Tag: artigos

Core Web Vitals: Conheça os Indicadores de Performance e UX do Google, e como eles podem impactar o seu SEO

Core Web Vitals: Conheça os Indicadores de Performance e UX do Google, e como eles podem impactar o seu SEO

Se você tem interesse em posicionar bem suas páginas web no ranking do Google, e aos mesmo tempo procura desenvolver sites que carregam rápido você precisa conhecer sobre o Core Web Vitals. Principalmente se você se preocupa em criar interfaces que promovam boas experiências do usuário.

Isso porque em 2021, o Google anunciou um novo fator de classificação para 2021: a experiência da página. E isso é que discutiremos por aqui.

Além de todos aqueles fatores imagináveis que nos empenhamos em aprimorar para que nossas páginas sejam bem classificadas, agora a experiência do usuário se tornou um fator que, a gigante de buscas, considera fundamental para que um site possa almejar melhores posições.

Não basta mais pensar só em SEO. Não basta mais pensar em Performance.Agora é importante pensar também em UX.

Mas você deve estar curioso para saber como o Google vai conseguir definir quais sites oferecem uma boa experiência ao usuário. E aí entram os Core Web Vitals que são compostas pelas Métricas LCP, FID e CLS.

Venha comigo conhecer essas novas métricas!!!

O que são os Core Web Vitals?

Os Core Web Vitals são indicadores que visam melhorar tanto a experiência de interação nas páginas web, quanto da experiência de busca, onde o Google, através de métricas específicas que conseguem avaliar o desempenho do carregamento, a capacidade de resposta a interação, e estabilidade visual das páginas, fatores esses que influenciam na experiência do usuário.

É lógico que ainda temos que considerar outros fatores porque os Core Web Vitals não funcionam isoladamente. Elas são um subconjunto de uma iniciativa do Google denominada Web Vitals, e que fornece orientação unificada em relação a sinais de qualidade essenciais que visam proporcionar uma ótima experiência ao usuário na web.

Os Core Web Vitals ajudam os proprietários a focarem nas métricas que mais importam para seus sites.

Importância de cumprir as diretrizes dos Core Web Vitals

É importante ressaltar que uma ótima pontuação de experiência na página não o levará magicamente ao primeiro lugar no Google. Isso porque o conteúdo continua sendo o Rei, e os fatores de classificação relacionados a eles ainda estão presentes.

Mas um trabalho executado para melhoria dos Core Web Vitals vai influenciar muito nos resultados em termos de SEO e performance. Ainda mais que sites com ótima usabilidade e bens resolvidos em outras questões de uso, melhoram a experiência de uso e de consumo dos conteúdos, e isso reflete em uma maior retenção, possibilitando assim que se atinjam os objetivos de conversão dos sites.

Sabendo disso podemos conhecer agora as três métricas dos Core Web Vitals.

Quais são as métricas que constituem o Core Web Vitals?

Os indicadores dos Core Web Vitals são focados em três pilares da experiência de página são:

Desempenho de carregamento (com que rapidez as coisas aparecem na tela?)   Capacidade de resposta (quão rápido a página reage à entrada do usuário?)    Estabilidade visual (as coisas se movem na tela durante o carregamento?)

Com isso as três métricas que medem esses aspectos são chamadas de LCP, FID, CLS.

Largest Contentful Paint (LCP)

Largest Contentful Paint mede quanto tempo leva para a maior parte do conteúdo aparecer na tela. Pode ser uma imagem ou um bloco de texto. Está métrica relacionada com o desempenho de carregamento.

A seguir um exemplo de quando a maior parte do conteúdo aparece:

Exemplo de LCP, por web.dev

Uma boa nota dá aos usuários a sensação de que o site carrega rápido. E caso a maior parte do conteúdo demorar para parecer, resulta assim na percepção de um site lento pelo usuário, prejudicando a experiência.

Segundo Google, para que o usuário tenha uma boa experiência de navegação, o LCP deve ser de até 2,5 segundos.

Fatores que afetam a métrica LCP

A LCP é afetada principalmente por quatro fatores:

Tempos de resposta lentos do servidor;JavaScript e CSS que bloqueiam a renderização;Tempos de carregamento de recursos;Renderização do lado do cliente;

Otimização da Largest Contentful Paint

Segue algumas ações para otimização da Largest Contentful Paint:

Otimização do seu servidor;Direcionando os usuários para um CDN próximo;Usando ativos de cache;Servindo páginas HTML usando cache-first;Estabelecendo conexões de terceiros antecipadamente (dns-prefetch, preconnect);Reduzindo o tempo de bloqueio de CSS;Minificação de CSS;Adiando o CSS que não for crítico;Embutindo na página o CSS crítico;Reduzindo o tempo de bloqueio de JavaScript.

First Input Delay (FID)

First Input Delay mede quanto tempo leva para o site reagir à primeira interação do usuário na interface. Isso pode ser um toque em um botão, por exemplo. Esta métrica está relacionada com a capacidade de resposta.

Uma boa nota aqui dá ao usuário a sensação de que um site é rápido para reagir ao comando dele. E caso a reação for demorada, resulta assim na percepção de um site lento pelo usuário, prejudicando a experiência.

Para fornecer uma boa experiência ao usuário, as páginas devem ter um FID de 100 milissegundos ou menos.

Fatores que afetam a métrica FID

A First Input Delay é afetada principalmente esses fatores:

Código de terceiros que bloqueia o thread principal;Tempo de execução do Javascript;Altas contagens altas de recursos ou grandes tamanhos de transferência.

Otimização da First Input Delay 

Segue algumas ações para otimização da First Input Delay:

Divida Tarefas Longas;Otimize sua página para a prontidão de interação;Use um web worker;Reduza o tempo de execução do JavaScript;Adie o JavaScript não utilizado;Minimize polyfills não utilizados.

Cumulative Layout Shift (CLS)

Cumulative Layout Shift mede a estabilidade visual do seu site. Ela verifica se as coisas se movem na tela enquanto estão carregando e com que frequência isso acontece. Essa métrica está relacionada com a estabilidade visual. 

Uma boa nota aqui dá ao usuário que nada atrapalha quando uma interação acontece durante o carregamento da página. E caso alguma coisa apareça justamente no ponto onde ele iria interagir (clicar em um botão quando um anúncio de carregamento lento aparece naquele local), resulta em uma má experiência. 

Para fornecer uma boa experiência ao usuário, as páginas devem manter um CLS de 0.1. ou menos.

Fatores que afetam a métrica CLS

A Cumulative Layout Shift é afetada principalmente esses fatores:

Imagens sem dimensões;Anúncios, incorporações e iframes sem dimensões;Conteúdo injetado dinamicamente;Fontes da Web que causam FOIT/FOUT;Ações que aguardam uma resposta da rede antes de atualizar o DOM.

A seguir um exemplo de anúncio sem espaço reservado (Clique para ver o vídeo):

Anúncios sem espaço suficiente reservado, por web.dev

Otimização da Cumulative Layout Shift 

Segue algumas ações para otimização da Cumulative Layout Shift:

Garanta que quaisquer mudanças de layout que ocorram sejam esperadas. Garanta que o navegador possa alocar a quantidade correta de espaço no documento enquanto a imagem ou vídeo é carregado. Para isso  inclua atributos de tamanho em suas imagens e elementos de vídeo ou reserve o espaço necessário usando algo como caixas estilizadas com CSS.Nunca insira conteúdo acima do conteúdo existente, exceto em resposta a uma interação do usuário. Anime as transições de uma forma que forneça contexto e continuidade de um estado para outro.

Ferramentas para medir Core Web Vitals

Existem ferramentas populares para medir os Core Web Vitals.Elas estão divididas em ferramentas de campo e ferramentas de laboratório. Aqui, vou destacar as mais importantes.

Ferramentas de campo para medir os Core Web Vitals

Relatório de experiência do usuário Chrome;PageSpeed Insights;Console de Busca (relatório Core Web Vitals).

Destaque especial vai para o Relatório de experiência do usuário Chrome coleta dados anônimos de medição de usuários reais para cada Core Web Vital e  além de servir a ferramentas como o PageSpeed Insights e o relatório Core Web Vitals do Console de Busca.

Ferramentas de laboratório para medir as Core Web Vitals

Segundo o site da Web Vitals, a medição em laboratório é a melhor maneira de testar o desempenho dos recursos durante o desenvolvimento, antes de serem lançados aos usuários.

Chrome DevTools;Lighthouse.

Conclusão – Como os Core Web Vitals podem impactar o seu SEO?

Como já citei neste artigo, o conteúdo de qualidade ainda reina soberano e os fatores relacionados a ele ainda são fundamentais para o SEO.

Mas cada vez mais a experiência do usuário é uma preocupação do Google, e convenhamos a experiência para o usuário se dá tanto pelo conteúdo útil ou encantador, quanto por uma interface útil, prática e fácil de usar.

Portanto, podemos concluir que os Core Web Vitals, sendo um projeto do Google, é um caminho a ser considerado para termos melhores resultados em SEO e também para que nossos usuários fiquem cada vez mais satisfeitos em suas interações.

E você já sabia ou conhecia a importância do Core Web Vitals?

Deixe um comentário abaixo.
The post Core Web Vitals: Conheça os Indicadores de Performance e UX do Google, e como eles podem impactar o seu SEO appeared first on Chief of Design.

Core Web Vitals: Conheça os Indicadores de Performance e UX do Google, e como eles podem impactar o seu SEO
Fonte: Chef of Design

Faça traduções gratuitas para qualquer idioma usando o DocTranslator

Faça traduções gratuitas para qualquer idioma usando o DocTranslator

O DocTranslator é um software de tradução de documentos online que permite traduzir até 2.000 palavras gratuitamente sem restrições de idioma. Permite traduzir idiomas tão comuns como inglês para espanhol, inglês para alemão ou inglês para francês. Você também pode usar combinações menos comuns, como taiwanês para indonésio ou norueguês para sueco. Se você precisar traduzir mais de 2.000 palavras, aplica-se um plano premium de baixo custo, que custa US$ 0,004/palavra.

Ao contrário de outros serviços de tradução que cobram assinaturas mensais, com o DocTranslator você paga apenas pelas palavras que traduz. A qualidade das traduções é outro aspecto que torna este software de tradução gratuito melhor do que outros serviços online. Não há necessidade de se preocupar com o tipo de arquivo que você usa para traduzir. DocTranslator traduz planilhas Excel, apresentações PowerPoint, arquivos Adobe InDesign .IMDL.

Essa é a descrição geral. Agora, vamos mergulhar nos detalhes.

A DocTranslation oferece mais do que a maioria das ferramentas de tradução online podem oferecer. Ele usa inteligência artificial, que permite fazer traduções que podem soar tão boas quanto textos traduzidos por um humano.

