Category: Windows

Linux agora tem a sua própria “tela azul da morte”

Linux agora tem a sua própria “tela azul da morte”

Linux agora tem a sua própria “tela azul da morte” (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

A temida “tela azul da morte”, também conhecida pela sigla em inglês BSOD, não é mais exclusividade do Windows. Com o nome de DRM Panic, esse tipo de alerta de erro foi introduzido no recém-anunciado Linux 6.10 e, portanto, poderá aparecer em qualquer distribuição baseada nessa versão do kernel ou posterior.

No Windows, a famigerada “tela azul da morte” é exibida quando um erro impede o sistema operacional de continuar sendo executado. A falha pode ser causada por problema de hardware (como um módulo de memória RAM defeituoso), por atualização de software malsucedida ou por complicações com drivers, por exemplo.

Independentemente da causa, a tela azul surge de maneira repentina, interrompendo o que o usuário estava fazendo e exigindo que o computador seja reiniciado. Felizmente, o problema não é frequente nos Windows 10 e 11 como era nas versões mais antigas do sistema operacional.

Tela azul no Linux

No Linux, considerando o kernel 6.10 e posteriores, a tela azul também exige que o computador seja reiniciado, mas é usada para reportar erros com drivers de DRM (Direct Rendering Manager) e de KMS (Kernel Mode Setting).

O primeiro tipo de driver diz respeito a um subsistema do kernel que lida com GPU modernas. O segundo tipo tem relação com o primeiro, mas para quando parâmetros como resolução da tela precisam ser definidos no nível do kernel, não no de usuário.

O DRM Panic deverá funcionar com outros tipos de drivers, mas em versões futuras do kernel Linux, relata o Phoronix.

Como é a tela azul do DRM Panic?

Javier Martinez Canillas, engenheiro de software que trabalha na Red Hat, divulgou no Mastodon como é a tela azul do Linux:

Tela azul no Linux (imagem: Javier Martinez Canillas/Mastodon)

Perceba que a imagem é menos “dramática” que a tela azul do Windows. Ela exibe apenas os dizeres “Kernel Panic! Please reboot your computer (Por favor, reinicie seu computador)”. Existe a possibilidade de distribuições Linux inserirem informações adicionais sobre o erro para facilitar a resolução do problema, porém.

Para quem já tem uma máquina com kernel Linux 6.10 ou superior, é possível testar a tela azul com o seguinte comando:

echo c > /proc/sysrq-trigger

Vale lembrar que esse recurso não é inédito no universo do Linux. No final de 2023, a versão 255 do systemd, componente utilizado em muitas distribuições para inicializar recursos do sistema operacional, introduziu um modo de tela azul para erros críticos.
Linux agora tem a sua própria “tela azul da morte”

Linux agora tem a sua própria “tela azul da morte”
Fonte: Tecnoblog

Versão nativa do Opera One para Windows com chip Arm já está disponível

Versão nativa do Opera One para Windows com chip Arm já está disponível

Opera One para Windows com chip Arm (imagem: divulgação/Opera)

O Opera One ganhou oficialmente uma versão nativa para computadores Windows equipados com chips de arquitetura Arm. Pudera: os primeiros notebooks Copilot+ com os processadores Snapdragon X serão lançados a partir de segunda-feira (18).

O Opera para Windows recebeu suporte para Arm em maio, mas em fase experimental. Agora essa versão é definitiva. Trata-se de uma medida importante para garantir que o navegador tenha o máximo de desempenho em PCs com Snapdragon X ou, eventualmente, com outros chips de arquitetura Arm.

Isso porque, sem um software nativo, o computador com chip Arm precisa executar uma versão desenvolvida originalmente para a arquitetura x86 por meio de emulação. Esse procedimento costuma funcionar bem no Windows 11, mas não são raros os casos em que o software emulado apresenta perda de desempenho ou erros.

Ganho de desempenho

O desenvolvimento de uma versão nativa também permite que o navegador tenha seu desempenho otimizado. De acordo com a Opera, a versão para Arm do Opera One está mais rápida e, ao mesmo tempo, demanda menos energia do que a versão para x86.

A Opera explica que, em benchmarks no Speedometer, a versão nativa para Arm apresentou quatro vezes mais desempenho em relação ao navegador emulado no mesmo computador.

