Tag: artigos

Introdução a IHC – Interação Humano Computador

Introdução a IHC – Interação Humano Computador

Seja bem-vindo(a)!

Qual seria a melhor forma para que softwares tenham real sucesso em um mercado competitivo, receber bons feedbacks, ser recomendado e atrair mais consumidores?

Independente da estratégia de marketing que será adotada, acredito que a primeira preocupação é oferecer um produto com interface amigável, ou seja, de fácil utilização e com possibilidade de interagir de forma intuitiva nas funcionalidades básicas.

Um produto com essas características possibilita experiências que impactam positivamente na vida da pessoas.

Neste artigo apresento a área de IHC – Interação Humano Computador. Área esta que foca no lado humano da interação com sistemas computacionais que promovem experiências positivas para o público e consequentemente contribuem para o sucesso do produto.

Preparado? então venha comigo!

Neste artigo você aprenderá sobre:

Abordagens “De dentro para fora” e “De fora para dentro”;O que é IHC (Interação Humano Computador)?;Elementos envolvidos no processo de interação;Objetivos de IHC;Benefícios de IHC;Áreas relacionadas à IHC.

Abordagens “De dentro para fora” e “De fora para dentro”

Para que se entenda o que a área de IHC pretende enfatizar precisamos conhecer duas abordagens de desenvolvimento de sistemas de interação. São elas as abordagens “De dentro para fora” e “De fora para dentro”.

Ocorre um problema quando sistemas interativos são construídos com foco apenas nos aspectos físicos da construção. Podemos denominar essa abordagem de “De Dentro para Fora”.

Abordagem de desenvolvimento de sistemas de interação “de dentro para fora”

Esses sistemas são desenvolvidos com maior preocupação na qualidade da construção, processo de construção, custo, durabilidade e outras questões que pouco consideram a qualidade de uso pelo usuário.

Essa abordagem se caracteriza por:Desprezo pela interface;Maior foco no sistema;Design de software desconsiderado;Processo de desenvolvimento inadequado;Interação usuário-sistema não avaliada.

Esse maior foco com a parte de “de dentro” causam prejuízos na experiência do usuário porque resultam em sistemas interativos inadequados.

Felizmente cada vez mais é crescente o número de desenvolvedores, projetistas e empresas desenvolvedoras preocupadas com a melhoria e qualidade do uso das interfaces projetadas.

Abordagem de desenvolvimento de sistemas de interação “de fora para dentro”

Ao focar nessa melhoria elas usam a abordagem de “De Fora para Dentro”, abordagem está que garante uma maior competitividade no mercado.

O que é IHC (Interação Humano Computador)?

A área de IHC trabalha com abordagem de “fora para dentro”. Usarei aqui a definição de Hewett para explica o que é IHC.

“Interação Humano-Computador (IHC) é uma disciplina voltada para o projeto, avaliação e implementação de sistemas computacionais interativos para uso humano e com o estudo de fenômenos importantes que os rodeiam.” (Hewett et al., 1992).

Foi em meados dos anos 80 que a IHC foi difundido como uma área de estudo. Isso devido a histórica conferência de Gaithersburg em 1982 “Human Factors in Computer Systems” (traduzindo; “Fatores Humanos em Sistemas Computacionais”). A partir daí o IHC se tornou uma atividade internacional de impacto industrial em todo o mundo.

Sendo a área IHC envolvida com os estudo de fenômenos que acontecem na interação do ser humano com os sistemas computacionais é de suma importância conhecer os elementos envolvidos no processo de interação.

Elementos envolvidos no processo de interação

A seguir vou mostrar conceitos que permitem identificar os elementos envolvidos na interação usuário–sistema. Sendo o primeiro conceito de Contexto de uso já demonstra muito bem sobre a função de cada um destes elementos.

Contexto de uso

O Contexto de uso é caracterizado por toda situação relevante para interação com o sistema. Inclui-se no contexto, quando o sistema é utilizado e onde ocorre a interação (o ambiente físico, social e cultural).

A figura anterior ilustra um usuário em determinado contexto de uso, procurando alcançar um objetivo, ao interagir com a interface de um sistema interativo.

No momento que eu, Ed Francisco (USUÁRIO), em meu escritório (CONTEXTO DE USO),  edito este artigo, me vejo em um PROCESSO DE INTERAÇÃO, onde eu digito e formarto o texto, e insiro imagens usando o Gerenciador de Conteúdo WordPress (SISTEMA) para que ele seja publicado no blog do Chief of Design (OBJETIVO).

Interação

A possibilidade de interação acontece quando um sistema oferece uma interface para o usuário agir.

Segundo a definição de Hix e Hartson (1993): “Em geral, a interação usuário–sistema pode ser considerada como tudo o que acontece quando uma pessoa e um sistema computacional se unem para realizar tarefas, visando a um objetivo”.

Interface

A interface é o contato entre o usuário e o sistema. Se trata da porção do sistema que mantém o contato durante a interação. O hardware e softwares utilizados durante a interação possibilita o contato físico na interface.

O teclado possibilita o contato físico na interface.

O usuário pode interagir com o sistema de forma ativa através de dispositivos de entrada como teclados, mouse e webcam. Enquanto os dispositivos de saídas como os alto-falantes e impressoras transmitem a reações dos sistemas que o usuário recebe de forma passiva.

Affordance

Um botão desenhado na interface gráfica de um sistema sugere ao observador a possibilidade de pressionar (um tipo de uso) para atingir um objetivo. Então ele usa o mouse para isso.

Portanto Affordance refere-se às características dos objetos físicos que permitem identificar suas funcionalidades através de seus atributos.

Objetivos de IHC

Os objetivos de IHC se caracterizam em como definir métodos para projetar sistemas computacionais interativos confiáveis, úteis, de fácil utilização pelo usuário e que levem em consideração fatores culturais, cognitivos, emocionais, e intelectuais do público a ser atingido.

Esses objetivos vão de encontro com o conceito de Aceitabilidade de Sistemas proposto pelo renomado Consultor de Usabilidade para web, Jakob Nielsen.

Aceitabilidade de Sistemas 

A aceitabilidade de um sistema se divide em aceitabilidade social e aceitabilidade prática. 

A aceitabilidade social diz respeito à aceitação do sistema. Verifica-se aí se os usuários acreditam que o sistema pode melhorar o andamento de suas atividades sem entraves.

A aceitabilidade prática diz respeito a parâmetros como custo, compatibilidade e confiabilidade,  etc., e também uma categoria denominada “usefulness”.

Na categoria “Usefulness” verifica-se se um sistema poder ser usado para atingir um determinado objetivo. Trabalha-se aí com atributos de utilidade e usabilidade.

Sobre a Utilidade verifica-se se o sistema faz o que deve ser feito conforme o objetivo proposto. Já usabilidade está relacionada a quão bem os usuários podem utilizar uma ferramenta do sistema a fim de realizar uma tarefa específica.

Benefícios da Interação Humano Computador

O estudo e a prática de IHC devem ser estimulados porque podem proporcionar benefícios diretos ao usuário e também para a sociedade de uma forma geral.

Benefícios para os usuários:

Elevação da produtividade de usuários;Redução do número dos erros;Redução da gravidade dos erros.

Benefícios para as empresas:

Vantagem competitiva;Aumento das vendas.Redução de custo com treinamento;Redução do custo com suporte técnico;Redução de custo com desenvolvimento;

Áreas relacionadas à IHC

Logicamente sendo a IHC uma área, cujo resultado final de suas ações é o bem-estar do usuário, envolveria outras área do conhecimento humano.

A complexidade para analisar fatores relacionados com o usuário como saúde, conforto, segurança, e características comportamentais, com a interface do usuário, com as funcionalidades do sistemas, com a tarefas a serem executadas, com as restrições e com as questões de produtividade, justifica a utilização de conhecimentos técnicos de várias áreas.