Ao usar o DocTranslation, você pode traduzir seu texto para mais de 100 idiomas gratuitamente. Precisa traduzir sua cópia em um, dois ou dezenas de idiomas? O serviço permite que você faça tudo em um instante. Permite traduzir textos de inglês para espanhol, inglês para alemão ou inglês para francês. Suponha que você esteja interessado em fazer algumas traduções menos comuns, como a tradução de taiwanês para indonésio ou norueguês para sueco. Nesse caso, você também pode contar com os serviços da DocTranslation. Você pode fazer qualquer tradução gratuitamente, sem restrições de idioma.

O serviço é gratuito para documentos de 2.000 palavras. O plano premium se aplica se você precisar traduzir uma cópia de texto mais longa. A versão paga custa menos do que a maioria das cobranças de software. Ao contrário de outros serviços, você paga apenas pelos serviços de que precisa. Assim, o plano custa 0,004/palavra.

Traduzir textos com a ajuda de um software de tradução online oferece muitas vantagens em comparação com os serviços de agências de tradução. Além de questões financeiras, você obtém tradução de texto de qualidade instantaneamente. Não há necessidade de esperar até que o software forneça a tradução feita no idioma escolhido. O DocTranslator traduz conforme você digita ou copia e cola sua cópia. O algoritmo de aprendizado de máquina e a inteligência artificial melhoram constantemente a qualidade dos serviços de tradução e fornecem uma tradução de alta qualidade que pode competir facilmente com as traduções entregues por agências de tradução.

Outra grande vantagem de usar o DocTranslator é que o software suporta muitos formatos de arquivo populares, incluindo arquivos do Word e documentos PDF. Além disso, você também pode traduzir planilhas do Excel, apresentações do PowerPoint ou até mesmo arquivos Adobe InDesign .IMDL.

O que torna o DocTranslator melhor do que outros tradutores online?

Um número crescente de empresas tornou-se internacional. Para disponibilizar seus serviços a um público mais amplo, as empresas precisam traduzir suas mensagens para idiomas que não falam fluentemente ou não conhecem. Contratar um tradutor pode ser caro, especialmente para startups e pequenas empresas. As coisas podem ficar complicadas quando você precisa contratar um tradutor que fale um dos idiomas menos falados. O software de tradução online deve ser uma solução vantajosa para todos.

A DocTranslation oferece mais do que a maioria das ferramentas de tradução online podem oferecer. Ele usa inteligência artificial, que permite fazer traduções que podem soar tão bem quanto os textos traduzidos por um humano.

Ao usar o DocTranslation, você pode traduzir seu texto para mais de 100 idiomas gratuitamente. Você precisa traduzir sua cópia em um, dois ou dezenas de idiomas? O serviço permite que você faça tudo em um instante. Permite traduzir textos de inglês para espanhol, inglês para alemão ou inglês para francês. Suponha que você esteja interessado em fazer algumas traduções menos comuns, como tradução de taiwanês para indonésio ou norueguês para sueco. Nesse caso, você também pode se sentir à vontade para contar com os serviços da DocTranslation. Você pode fazer qualquer tradução gratuitamente, sem restrições de idioma.

O serviço é gratuito para documentos com até 2.000 palavras. O plano premium é aplicado se você precisar traduzir uma cópia de texto mais longa. A versão paga custa menos do que a maioria das cobranças de software. Ao contrário de outros serviços, você paga apenas pelos serviços de que precisa. Assim, o plano custa 0,004/palavra.

Traduzir textos com a ajuda de um software de tradução online oferece muitas vantagens em comparação com os serviços de agências de tradução. Além das questões financeiras, você recebe uma tradução de texto de qualidade instantaneamente entregue a você. Não há necessidade de esperar até que o software forneça a tradução feita no idioma escolhido. O DocTranslator traduz conforme você escreve ou copia e cola sua cópia. O algoritmo de aprendizado de máquina e a inteligência artificial melhoram constantemente a qualidade dos serviços de tradução e fornecem uma tradução de alta qualidade que pode competir facilmente com as traduções entregues por agências de tradução.

Outra grande vantagem de usar o DocTranslator é que o software é compatível com muitos formatos de arquivo populares, incluindo arquivos do Word e documentos PDF. Além disso, você também pode traduzir planilhas do Excel, apresentações do PowerPoint ou até mesmo arquivos .IMDL do Adobe InDesign.

Tudo o que é preciso para traduzir seu texto é seguir estes passos rápidos:

● Crie uma conta gratuita em https://dashboard.doctranslator.com/register?locale=pt

● Carregue seu arquivo.

● Selecione o par de idiomas.

● Pague o saldo se seu texto tiver mais de 2.000 palavras.

● Baixe a tradução automática.

É muito isso! Você pode se sentir à vontade para usar a tradução em seu site para sua campanha de marketing ou outros fins. O serviço está disponível gratuitamente! CLIQUE AQUI PARA TESTAR
The post Faça traduções gratuitas para qualquer idioma usando o DocTranslator appeared first on Chief of Design.

Faça traduções gratuitas para qualquer idioma usando o DocTranslator
Fonte: Chef of Design

Tecnólogo ou Bacharel em Design? Suas dúvidas respondidas

Tecnólogo ou Bacharel em Design? Suas dúvidas respondidas

Eae, tudo bele?
O artigo de hoje é sobre faculdade de design, mais especificamente vamos falar sobre as diferenças e as principais dúvidas sobre os cursos tecnólogo e bacharel em design?
Se você está procurando, ou procurou em algum momento, por curso superior em design, você deve ter esbarrado na questão de tecnólogo ou bacharel em design.
E aí começam a surgir inúmeras dúvidas sobre o assunto:
Afinal, qual é melhor? Será que se eu escolher um em detrimento de outro eu estarei me equivocando? Será que o mercado prestigia mais um outro tipo de curso?
Para sanar essas e mais outras dúvidas estamos aqui 😀
Então vamos entender o que é cada curso, suas sinergias e diferenças. Antes de começar só que te passar uma dica importante:
O site Quero Bolsa disponibiliza bolsas com até 75% em cursos superior, tecnólogo ou bacharel ,e de pós-graduação em design.

Se você vai entrar na faculdade, antes de qualquer coisa sugiro fortemente que acesse agora o Quero Bolsa e veja senão tem nenhuma bolsa na faculdade que você deseja entrar. Eu mesmo usei o Quero Bolsa e foi muito útil na minha época. Não perca tempo! CLIQUE AQUI e saiba mais.
Isto posto! Bora começar? Vamos nessa?
Curso bacharelado em design?
Trata-se do curso mais tradicional. É um curso superior com duração em média de 7 à 8 semestres ( 3 anos e meio à 4 anos) e que dá ao formado o título de bacharel em design.
Requisitos para ingressar em curso de bacharelado:

Ter terminado o ensino médio completo;
Se habilitar no processo seletivo da faculdade, como ter uma boa nota no ENEM,  passar no vestibular da universidade em questão e em alguns casos ser aprovado em testes práticos.

Curso tecnólogo em design?
Essa categoria de curso é mais nova que a anterior mais enxuta e criada para suprir as necessidades de mão obra especializada do mercado de trabalho. O tecnólogo é um curso superior com duração em média de 4 à 6 semestres ( 2 anos e meio à 3 anos) e que dá ao formado o título de tecnólogo em design.
Requisitos para ingressar em curso de tecnólogo:

Ter terminado o ensino médio completo;
Se habilitar no processo seletivo da faculdade, como ter uma boa nota no ENEM,  passar no vestibular da universidade em questão e em alguns casos ser aprovado em testes práticos.

Agora que você já sabe o básico sobre os cursos, vamos as principais dúvidas das galera a respeito de tecnólogo ou bacharel em design.
Antes só quero te avisar que temos mais dois conteúdos aqui no Chief sobre faculdade de design. Então de ingressar em uma, sugiro fortemente que confira nossos conteúdos. Seguem os links:
➡ Curso de Design Gráfico – Como começar.
➡ Por que você deve fazer faculdade de design?
➡ Por que você não deve fazer faculdade design agora?
➡ Faculdade de Web Design
Agora sim, podemos prosseguir 😀
1# O curso tecnólogo é a mesma coisa que técnico?
Não. O curso tecnólogo é um curso superior em design.  Já o curso técnico é um curso profissionalizante. Para ingressar no curso profissionalizante, por exemplo, você não precisa em muitos casos passar em um vestibular e pode realizar mesmo que não tenha completado o ensino médio.
2# O curso tecnólogo é reconhecido pelo MEC?
Sim, é o MEC (Ministério da Educação) que dita as diretrizes sobre os cursos de tecnólogo e bacharel em design. No site do MEC temos a seguinte informação:
Os cursos tecnológicos existem no Brasil desde a década de 60 do século passado. Nos últimos anos, a procura aumentou. O número de alunos matriculados cresceu, entre 2002 e 2008, de 81,3 mil para 421 mil, segundo dados do censo da educação superior.
Entre os cursos mais procurados estão os de gastronomia, automação industrial, análise e desenvolvimento de sistemas, radiologia e gestão de recursos humanos. Todos com salários iniciais em torno de R$ 2 mil.
Fonte: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/33349
3# Se eu fizer curso de tecnólogo posso continuar meus estudos?
Sim. Você pode fazer um tecnologo e depois fazer uma pós-graduação, mestreado e assim por diante. No site do MEC também encontramos a seguinte citação:
Assim como os egressos de cursos de bacharelado e licenciatura, os tecnólogos recebem diploma de graduação e têm o mesmo direito de fazer cursos de especialização, de mestrado ou de doutorado e participar de concursos públicos. Podem também ingressar em curso de mestrado profissional.
“Não há restrição legal quanto ao tecnólogo fazer pós-graduação”, ressalta o coordenador de regulação da educação profissional e tecnológica do MEC, Marcelo Feres. “É preciso ter em mente também que o egresso pode dar continuidade aos estudos, independentemente de títulos acadêmicos.”
Fonte: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/3334
4# Posso concorrer a vagas de concursos públicos com o diploma de tecnólogo?
Sim. Não existe distinção referente a curso tecnólogo ou bacharel em design, ao menos, como cita o site do MEC, exista no edital alguma especificação especial sobre o tipo de curso superior requisitado.
O contratante tem autonomia para decidir a qualificação do servidor que busca. Contudo, caso a exigência seja de nível superior e/ou graduação, o formado em cursos tecnólogos está apto a prestar o concurso. Ressalte-se a exceção em caso de solicitação específica da formação em licenciatura e/ou bacharelado. Portanto, o fator determinante é o teor do edital de cada concurso no qual estarão discriminados os títulos exigidos.
Fonte: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/3334