Em parte, isso é resultado de um trabalho em conjunto da Opera com equipes da Microsoft App Assure e da Qualcomm Technologies.

Opera One para Windows com chip Arm (imagem: divulgação/Opera)

O que é o Opera One?

O Opera One é um navegador lançado há pouco mais de um ano que traz uma interface reformulada em relação à versão anterior do browser. Seus principais atributos incluem as Ilhas de Guias, que organizam as abas abertas em grupos distintos.

Essa versão também tem integração com a Aria, inteligência artificial da Opera. Outros recursos envolvem design modular, VPN, controle de players de mídia e integração com serviços de mensagens, como WhatsApp e Telegram.

O Opera One pode ser baixado no site oficial. A página de download indicará a versão mais apropriada para o seu computador.
Versão nativa do Opera One para Windows com chip Arm já está disponível

Versão nativa do Opera One para Windows com chip Arm já está disponível
Fonte: Tecnoblog

Microsoft decide adiar Windows Recall após críticas sobre segurança

Microsoft decide adiar Windows Recall após críticas sobre segurança

Microsoft decide adiar Windows Recall após críticas sobre segurança fraca (foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O Windows Recall foi apresentado pela Microsoft como uma grande inovação, mas tem se mostrado um verdadeiro fiasco no aspecto da segurança. É por isso que a companhia tomou uma decisão radical: ao contrário do que era previsto, os primeiros computadores Copilot+ serão lançados sem esse controverso recurso.

A promessa do Windows Recall

O Windows Recall é uma tecnologia que usa modelos de inteligência artificial para fazer capturas de tela de ações no Windows 11, criando um histórico organizado em uma linha do tempo. A proposta é permitir que o usuário recupere informações consultadas ou criadas anteriormente com buscas rápidas no sistema operacional.

A intenção inicial da Microsoft era lançar o Recall como um dos recursos mais notáveis dos notebooks categorizados como Copilot+. A principal característica dessas máquinas é atender aos requisitos mínimos de hardware para executar tarefas de inteligência artificial no Windows 11.

Marcas como Asus, Dell, Lenovo e Samsung, além da própria Microsoft com a linha Surface, lançarão notebooks Copilot+ a partir do dia 18 de junho.

Windows Recall virou polêmica

Os planos da Microsoft foram frustrados. Especialistas que analisaram o Windows Recall após o alvoroço inicial notaram que a ferramenta tem uma série de brechas de segurança.

Uma das análises mais chamativas, feita pelo especialista em segurança digital Kevin Beaumont, aponta que o Windows Recall faz registros utilizando um banco de dados baseado em texto simples. O banco de dados pode ser acessado até por usuários sem privilégios de administrador no sistema operacional.

Agentes maliciosos podem então desenvolver malwares ou até ataques direcionados com o intuito de acessar essas informações. É uma fragilidade surpreendente para um software feito por uma companhia com o porte da Microsoft.

Diante das críticas, a Microsoft decidiu lançar o Windows Recall como um recurso desativado por padrão no Windows 11. Outras medidas também foram anunciadas, como a condição de os snapshots só serem descriptografados e ficarem acessíveis quando o usuário se autenticar na ferramenta.

Mas nem isso vai valer mais.

Surface Laptop de 13,8 polegadas (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Microsoft adia o Windows Recall

Nesta semana, a Microsoft desistiu da ideia de oferecer o Windows Recall junto com os primeiros notebooks Copilot+. A ferramenta não estará disponível nem mesmo para ativação manual.

O Verge explica que a decisão foi anunciada depois de Brad Smith, presidente da Microsoft, prestar depoimento ao Comitê de Segurança Interna da Câmara dos Estados Unidos, na quinta-feira (13). A sessão foi realizada para tratar de problemas de segurança digital envolvendo a Microsoft.

Ao mesmo tempo, a Microsoft tem executado um programa chamado Secure Future Initiative (SFI), que visa melhorar a segurança de seus produtos e serviços, entre outros pilares. Essa iniciativa fez a companhia aumentar as exigências de segurança no login do serviço de e-mail Outlook, só para dar um exemplo.