Portanto a IHC se beneficia não só da Computação, mas também de conhecimentos e métodos de outras áreas, o que faz dela multidisciplinar. Muitos desses conhecimentos técnicos são importados para serem adaptados às suas necessidades. 

Dentre as áreas que contribuem para estudos dos fenômenos da interação temos:

sistemas de informação;ciências da computação;engenharia;psicologia;sociologia;antropologia;filosofia;design gráfico;ergonomia;inteligência artificial.

Considerações finais sobre a Interação Humano Computador

A interação com sistemas é algo mais que comum atualmente na rotina das pessoas. Portanto não pode existir espaço para produtos que não forneçam uma boa experiência interativa e que não se preocupam com o comportamento e sentimos destes usuários. 

Um profissional sério deve levar esses aspectos em consideração na hora de projetar as interfaces de seus sistemas. E os conhecimentos sobre IHC podem supri-lo com as melhores diretrizes.

Felizmente a área de IHC conta com a contribuição de profissionais de áreas diversas que com esforços somados constroem os melhores caminhos para o desenvolvimento dos mais adequados sistemas de interação para usuários. Sejam profissionais que dominam tecnologia e são capacitados para desenvolver sistemas, ou profissionais que estudam sobre homem, sobre a sociedade e são capacitados para prover informações sobre a capacidade humana.

Então é isso! Se você gostou desse artigo deixe o seu like e compartilhe com seus amigos que tiverem interesse no assunto.😀

Aproveite e deixe a sua opinião, dúvida e/ou experiência na área de IHC, nos comentários abaixo.

Abraço!
The post Introdução a IHC – Interação Humano Computador appeared first on Chief of Design.

Introdução a IHC – Interação Humano Computador
Fonte: Chef of Design

Como conseguir freela em design de interiores?

Como conseguir freela em design de interiores?

Monte seu portfólio e ofereça seu trabalho / Autor: Sidekix Media / Fonte: Unsplash

Eae, tudo bele?

Você já deve ter percebido que a pandemia causada pelo Covid-19 transformou muita coisa no mundo, especialmente quando falamos em trabalho remoto. A comodidade de trabalhar de casa vem conquistando corações e muitas pessoas estão migrando para o mercado freelancer. Algumas por falta de opção, já que o desemprego serviu como empurrão para tirar aquele projeto antigo da gaveta e oferecer na web. Mas como conseguir oportunidades na área de design de interiores?

Primeiro passo > Escolha seu estilo!

Um design de interiores pode montar projetos nos mais variados estilos. Decorar salas com móveis clássicos, usar de recursos rústicos, optar por ambientes minimalistas ou ainda ter uma pegada mais contemporânea. Embora ter a capacidade de abraçar vários estilos te traga mais oportunidades no começo, escolher os estilos que você mais gosta e focar naquilo vai te tornar mais especialista.

“Dessa forma, você consegue se concentrar em estudar técnicas e buscar tendências dentro dos estilos que escolheu”, reforça Juliana Perin, designer de interiores e redatora do SweetestHome. Definir o estilo do seu trabalho é como construir uma identidade no aspecto profissional.

Legenda: Construa sua identidade profissional definindo seu estilo / Autor: Jon’Nathon Stebbe / Fonte: Unsplash

Segundo passo > Construa um portfólio irresistível!

Definido seu(s) estilo(s) é hora de montar um portfólio irresistível. Montar um portfólio todo freelancer monta, em qualquer área. Mas como você pode se destacar no meio da multidão? É hora de ser autêntico e mostrar o diferencial do seu trabalho. Faz incríveis esboços à mão? Inclua-os nesse arquivo.

Dentro de um bom portfólio, especialmente de um designer, cada detalhe importa. Comece colocando tudo que for mais importante nas primeiras páginas, são elas que vão fisgar a pessoa para continuar vendo seu trabalho.

E por favor, esqueça do Power Point. Um designer de interiores precisa montar seu portfólio em ferramentas como Adobe InDesign. Afinal, você é um designer. E nesse caso, até mesmo a fonte importa, Arial é sempre uma boa opção.

Terceiro passo > Joga na rede!

Existem plataformas que servem como uma boa vitrine do seu trabalho. Você encontra dezenas de sites para freelancers onde você pode começar divulgando seu portfólio e oferecendo seu serviço. Dá uma conferida no UpWork, Workana, 99Freelas e Freelancer.

O site archsplace.com.br também é uma plataforma para pessoas que procuram fazer projeto on-line. Lá, o cliente encontra arquitetos e designers de diferentes estilos. É uma plataforma específica para freelancers da área. Você pode se cadastrar e tentar uma oportunidade.

Estar nas redes sociais com uma conta profissional também pode fazer diferença, invista no Pinterest e Instagram. Porém, vale lembrar que as possibilidades não terminam aí. Até porque depender de plataformas de terceiros pode ser perigoso. Que tal construir seu próprio site para oferecer seu trabalho freelancer?

Mãos à obra!

Não deixe para começar a construir amanhã o projeto que pode garantir um trabalho hoje. Quanto antes você começar a preparar o terreno, mais rápido terá seu projeto erguido dentro do mundo freela.

E se você quiser saber sobre Cores para Design de Interiores, temos uma live com o canal Reambientando do seu Jeito. Assita abaixo essa live sobre psicologia das cores.

Boa sorte nessas etapas. Até mais!

Abraços!
The post Como conseguir freela em design de interiores? appeared first on Chief of Design.

Como conseguir freela em design de interiores?
Fonte: Chef of Design

3 maneiras de dar um up na sua produtividade

3 maneiras de dar um up na sua produtividade

Eae, tudo bele?

Manter a produtividade é um dos maiores desafios para o designer freelancer, ainda mais em tempos de pandemia, quando a rotina está de cabeça para baixo. O trabalho remoto também possui uma série de particularidades, o que exige que o profissional faça uma série de adequações em seu cotidiano para se dar bem. Veja as nossas dicas para mudar alguns hábitos e dar um up em sua produtividade:

Torne o seu ambiente de trabalho confortável e agradável

O ambiente onde trabalhamos interfere diretamente na qualidade do que fazemos. Inicialmente, é preciso adequar os móveis ergonomicamente. Caso contrário, os dias de serviço se transformarão em dores nas costas e será cada vez mais difícil se concentrar.

O silêncio no ambiente também é essencial, pois o barulho compromete a criatividade – essencial para os designers. Assim, uma das melhores maneiras de reforçar a produtividade é utilizar um fone de cancelamento de ruído. Em pouco tempo você sentirá a diferença.

Até a decoração do cômodo de trabalho tem poder sobre nossa produtividade. Deixar o escritório com a sua cara pode ajudar a transmitir boas sensações e evitar estresse. Uma ótima dica é a utilização de plantas.

Cuide da sua alimentação

A disposição, o foco e a concentração passam diretamente pelos nutrientes que ingerimos em nossas refeições. Portanto, a sua dieta tem um enorme poder de aumentar a produtividade no trabalho. Segundo Romina Cerutti, nutricionista e consultora do Saudável&Forte, são vários os nutrientes que podem interferir positivamente na produtividade, como o magnésio, o manganês, a vitamina A e o ferro.

Reforçando a alimentação, não precisamos recorrer apenas ao café para ganhar energia, evitando os perigos da cafeína em excesso.

Se você é daqueles que não sabe nada de culinária, uma boa alternativa é a adoção de uma suplementação energética. Isso ajuda muitos designers na manutenção do equilíbrio do organismo. Evidentemente, isso deve ser discutido com um profissional da saúde antes.

Administre seu tempo

As pausas são essenciais para manter a produtividade. Afinal, nossa mente se cansa da mesma maneira que nosso corpo. E nós não conseguimos passar três horas seguidas praticando exercícios. Então, mesmo que o prazo esteja apertado, se controle para não trabalhar por muito tempo sem intervalos. A paralisação ajuda a limpar a mente, promove reflexões e pode até trazer novas ideias para destravar o projeto.