5# Quais os tipos de cursos de design para tecnólogo e bacharel?
Nesse tópico a resposta pode variar bastante, já que depende da sua região, da instituição entre outros fatores.
O curso tecnólogo é mais específico para uma determinado área como, por exemplo:
Design de interiores.
Curso que habilita o formado a trabalhar com: 
Design de ambientes, design de interiores e decoração; ambientação de interiores; design de móveis e interiores, etc.
Design de moda.
Curso que habilita o formado a trabalhar com: 
Moda e figurino; moda; negócios da moda; Estilismo, planejamento de coleção de moda; produtos da moda, etc.
Design de produto:
Curso que habilita o formado a trabalhar com: 
Desenvolvimento e planejamento de embalagens; design de calçados; design de móveis, etc.
Design gráfico.
Curso que habilita o formado a trabalhar com: 
criação e produção gráfica; comunicação digital, desenho técnico; web design; comunicação e ilustração digital; comunicação em computação gráfica; design de multimídia; design digital; design gráfico e programação visual; editoração eletrônica; produção gráfica digital, etc.
Já os cursos de bacharelado em design são cursos de Design, ou seja, abrangem o assunto de forma mais ampla e com tal formação você pode depois decidir por qual caminho seguir.  O bacharel em design, que similar ao tecnólogo, pode atuar exercendo qualquer áreas citadas acima, além obviamente, de  ter mais tempos e  aprofundamento nos estudos e pesquisas.
6# Existe preconceito com curso tecnólogo?
Pode sim existir. Quando falamos de tecnólogo ou bacharel em design, podeos encontrar certas empresas e profissionais que fazem distinção entre os cursos, desmerecendo quem fez tecnólogo. E ainda existem empresas que podem não aceitar o diploma de tecnólogo, mesmo que o próprio MEC valide o diploma como nível superior
Porém isso é raro e principalmente em se tratando de design, o que mais importa é justamente a sua capacidade profissional, o seu portfólio e sua experiência profissional.
7# Qual é melhor? Tecnólogo ou bacharel em design?
Não existe melhor ou pior, pois depende dos objetivos e momentos de cada um.
Se você tem mais urgência em ingressar na área de trabalho, se já atua com design há um tempo e precisa de um diploma na área para continuar com seus objetivos profissionais, ou até mesmo já tem outra formação, é mais velho e não tem mais tanta paciência para faculdade. Talvez o curso tecnólogo seja a melhor solução.
Por outro lado se você é mais jovem, quer estudar mais, ainda não sabe em qual segmento do design irá atuar e deseja realmente ter mais tempo de estudo e pesquisa, talvez o bacharelado seja a melhor opção.
Essa questão realmente vai de cada um e apenas você pdoe saber o que é melhor. Avalie bem cada ponto dos cursos e veja qual é, para você , o melhor custo benefício.
Tecnólogo ou bacharel em design? 18 dúvidas respondidas
Para ajudar na sua decisão e responder muito mais perguntas, como por exemplo se o tecnólogo pode fazer estágio em design, que eu criei um um vídeo exclusivo sobre o assunto.
Abaixo deixo o vídeo para ajudar você, respondendo 18 dúvidas sobre o assunto tecnólogo ou bacharel em design, bele?

Então é isso, Galucho! Se você gostou desse vídeo deixe o seu like e compartilhe com seus amigos que tiverem interesse 😀
Espero que esse vídeo tenha sido útil para você. E antes de tomar a sua decisão, visite o site do Quero Bolsa e veja se consegue uma bolsa na faculdade que você está pesquisando para entrar. Eu mesmo usei o Quero Bolsa, quando fiz faculdade, e me ajudou muito. Visite agora mesmo o site, CLIQUE AQUI e saiba mais!
E não esqueça também  de se inscrever em nosso canal no Youtube [CLIQUE AQUI ]
Deixe a sua opinião, dúvida e experiência nos comentários aqui abaixo, bele? 😀
Até mais.
Forte abraço.
The post Tecnólogo ou Bacharel em Design? Suas dúvidas respondidas appeared first on Chief of Design.

Tecnólogo ou Bacharel em Design? Suas dúvidas respondidas
Fonte: Chef of Design

UX Writer o que faz? Descubra porque é essencial

UX Writer o que faz? Descubra porque é essencial

O que faz um UX Writer? Você que possui interesse na área de UX ou já faz parte do mercado de design? Sabia que esta é uma área que pode se dividir em diversos ramos? Ela pode ser composta por um profissional para fazer o tarefas completas de UX ou divididas entre diversos profissionais. Pensando nisso, veja um pouco mais sobre a área de UX Writing.

Veja a seguir mais detalhes:

UX Writer, o que faz?O que é UX Writing?A escrita impacta o consumidor?Quais são as principais atividades de um profissional que trabalha na área de UX Writing?Quais são as habilidades que um UX Writer precisa ter?Qual a diferença de UX Writing X Copywriting?

UX Writer, o que faz?

Certamente você já se questionou sobre o verdadeiro sentido deste profissional, por este fato separamos algumas informações. 

Podemos começar dizendo que este profissional atua na área estratégica, de planejamento e produção de conteúdo. 

Entre as atividades deste profissional, envolve a escolha de palavras ideais para fazer parte do conteúdo, as cores e principalmente o formato desta escrita, com a finalidade de melhorar a experiência do consumidor e usuário.

O principal objetivo da área de UX Writing é facilitar e melhorar a comunicação de forma assertiva, inclusiva e não agressiva na utilização de aplicativos, sites de empresas e muito mais. Para chegar ao objetivo esperado, é importante que está estratégia ofereça:

Clareza;Contexto para o público-alvo; Precisão.

Além disso, o UX Writer é um profissional que se baseia tanto no design, quanto no marketing e arquitetura da informação, para que possa alcançar os objetivos desejados. Este profissional é um grande estrategista que agrega no fortalecimento da voz da marca.

O que é UX Writing?

UX, significa a experiência do usuário e a palavra writing, quer dizer escrita, na língua portuguesa. Podemos então entender que UX Writing é uma área em que planeja e executa a criação de conteúdos textuais, com o objetivo de otimizar a experiência do usuário. Mas afinal, que tipo de conteúdo os profissionais desta área criam?

O principal trabalho é criar o conteúdo que fica presente na interface digital, podendo receber o nome de microtexto ou microcopy. Este é um texto totalmente pensado para transmitir informações diretas em um espaço pequeno, principalmente no contexto de uso em dispositivos móveis.. 

O principal objetivo destes conteúdos criados na área de UX writing é informar, conduzir e fazer o engajamento do consumidor na plataforma online da empresa.

Além de trabalhar com microtextos, a área de UX Writing pode englobar o processo de redação, revisão e validação de conteúdos de outros canais de comunicação, e recomendar a estratégia de conteúdo para projetos. Para isso deve-se desenvolver um Guia de Escrita sirva de referência para todo o conteúdo que for criado.

A escrita impacta o consumidor?

Sim, o UX Writing é uma área fundamental para criação e fortalecimento do brand voice, ou seja, voz da marca. É uma área essencial para a construção da imagem da marca e principalmente do relacionamento com o consumidor.

Então, podemos dizer que a escrita impacta sim o consumidor e pode transformar a imagem de uma empresa. 

Quais são as principais atividades de um profissional que trabalha na área de UX Writing?

Agora que você já sabe o que UX Writer faz e a principal importância deste profissional, é importante saber quais são as atividades realizadas pelos profissionais desta área. Veja a seguir todas as informações.

Guia o processo de escrita

O profissional da área, mais conhecido como UX Writer, deve desenvolver todo o padrão de escrita de uma empresa, ou seja o Guia de Escrita, como já citamos anteriormente. Pois, o principal objetivo é oferecer consistência para a plataforma digital. 

Este é um profissional que informa o tom de voz da marca, como deve se comportar no mercado, como deve ser a comunicação com o público e muito mais.

Então, podemos dizer que é a área que faz a determinação de boas práticas de comunicação, estilo de comunicação e tudo que envolva o conteúdo de uma marca.

Revisão dos conteúdos

Uma outra grande atribuição deste profissional é fazer a revisão, edição e validação dos trabalhos e conteúdos que são realizados para a marca. Este profissional faz o alinhamento do conteúdo, identifica oportunidades e muito mais.

Quais são as habilidades que um UX Writer precisa ter?

Assim como em qualquer área de atuação, é importante que o profissional tenha algumas habilidades. Sendo assim, veja quais são as habilidades que um UX Writer tem para fazer bem o seu trabalho.

Comunicação

A comunicação e a expressão são habilidades essenciais que este profissional precisa. O mesmo precisa entender todo o processo que envolve a comunicação de uma marca.

Ciência da informação

A ciência da informação é um campo responsável por estudar a coleta, manipulação, classificação, análise e armazenamento dos dados. Pensando neste ambiente, alguns campos da ciência da informação pode ajudar o profissional desta área de UX, entre estes campos, podemos mencionar:

Taxonomia: Importante para a estruturação e organização da informação, visualização e fluxos da informação.Arquitetura da informação: Sistema que estrutura a forma como as informações devem ser acessadas, apresentadas e interligadas.E esta estruturação tem como objetivo facilitar o acesso do usuário ao conteúdo em um contexto de uso.Comunicação inclusiva: Uma comunicação que garanta que uma mensagem seja passada e compreendida pelo receptor, que poderá, a partir dela, auxiliar a pessoa com determinada deficiência no que for solicitado.

Experiência do consumidor e usuário

Esta é fundamental e o principal objetivo de todo este trabalho. Por este fato, é completamente importante que o profissional faça parte dos projetos de UX desde o inicio para saber quem é o usuário.

Qual a diferença de UX Writing X Copywriting?

Quando falamos em era digital e quando entendemos sobre o processo de UX Writing em sites, aplicativos e muito mais, alguns conceitos passam a se esbarrar, como por exemplo com o copywriting. Mas afinal, qual é a principal diferença entre estas áreas?

O copywriting é um conteúdo informativo, educativo, com a finalidade de converter o lead. Este é um processo de jornada, que vai desde a descoberta do consumidor, até a conversão do mesmo.

Enquanto, a escrita de UX possui uma escrita técnica, tendo como principal objetivo proporcionar a melhor experiência do usuário de uma forma clara, para que o mesmo possa ter uma boa interação na plataforma.

São conceitos que se complementam entre si. A escrita de UX é conhecida como microcopy, pois envolve a criação de pequenos textos, seja para botões, como chatbots, mensagens de procedência ou erro e até mesmo notificação.

Deseja iniciar na área de UX?