Diante dessas circunstâncias, é de se presumir que o nível de imaturidade do Windows Recall no aspecto da segurança tenha feito a Microsoft reconhecer que essa ferramenta não está pronta para ser lançada.

A companhia não desistiu do Windows Recall, mas desenvolverá a ferramenta com mais cuidado. Esses esforços incluem submeter a novidade a testes por participantes do programa Windows Insider em um futuro próximo.

Por ora, a ferramenta segue sem previsão de lançamento oficial.
Microsoft decide adiar Windows Recall após críticas sobre segurança

Microsoft decide adiar Windows Recall após críticas sobre segurança
Fonte: Tecnoblog

Apple Pay poderá ser usado no Windows, com Chrome, Edge e outros navegadores

Apple Pay poderá ser usado no Windows, com Chrome, Edge e outros navegadores

Para pagar, cliente terá que ler código usando iPhone com iOS 18 (Imagem: Divulgação / Apple)

Com o iOS 18, donos de iPhone poderão usar o Apple Pay para pagar lojas online no Windows ou Linux, com o Chrome, o Edge ou qualquer outro navegador. A plataforma vai gerar um código a ser lido com a câmera do smartphone, sem precisar do macOS ou Safari.

A Apple apresentou a novidade em uma sessão para desenvolvedores na WWDC 2024. Agora, se o usuário quiser pagar com Apple Pay, os sistemas de e-commerce poderão detectar se o usuário está no Safari ou em outro navegador, graças ao novo SDK. No segundo caso, a plataforma gera um código de traços circulares, similar a um QR Code, que pode ser lido pela câmera do iPhone com o iOS 18. O pagamento é finalizado no smartphone.

Pagamento é confirmado no iPhone (Imagem: Divulgação / Apple)

Apple Pay fica mais atraente para lojas

Atualmente, só é possível realizar uma compra com Apple Pay no desktop se você estiver usando o Safari, exclusivo para o macOS.

O pagamento é confirmado com uma leitura de digitais no próprio computador ou usando outro aparelho conectado, como um iPhone ou Apple Watch. Isso significa que quem tem um iPhone, mas não tem um Mac, não pode usar o Apple Pay no computador.

Para as lojas, o Apple Pay passa a fazer mais sentido, já que não estará restrito, no desktop, apenas a clientes que têm um Mac e usam o Safari. A facilidade tem potencial de aumentar a conversão de vendas, já que estes consumidores terão a vantagem de não precisar digitar os números do cartão.

E, claro, a Apple deve ganhar mais dinheiro com isso, já que ela cobra dos bancos e emissores de cartões uma porcentagem de cada transação.

Com informações: MacRumors
Apple Pay poderá ser usado no Windows, com Chrome, Edge e outros navegadores

Apple Pay poderá ser usado no Windows, com Chrome, Edge e outros navegadores
Fonte: Tecnoblog

Roda no seu PC? Paint Cocreator do Windows 11 tem requisitos técnicos revelados

Roda no seu PC? Paint Cocreator do Windows 11 tem requisitos técnicos revelados

Uma das maiores novidades do Windows 11 para este ano são as funções de inteligência artificial generativa. Uma delas é o Cocreator que agora está disponível no Paint para criar imagens do zero ou com base em rabiscos na tela. Entretanto, nem todos os PCs serão capazes de usar este recurso. Veja agora quais são os requisitos.Segundo um anúncio da Microsoft, o Cocreator do Paint “usa a Unidade de Processamento Neural (NPU) para gerar imagens localmente em seu computador.” Isto significa que ele não usa os servidores da Microsoft para processar os desenhos.

Isto explica porque não há um limite de imagens que podem ser geradas com o Cocreator, diferente do Bing Creator que têm um sistema de moedas virtuais baseadas no Microsoft Rewards. Por outro lado, uma conta Microsoft é requerida para usar o Cocreator do Paint.Clique aqui para ler mais

Roda no seu PC? Paint Cocreator do Windows 11 tem requisitos técnicos revelados
Fonte: Tudocelular

Notebooks com CPUs AMD e Intel não terão Copilot+ no lançamento

Notebooks com CPUs AMD e Intel não terão Copilot+ no lançamento

CPUs da Intel e AMD têm especificações compatíveis com o Copilot+, mas não terão a IA no lançamento (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Os laptops com processadores Intel Lunar Lake e da AMD Ryzen AI, desenvolvidos para a plataforma Copilot+, têm um problema: eles não terão a IA da Microsoft no seu lançamento. Sim, o principal motivo deles serem fabricados não estará disponível para os primeiros compradores. A informação foi confirmada pela Microsoft, que não cita quando o Copilot+ chegará para PCs com inteligência artificial (AI PC).