Os horários também são importantes para a produtividade. Cada pessoa possui momentos do dia de maior disposição, então saiba usar isso a seu favor. Não fique preso ao horário convencional comercial, caso você perceba que trabalha melhor à noite, por exemplo. Porém, respeite os horários fixos que você estabelece, para não se sobrecarregar e conseguir conciliar as obrigações com a vida pessoal.
The post 3 maneiras de dar um up na sua produtividade appeared first on Chief of Design.

3 maneiras de dar um up na sua produtividade
Fonte: Chef of Design

Dicas para melhorar o UI Design do seu e-commerce de nicho e vender mais

Dicas para melhorar o UI Design do seu e-commerce de nicho e vender mais

Um bom UI Design aumenta as chances de levar o usuário até o fechamento da venda / Autor: rupixen.com / Fonte: Unsplash.com

Eae, tudo bele?

Você conhece a importância do UI Design para seu e-commerce nichado?

Antes de falarmos sobre isso, vale a pena lembrar que UI Design é uma sigla em inglês para User Interface Design, que em português quer dizer Design de Interface do Usuário. 

Na realidade, o conceito basicamente se preocupa em facilitar a navegabilidade do usuário através dos botões – e outros fatores – disponíveis no site. 

Tá curioso para saber mais? Vamos nessa!

Neste artigo você vai aprender:

Importância de um bom UI DesignDicas práticas para melhorar o UI Design no seu e-commerce e vender mais

Importância de um bom UI Design

Um bom projeto de UI Design vai permitir que o usuário navegue facilmente dentro do seu e-commerce. O projeto precisa pensar em botões que sejam intuitivos e conduzam sua audiência para seus produtos. Afinal, o objetivo final é transformar seus visitantes em clientes, não é mesmo?

A importância é bastante simples: um e-commerce organizado tem grande potencial de vender mais. Para isso, ele precisa garantir uma ótima acessibilidade,cuidar da usabilidade, proporcionar uma boa experiência de uso e ser responsivo e eficiente.

Um ponto importante também é ser honesto e evitar usos de más práticas como o uso indiscriminado de dark patterns. 

Dicas práticas para melhorar o UI Design no seu e-commerce e vender mais

Não importa qual seja o seu negócio na vida real, a sua loja virtual precisa alinhar os objetivos de negócios com o os anseios do seus clientes. Para ficar mais fácil, vamos pensar em um exemplo, imagine que você possui um sex shop online, ok? (caso você não saiba, esse mercado é um dos que mais faturam todos os anos em todo o mundo).

O padrão importa: mantenha a consistência.

Diferente da leitura com livro, jornal e revista, na web as pessoas tendem a ler no formato de F. Isso quer dizer que a maioria dos usuários vai passar os olhos primeiramente no sentido horizontal, no topo do site. Depois, um pouco abaixo vai ler em horizontal novamente, sem ir até o fim da tela. Por fim, seguirá no sentido vertical na parte esquerda, formando um F com os olhos. 

Um e-commerce bem diagramado deve colocar o conteúdo mais importante dentro desse padrão. Nunca insira informações essenciais do seu sex shop online fora desse campo de visão. 

Ainda sobre padrão, aposte em um e-commerce organizado por categorias. Esse formato é chamado de breadcrumps. Ele simplifica a navegação, indica ao usuário onde ele está e o leva facilmente para onde deseja ir. Pensando no padrão F, você pode posicionar essas categorias no topo do site para a leitura da primeira linha horizontal. 

Outro ponto super importante é manter a consistência visual do design. Não crie variações desconexas entre uma página e outra. Mantenha uma padrão nos tamanhos dos textos, nas cores, no uso de grafismos e imagens, no posicionamentos, espaçamentos…Deixe o design consistente ao longo de toda a interface.

Diminua os esforços do seu usuário sempre que possível

Você precisa prever as possíveis ações do seu visitante e conduzi-lo para compra da forma mais fácil possível. Se ele está visitando seu e-commerce é porque deseja comprar acessórios eróticos para apimentar sua relação ou quem sabe utilizar sozinho.  

Quanto menos esforço ele precisar fazer, quanto menos botões encontrar em seu caminho e quanto mais curta e clara for a mensagem para chegar ao carrinho, mais chances você tem de vender. 

Imagine que ele tenha o interesse de comprar um vibrador, sendo esse um dos produtos mais vendidos, uma solução simples – mas efetiva – pode ser deixar todos os modelos acessíveis com apenas um clique na página principal do site. Lembra das categorias e do formato F? Você pode criar uma categoria inteira para diferentes vibradores ao alcance da primeira batida de olhos na tela.

Outro botão que merece sua atenção nesse aspecto é a barra de pesquisa. Posicione a ferramenta em um local facilmente visível e use cores que contrastem para chamar atenção. Visitantes que usam a barra de pesquisas são compradores em potencial, facilite o caminho até a compra. 

Crie CTAs atrativos

Call To Action (CTA) ou Chamada Para Ação são botões que convidam o usuário a tomar uma ação, bem como o nome sugere. Eles fazem uma diferença enorme nas taxas de conversão. Aposte em cores chamativas e use palavras imperativas, como “Compre agora com 1 clique”.

Um bom CTA precisa ser atrativo e se destacar dentro do site. Seu cliente pode adorar ver os brinquedos eróticos mais recentes, que tal criar um Call To Action “Veja as novidades mais quentes”?

O carrinho precisa ser alterado facilmente

A página do carrinho precisa ser editada facilmente, sem que para isso, o usuário precise voltar muitas etapas ou ficar abrindo novas abas. 

Pode ser que seu visitante – que está tentando se tornar um cliente – tenha se arrependido do vibrador que escolheu, ou quem sabe queira adicionar mais um do mesmo modelo. Um bom UI Design vai proporcionar alterações facilmente executáveis na página de check out, porém, mais do que isso, essas ações precisam ser intuitivas. 

Outro exemplo prático é permitir que o usuário calcule o frete sem dificuldade. Não há nada mais desestimulador do que tentar concluir a compra e não conseguir saber o preço total incluindo o valor do frete ou quantos dias o seu vibrador levará para chegar na sua casa em poucos cliques. 

Ele não deve perceber a facilidade, e sim não sentir dificuldade em realizar ações que deveriam ser simples. 

Uma página de check out simples tem mais chances de ser concluída com sucesso / Autor: PhotoMIX Company / Fonte: Pexels.com

Seja claro, criativo e amigável na sua linguagem

Para se comunicar com eficiência você precisa entender seu visitante e usar a linguagem que ele utiliza. Se ele está comprando on-line pode ser que tenha vergonha de comprar produtos eróticos. Então imagina receber uma encomenda na portaria do prédio com o selo da sua loja? 

Nesse caso, é importante entender suas necessidades e oferecer discrição e segurança na entrega. E para isso, você precisa comunicar isso de forma clara, amigável e criativa na sua página. Quando você compra em uma loja física nota a qualidade do atendimento. No e-commerce não é diferente. 

O UI Design coloca em prática as ações planejadas para melhor experiência do usuário. 

Considerações Finais.

Desenvolver uma boa interface de e-commerce é um desafio. Existe muito conteúdo e ações para serem pensadas, organizadas e planejadas a fim de encontrar a convergência ideal entre as questões de negócios e os desejos dos usuários.

É óbvio que este artigo não tem a pretensão de ser o manual que explica sobre todos os vários aspectos que compõem um projeto dessa magnitude, mas as dicas expressas aqui com certeza vão ajudar a sua loja virtual a chegar mais perto do patamar ideal.

Se você tiver mais alguma dica ou sugestão, deixe nos comentários a sua opinão.Até mais.Forte abraço.
The post Dicas para melhorar o UI Design do seu e-commerce de nicho e vender mais appeared first on Chief of Design.

Dicas para melhorar o UI Design do seu e-commerce de nicho e vender mais
Fonte: Chef of Design

Maneiras criativas de deixar seu home office com a sua cara

Maneiras criativas de deixar seu home office com a sua cara

Eae, tudo bele?