Se o seu principal objetivo é se tornar um profissional da área de UX, ou especificamente UX Writing, saiba que este é um segmento que vem sendo cada vez mais necessário, principalmente com o crescimento do mundo digital. 

Como o UX Writer é responsável por desenhar a experiência de interação que pessoas usuárias terão com um produto por meio de design e conteúdo, pode ser um diferencial também que ele entenda os processos que envolvam a criação de interfaces e Design Visual.

Com isso ele pode ter maior precisão para definir a inserção de microtextos no lugar adequado, impedindo assim, uma má experiência.

Se você quer potencializar seus conhecimentos para se atentar à detalhes da experiência do usuário com a interface final, eu quero te sugerir um curso pensando a atender essas questões.

Se trata do nosso curso online de UI Design, onde você poderá entender os processos de Design de interface e visual.

O treinamento é totalmente online, pode ser acessado por onde você quiser e com acesso vitalício a mais de 80 aulas com atualização constante. Você também poderá ter acesso a um grupo exclusivo para ter todos suporte e interação com outros alunos.

Sem contar que no final, você receberá certificado digital de conclusão.

Para saber mais informações sobre este treinamento e se tornar um profissional da área de UX, basta acessar aqui.
The post UX Writer o que faz? Descubra porque é essencial appeared first on Chief of Design.

UX Writer o que faz? Descubra porque é essencial
Fonte: Chef of Design

O que é UX Research? Conheça as principais informações sobre esta área

O que é UX Research? Conheça as principais informações sobre esta área

Você certamente já se perguntou o que é UX Research? Em primeiro momento, saiba que esta é uma área importante dentro do cenário de UX Design. Pensando nisso, separamos algumas informações sobre este segmento e sua importância para o design de qualquer empresa.

Um passo importante para entender sobre esta área é levar em conta a sua própria experiência. Você já visitou um site e mudou muito a sua percepção de um serviço ou empresa? Foi uma percepção melhor ou pior sobre esta organização? 

Pois bem, você já deve ter imaginado que o sucesso de uma empresa e conquista de um cliente, está totalmente ligada à experiência do usuário. Neste contexto, é possível identificar também a importância da área de UX Research.

Esta é uma área que vem evoluindo cada vez mais no mundo do design. Mas como existem diversas áreas no mercado de UX, isso acaba confundindo as pessoas. Por isso, veja aqui as principais informações para que você aprenda a diferenciar as diversas áreas que envolvem este mercado. E se você gostar, por que não começar a estudar para poder ingressar nesse segmento?

Veja a seguir neste artigo:

O que é UX Research: Porque esta área é importante?O que faz um UX Researcher?Quais são as principais atividades desta área?Você quer começar a trabalhar como UX Researcher?

O que é UX Research: Porque esta área é importante?*

UX Research é uma área que foca na pesquisa sobre o usuário e quando aplicado da forma correta, passa a ter um nível cada vez mais alto na conquista de clientes e retenção dos mesmos.

Um exemplo que pode acontecer, através de estudos e boa aplicação das pesquisas, são os custos de suporte que podem acabar sendo menores. Afinal, os serviços e produtos passam a ser mais intuitivos e fáceis de usar. Sem contar que uma pesquisa bem feita, oferece maiores certezas para o desenvolvimento do produto.

Com uma pesquisa bem feita, o processo de adivinhações é completamente nulo, o que economiza tempo e principalmente dinheiro. Ou seja, evita que você invista em algo que pode fracassar. 

O que faz um UX Researcher?

Agora que você já sabe o que é UX Research e como é importante para a área de o design de qualquer empresa. Então, saiba que o UX Researcher é a denominação do profissional que trabalha nesta área. E sua função é coletar e pesquisar informações dos usuários, tanto por meio de métodos quantitativos, como qualitativos. Podendo ser por meio de entrevistas, criação de persona, pesquisa de mercado e muito mais. 

O principal objetivo na buscar dos dados sobre o usuário é a análise dos dados coletados para que essa imersão sobre o mundo do usuário, resulte lá na frente, em uma excelente entrega, seja em qual produto for: site, aplicativo, serviço, produto físico entre outros

Quais são as principais atividades da área de UX Research?

As principais atividades deste mercado, é analisar de uma forma real, qual é o comportamento do consumidor. 

Ao coletar as principais informações, o profissional que atua nesta área, trabalha em conjunto com os designers, desenvolvedores, engenheiros e entre outros profissionais, para transformar os dados coletados em resultados concretos para a empresa.

É importante ressaltar que empresas maiores, possuem, normalmente, um profissional para cada atividade. Em outros casos, é possível observar apenas um profissional para fazer todas as atividades, seja a de pesquisa, estruturação do produto e muito mais.

Esta é uma área importante e, independentemente que exista ou não um profissional focado em pesquisa, não podemos deixar as pesquisas de lado. Ela não deve faltar em nenhum tipo de projeto que você realizar para uma empresa, independente qual seja. Mesmo que a pesquisa seja menor ou menos trabalhada.

Agora que você já sabe o que é UX Research, veja a seguir as principais atribuições que um profissional da área pode realizar.

Atividades de um profissional da área de UX Research

Separamos as principais atividades que este profissional pode realizar, veja a seguir:

Fazer a pesquisa de personas e identificar o comportamento do usuário e consumidor;Gerenciar e conduzir pesquisas;Testes qualitativos de usabilidade;Trabalhar em parceria com a equipe de marketing, para identificar os principais tópicos para pesquisa;Trabalha com design, estratégia de conteúdo, gerenciamento de produtos e marketing;Fazer planejamento e implementação de estratégias.

Principais características e habilidades de um UX Researcher

As principais características que este profissional deve ter é curiosidade e principalmente, capacidade de estudar diferentes contextos e clientes. Além disso, é importante que o mesmo tenha algumas habilidades, como:

Design Thinking;Personas;Jornada do usuário;Agilidade;Elaboração de Benchmark,Conhecimento em ferramentas de análise e pesquisa;Senso crítico e analítico para interpretar os dados.

Você quer começar a trabalhar como UX Researcher?

Se o seu principal objetivo é se tornar um profissional da área de UX, ou especificamente UX Researcher, saiba que este é um ambiente novo e abrange diversas áreas, seja no marketing, psicologia, antropologia, ciência da informação e muito mais. 

Não é necessário que você seja especialista em todas estas áreas, mas é importante ter um pensamento analítico, ainda é importante que você tenha facilidade em comunicação (ou que trabalhe para melhorar), para conversar e ler sobre pessoas.

Como o UX Researcher também é responsável por analisar como é o comportamento do usuário durante a interação com produtos diversos através de testes, pode ser um diferencial também que ele entenda os processos que envolvam a criação de interfaces e Design Visual dos produtos.

Com isso ele poderá ter uma melhor argumentação para munir as demais equipes com dados que possam trazer mais previsibilidade ao projeto.

Se você quer potencializar seus conhecimentos para se atentar à detalhes da experiência do usuário com a interface final, eu quero te sugerir um curso pensando a atender essas questões.

Se trata do nosso curso online de UI Design, onde você poderá entender os processos de Design de interface e visual.

O treinamento é totalmente online, pode ser acessado por onde você quiser e com acesso vitalício a mais de 80 aulas com atualização constante. Você também poderá ter acesso a um grupo exclusivo para ter todos suporte e interação com outros alunos.

Sem contar que no final, você receberá certificado digital de conclusão.

Para saber mais informações sobre este treinamento e se tornar um profissional da área de UX Research, basta acessar aqui.
The post O que é UX Research? Conheça as principais informações sobre esta área appeared first on Chief of Design.

O que é UX Research? Conheça as principais informações sobre esta área
Fonte: Chef of Design

Faculdade de Design: Conheça as melhores faculdades para Designers no Brasil

Faculdade de Design: Conheça as melhores faculdades para Designers no Brasil

E ae, td bele?

Se você chegou até aqui é porque está pensando em cursar design, e para te ajudar nessa decisão nós vamos listar as melhores faculdades de design para você ter uma boa graduação e ser capaz de inserir no mercado de trabalho!

Já que estamos falando de cursos superiores, assim como qualquer outro curso desse nível, o curso de design exige um trabalho de conclusão de curso obrigatório. Isso é, ao concluir o curso, você precisa desenvolver um produto nos modelos exigidos pelo mercado. Isso como requisito de uma matéria da faculdade para mostrar que você está qualificado para atuar na área, trata-se de um trabalho tão complexo que muitas vezes é comum comprar trabalho acadêmico ou oferecer a venda desse tipo de serviço.

O trabalho de conclusão de curso pode ser individual ou em grupo. E é importante ficar atento a alguns detalhes, como por exemplo a formatação, se o tema é pertinente, se as referências estão corretas, entre outros detalhes. Por isso é importante não deixar o trabalho de conclusão de curso para a última hora. Trata-se de um trabalho extenso, que exige muita dedicação. 

Antes de começarmos a falar sobre as faculdades em si, vamos falar um pouco sobre o curso de design. O curso de design é para aqueles profissionais que gostam de ser criativos. O designer desenvolve peças gráficas e materiais, geralmente com funcionalidade, estrutura e estética, além de se preocupar também com a forma. 

O design está muito atrelado, hoje em dia, à publicidade e propaganda. Mas não só a isso. O design pode atuar em áreas diversas, desde criação de empresas até criação de logo, ou até mesmo design de games, design para redes sociais ou design de interiores, por exemplo. 

Um curso em design tem uma duração média de 4 anos, mas também existem cursos que não fazem parte do nível superior, como por exemplo, o curso tecnológico em design.

Para falar das melhores faculdades de design, vamos dividir em três tópicos: faculdades de design, de design de jogos e de design de interiores.

Melhores faculdades de design no Brasil

É possível avaliar um curso tanto pelo critério de avaliação do mercado ou de qualidade de ensino. Por isso, como precisamos escolher um critério, vamos listar os melhores cursos de acordo com a qualidade de ensino.

Em primeiro lugar para a faculdade de design, temos a universidade de São Paulo. Já reconhecida por ter uma ótima qualidade de ensino e nas mais diversas áreas. Em segundo lugar no ranking consultado, temos a Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E em terceiro, a Universidade Federal do Rio de Janeiro. Este é o atual pódio de melhores universidades para estudar design.

Essas 3 faculdades citadas são públicas, mas existem alternativas também para quem procura uma universidade privada, como por exemplo, a Universidade Presbiteriana Mackenzie, o Centro Universitário Belas Artes de São Paulo ou a Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Essas são as melhores opções em qualidade de ensino para cursos de design, mas vale mencionar que o Mackenzie, por exemplo, também é a primeira opção no quesito de avaliação do mercado, embora em nível de qualidade de ensino, fique atrás da USP. 

