sistema do Xiaomi SU7 utiliza o chip Snapdragon 8295 (Qualcomm), desenvolvido para veículos. A tela do painel central do carro tem resolução 3K (sim, isso existe) e mede 16 polegadas. Aqui já temos uma parte da integração dos dispositivos HyperOS, que permite espelhar o smartphone da Xiaomi diretamente no painel — que pode ser dividido em três janelas.

Xiaomi SU7 veio para brigar com Porsche e Tesla

Apesar do design que mistura o visual dos carros da rival chinesa BYD, lateral das rodas de Mercedes e tamanho de BMW, o Xiaomi SU7 tem como rivais o Porsche Taycan Turbo e Tesla Model S — que também tiveram seu visual adaptado no carro chinês.

A Xiaomi afirma que o SU7 Max tem uma aceleração superior aos sedans elétricos da Porsche e Tesla, fazendo de 0-100 km/h em 2,78 segundos. A marca alemã diz que o Taycan Turbo atinge essa velocidade em 2,8s, enquanto o Tesla Model S, de acordo com o site da fabricante faz isso em 3,1s — porém, o Model S Plaid, versão mais potente do modelo, supera o SU7 e faz 0-100 em 1,99s, também de acordo com a Tesla.

Xiaomi contratou engenheiros da BMW e Mercedes para o desenvolvimento do carro, o que ajuda a explicar algumas semelhanças (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

O SU7 Max, se fosse um smartphone, seria o Xiaomi 14 Pro: os dois são as versões mais premiums de suas linhas. O SU7 Max tem alcance de 800 km, velocidade máxima de 265 km/h e sua recarga rápida entrega 220 km de alcance com uma carga de cinco minutos. Isso graças a bateria que suporta 800 V. O SU7 “de entrada”, com alcance de 668 km, tem uma bateria de 400 V.

A Xiaomi só não divulgou os preços dos seus carros. No entanto, como Lei Jun afirmou que a meta é superar a Tesla, é esperado que o Xiaomi SU7 custe algo na faixe de preço de US$ 80 mil (R$ 386 mil em conversão direta), valor aproximado do seu rival Model S. O seu lançamento oficial deve ser realizado ainda em 2024.

Com informações: Engadget
Primeiro carro da Xiaomi tem chip Snapdragon e alcance de até 800 km

Primeiro carro da Xiaomi tem chip Snapdragon e alcance de até 800 km
Fonte: Tecnoblog

Galaxy S22 de 256 GB tem oferta histórica com cupom de mais de R$ 300

Galaxy S22 de 256 GB tem oferta histórica com cupom de mais de R$ 300

Samsung Galaxy S22 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog

Se você faz parte do time que espera novembro para comprar um smartphone novo da geração anterior e economizar com preços históricos, esse momento chegou. Nessa oferta da Kabum, o Galaxy S22 (256 GB) sai por apenas R$ 2.669 à vista com o cupom KBM11. Segundo o histórico de preços do Zoom, este é um dos melhores preços já registrados por ele.

Nos últimos seis meses, o preço médio em oferta pelo Galaxy S22 de 256 GB ficou em torno dos R$ 3.099. Algo já um pouco acima do valor cobrado sem cupom pela Kabum, de R$ 2.999. Mas o verdadeiro desconto fica mesmo por conta do cupom KBM11, que reduz o preço em R$ 366.

Achados do TB
E sabe onde mais você encontra ofertas com cupons e descontos históricos como essa? Nos grupos do Achados do TB no Telegram e WhatsApp. Por lá, realizamos uma curadoria das melhores promoções do varejo em itens de tecnologia. Como smartphones, notebooks, tablets, mouses e teclados. Participe e aproveite!

Galaxy S22 manda bem no custo-benefício

Se comparado ao seu irmão mais novo, a principal perda do S22 fica por conta do processador menos atual (e não exclusivo). Mesmo assim, o Snapdragon 8 Gen 1 manda bem no desempenho. E você deve ser capaz de alternar entre aplicativos, rodar apps pesados e jogar seus jogos com os gráficos no máximo sem dificuldades. Pagando cerca de mil reais a menos por ele.