Para quem trabalha na área criativa, ter um ambiente de trabalho que inspire suas ideias e ajude na concentração é essencial, não é mesmo? A pandemia de coronavírus fez muitas pessoas aderirem ao home office por opção ou necessidade. 

Para os que estão acostumados a trabalhar como freelancer, a rotina pode não ter causado tanto impacto, já para quem não costumava levar o trabalho para casa a mudança exigiu um pouco mais de adaptação. Mas como transformar desafios em oportunidades é algo muito interessante, separei algumas dicas de maneiras criativas para deixar o home office com a sua cara. Bora conferir! 

Escolha um espaço que você goste 

Essa é uma dica que parece simples, mas muito valiosa. Você vai passar boa parte do seu dia no espaço, então é essencial que seja um ambiente arejado, que entre luz e que você se sinta confortável nele. A partir daí você começa a pensar como deixar ele com a sua cara. 

Além disso, delimitar um espaço na casa é interessante para que você entenda que aquele é um ambiente de trabalho. Se tiver um cômodo específico para ele, ótimo! Já se for no quarto, sala ou outro lugar da casa, é interessante ter um espaço definido, físico e mental. Um espaço da mesa delimitado, móvel de outra cor e até um tapete podem cumprir esse papel. 

Comece a decorar! 

Pensar em objetos e elementos que você goste pode trazer muita personalidade e vida para o seu home office. Se você tem uma ilustração ou imagem que gosta muito, ela pode ser protagonista de uma composição de quadros na parede ou na sua estante. 

Seus livros preferidos podem fazer parte da decoração. Em um momento que estamos tão apegados a lembranças, fazer uma composição de fotos e imagens que registraram momentos legais que você viveu também irão trazer muita personalidade para o espaço. 

Do it Yourself

Se você quiser se arriscar um pouco mais, pode aderir ao faça-você-mesmo para montar o seu home office. Pintar uma parede, montar a estante ou reformar e adaptar uma mesa são algumas opções para deixar o local com a sua cara. Dá mais trabalho, mas o resultado de montar algo do próprio espaço pode ser muito gratificante. 

Vá além do espaço físico 

Deixar o ambiente com a sua cara vai além da decoração. A iluminação exerce uma grande influência no nosso dia a dia, por isso permitir que a luz entre ou ter um abajur ou uma luminária podem dar a maior graça ao espaço. 

Outra dica legal são os aromas. Além de um espaço sempre limpo e arejado, os aromas ajudam a compor o clima do ambiente. Os óleos essenciais, por exemplo, possuem propriedades terapêuticas, com diferentes funções como acalmar, diminuir a ansiedade e até auxiliar na concentração. 

Vale lembrar também que menos é mais e o espaço precisa ser, antes de tudo, funcional. 

Curtiu as dicas? Um abraço!
The post Maneiras criativas de deixar seu home office com a sua cara appeared first on Chief of Design.

Maneiras criativas de deixar seu home office com a sua cara
Fonte: Chef of Design

Aprenda a se adaptar ao trabalho remoto e deslanchar como freelancer

Aprenda a se adaptar ao trabalho remoto e deslanchar como freelancer

 Trabalhar de casa exige disciplina e organização / Autor: Burst / Fonte: Pexels.com

Eae, tudo bele?

O trabalho remoto se torna cada dia mais comum. Enquanto os funcionários percebem os benefícios de trabalhar de casa, empresas enxergam como isso pode reduzir drasticamente os custos. 

As oportunidades para freelancers crescem a cada ano. Em 2019 o número de empresas cadastradas na plataforma Workana cresceu 50%, isso antes da pandemia. Desde o começo do isolamento, o site também registrou um aumento de 32% para novos profissionais cadastrados no Brasil. 

Mas não pense que basta ligar o computador para fazer seu trabalho de casa. Algumas mudanças são necessárias para você ter sucesso na carreira de freelancer. Quer ganhar dinheiro do conforto do seu lar? Aprenda a se adaptar com as cinco dicas da equipe GuiaDeBemEstar que trabalha 100% remotamente:

1 – ORGANIZE SEU AMBIENTE (E EQUIPAMENTOS) DE TRABALHO REMOTO

Se na empresa tem alguém para limpar sua mesa e remover o copinho de café, em casa é você quem precisa lidar com sua bagunça. Ambiente bagunçado é inimigo da produtividade, e imagina só que prejudicial é ser improdutivo no home office. 

Uma boa dica é preparar um local onde você sente para trabalhar todo dia, de preferência um cômodo só para isso, livre de interrupções. Caso não tenha um espaço exclusivo da casa, prepare um “cantinho office” no seu quarto. Nada de ficar com o computador na cama debaixo das cobertas. 

Decore de acordo com seu estilo e personalidade, deixe o local agradável. E essa regra simples, mas de ouro, serve para seus equipamentos. Antes mesmo de pensar em começar o trabalho remoto, organize também o seu computador. 

2 – APRENDA A DIZER NÃO (ESPECIALMENTE PARA OS MEMBROS DA SUA CASA)

Mãe não poder ver o filho em casa que adora pedir para ele dar uma saidinha rápida e resolver algo no mercado, no banco, no posto de saúde, na casa da vizinha ou em qualquer lugar. Saiba dizer não para qualquer pessoa que tente interromper seu trabalho. 

Trabalhar em casa requer disciplina. E não é apenas a mãe que atrapalha. Todas as pessoas com quem você divide o lar precisam saber que durante seu horário de trabalho – sim, você deve ter um “horário de trabalho” – você não está disponível para mais nada.

Ah, e não esqueça de dizer não para a maior distração de todas: as redes sociais.

3 – ESTABELEÇA (E CUMPRA) HORÁRIOS 

É normal que a cama quentinha te convide para acordar só 30 minutos mais tarde nos dias frios, mas não caia nessa um dia sequer. Se você tivesse que sair para trabalhar teria que cumprir horários (e acordar bem mais cedo) e em casa não é diferente. Ter uma rotina, com horários para começar, almoçar e terminar de trabalhar vai te tornar mais produtivo e adaptável a realidade remota. 

4 – ORGANIZE SEU DIA

Ser organizado com sua agenda é fundamental. Você não terá um chefe fiscalizando seu trabalho quando passa atrás do seu computador. A empresa só vai querer seu resultado. Para entregar um bom trabalho, defina as tarefas que precisa realizar naquele dia, ou mesmo na sua semana, estabeleça as prioridades e sempre respeite os prazos.

Parece óbvio, mas é fundamental reforçar que freelancer produtivo, focado, preocupado com o resultado que entrega e que respeite os prazos estabelecidos terá maiores chances de se adaptar – e ter sucesso – nesse mercado. 

5 – SAIBA SE COMUNICAR DE FORMA CLARA E EFETIVA 

No trabalho remoto é comum que a comunicação aconteça quase que 100% através de mensagens escritas. Seja por e-mail, chat ou aplicativos, seja c-l-a-r-o. Uma das inimigas da boa comunicação é não respeitar as pontuações em uma frase. Lembre-se: as vírgulas importam muito. 

Outro ponto que você precisa se atentar é em relação aos horários das mensagens, especialmente se você faz trabalhos para empresas de outros países. E também se a comunicação acontecer via WhatsApp. 

CONCLUSÃO

Se adaptar à realidade de uma empresa remota é muito simples, não tem nada de muito complexo. Basta continuar executando seu bom trabalho no conforto do seu lar.

É obvío que algumas pessoas se adaptarão de forma mais rápida outras demorarão mais um pouco e talvez outras nunca se adaptem por completo…E tudo bem se for assim, não existe certo ou errado. Conheça o seu perfil e o seu ofício para realmente validar a possibilidade de trabalhar de forma remoto de forma definitiva.

Para isso, disciplina e organização são características fundamentais. Colocando esses pontos em prática, não tenho dúvidas que você pode alcançar seus objetivos com sucesso. 