No limite, são todos cursos de ponta. E cabe a você, estudante, consultar previamente a grade curricular para escolher, então, qual curso você tem mais afinidade com as matérias.

Melhores faculdades de design de interiores

O curso de design de interiores é voltado tanto para quem gosta de decoração, quanto para quem gosta de arquitetura e engenharia.

Neste caso, o curso em nível tecnológico é mais focado na área de decoração, e o curso de nível superior é onde o estudante aprende matérias mais próximas do ramo da arquitetura.

Em faculdade de design de interiores, as melhores opções são, primeiro, o Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, já citado como uma das melhores opções do curso de design tradicional, depois, a Universidade do Estado de Minas Gerais e, em terceiro lugar, a Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Apesar de não ser o nosso foco, também vamos indicar as melhores opções do curso tecnológico de design de interiores, para quem não conhece e gostaria de saber mais sobre: os melhores cursos em nível tecnológico se encontram nas ETECs. do Centro Paula Souza e no Senac.

Melhores faculdades de design de jogos

Design de jogos é uma área nova, mas que vem crescendo bastante nos últimos anos. Assim como no curso de design de interiores, também tem boas opções de curso em nível tecnológico, mas como é um setor que está movimentando bastante dinheiro globalmente, surgem boas opções de curso superior para quem deseja atuar nessa área.

No Brasil, as atuais melhores faculdades de design de jogos se encontram na Anhembi Morumbi e na Univali. Como é uma área em expansão, ainda não possui muitas faculdades que oferecem este curso, mas com certeza é algo que virá em um futuro próximo.

Como conseguir desconto na mensalidade da faculdade?

Caso você queira entrar em uma faculdade particular, você sabe que as mensalidades pesam no bolos. Para te ajudar nisso, e conseguir um descontão na mensalidade, eu quero te apresentar o Quero Bolsa.

O Quero Bolsa (www.querobolsa.com.br) é um site de comparação de faculdades onde é possível encontrar informações sobre cursos, instituições de ensino, comparar preços e ainda conseguir bolsas de estudo para mais de 1000 faculdades parceiras. O site é administrado pela Quero Educação, startup especializada em marketing educacional, que oferece ao mercado soluções para que universidades maximizem seus resultados e estudantes encontrem as melhores opções de estudos.

A empresa foi criada em 2010 por um grupo de engenheiros focados em ampliar o acesso à educação e enriquecer  a estratégia das faculdades por meio de análises econométricas baseadas em dados exclusivos. Entre seus investidores estão alguns dos maiores nomes da internet brasileira, como Romero Rodrigues, fundador do Buscapé, e Julio Vasconcellos, fundador do Peixe Urbano.

O serviço já beneficia milhares de estudantes, que conseguem se inscrever e fazer a pré-matricula online para garantir descontos de até 75%  até o final do curso. Já as instituições parceiras divulgam as vagas no site e ainda contam com toda a experiência da Quero Educação para otimizar sua estratégia de captação de estudantes, ocupando suas vagas ociosas e aumentando a rentabilidade de seu negócio.

Como consigo um desconto no Quero Bolsa?

O processo é muito simples. É só seguir o passo a passo:

Acessar o site do Quero Bolsa;Pesquisa pelo curso que deseja ou pela faculdade de sua preferência;Escolha uma bolsa disponível na instituição parceira que se enquadre em seus objetivos e orçamento;Adquira a pré-matrícula e pronto.

Depois basta pagar a taxa de matrícula e apresentar na sua faculdade o comprovante. Dependendo do caso você apresentará no ato da matrícula, na hora do vestibular ou rematrícula. E feito! Simples assim. Você terá o desconto até o final do curso.

Já to na faculdade posso participar?

Depende da sua Facu. Tem algumas que aceitam outras não. Verifique junto a instituição se é possível.

Tem cursos de pós-graduação?

Sim. Também tem cursos de pós com desconto. Basta dar uma pesquisada lá no Quero Bolsa.

Quais os pré-requisitos do Quero Bolsa?

Nenhum! Basta você acessar o site e seguir os passos do tópico anterior.E diferente de outros programas onde você paga uma taxa todo semestre, precisa ir em reuniões, etc.  O bom do Quero Bolsa  é que não tem nada disso. Tudo é online e depois você trata diretamente com a sua faculdade.

Essa é umas das principais questões que tornam o Quero Bolsa bom: ele é simples, rápido e sem burocracia.

Vale a pena fazer o Quero Bolsa? O Quero Bolsa é bom de verdade?

Sim,  efetivamente vale a apena. Você pode conseguir um bom desconto sem praticamente esforço nenhum. O valor da taxa de inscrição não é alto e tudo é feito online.

Eu utilizei quando fiz faculdade. Recebi desconto durante os dois anos de curso. Na época o desconto foi muito importante, pois logo depois de ter me matriculado na faculdade eu fui demitido da empresa onde atuava  .O desconto do Quero Bolsa me ajudou a ingressar no curso com mais tranquilidade, já que só fui consegui o emprego que eu realmente queria  6 meses depois.

Nunca tive problemas durante o período acadêmico. O desconto vinha direto no boleto. Até por isso aceitei criar um post sobre o programa. Eu não falaria aqui de algo que não tivesse confiança e/ou testado.

E com certeza quando for fazer uma pós, verificarei se tem o meu curso e/ou instituição no Quero Bolsa.

Portanto, se você acredita que agora é o momento para ingressar em um curso superior, antes de qualquer coisa,  indico que dê uma olhada no Quero Bolsa e veja se é viável para você utilizar desse benefício, bele? 

Forte abraço.

Até Mais.
The post Faculdade de Design: Conheça as melhores faculdades para Designers no Brasil appeared first on Chief of Design.

Faculdade de Design: Conheça as melhores faculdades para Designers no Brasil
Fonte: Chef of Design

Quero Bolsa é bom? Como conseguir até 75% bolsa em faculdade?

Quero Bolsa é bom? Como conseguir até 75% bolsa em faculdade?

Eae, tudo bele??
Neste artigo venho responder a uma pergunta: O Quero Bolsa é bom? É confiável? Você pode utilizá-lo em sua faculdade de design?
Um dos principais caminhos para qualquer pessoa ingressar em uma determinada área é fazer um curso superior. Eu tenho um vídeo onde falo sobre faculdade , onde não questiono (pelo menos tento isso, no vídeo) a realização de um curso superior e sim o momento de cursar e sobre a ideia errada que alguns tem que ter uma faculdade é garantia de emprego, solução e fonte de todo o conhecimento necessário para um profissional. Seria até hipócrita da minha parte falar “não faça”, pois eu mesmo tenho curso superior e pretendo fazer algumas pós-graduações e mestrado.
E a questão do curso superior se torna ainda mais importante se levarmos em conta a cultura do nosso país, de exagerada valorização do mesmo. Por isso uma graduação se faz importante em alguns momentos da sua carreira profissional e até mesmo vida pessoal.
Talvez essa super-valorização se deve ao fato que o acesso a universidade ainda é para poucos. Talvez você não perceba esse fato se morar em uma grande capital do brasil ( tipo SP, BH, Rj, etc), mas a realidade é que apenas 14% dos adultos brasileiros chegaram ao ensino superior. Só para você ter uma ideia, comparando-se com países latinos-americanos, o Chile tem 21%, Colômbia 22% e Costa Rica 23%.
Outro ponto importante é que muitas vezes o estágio é a porta de entrada para o mercado de trabalho.  E para se conseguir um é preciso estar matriculado em uma instituição de ensino.
Portanto se você pretende ingressar em uma universidade, sugiro que antes de uma passada no site do Quero Bolsa e veja se tem um desconto para o curso e instituição de ensino desejada. Provavelmente você vai encontrar, pois o site tem parceria com mais de 1000 instituições em todo o Brasil.
E posso te assegurar que o  Quero bolsa é bom. Falo isso porque eu mesmo me beneficiei do programa para concluir o meu curso. Eu fiz design gráfico e tive desconto em todas as mensalidades do curso por causa do Quero Bolsa.
Caso você não conheça o projeto e/ou a empresa, confira a seguir como é o sistema do Quero Bolsa e comprove por mesmo que o Quero Bolsa é bom.
O Quero Bolsa é bom? Como funciona?
O Quero Bolsa (www.querobolsa.com.br) é um site de comparação de faculdades onde é possível encontrar informações sobre cursos, instituições de ensino, comparar preços e ainda conseguir bolsas de estudo para mais de 1000 faculdades parceiras. O site é administrado pela Quero Educação, startup especializada em marketing educacional, que oferece ao mercado soluções para que universidades maximizem seus resultados e estudantes encontrem as melhores opções de estudos.

A empresa foi criada em 2010 por um grupo de engenheiros focados em ampliar o acesso à educação e enriquecer  a estratégia das faculdades por meio de análises econométricas baseadas em dados exclusivos. Entre seus investidores estão alguns dos maiores nomes da internet brasileira, como Romero Rodrigues, fundador do Buscapé, e Julio Vasconcellos, fundador do Peixe Urbano.
O serviço já beneficia milhares de estudantes, que conseguem se inscrever e fazer a pré-matricula online para garantir descontos de até 75%  até o final do curso. Já as instituições parceiras divulgam as vagas no site e ainda contam com toda a experiência da Quero Educação para otimizar sua estratégia de captação de estudantes, ocupando suas vagas ociosas e aumentando a rentabilidade de seu negócio.
Como consigo um desconto no Quero Bolsa?
O processo é muito simples. É só seguir o passo a passo:

Acessar o site do Quero Bolsa;
Pesquisa pelo curso que deseja ou pela faculdade de sua preferência;
Escolha uma bolsa disponível na instituição parceira que se enquadre em seus objetivos e orçamento;
Adquira a pré-matrícula e pronto.

Depois basta pagar a taxa de matrícula e apresentar na sua faculdade o comprovante. Dependendo do caso você apresentará no ato da matrícula, na hora do vestibular ou rematrícula. E feito! Simples assim. Você terá o desconto até o final do curso.
Já to na faculdade posso participar?
Depende da sua Facu. Tem algumas que aceitam outras não. Verifique junto a instituição se é possível.
Tem cursos de pós-graduação?
Sim. Também tem cursos de pós com desconto. Basta dar uma pesquisada lá no Quero Bolsa.
Quais os pré-requisitos do Quero Bolsa?
Nenhum! Basta você acessar o site e seguir os passos do tópico anterior.
E diferente de outros programas onde você paga uma taxa todo semestre, precisa ir em reuniões, etc.  O bom do Quero Bolsa  é que não tem nada disso. Tudo é online e depois você trata diretamente com a sua faculdade.
Essa é umas das principais questões que tornam o Quero Bolsa bom: ele é simples, rápido e sem burocracia.
Vale a pena fazer o Quero Bolsa? O Quero Bolsa é bom de verdade?
Sim,  efetivamente vale a apena. Você pode conseguir um bom desconto sem praticamente esforço nenhum. O valor da taxa de inscrição não é alto e tudo é feito online.