Das duas fabricantes de CPUs, apenas notebooks com processadores Ryzen AI foram anunciados. Acer, Asus, Dell, HP, MSI e Lenovo são algumas das empresas que lançarão laptops com os novos CPUs da AMD. Já os notebooks com o Intel Lunar Lake chegarão no terceiro trimestre de 2024.

A Asus já apresentou uma data para a chegada dos seus produtos com Ryzen AI: 18 de junho — mas para mercados selecionados, com o Brasil de fora por enquanto. Visto a forte presença da empresa, junto da Dell, HP e Lenovo por aqui, não deve demorar para os laptops com Ryzen AI serem lançados no Brasil.

Asus já anunciou até a data de lançamento dos seus laptops com Ryzen AI 300 (Imagem: Divulgação/Asus)

Em uma nota enviada ao site The Verge, a Microsoft confirmou que os recursos do Copilot+ serão liberados para os AI PCs com processadores Intel Lunar Lake e AMD Ryzen AI em uma atualização gratuita.

No comunicado, assinado pelo gerente de marketing James Howell, a empresa não dá nenhuma previsão de quando será enviado o update. A Microsoft apenas diz que ele será entregue quando disponível.

A Nvidia, que lançará CPUs para AI PCs no futuro, confirmou para o The Verge que os futuros laptops a usarem seus processadores também terão que aguardar a chegada da atualização gratuita.

Snapdragon X Elite é o processador topo de linha da Qualcomm para notebooks (imagem: Divulgação/Qualcomm)

Qualcomm Copilot+ desde o lançamento

Enquanto AMD, Intel e Nvidia terão que esperar, os laptops com processadores Snapdragon X terão o Copilot+ desde o lançamento. Não há declaração da Microsoft falando sobre alguma exclusividade temporária dos recursos de IA para a Qualcomm. É provável que a big tech de tenha priorizado os chips Snapdragon para acelerar a integração do Windows com a arquitetura Arm.

O gerente de relações públicas da AMD, Matthew Hurwitz, disse para o The Verge que é esperado que o Copilot+ chegue para os chips Ryzen AI até o fim deste ano. Os laptops com processador da AMD chegam antes dos modelos com Lunar Lake — assim, quem quiser um notebook Copilot+ com Intel vai esperar ainda mais.
Notebooks com CPUs AMD e Intel não terão Copilot+ no lançamento

Notebooks com CPUs AMD e Intel não terão Copilot+ no lançamento
Fonte: Tecnoblog

Google compra empresa que faz apps do Windows rodarem no ChromeOS

Google compra empresa que faz apps do Windows rodarem no ChromeOS

Software virtualizado no ChromeOS via Cameyo (imagem: divulgação/Google)

Vez ou outra a Alphabet, companhia que controla o Google, compra outras empresas para absorver tecnologia. A mais recente aquisição com esse propósito é a da Cameyo, startup especialista em virtualização. O negócio deve ajudar o ChromeOS a executar softwares desenvolvidos originalmente para Windows.

É uma estratégia interessante. O ChromeOS é o sistema operacional padrão dos laptops Chromebook, que são tradicionalmente comercializados como opções mais baratas em relação a notebooks com Windows.

Existe ainda uma versão do sistema operacional chamada ChromeOS Flex que pode ser instalada em computadores projetados para rodar um sistema operacional da Microsoft.

O ChromeOS é fácil de usar, costuma ser leve mesmo em computadores com hardware modesto e é integrado aos serviços do Google. Mas não é incomum usuários domésticos ou corporativos sentirem falta de ferramentas disponíveis no Windows durante o uso do ChromeOS. É aí que a tecnologia da Cameyo pode ajudar.