E você já trabalha de forma remoto? Se sim, a quanto tempo? Deixe o seu comentário abaixo.

Forte abraço Até mais.
The post Aprenda a se adaptar ao trabalho remoto e deslanchar como freelancer appeared first on Chief of Design.

Aprenda a se adaptar ao trabalho remoto e deslanchar como freelancer
Fonte: Chef of Design

O que é Visual Design?

O que é Visual Design?

Eae, tudo bele?Neste artigo você vai saber o que é Visual Design. Esse termo ganhou força recentemente entre designers e não é raro você encontrar vagas e profissionais se categorizando com esse nome.

Fora do Brasil, também vejo muitos conteúdos que utilizam o termo Visual Design para se referir a uma parte específica do design, apesar de sabermos que design não se limita apenas a parte estética e visual.

Então vamos entender nesse conteúdo o que é Design Visual, de onde ele vem e a relação com outras áreas do design.

Neste artigo você vai aprender:

O que é o Visual Design?De onde vem o termo o Design Visual?Fundamentos do Design VisualImportância do Visual Design para empresasFormação em Design Visual

O que é o Visual Design?

O Design Visual ou Visual Design é um ramo do design que se debruça ao estudo da comunicação visual. Para tanto, um bom profissional da área precisará ter expertise no manuseio dos softwares gráficos (como Adobe Photoshop, Adobe Ilustrator, Figma, entre várias outros) mas também, e principalmente, deverá conhecer os fundamentos do Design Visual, como tipografia, cores, gestalt, grid, semiótica, entre outros.

Vale ressaltar que não existe um consenso normativo sobre essa área ou termo, na verdade, se pararmos para analisar, o termo em si diz respeito ao trato da programação visual, portanto, um profissional de outras áreas do design, tais como o design gráfico, poderiam se enquadrar nesse como Visual Designer.Isso porque ambas as áreas dizem respeito a comunicação visual e utilizam de elementos visuais, tais como signos,imagens, gráficos, dentre outros recursos, que juntos, compõem um projeto de comunicar uma ideia e conceito

Apesar disso, trata-se sim de uma criação sistematizada, onde é possível observar um projeto de design com as etapas de planejamento, a pesquisa, as soluções, as prototipações, etc.

De onde vem o termo o Design Visual?

Diferentemente de outras áreas e termos do design, o Visual Design é uma terminologia que não se tem muitos estudos sobre como e onde surgiu, porém, sabe-se que se trata de uma nova terminologia que começou a ganhar força na mesma época que o UX e UI design, talvez, justamente para diferenciar e segmentar as camadas do design dentro de um projeto de um produto digital.

Basicamente o termo em si diz respeito ao design gráfico, só que voltado a produtos digitais. Ele seria mais uma etapa dentro de um projeto de digital, onde temos várias etapas no processo.

Desse modo, de forma resumida e prática, esse novo termo foi,ou é, uma alternativa para Designers gráfico se realocarem ou prospectarem novas oportunidades no mercado criativo, principalmente no digital.

É importante ressaltar que além desses sentidos associados ao termo, a expressão em si pode ganhar novos sentidos a partir do uso e de quem usa, por exemplo:

Existem designers que utilizam o termo com o objetivo de mostrarem que são designers especializados em design visual e estética, enquanto outros utilizam para se referir a uma forma mais abrangente, ou seja, que podem fazer design gráfico, mas também web design, ui design e outras coisas dentro do campo do design visual.

Pelo que vi, li e pesquisei, vejo que não existe um consenso e cada um acaba utilizando com um significado diferente.

Fundamentos do Design Visual

Os Fundamentos do Design Visual são um conjunto de conhecimentos essenciais para quem trabalha com comunicação visual e que podem ser utilizados em qualquer segmentação do design, como por exemplo, na web, etc.

Entendendo isso, você precisará aprender sobre várias coisas, já que trata-se de uma área multidisciplinar. Podemos listar algumas mais técnicas como por exemplo:

formas;imagens;texturas;composição;cores;tipografia;gestalt;grids, entre outros.

Para aprender sobre esses assunto e aprimorar a sua parte conceitual, nós temos o curso Fundamentos do Design Visual. Nesse curso você terá aulas que te proporcionaram uma base essencial para atuar com Design Visual. CLIQUE AQUI PARA SABER MAIS.

Importância do Visual Design para empresas

O Visual Design é um segmento do design que pode ser aplicado em diversas áreas. Sendo assim, pensando no uso para empresas, a sua principal contribuição é uma melhor composição visual de produtos, serviços e da identidade da empresa.

Para isso é preciso ter um profissional que ajude a sistematizar, concatenar e ajustar os elementos visuais com os propósitos da marca ou produto.

Manter uma estética agradável, uma identidade visual, e coerência visual é de extrema importância para qualquer negócio. Isso porque você consegue comunicar a ideia principal de uma empresa, e conectar, de forma natural, o público a sua marca.

Formação em Design Visual?

Se você ficou interessado no Design Visual, e está querendo seguir profissionalmente essa área, você tem duas opções: a primeira é realizar uma graduação na área, e a segunda é se especializar nesse seguimento por meio de cursos oferecidos on-line e offline.

São poucas as graduações que utilizam o termo de Visual Design. Por isso um caminho é fazer uma faculdade de design ou curso de design gráfico.

Já o outro caminho, de cursos livres, pode ser feito tanto com ou sem faculdade. Aqui você tem as opções de cursos mais curtos e diretos, porém sem o mesmo peso acadêmico do que o anterior. Você também pode fazer uma faculdade e depois tentar fazer um curso focado em Design Visual para se especializar.

É válido ressaltar que optando por essa alternativa, a experiência será sua principal aliada.

Vídeo – O que é Design Visual?

Para complementar o conteúdo deste artigo e explicar com mais detalhes determinadas partes, segue o vídeo que gravei para o meu canal no youtube sobre Visual Design. Assista abaixo:

Considerações Finais

Como vimos ao longo do conteúdo, Design Visual nada mais é que comunicação visual e essa matéria já era tratada por outras áreas do design muito antes do surgimento ou fortalecimento desse termo.

Apesar de não ser errado utilizar o termo Visual Design, você como Designer deve saber que trata-se apenas mais de um termo que é usado para categorizar e até mesmo uma tentativa de valorizar o trabalho de um designer que trabalha com programação visual.

Independente de termos, nomes e novas definições que possam surgir, penso que o mais importante é você pensar em design de forma mais ampla e nunca resuma design apanas ao visual, apesar de ser uma parte intrínseca e importante dentro de um projeto.Seja designer sempre se mantendo atualizado e aberto a novos conhecimentos, você sempre terá que estudar bastante sobre vários assuntos, já que é uma área multidisciplinar.

E você já sabia o que era Visual Design? Tem algum comentário ou susgestão?Deixe abaixo o seu comentário ou dúvida.

Forte abraço.

Até mais.
The post O que é Visual Design? appeared first on Chief of Design.

O que é Visual Design?
Fonte: Chef of Design

O que é Product Design? O que faz um Product Designer?

O que é Product Design? O que faz um Product Designer?

Eae, tudo bele?Neste artigo vamos falar sobre o que é, e o que faz um Product Designer. Você provavelmente chegou até aqui, para entender mais sobre Product Design e neste artigo irei te explicar sobre área, e sobre exatamente o que faz um Product Designer e quais são as habilidades necessárias para ser um.

E já te antemão, mais uma informação importante!

Não se trata de uma profissão nova! Apesar ser recente, o uso do termo Product Designer (se você tem uma conta no Linkedin, você deve saber disso), trata-se de uma profissão que já existe desde a Revolução Industrial.

Fique até o final deste artigo para que você consiga entender exatamente tudo o que compreende o trabalho de um Product Designer.

O que é Product Design?Quais são as etapas da criação de um produto?O que faz um Product Designer?Onde estudar Product Design?Quais as habilidades para se tornar um Product Designer?Vídeo – O que faz um Product Designer?