Eu utilizei quando fiz facu. Recebi desconto durante os dois anos de curso. Na época o desconto foi muito importante, pois logo depois de ter me matriculado na faculdade eu fui demitido da empresa onde atuava  .O desconto do Quero Bolsa me ajudou a ingressar no curso com mais tranquilidade, já que só fui consegui o emprego que eu realmente queria  6 meses depois.
Nunca tive problemas durante o período acadêmico. O desconto vinha direto no boleto. Até por isso aceitei criar um post sobre o programa. Eu não falaria aqui de algo que não tivesse confiança e/ou testado.
E com certeza quando for fazer uma pós, verificarei se tem o meu curso e/ou instituição no Quero Bolsa.
Portanto, se você acredita que agora é o momento para ingressar em um curso superior, antes de qualquer coisa,  indico que dê uma olhada no Quero Bolsa e veja se é viável para você utilizar desse benefício, bele?
Forte abraço.
Até Mais.

Quero Bolsa é bom? Como conseguir até 75% bolsa em faculdade?
Fonte: Chef of Design

Curso de UX Design – Descubra como escolher o melhor treinamento para sua carreira

Curso de UX Design – Descubra como escolher o melhor treinamento para sua carreira

Precisa saber mais informações sobre como escolher um bom curso de UX Design? Provavelmente você já percebeu que o mercado e usuários estão precisando cada vez mais de interfaces e produtos com maior facilidade.

Ao perceber está grande importância no mercado, certamente surge uma oportunidade para profissionais que estejam preparados para o mercado. 

Pensando em você que deseja se tornar esse profissional diferenciado e atender às novas necessidades do usuário. Trouxemos algumas informações sobre a área, e também vamos indicar um conteúdo gratuito e rico em qualidade para alavancar sua carreira.

Veja a seguir neste artigo:

O que é UX Design?O que faz um UX Designer?Quais são os tipos de cursos de UX Design?Como escolher o melhor curso de UI Design para minha carreira?

O que é UX Design?

A sigla UX quer dizer Experiência do Usuário. Ou seja, UX Design é uma área em focada em criar projetos de design que facilitem e permitam uma boa experiência do usuário.

Um exemplo que podemos levar em consideração é o controle remoto. Antigamente este objeto era completo de botões e informações que muitas vezes não era utilizado pelos usuários ou até mesmo nem sabiam qual a verdadeira função. Então, o UX Design vem pra deixar o controle remoto com funcionalidades mais simplificadas e com uma estética mais agradável, para melhorar a experiência do telespectador com a televisão.

Mas falando agora de um site, por trás de todas aquelas ferramentas intuitivas, com as informações para o usuário utilizar, encontramos diversos códigos e programações. Desse modo, o UX Design facilita para que o usuário possa encontrar uma plataforma mais intuitiva, fácil de usar, proporcionando melhor interação do usuário com o produto ou conteúdo disposto no site.

O que faz um UX Designer?

O profissional de UX Design é uma pessoa especializada, para melhorar e descomplicar a interação do usuário com produto ou serviço, seja ele uma plataforma, site, aplicativo ou até mesmo com um controle remoto, assim como mencionamos anteriormente, proporcionando condições para que ele tenha uma boa experiência de utilização.

Para isso ele precisa de conhecimentos sobre tecnologia, design, processos, pesquisas, entre outros. É uma área multidisciplinar.

O UX Design pode ser uma grande oportunidade de diferenciação no mercado de Design, pois cada vez mais se faz importante que as pessoas interajam de forma agradável e descomplicada ao utilizar algum produto ou serviço.

Então, as empresas buscam cada vez mais pessoas especializadas nesta área para que seus produtos, seja interfaces digitais ou dos produtos físicos, e serviços sejam fáceis e principalmente agradáveis para o consumidor final. Logo, vem se tornando um profissional diferenciado e essencial no mercado.

Quais são os tipos de formação para esta área?

Para a área de UX Design, não existem formações (bacharelados ou tecnólogos). O máximo que temos no momento são cursos de especializações, como pós-graduação e MBAs.

Normalmente os profissionais são oriundos de outras formações tradicionais de ensino superior, principal de Design.

Para quem deseja iniciar existem cursos livres presenciais e online. Além de rico material em livros, podcasts, Youtube, entre outros.

Mas é importante ressaltar que um curso de UX Design com uma boa qualidade, é aquele em que ao final da formação ou até mesmo durante, o aluno consegue demonstrar e aplicar o que aprendeu. Sendo assim, o esforço por parte do aluno é algo essencial.

Ensino Superior

No ensino superior, você não encontra diversos cursos que podem envolver a área de UX Design. Porém um curso especifico da área não existe no momento. Por enquanto temos opções mais próximas como:

Design de produtos;Ciências da computaçãoPublicidade e propaganda;Design gráfico e entre outros.

Até mesmo profissionais de outras áreas não relacionadas diretamente com desenvolvimento de produtos estão trabalhando na área de UX, como Desenvolvedores e até outros profissionais não oriundos de TI, como Psicólogos, por exemplo.

Cursos e especializações de UX Design

As especializações são exatamente para pessoas que já realizam a formação e desejam relembrar o conteúdo ou para pessoas que nunca tiveram acesso ao mundo do design mas desejam se tornar profissionais.

Sendo assim, se o seu objetivo é encontrar um curso com alta qualidade e começar agora mesmo, indico que você pare por aqui. 

Isso mesmo, o Chief of Design está oferecendo para você um curso gratuito e com conteúdos que irão fazer com que você saia do exato zero para o nível avançado na área de UX Design, de forma totalmente gratuita

No curso do Chief, você adquire conhecimento sobre UX/UI Design, criando interfaces que oferecem melhor experiência ao usuário e lhe oferecerá maior crescimento e desenvolvimento no mercado de trabalho.

Curso Gratuito de UX no Canal do Chief of Design

Veja as principais informações sobre o curso de UX Design.

O curso de gratuito de UX Design do Chief of Design

O curso de UX Design do Chief of Design é totalmente gratuito e você pode acessá-lo por meio do canal do Chief of Design no Youtube.

O treinamento de UX Design começa apresentando os principais estilos de UX Design, dicas e algumas práticas essenciais para a área. Além disso, você irá saber qual a verdadeira diferença entre UI e UX, algumas informações sobre a carreira deste profissional.

O nosso curso apresenta os conceitos iniciais sobre o UX Design, como utilizar, dicas e informações sobre a profissão, como salário, o mercado, como fazer seu próprio portfólio e muito mais.

Processo inicial – Este processo acontece, para que você possa aprender os conceitos básicos sobre a área.Dicas – As dicas e práticas, são fatores essenciais para que você possa fazer um trabalho de alta qualidade.Guia de carreira – o curso também oferece um guia de carreira, para que você futuro profissional possa aprender desde como criar o seu portfólio, até softs skills e hard skills, para que se diferencie no mercado.

Veja também os conteúdos extras para o seu aprendizado:

Você terá acesso a conteúdos com profissionais que atuam no mercado e que conhecem todas as estratégias para alcançar as melhores vagas.Como criar o seu portfólio e como se tornar um bom profissional para o mercado desta área.

Playlist de UX Design

Conclusão

O UX Designer é uma profissão que está em alta no mercado e precisa de profissionais qualificados (já está em falta, na verdade), pois as empresas cada vez mais entendem que basta vender e entregar, é preciso proporcionar uma boa experiência de uso do produto, de atendimento e de prestação de serviço.

Então, se você é um profissional que busca se diferenciar nesta profissão, é importante ter acesso a cursos e treinamentos de alta qualidade.

Sendo assim, não perca esta oportunidade única de acessar um curso gratuito com a presença de profissionais que realmente conhecem sobre o segmento e trabalham nesta área.

Para saber mais, basta acessar este link!
The post Curso de UX Design – Descubra como escolher o melhor treinamento para sua carreira appeared first on Chief of Design.

Curso de UX Design – Descubra como escolher o melhor treinamento para sua carreira
Fonte: Chef of Design

Proporção Áurea Design – Guia sobre a aplicação da Número de Ouro no Design

Proporção Áurea Design – Guia sobre a aplicação da Número de Ouro no Design

Eae, tudo bele?
Neste artigo trago um assunto muito falado no meio criativo: a proporção áurea design.
Tem gente que afirma que ela faz toda a diferença em projeto, enquanto outras pessoas dizem que é uma falácia esse tal número.
A proporção áurea no design pode ser útil sim, mas o seu bom ou mal uso, vai depender diretamente do designer que está lidando com a proporção áurea.
O fato é que se você trabalha com Design é bom conhecê-lo. Por isso hoje vamos conversar sobre proporção áurea. A ideia deste artigo é apresentar o razão de ouro, passando desde a história até os dias atuais. Tudo isso para você ter o conhecer, aprender e tirar as suas próprias conclusões sobre para caso julgue necessário, utilizar a proporção áurea em seus projetos.
E antes iniciar com o conteúdo, quero aproveitar a oportunidade para te avisar que estamos com inscrições abertas para o nosso curso de Fundamentos do Design Visual. O curso Fundamentos do Design Visual é focado nos fundamentos, conceitos e princípios do Design Visual. Clique no link abaixo e conheça o nosso curso.
Curso Fundamentos do Design Visual
Saiba mais https://www.fundamentosdodesign.com.br

Vamos nessa?
Neste artigo você verá:

O que é proporção áurea 
De onde vem a proporção áurea
Onde ela é aplicada
O retângulo Áureo
Curiosidades sobre a proporção áurea
Mitos e Verdades sobre a Proporção Áurea

O que é proporção áurea?
Proporção Áurea, Número de Ouro, Divina proporção, Razão áurea, Golden Ratio… Esses são os nomes dados a proporção entre dois segmentos ou duas medidas, que resulta em  1,618.
(a+b)/a = b/a = 1.618033987 Φ
Ela é denotada pela letra grega Φ (PHI), em homenagem ao escultor Phideas (Fídias) da Grécia antiga, que teria utilizada para conceber o templo Parthenon da Deusa Grega Atenas.