Virtualização de apps sem aborrecimentos

A startup foi criada com o intuito de desenvolver um sistema que virtualiza aplicativos para Windows em computadores que não rodam esse sistema operacional.

A tecnologia da Cameyo segue a estratégia de disponibilizar aplicativos virtualizados por meio das nuvens, sejam elas públicas ou privadas. Isso significa que os apps podem ser acessados até via navegador de internet.

ChromeOS mais Cameyo (imagem: divulgação/Google)

Foco em organizações

De acordo com Andrew Miller, CEO da Cameyo, a aquisição da startup pela Alphabet vai permitir que organizações que utilizam o ChromeOS tenham mais facilidade para utilizar aplicativos que não foram desenvolvidos originalmente para a plataforma.

O objetivo é permitir que essa abordagem seja feita sem que o usuário enfrente problemas de desempenho ou até de segurança. Miller complementa:

Ao combinar o poder do ChromeOS com a inovadora tecnologia de entrega de aplicativos virtuais da Cameyo, estamos ajudando empresas a modernizar a sua infraestrutura de TI enquanto elas preservam seus investimentos em softwares já existentes.

Andrew Miller, CEO da Cameyo

Não está claro quando ou se a Alphabet pretende levar a tecnologia da Cameyo para o segmento de usuários domésticos do ChromeOS. Seria ótimo se isso acontecesse. Mas, por ora, a companhia está mais preocupada em fortalecer a plataforma nos ambientes corporativos e educacionais, onde o ChromeOS tem mais chances de se consolidar.

Nenhuma das partes revelou quanto a Cameyo custou para a Alphabet.
Google compra empresa que faz apps do Windows rodarem no ChromeOS

Google compra empresa que faz apps do Windows rodarem no ChromeOS
Fonte: Tecnoblog

Microsoft reabre canal Beta do Windows 10 para testar novas funções

Microsoft reabre canal Beta do Windows 10 para testar novas funções

Suporte ao Windows 10 será encerrado em outubro de 2025 (Imagem: Freestocks / Unsplash)

A Microsoft reabriu o canal Beta do programa Windows Insider para usuários do Windows 10. Segundo a empresa, a decisão ajudará a trazer novos recursos e melhorias para o sistema operacional. O movimento surpreende, já que o fim do suporte a esta versão está marcado para 14 de outubro de 2025.

A mudança foi anunciada pela Microsoft em um blog post. Na publicação, a empresa explica como receber as versões de testes: basta ir a Configurações > Atualizações e Segurança > Programa Windows Insider e selecionar o canal Beta. Aqui, vale um alerta: se seu computador atende aos requisitos mínimos para o Windows 11, não selecione os canais Dev e Canary. Eles instalarão o Windows 11 na sua máquina.

Cuidado: canais Canary e Dev instalam Windows 11 no seu computador (Imagem: Reprodução / Microsoft)

Anteriormente, o Windows 10 só tinha acesso ao Release Preview. Novas funcionalidades, reparos e melhorias chegam a este canal só depois do Beta. Por outro lado, ele é mais estável, já que as mudanças foram testadas anteriormente.

Suporte ao Windows 10 acaba em outubro de 2025

A data final do suporte ao Windows 10 é 14 de outubro de 2025. Essa informação é conhecida há três anos: em junho de 2021, a Microsoft atualizou a documentação das versões Home e Pro para incluir o prazo. Naquela época, nem mesmo o Windows 11 tinha sido anunciado.

Windows 10 segue com quase 70% de participação entre PCs com o sistema (Imagem: Emerson Alecrim / Tecnoblog)

Nove anos após seu lançamento, o Windows 10 se mantém firme e forte: segundo dados do StatCounter, 68% dos computadores com Windows rodam o sistema. Enquanto isso, o Windows 11 representa 28%. Recentemente, o Windows 10 chegou até mesmo a crescer em participação, batendo 70% em maio, 1 ponto percentual a mais que em abril.

Por mais que o fim esteja para chegar, o Windows 10 ainda recebe novidades da Microsoft. No fim de 2023, a empresa colocou o Copilot, seu assistente com inteligência artificial generativa, no sistema. Anteriormente, ele estava presente só no Windows 11 e nos demais produtos da Microsoft, como Edge, Bing e Microsoft 365.