O que é Product Design?

Product Design, em tradução literal, significa Design de Produto. E como talvez você já saiba, design de produto não é algo super, mega novo. Aqui no Brasil era utilizado o termo Design Industrial para se referir a essa área.

E é fundamental entendermos como surgiu um termo, e para isso recorrermos à história. Vale a pena nos atentarmos há alguns aspectos da história do design.

O design, como um todo, teve o inicio a partir da revolução industrial. A criação de produtos que era de forma artesanal passou a ser produzido em série proporcionando que a criação de produtos tivessem processos de produção industriais.

Um dos primeiros registros de um design, e de um Product Designer é de Michael Thonet (1796-1971), grande produtor de móveis e máquinas industriais alemãs dando destaque a sua criação: a máquina de fabricar móveis de madeira curvada, sendo um de seus projetos mais conhecidos a cadeira Bentwood.

Poderíamos citar vários designers ao longo do tempo que trabalhavam como product design mesmo antes da internet. Como nos trabalho do Designer Alemão Dieter Rams, do Designer da Apple Jonthan Ive e do casal de designers Charles e Ray Eames. Sem falar que também encontramos muito sobre design de produto na maior escola de Design que já tivemos: a Bauhaus.

Tudo isso nos mostra que o Product Design já existia antes da era digital. O termo ganhou força, e inclusive sendo usado apenas em inglês, por causa dos produtos digitais que temos nos dias atuais. Então denominou-se, por convenção, utilizar o termo Product Design quando se trata também de produtos digitais.

Quais são as etapas da criação de um produto?

A seguir veremos um exemplo de processo simples de criação de um produto. Essas etapas são comuns, mas isso não significa que precisam ser seguidas a risca ou que todo o projeto necessitam tê-las exatamente da forma como será explicado aqui.

Etapa 1: Entendimento

É de fundamental importância saber o que é a persona, para qual se destina o produto que irá ser desenvolvido. Caso você não saiba o que é uma persona, irei dar uma breve explicação. 

Trata-se de um indivíduo fictício, que representa o seu cliente ideal. A persona tem nome, desejos, dificuldades, dores, planos, sonhos, dúvidas, hobbies e etc. Ou seja, é uma variável muito mais detalhada que o tão conhecido público-alvo. 

Por que um Product Design deve se preocupar com isso? O motivo é simples! Se você busca criar um produto que vá agradar o cliente final, que vai atender as necessidades dessa pessoa, é fundamental partir de uma persona bem feita.

Etapa 2: Ideação

Depois que você já definiu a persona, já conseguiu entender as dores, os planos, os objetivos e todas as demais característica do seu cliente ideal. Chegou a hora de criar o máximo de hipóteses que você puder.

É o momento de idealizar como será o produto que a persona irá receber.

Etapa 3: Definição

Agora que você já fez o seu brainstorming, é necessário escolher as melhores ideias que você teve, para conseguir definir a melhor hipótese para o projeto e assim ter um protótipo, que será usado na próxima etapa.

Etapa 4: Prototipação

Aqui é o momento em que o Product Design crie um protótipo do produto, para testar as hipóteses que você levantadas e escolhidas na etapa anterior. Mas cabe lembrar que não se pode perder muito tempo nessa etapa.

Afinal de contas é um protótipo e não o produto final.

Etapa 5: Validação

Quinta e última etapa! Agora é hora de pegar seu protótipo e validar. Lembra do trabalho realizado na primeira etapa? Então, agora é o momento de pegar sua persona e buscar pessoas que se enquadrem nela. 

Essas pessoas irão testar o produto de forma a validar todo o projeto. Cabe observar que se a primeira etapa não foi executada com maestria, inevitavelmente a etapa de validação será um fracasso.

O que faz um Product Designer?.

O Designer de produto nada mais é do que a pessoa que concebe a criação de um produto, seja ele físico ou digital, participando de todo o processo.

Ele (o Product Designer ou Designer de Produto) tem como função criar um produto ou resolver um problema, utilizando uma abordagem, e se engajando nessa construção desde o início. Os passos utilizados são muito semelhantes aos citados em Design Thinking (Entendimento, Definição, Ideação, Prototipação e Teste).

O Product Designer não necessariamente vai trabalhar com pixels, diretamente com softwares gráficos. Ele é uma espécie de gestor das etapas fundamentais na criação de um produto.

Basicamente o Designer de Produto trabalha de forma mais generalista, preocupado com as etapas da criação de um produto. É necessário que cada uma dessas etapas seja executada de forma excelente, para o final do processo seja positivo.

Imagine que um Designer de Produto seja como um maestro de uma orquestra. Não será que tocará os instrumentos do concerto, mas ele sabe como cada um funciona e dirige para quais melodias onde eles devem ir, como eles devem soar. Um Product Designer funciona mais ou menos assim.

Claro que em muitos caso, principalmente em projetos menores, um Product Designer pode fazer todo o processo, desde a ideação até a parte prática, porém dificilmente, principalmente em projetos digitais, ele estará sozinho, pois estará dentro de um equipe, comumente, multidisciplinar que ajudará no processo de concepção do projeto.

Portanto, um designer especializado nessa área deve ter uma visão holística de todo o processo de criação, desde a criação até questões como custos de manutenção, operação, industrialização, desenvolvimento e entrega. Ele também precisa saber ouvir e acolher os feedbacks que os usuários podem dar sobre o produto.

É válido ressaltar, mais uma vez, que grande parte dos produtos advindos desse ramo do design, atualmente, são em sua maioria digitais. Dessa forma, há uma diferenciação entre o design de produtos e as demais áreas como UX e UI Design. Essa diferença está justamente em acompanhar todo o projeto, do início ao fim, e o produto final em si, já que ambas as áreas possuem habilidades parecidas.

Onde estudar Product Design?

Infelizmente, atualmente não existe uma faculdade específica para se tornar um Product Designer, no que se refere a produtos digitais.

Antigamente as universidades voltadas para o design, o curso se denominava Desenho (Design) Industrial, que era específica para produtos físicos e industriais.Também encontramos faculdades de Design onde eram cursadas disciplinas comuns nos 3 primeiros anos, e em seguida, o estudante deveria optar por design gráfico ou design de produtos físicos.

Hoje, existe a faculdade de Design, mas ela não busca profissionalizar alguém para a área específica de Product Design. Por isso, muitos dos designers de produtos conhecidos migraram de outras áreas, como UX e UI.

Portanto fazer uma faculdade de Design vai te ajudar se capacitar, assim como fazer outros cursos, porém você vai precisar continuar prosseguindo com os estudos e especializar em Product Design.

Quais as habilidades para se tornar um Product Designer?

Como vimos, o designer de produtos é alguém que transita por outras áreas do design, então ele trabalha desde a criação de produtos até a pesquisa com usuários e análise de dados.

Além da formação, um bom designer de produtos dever ter as seguintes habilidades:

Visão holística sobre um projeto de design;Visão macro sobre fatores internos e externos;Conhecimentos gerais em design e processo de design;Alinhamento e estratégia de negócios;Design de serviço;IA (Arquitetura da informação).UI Design (Design de Interface)IxD Design (Design de Interação)UX, ou seja, entendimento do público, sabendo o que usuário necessita e deseja.Design visual.

Vale ressaltar que ele não precisa ser especialista em todas elas, mas deve sim ter conhecimento para saber gerenciar as pessoas dessas áreas (como citado no exemplo do maestro).

Portanto, esse profissional deve saber liderar grupos, administrar bem o tempo, os recursos e as atividades, e conseguir ter uma boa interação com pessoas.

Não basta o Product Designer dominar questões técnicas específicas de sua formação. É necessário que ele desenvolva competências acessórias, ou seja, habilidades extras que serão cruciais no processo de criação e inovação de um projeto.