Desde a antiguidade a proporção áurea vem sendo utilizada (teoricamente) nas artes, na arquitetura e claro que também no Design. Alguns afirmam que é possível encontrá-la também em outros segmentos como a nona sinfonia de Beethoven (que teria sido baseada nessa razão), em peças maçônicas, em ações da bolsa, na proporção do corpo humano e da natureza. Também já foi citada em literaturas da cultura pop, como por exemplo, o Livro Código da Vinci.
De onde vem a proporção áurea
Pitágoras, o pai da matemática, foi o primeiro que descreveu sobre a proporção áurea. A mais de 500 a.C., ele utilizava essa proporção para explicar a harmonia, o cosmo e alma.
A partir daí essa proporção começou a ser utilizada para se construir templos, pirâmides e palácios. E não somente Pitágoras, que quando descobriu tal proporção em  um pentagrama começou a utilizá-lo como marca da Irmandade Pitagórica, outros grandes nomes também adoravam tal proporção como Platão, Phidias (como já citado aqui)  e Euclides que mencionou a razão na sua obra Os Elementos.

Já na idade média o matemático Leonardo Fibonacci (ou Leonardo Pisa) propôs no século XIII, uma sequência numérica composta pelos números:
0,1,1,2,3,5,8,13,21,34,55,89,144,233,377,610,987,1597,2584,4181…
Essa  sequência, que mais tarde seria conhecida como sequência de Fibonacci, continua uma lei simples de composição:
Determinando os dois primeiros elementos como 0 e 1, cada elemento seguinte é obtido somando-se os dois anteriores.
Por exemplo: 1+1=2, 2+1=3, 3+2=5 e assim sucessivamente.
Com certeza, nenhuma sequência foi tão estudada quanto a de Fibonacci. Também nenhuma teve tantas aplicações distintas. Podemos encontrá-la como na Arquitetura, Arte, Design, Biologia, entre outras…
E o motivo dessa sequência ser tão utilizada é justamente a proporção áurea. A razão entre dois números consecutivos de qualquer par da sequência é  muito próxima à proporção áurea. 1,618. E quanto maior são os pares, mais próximos de 1,618 a razão é.
Veja:
3 /5 = 1,666.
13/ 21= 1,625.
144 / 233 =1,618
Assista o vídeo a seguir para entender melhor:

Onde a Proporção Áurea é aplicada?
Existem vários artistas que ao longo tempo utilizaram o número de ouro em suas obras.
Além dos Gregos (já citados aqui) alguns estudiosos apontam que os antigos egípcios utilizaram a proporção áurea para construir as Pirâmides.
Mas ela ganhou força após o livro “De Divina Proportione”, do monge italiano Luca Pacioli no século XVI. Pacioli era amigo íntimo de Leonardo da Vinci, por isso Da Vinci criou as ilustrações desse livro.

Por causa dessa participação de Da Vinci o livro ganhou grandes “proporções” (grandes proporções…proporção áurea… Entendeu, né? :P).
Várias teorias de que Da Vinci teria utilizado tal proporção em suas artes foram apontadas, como nos quadros “Mona lisa” e “A Última Ceia” e no desenho do  “Homem Vitruviano”.

Desde então a proporção áurea teria sido utilizado por vários artistas da era Renascentista, no ímpeto de alcançar mais beleza e harmonia em suas obras.
Mas a sua aplicação não se limita somente a obras de arte. Muitos apontam que sua abrangência é universal, e que ela está na natureza, fauna e flora, no corpo humano, em moléculas de DNA e até mesmo no espaço.
Você já deve ter visto na internet, ou algum documentário na tv fechada, imagens de conchas de animais marinhos, como as dos caracóis, mostrando uma proporção perfeita em espiral.

Hoje em dia a mais famosa aplicação da proporção áurea é através do “retângulo áureo”.
Artistas plásticos, pintores e fotógrafos costumam utilizá-la, diretamente ou de forma derivada como no caso da regra dos terços, em suas obras.
Designers também utilizam tal ferramenta para criar identidades visuais, cartazes, livros e até mesmo layouts de websites.

O Retângulo Áureo
Retângulo áureo, ou retângulo de ouro, é um retângulo oriundo de um quadrado perfeito.
Para construir o retângulo, basta seguir os passos:

Crie um quadrado;
Divida esse quadrado ao meio;
Crie uma linha perpendicular do centro até a vértice do quadrado;
Gire esta linha até a base do retângulo (como se tivesse deitando essa linha para a base do quadrado);
Desenhe um retângulo partindo dessa base.

Falando assim pode parecer difícil, mas veja o  vídeo a seguir como é fácil obtê-lo:

No Adobe Illustrator existe um jeito muito simples de construir um retângulo áureo. Basta criar um quadrado perfeito  é multiplicar a largura do quadrado por 1,618.
O retângulo áureo é uma das formas, provavelmente a mais famosa, de se trabalhar com o número de ouro. E existem outros jeitos de se conseguir um retângulo áureo.
Existem algumas ferramentas na internet para se alcançar tal proporção como
Golden Ratio Typography Calculator  e a GoldenRATIO . Também existem compassos para o desenho a mão.
Mais curiosidades sobre a proporção áurea
No século XIX, o psicólogo alemão, Gustav Fechner, realizou uma pesquisa com vários formato de retângulos. O resultado mostrou que a maioria das pessoas preferiram um determinado retângulo.
O  retângulo vencedor era o que tinha a razão entre suas medidas muito próxima da razão áurea.  Por esse motivo ele ficou conhecido como retângulo áureo. Apesar do resultado não existem dados concretos e comprovados dessa pesquisa.
Além disso existem outras coincidências (ou não) apontadas por estudiosos e amantes da razão:

 Os espirais de um caracol aumentam de tamanho em uma proporção de 1,618.
As espirais das sementes de um girassol aumentam o tamanho em uma proporção de 1,618.
As folhas de uma árvore diminui  à medida que subimos na proporção de 1,618.
 A proporção de abelhas fêmeas em relação a abelhas machos numa colmeia é de 1,618.
No corpo humano, se  dividirmos a altura do corpo  com distância entre o umbigo até o chão, encontraremos o número de ouro
As estrelas diante de um astro principal, se distribuem numa espiral que segue uma proporção de 1,618.

Mitos e Verdades sobre o Número de Ouro
A proporção áurea é um assunto polêmico: tem gente que ama tem que gente que odeia. Uns afirmam que utilizar tal proporção pode tornar melhor o seu trabalho, outros afirmam que o assunto é uma falácia e que tudo isso é invenção da mente humana,  pois somos programados para ver padrões e buscar significado em tudo.
A seguir segue minha opinião (óbvio que não sou dono da verdade, então sem “mimimi”, Galucho) sobre o assunto sobre determinadas dúvidas.
Proporção Áurea vai deixar o meu projeto mais bonito?
Não necessariamente.  A proporção áurea design pode ser utilizada com uma ferramenta como  outra qualquer para auxiliar o seu trabalho. De forma nenhuma ela será responsável integral pelo sucesso do seu projeto.
Eu preciso utilizar o número de ouro em meus projetos? Sou menos Designer por não utilizá-lo?
Não. Você pode utilizá-lo como uma ferramenta, um grid, para o seu projeto. Mas caso não queira usar ou não encontre necessidade, não há mal nenhum também. Existem vários outros grids que você pode utilizar ou até mesmo criar. Se você quiser saber mais sobre grids clique aqui.
Todas essas aplicações da razão áurea que vejo na internet são verdades?
Não. Muitas são forçadas para “caberem” na proporção. Na verdade a grande maioria são falsas ou suposições que não podem ser comprovadas efetivamente. Até nas obras de Da Vinci existem questionamentos.
Outro fato importante é que o nosso cérebro tende a ver padrões e é muito fácil encontrarmos medidas e proporções que se encaixem com algo que procuramos e acreditamos.

A busca do ser humano pela a “beleza perfeita” é histórica e teorias para se chegar a tal resultado sempre existiram.
O retângulo áureo é o grid mais eficaz que temos no Design?
Não necessariamente. Isso depende muito do projeto, do estilo do Designer, entre outras coisas. Existem vários outros retângulos que você  pode utilizar com o raiz de 2, raiz de 3…
É válido lembrar que não é  necessário que o projeto tenha uma malha geométrica para que seja válido. Claro que pode te ajudar bastante, mas depende de cada um.
Todos os projetos que vejo na internet que utilizam proporção áurea foram projetados com ela desde o início?
Nem todos. Na verdade a grande maioria dos Designers criam o logotipo sem nenhum, ou apenas com simples, grid e/ou linhas de construção. Depois que definiram como será o logo  é a maioria aplica as formas geométricas e também a proporção áurea para deixar o trabalho mais harmônico e também tentar deixá-lo com mais valor.  Alguns Designers na verdade chegam a “forçar a barra” para encaixar o logo em tais malhas.
Raríssimos designers tem a capacidade técnica e perceptiva para primeiro criar as linhas de construção e depois fazer o desenho com base nelas, exceto em caso em que o logo que tem como principal elemento alguma forma geométrica.
Eu falo mais sobre isso nesse vídeo abaixo:

Considerações Finais
Proporção áurea realmente é um assunto interessante, principalmente pelas diversas teorias que a circulam. O fato é que a razão PHI realmente existe, porém isso não significa de maneira nenhuma que um projeto de Design para ser coeso, bonito e eficaz precisa necessariamente utilizá-la.
É legal você saber do que se trata e usá-la como ela realmente é: uma ferramenta para a criação. Como tantas outras que temos por aí  e outras que ainda irão surgir. Evite ficar com paranoias e fanatismos sobre o assunto.
Use da razão para decidir se é necessário ou não, fazer uso de tal ferramenta no seu processo criativo.
Se quiser estudar mais sobre proporção áurea design, você pode aprender com:
Livro – Razão Áurea de Mario Livio
Canal do Wallter Mattos.
E você já utilizou a proporção áurea?
Forte abraço.
Até mais.
Referências:
Livro: Geometria do Design
http://www.uel.br/projetos/matessencial/superior/pde/rosania-razao-aurea.pdf
Imagens: Pinterest e Wikipédia.
The post Proporção Áurea Design – Guia sobre a aplicação da Número de Ouro no Design appeared first on Chief of Design.

Proporção Áurea Design – Guia sobre a aplicação da Número de Ouro no Design
Fonte: Chef of Design

UX Design: O que é User Experience Design? O que faz um UX Designer?

UX Design: O que é User Experience Design? O que faz um UX Designer?

Eae! Td bele? Você sabe o que é UX Design?

Já tivemos a oportunidade de falar sobre experiência do usuário (User Experience) aqui no blog de forma específica. Hoje vamos continuar falando sobre, mas focaremos na relação entre o Design e User Experience, e também de questões importantes para quem está interessado em trabalhar na área de UX Design.

Então te convido a ficar até o final do artigo para que você entenda o que é o UX Design , além de insights sobre como se tornar um ótimo UX Designer.