Além disso, como esse texto começa endereçado a quem já costuma adquirir smartphones de gerações anteriores para economizar, vale comentar que há um breve comparativo entre o S22 e seus principais concorrentes em 2022 no review que fizemos sobre ele. Aqui, as principais vantagens ficaram por conta da lente telefoto contra o iPhone 13, e durabilidade com a proteção IP68 e atualizações até o Android 16 contra o Motorola Edge 30 Pro e o Xiaomi 12.

Por fim, se visto sozinho, o S22 também é excelente em custo-benefício. Na tela, a Samsung mandou bem como sempre com o AMOLED, brilho forte até 1.300 nits e taxa de atualização variável até 120 Hz. E a câmera tripla, liderada por um sensor principal de 50 MP, registrou ótimas fotos nos nossos testes. Mas esse é um resultado que você pode conferir melhor no nosso review em vídeo:

Aviso de ética: ao clicar em um link de afiliado, o preço não muda para você e recebemos uma comissão.Galaxy S22 de 256 GB tem oferta histórica com cupom de mais de R$ 300

Galaxy S22 de 256 GB tem oferta histórica com cupom de mais de R$ 300
Fonte: Tecnoblog

Galaxy S24: CEO da Qualcomm diz que chip Snapdragon terá “participação majoritária”

Galaxy S24: CEO da Qualcomm diz que chip Snapdragon terá “participação majoritária”

Sucessores da linha Galaxy S23 poderão adotar o Exynos 2400 em certos mercados (imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A Samsung retomará a estratégia de dois processadores no lançamento da linha Galaxy S24. Apesar de dividir o espaço com o chip proprietário Exynos 2400, o Snapdragon 8 Gen 3 da Qualcomm deverá estar presente na maior parte dos celulares da marca sul-coreana.

O CEO Cristiano Amon confirmou a informação na conferência sobre os resultados financeiros da Qualcomm realizada na última quarta-feira (1). De acordo com The Elec, o executivo disse que a nova plataforma da empresa terá “participação majoritária de mercado” nos próximos dispositivos topo de linha da Samsung.

Novo chipset da Qualcomm promete recursos exclusivos para dispositivos da Samsung (Imagem: Divulgação/Qualcomm)

O comentário do CEO da Qualcomm pode indicar uma mudança na estratégia dupla da Samsung. Analistas especulam que o Galaxy S24 Ultra deverá usar exclusivamente o processador Snapdragon 8 Gen 3 em todos os mercados.

Vale citar que o chip da empresa norte-americana tem como destaque o suporte otimizado para os sensores ISOCELL de 200 MP da fabricante sul-coreana. Um detalhe que poderia justificar a possível exclusividade da plataforma.

Com isso, a expectativa é que somente as variantes Galaxy S24 e Galaxy S24 Plus ganhem modelos com o Exynos 2400. A versão com o chipset da Samsung deverá ser lançada na Europa e na Coreia do Sul, enquanto os dispositivos de outras regiões poderão adotar o Snapdragon 8 Gen 3.

Aposta no sucesso do Galaxy S24 Ultra

Uma recente pesquisa da empresa de consultoria Hana Securities constatou que o Galaxy S23 Ultra vendeu 10,39 milhões de unidades após 8 meses no mercado. O número é mais que o dobro de vendas do Galaxy S23 Plus (4,11 milhões de unidades).

Aparentemente, a Qualcomm deve estar apostando que o Galaxy S24 Ultra poderá repetir o sucesso do antecessor. Assim, a possível exclusividade do Snapdragon 8 Gen 3 em todas as regiões justificaria a “participação majoritária de mercado” citada por Amon.

Com informações: SamMobile e The Elec (em chinês)
Galaxy S24: CEO da Qualcomm diz que chip Snapdragon terá “participação majoritária”

Galaxy S24: CEO da Qualcomm diz que chip Snapdragon terá “participação majoritária”
Fonte: Tecnoblog