Abaixo vou explicar as principais competências para atuar na área de Product Design, mas que talvez você nem imaginava:

Liderança

O Product Designer precisa ser um líder, ainda que não esteja formalmente como líder de uma equipe. Uma das características desse profissional é conseguir com que as pessoas façam o que for necessário para o alcance de um objetivo.

Ou seja, para que uma equipe consiga trabalhar junto em um projeto é importante que todos entendam a importância desse projeto e isso o líder consegue fazer, através do uso da empatia.  

Gestão de processos

Se o Product Designer não consegue gerir o processo de criação e inovação de um produto, ele corre o grande risco de não ter sucesso em seus projetos. Uma vez que cada etapa é essencial. 

Alinhamento e estratégia de negócios

Todo produto que é gerado precisa satisfazer o cliente e também as questões de negócios da empresa. Por isso, o Designer de produto precisa estar alinhado com as estratégias da empresa para que ele possa criar algo útil para os usuários, mas também algo que venda, algo que gere algum bem, seja ela financeira ou não, para a empresa.

Inovação e criatividade

Pode parecer algo básico, mas é importante reforçar que um Product Designer trabalha com inovação e por isso ele necessita utilizar da criatividade para propor novas soluções e criar novos produtos.

Vale ressaltar, que inovação não está ligado necessariamente a criação de novos produtos, ou seja, inovar é tornar uma ideia possível e essa ideia pode ser uma melhoria, uma atualização, uma nova visão sobre algo que já existe.

Trata-se de tirar do campo das ideias algo útil e que vai solucionar o problema, seja com a criação de algo novo ou com uma proposta de alguma melhoria, por exemplo.. É isso que um Product Design precisa ser, pois não adianta pensar numa ideia, é preciso torná-la possível.

Vídeo – O que é O que é Product Designer?  

Para complementar e acrescentar mais informações a todo o conteúdo apresentado aqui, eu deixo um vídeo que gravei para falar especificamente sobre o que é e o que faz um Product Designer. Assista abaixo o vídeo para aprender mais.

Considerações finais

A profissão de Product Designer ou Designer de Produto, se pensarmos um pouco e analisando tudo o que foi dito aqui, não é algo novíssimo como às vezes se coloca, talvez apenas o termo estrangeiro que passou a ser mais usado por nós brasileiros.

E por mais que tenhamos agora produtos digitais, que esses sim é um fato mais recente em nossa história, basta olhar para trás e ver que possuímos diversos produtos que foram criados por designers de produtos, tais como câmeras, cadeiras, micro-ondas e mais uma infinidade de objetos que utilizamos no dia a dia.

Por isso, se você quer ser Product Designer, estude um pouco sobre história e tudo que cerca, mesmo antes da era digital, essa ofício. Para ser um profissional de Design de Produto é preciso não se fechar em apenas uma única área do design ou do conhecimento. Além de dominar a sua área, também entender de outras áreas e assuntos, porque um Designer de Produtos é um profissional multidisciplinar e disso não tem como escapar.

E você já atua ou pretender ser um Prodcut Designer?

Aproveite o espaço abaixo para deixar o seu comentário.

Até mais.

Forte abraço.

Referências

UILAB. Product designer: quem é e o que faz? Disponível em: https://medium.com/ui-lab-school/product-designer-quem-%C3%A9-e-o-que-faz-64be9cd88358. Acesso em: 7 abr. 2020.

O que é Product Designer?  https://www.youtube.com/watch?v=ZUuiGwre0N0
The post O que é Product Design? O que faz um Product Designer? appeared first on Chief of Design.

O que é Product Design? O que faz um Product Designer?
Fonte: Chef of Design

O que é Design System?

O que é Design System?

Eae, tudo bele?Neste artigo você vai aprender o que é e a importância do Design System em um projeto de design que visa manter a consistência visual e de interação de uma organização.

O termo Design System vem ganhando cada vez mais notoriedade, principalmente graças aos produtos digitais que vem sendo criados nesse cenário tecnológico que vivemos.

Antes de começar, quero salientar que este artigo não tem a pretensão de definir ou determinar todos os aspectos de um Design System, já que se trata de um complexo trabalho de design e que pode sim ter variações e abordagens diferentes dependendo da forma de pensar e de criá-lo.

A ideia aqui é te apresentar para que você aprenda sobre o que é, para que depois você mesmo possa continuar estudando, fazer seus experimentos e testar as suas decisões de design, ok?

Portanto, neste artigo você aprenderá sobre:

O que é Design System.Como surgiu o Design System Quando construir um Design SystemO Design System e Atomic DesignA diferença entre Design System e Style GuideOs elementos que compõem um Design System

O que é um Design System?

Design System – ou sistema de design – trata-se de um conjunto de padrões de componentes de design elaborados a fim de manter a consistência visual e funcional de um certo produto, sistema ou organização.

Um exemplo clássico para se explicar o Design System é pensar em peças do brinque Lego.

Seguindo essa analogia, imagina esse sistema de design, como um conjunto de pecinhas padronizadas, que seguem a mesma consistência de design. Cada pecinha poderia ser considerada um componente.

Mas não para por aí. As peças de lego (ou componentes) já estão predefinidas, você precisa apenas selecionar as que você precisa e montá-las dentro de um padrão. Esses componentes podem se relacionar, se juntando e criando a partir disso novos componentes. E esses novos componentes por sua vez poderiam se juntar com outros e assim por diante.

Outro exemplo que temos, e que lidamos no dia a dia, são alguns softwares, como o Microsoft Office e o Creative Cloud Adobe. Essas famílias de programas seguem uma linha visual e todos estão dentro de uma consistência de visual e funcional, por exemplo, desde o visual até atalhos pré-definidos por seus criadores .

Independente de quando você adquiriu o programa ou de que país seja ou de que língua você fale, esses padrões serão os mesmo para cada ferramenta. Isso facilita bastante a vida de quem vai utilizar esses programas, pois possibilita a uma coerência de uso e estética.

Com isso essa famílias formam um padrão que facilita a execução de tarefas, além de tornar o sistema atrativo e organizado visualmente.

Uma frase muito famosa dita por Nathan Curtis sobre o assunto é que “o Design System é um produto servindo outros produtos”.

Portanto o Design System é um projeto de design que abastece outros projetos visando sempre manter a consistência de design e proporcionando mais rapidez para as equipes de design e de tecnologia criarem os projetos ou protótipos. O Design System é um documento de extrema importância para empresas que querem uma maior integração de suas ideias no desenvolvimento de produtos.

Como surgiu o Design System?

Não se tem uma definição fechada do que seja o Design System, porém sabe-se que não se trata de um conceito tão inovador como se vende. Ao longo da história encontramos projetos de sistemas de design.

Se você procurar sobre a escola alemã “Bahaus”, se estudar os manuais de marca de projetos do grande Designer Gráfico brasileiro Alexandre Wollner, se olhar o projeto para as olimpíadas de Munich de 1972, Otl Aicher , ou analisar o projeto de design do metrô de Nova York…Entre tantos outros exemplos que temos por aí… Você encontrará Design System, ou seja, algo que foi planejado de forma pragmática, calculada afim de manter uma consistência visual.

A demanda por produtos bem construídos, marcas consolidadas e design cada vez mais inovadores fez com que os grandes designers buscassem automatizar o máximo possível sem perder a consistência de design em grandes projetos.

E nos dias atuais, com o avanço da tecnologia, e o advento de produtos digitais, o ramo tecnológico precisou se adaptar e começou a utilizar cada vez mais o Design System.

O Design System e Atomic Design

O Design System conversa muito com outra abordagem de design que é conhecido como Atomic Design (design atômico). O Atomic Design, como o próprio nome já nos indica, utiliza de uma analogia entre elementos e componentes de um projeto de design com o comportamento dos átomos, moléculas e organismos.

Portanto, assim como vimos no exemplo do brinquedo lego, aqui lidamos com os componentes de forma crescente, saindo do menor para o maior. Portanto temos dentro dessa ordem os átomos, moléculas, organismos, templates e páginas (como visto na imagem dentro deste tópico).