Com informações: Microsoft, The Verge
Microsoft reabre canal Beta do Windows 10 para testar novas funções

Microsoft reabre canal Beta do Windows 10 para testar novas funções
Fonte: Tecnoblog

Opera anuncia novo recurso para decorar abas do navegador com emojis

Opera anuncia novo recurso para decorar abas do navegador com emojis

Nesta terça-feira (4), a Opera comunicou a chegada de um novo recurso aos usuários do seu navegador. Agora, será possível decorar as suas abas com emojis, por meio da funcionalidade “Emojis nas Abas”.

De acordo com a empresa, a novidade permitirá um novo nível de personalização ao browser, ao possibilitar que a pessoa adicione um emoji a cada aba que for aberta. Assim, também trará mais diversão na hora de organizar a experiência.A Opera ressalta que os emojis são utilizados por mais de 90% dos usuários de internet a nível global, segundo dados da Unicode Consortium. Além disso, no estudo Amount and Diversity of Digital Emotional Expression Predicts Happiness, foi comprovado que o uso de um conjunto diversificado de emojis melhora a satisfação com a vida das pessoas.Clique aqui para ler mais

Opera anuncia novo recurso para decorar abas do navegador com emojis
Fonte: Tudocelular

Microsoft diz que Edge ficou 42% mais rápido, mas você pode não ter notado

Microsoft diz que Edge ficou 42% mais rápido, mas você pode não ter notado

Microsoft diz que Edge ficou 42% mais rápido, mas você pode não ter notado (imagem: reprodução/Microsoft)

Se você usa o Edge regularmente no Windows, pode ter percebido que o navegador ficou mais rápido nas últimas versões. Ou não. A Microsoft diz que o ganho de desempenho é de 42% atualmente. Mas, como as mudanças que levaram a isso foram implementadas progressivamente, talvez você não tenha notado a diferença.

O ganho de desempenho diz respeito à interface de usuário (UI, na sigla em inglês), que está mais responsiva desde a versão 122 do Edge, explica a Microsoft. Outra otimização envolve a área de favoritos, que desde a versão 124 se expande ou é recolhida com 40% mais rapidez. Hoje, o browser está na versão 125.

O que mudou no Edge?

Para alcançar esses aprimoramentos, a Microsoft utilizou como ponto de partida um sistema de telemetria, isto é, dados que são coletados dos computadores dos usuários com o intuito de medir aspectos de desempenho.

Como base nessa análise, os desenvolvedores do Edge identificara, alguns pontos que precisavam de melhorias. Um exemplo dado pela Microsoft:

O modo como organizamos o código de UI no Edge não era suficientemente modular. As equipes que trabalhavam em componentes distintos compartilhavam pacotes em comum mesmo quando isso não era estritamente necessário. Isso fez uma parte do código de IU deixar outra mais lenta, compartilhando recursos desnecessariamente.

A solução consistiu em ajustar o modo como esse compartilhamento de recursos é feito.

A companhia também explicou que o Edge utilizava muito código em JavaScript para renderizar a interface de usuário, mas que isso também afeta o desempenho. Os desenvolvedores atenuaram esse problema aplicando, entras outras medidas, pacotes de código menores que, como tal, demandam menos execução em JavaScript.

Esse conjunto de ajustes foi batizado pela Microsoft de WebUI 2.0. Uma demonstração do ganho de desempenho aparece no vídeo a seguir:

Mais perceptível em hardware modesto

Essas e outras medidas fizeram o navegador ser 42% mais rápido em relação às versões anteriores ao Edge 122. Ainda de acordo com a Microsoft, o ganho de desempenho é mais perceptível em computadores sem SSD e que contam com menos de 8 GB de RAM. Neles, a velocidade da interface de usuário ficou 76% melhor.

A Microsoft promete mais:

Essa é só a ponta do iceberg. Durante os próximos meses, nós continuaremos a melhorar a capacidade de resposta de muitos outros recursos do Edge, como histórico, downloads, carteira e muito mais.

Microsoft diz que Edge ficou 42% mais rápido, mas você pode não ter notado

Microsoft diz que Edge ficou 42% mais rápido, mas você pode não ter notado
Fonte: Tecnoblog