Átomos: aqui podemos incluir ícones, botões, cores, imagens, tipografia etc.Moléculas: aqui seria o resultado da interação dos itens pertencentes a categoria átomos. Então poderíamos citar como exemplo uma sidebar, um card, uma barra de menu.Organismos: aqui se enquadra os resultados da interação das moléculas, como exemplo podemos citar um header de um site, que contém um menu e outros ícones.Templates: aqui seria o resultado da interação de todos os componentes citados anteriormente, montando um produto modelo que pode ser utilizado por qualquer pessoa, sofrendo alguns ajustes.Páginas: já essa etapa seria mais próximo do produto pronto final, sendo o mais completo do que um template

Essa forma de lidar com os elementos do design, dentro de um projeto, trata-se de uma metodologia estruturada, racional e lógica de dar função e forma ao projetos, com base conceitual e de forma relativamente simples de entender.

O pensamento do Atomic Design encaixa bem com o que se propõe quando estamos criando um Design System. Por isso, um bom caminho para iniciar um sistema de design é justamente começar estudando sobre design atômico.

Quando construir um Design System?

Imagine que uma empresa sempre está modificando seus times, seja demitindo ou contratando novas pessoas. Imagine também que sempre que novas pessoas aparecem, também surgem novas ideias e palpites acerca de um projeto.

Muita das vezes essas ideias que surgem, já foram discutidas e definidas; mas com a correria da rotina e a falta de um documento contendo essas informações, um membro do time de design – por exemplo – irá gastar mais tempo testando novas ideias, que talvez nem tenha coerência com o projeto. Para evitar situações como essas, é necessário ter um bom Sistema de Design.

Outro ponto que já citamos aqui no artigo é para manter uma consistência e coerência de design, seja visual, funcional e até mesmo de padrões de códigos. A ideia é manter um organismo homogêneo, mesmo ele sendo composto por elementos diferentes.

Portanto a construção do Design System é ideal para projetos maiores, onde existem vários produtos ou pontos de contato com a marca e é preciso evitar uma incoerência visual. Também quando envolvem várias profissionais e é preciso criar uma padronização para ser seguida pela equipe.

Por demandar mais tempo e estudo, para projetos menores é mais provável que um Style Guide (guia de estilo) já seja o suficiente.

A diferença entre Design System e Style Guide

Ao estudar o design, nos deparamos com o Style Guide, que é facilmente confundido com o Design System. Na prática, o Style Guide também compõe com informações dentro do Design System.

O Style Guide ou Guia de estilo é um sistema de organização menor e mais restrito para a parte visual que o Design System. Isso porque ele é responsável por criar um estilo de trabalho de um produto, permitindo que apenas os designers e criadores entendam o que está acontecendo.

É como se o Style Guide fosse uma fatia e o Design System uma pizzainteira. O Sistema de Design é um apanhado de informações de várias áreas do design, como o Motion, UI e até códigos de programação.

A ideia é que o Design System seja um documento que garanta uma melhor consistência nos projetos, produtos e que dialogue com todas as áreas envolvidas, não somente a identidade visual ou com características visuais.

Os elementos que compõem um Design System

Como dito anteriormente, o sistema de design é como se fosse uma pizza e cada fatia é um setor que agrega informações. Sendo assim, é essencial que o Design System possua:

Objetivos e valores

Antes de pensar em grid, tipografia e cores precisamos pensar nos objetivos e valores da empresa. Esses fundamentos guiarão todas as escolhas feitas, evitando projetos sem coesão com os princípios da instituição.

Guia de Estilo

Aqui os designers irão pensar na identidade visual, seguindo os objetivos e valores. Um guia de estilo é fundamental para definir os princípios de design, identidade da marca, cores, tipografia, etc. Esse é o momento de definir diretrizes, para que todos os designers envolvidos usem as combinações estabelecidas.

Em um primeiro momento, isso pode soar como se precisasse seguir rigidamente regras determinadas e deixar de fora a criatividade dos designers. Pode ter certeza que a criatividade não ficará de fora.

Na verdade quando esses elementos visuais são definidos, a criatividade será utilizada para definir combinações e como será usado as cores, ilustrações, ícones, tipografias, animações – por exemplo – criando, assim, uma identidade visual coesa.

Biblioteca de componentes e padrões

Após ter estabelecido a identidade visual, é hora de definir como será construído esse projeto e, nesse momento, uma biblioteca de componentes e padrões podem ajudar.

Na prática, uma biblioteca de componentes e padrões são elementos que serão utilizados no desenvolvimento de um produto. Imagine que você precise de um componente para criar um site, por exemplo, e lembra especificamente de um que utilizou em projetos anteriores. Até você procurar os projetos que ele foi utilizado, observar como ele se comporta, custaria um tempo precioso dentro do seu prazo.

Para aumentar sua produtividade, uma boa solução é ter em mãos todos oscomponentes e padrões que serão utilizados na construção do seu produto. Para criar essa biblioteca podem entrar desenvolvedores e UI Designers.

Os componentes e padrões são essenciais na construção do sistema e em como ele irá funcionar. Ui/Web kit: esses seriam um kit desses componentes citados acima, interligados, formando um template construídos com base nos componentes do sistema.

Portanto, estamos falando sobre UI kit, que seria um kit de componentes de UI Design citados acima, e também estamos falando sobre os estados dos componentes que aqui é relativo ao estado dos componentes citados, se estão ativos, se são o padrão, se estão inativos, dentre outros.

Ao criar uma biblioteca com esses elementos, você irá garantir uma experiênciaconsistente no seu produto. Não acaba por aqui, você pode adicionar mais informações que achar necessário.

Isto é somente um pontapé inicial, ajudando a condensar todas as ideias, princípios e valores da empresa em todos os seus produtos.

Códigos

Dependendo do projeto podemos incluir padrões de códigos, como nome de classes, ids, indentação, formatação e organização. Um projeto de um sistema de design pode lidar com a integração entre design e a parte de desenvolvimento front-end.

É super importante, quando há a necessidade, que a integração entre as áreas para que o Design System funcione como o esperado. Apesar do nome (Design System) poder lembrar em um primeiro momento apenas a questão visual, design não se trata apenas disso e questão funcional também é importante.

Você pode conferir alguns exemplos de Design System disponíveis na internet no site Adele UX Pin.

Vídeo – O que é Design System

Para complementar esse artigo eu gravei um vídeo para explicar de forma mais didática e também para complementar o que foi dito neste artigo. Então, confira o vídeo abaixo e complemente os seus estudos sobre Design System.

Considerações Finais

Percebemos que o Design System é uma forma de
organização para grandes empresas que não é novidade. Novidade mesmo é sua
forma de uso na atualidade, aplicada a produtos digitais.

O uso desse sistema traz inúmeros benefícios para o produto, bem como para a equipe engajada no projeto, permitindo que todos contribuam para o produto final, mesmo tendo visões e profissões diversas, mantendo a consistência do projeto.

Por isso, o Design System possui inúmeros benefícios, tais como dinamicidade, fácil atualização, redução de custos e de tempo de trabalho, otimização de tarefas e da força de trabalho, dentre outros.

Você já criou o particiou de um projeto de design ssytem? Qual a sua opinião sobre o assunto? Você pode deixar aqui nos comentários a sua dúvida ou relato sobre.

Até mais.

Forte abraço.

Fontes:

Diego Prado – Design Systems: organização e escalabilidade para design e desenvolvimento: https://medium.com/trinca137/design-systems-organiza%C3%A7%C3%A3o-e-escalabilidade-para-design-e-desenvolvimento-6a0a4d8780b

Ux Collective Br – Entendendo Design Systems : https://brasil.uxdesign.cc/entendendo-design-system-f375bbb6f704
The post O que é Design System? appeared first on Chief of Design.

O que é Design System?
Fonte: Chef of Design