Neste artigo mostraremos sobre:

O que é experiência do usuário (User Experience)?Relação entre Design e User ExperienceEnfim, o que é UX Design?Porque a área de UX é pertinente?O que é o que faz um UX Designer?Hard e Softs skills que UX Designers podem vir a precisarEspecializações oriundas de UXDiferenças entre UX e UI DesignOnde pode trabalhar um UX Designer?Qual é o salário médio de um UX Designer?Vale a pena trabalhar na área de UX Design? (Mercado de trabalho)Conteúdos do Chief para aprender sobre UX Design

O que é experiência do usuário (User Experience)?

User Experience trata da experiência (experience) do usuário (user) interagindo com serviços, produtos, marcas, sites, etc. UX é o que de fato as pessoas experienciam.

Ela visa medir a experiência do usuário ao usar algo e com isso perceber como e quais são os sentimentos que elas têm ao utilizar um serviço, produto, marca, etc.

Esse termo surgiu, apesar de experiência do usuário ser algo mais antigo, em meados da década de 90, através do cientista Donald Norman, criador ao lado de Jacob Nielsen do “Nielsen Norman Group”, e escritor do livro “Design do dia a dia”. Ele foi o responsável pela popularização do termo “User Experience”.

Relação entre Design e User Experience

Uma das funções natas do Design é resolver problemas. E problemas são coisas que afetam a experiência do usuário. 

Portanto, todas as vertentes do Design contribuem para o UX. Mas não podemos confundir: não são os profissionais, ou as técnicas envolvidas que determinam a experiência, elas se fazem presentes apenas para influenciar e direcionar. Como já falei anteriormente, usar experience é o que de fato as pessoas experienciam.

Concluímos que, desenhar, projetar a experiência, não é o mesmo que experiência do usuário, pois UX é a experiência da pessoa e essa experiência é algo singular e que pertence a ela.

Enfim, o que é UX Design?

Independente de como foi pensada, e experiência do usuário sempre existirá, quando haver uma interação, sendo ela boa ou má.

Mas pensando na melhor experiência existem profissionais de diversos segmentos que empregam e compartilham diversos conhecimentos baseados no Design. Esses conhecimentos permeiam o que vem a ser o UX Design.

Vou usar a definição de John Amir-Abbassi, pesquisador de experiência do usuário do Facebook para expressar o que é UX Design:

“O design da experiência do usuário é uma abordagem de design que leva o usuário em consideração.”

Essa definição ajuda a entender que esta abordagem leva o usuário em consideração visando contribuir para que sua experiência seja de excelência ao projetar as interações com produtos, serviços e marcas.

Existe uma certa discussão na área se é certo usar o termo UX Design, Product Designer ou apenas UX, independente disso, o fato é que UX Design é uma termo que ganhou popularidade e é usado para definição de áreas e profissionais.

Porque a área de UX Design cresceu tanto nos últimos anos?

Atualmente a área de UX é importante por causa da alta demanda para construção de produtos digitais para empresas, já que elas precisam se destacar em um mercado competitivo e garantir a atenção das pessoas e tentar convertê-las em clientes.

Entre os benefícios de adotar as abordagens de UX Design podemos destacar:

Aumento nas conversões;Impacto positivo no SEO;Redução de custo com suporte;Fidelização dos produtos e serviços;Aumento do reconhecimento da marca.

Para implementação de ações que resultem nesses benefícios é preciso (claro que relativizando cada projeto e empresa) uma equipe multidisciplinar com especialistas em várias disciplinas. Isso gera uma necessidade maior de profissionais habilitados gerando empregos.

Com isso diversos profissionais acabam por contribuírem com a área de UX Design e diversos conhecimentos e disciplinas podem ser aplicados para influenciar a experiência do usuário. Só para citar alguns:

Arquitetura da Informação,Design, UI Design, Usabilidade, Performance, Compatibilidade, Estratégia de conteúdo,Acessibilidade, Testes, Pesquisas, etc.

Só pensando nos conhecimentos citados, podemos vislumbrar como eles podem contribuir na elaboração de um projeto com:

Efetuação de pesquisas para descobrir quem são as pessoas que usam o sistema ou produtoDefinição do conteúdo que vai de encontro às expectativas dos usuários, dispostas na pesquisa. Garantia de que as pessoas encontrarão esse conteúdo de forma simples e acessível.Criação de uma interface harmoniosa, agradável, coesa, atraente.Garantia de que elas naveguem facilmente pelo sistema  sem dificuldades e constrangimentos.Garantia de que elas acessem e que a boa experiência seja preservada mesmo em dispositivos de tamanhos e sistemas diferentesGarantia que a experiência tenha sido algo positivo e que a pessoa que acessou o sistema saía de lá com as expectativas atendidas. 

Para um primeiro contato veja o emaranhado de disciplinas que podem compor a área de UX Design na imagem a seguir:

infográfico by envisprecisely.

Apesar de tantas matérias, você não precisa se desesperar. O estudo deve começar do básico e ir progredindo aos poucos. E dependendo da sua atuação, você não precisa se especializar em tudo.

Agora que você chegou até aqui você deve estar se perguntando. Se várias disciplinas de áreas diferentes contribuem com o UX Design, o que faz o UX Designer?

Veremos isso no próximo tópico.

O que é o que faz um UX Designer?

Os UX Designers vêm de uma variedade de áreas como: design visual / design gráfico, front-end, programação, psicologia, design de interação, etc. Isso é devido que a área de UX abrange toda a jornada do usuário.

Qualquer um destes profissionais podem atuar com UX Design, mas não necessariamente possuírem o título de UX Designer, mas o contrário também é verdade.

Existe sim a profissão de UX Designer. Não necessariamente trata-se de alguém formado em Design, ou que já tenha trabalhado com Design. Você pode encontrar Psicólogos contratados como UX Designers.

É lógico que quem trabalha com tecnologia, design gráfico e prototipação de interfaces como UI Designers e Web Designers podem ter uma facilidade inicial maior para atuar como UX Designer. Isso porque eles já estão inseridos em meio a tecnologia e metodologias de design; atuam em disciplinas que fazem parte da área de UX e costumeiramente fornecem entregáveis para projetos para área.

Entretanto, trata-se de uma parte de algo maior que necessita de outros conhecimentos. 

Na teoria não veríamos tanto UX Designers usando softwares de edição e prototipação, já que suas funções vão além, mas existem vagas em que esses profissionais ficam limitados a projetar telas, mas isso é assunto para outro tópico…

Tenho tido isso, enfim, o que um UX Designer faz?

Um UX Designer tem como preocupação fundamental garantir que determinado produto ou serviço possa ser aprendido e usado pelo usuário final de maneira que traga uma boa experiência para ele, mas sem esquecer, ou seja, precisa ser aliado também as questões comerciais e objetivos de negócios da empresa.  

Ele atua desde o início de qualquer processo de projeto e também durante todo ciclo de vida do que está sendo projetado, visando garantir que as equipes de produto estejam criando produtos conscientes das necessidades e da forma de pensar de seus usuários, de e possíveis pontos problemáticos.

São atores chaves para projetar a experiência do produto e acompanhar os comportamentos de uso em todo o ciclo de vida do cliente.

O tópico a seguir é um complemento deste onde eu descrevo algumas habilidades que um iniciante em UX Design pode pesquisar sobre se pretende atuar na área.

Hard e Soft skills que UX Designers podem vir a precisar

Em sua jornada pela área de UX talvez em algum momento você possa se deparar com a necessidade de adquirir algumas habilidades técnicas e habilidades sociais para progredir na profissão.

Vou citar algumas que você possa precisar um dia.

Hard Skills

Hard Skills são habilidades técnicas que uma pessoa possui para exercer uma função. Para UX Design pode ser interessante saber sobre:

Wireframes – Um rascunho da interface usado para mostrar de forma antecipada os elementos da página com base nas necessidades do usuário.

Prototipagem – Simulação de um produto final usado para testar e coletar feedback. Possivelmente você poderá criar um esboço simples em papel mesmo. Se tiver habilidades em softwares de prototipagem como Figma e Adobe XD, podes construir um protótipo em alta fidelidade (Função melhor destinada ao UI Designer).

Fluxo do usuário – Um diagrama que mapeia cada etapa que um usuário executa ao usar um produto ou serviço.

Pesquisa de usuários – Conduzir o tipo certo de pesquisa de usuário para o produto ou recurso que você está projetando pode capacitá-lo a criar ou tornar um produto ainda melhor.

Testes de Usabilidade – Testes dos protótipos com usuários para validar suas escolhas de design, encontrar equívocos e verificar pontos de melhorias.

Análise de dados – Processo de transformar os dados em informação relevante para ajudar nas tomadas de decisão mais assertivas.

Criação de personas – Personas são representações dos usuários do produto e são criadas a partir de pesquisas e análise de dados.

Jornada de usuário – Mapeamento de todo o processo de interação do consumidor.

Arquitetura da informação – Contribuir no processo de organizar e estruturar o conteúdo para ajudar os usuários a encontrar as informações que estão procurando ou a concluir suas tarefas nas interfaces.

Habilidades em softwares – Com certeza em algum momento você usará softwares como Figma, Adobe XD, Miro, entre outros.

Soft Skills

Soft Skills são habilidades comportamentais relacionadas a maneira como o profissional lida com outros profissionais, stakeholders, usuários, etc. Talvez, de forma natural, você já possua algumas dessas habilidades. Para UX Design pode ser interessante possuir sobre:

Colaboração – Como UX Designer você constantemente estará interagindo com profissionais de outras áreas, da sua equipe ou de outras equipes, e não dá para você se fechar em um casulo e só pensar em executar suas tarefas. Ser um profissional colaborativo possibilita que os projetos não travem e a sua carreira também.

Boa comunicação – Para atuar na área de UX Design é fundamental boa comunicação oral e escrita. Pense bem, ter uma boas habilidades de comunicação pode te ajudar a obter dados mais valiosos dos clientes, criar entusiasmo nas partes interessadas ao apresentar seus projetos e ao realizar pesquisas de usuários.

Empatia – O UX Designer deve considerar o esquecimento de si mesmo em suas decisões. Ele deve considerar, em primeiro lugar, os usuários, e os objetivos comerciais dos responsáveis pelo produto ou serviço. Você precisará investigar e entender completamente as motivações, ansiedades, necessidades e problemas das pessoas que usarão seu design. 

Organização – Isso é essencial em todos os processos que você se envolver. As pessoas que dependem de suas decisões possuem prazos, medos, preocupações com dinheiro, e o tempo é precioso para todos eles. Então seja organizado para que as pessoas possam confiar em seu trabalho.

Bom gerenciamento de tempo – Saber gerenciar seu tempo e priorizar tarefas para atender primeiro às necessidades mais críticas fará que você tenha melhor pontualidade nas entregas e facilitará a organização das tarefas.

Especializações oriundas de UX Design

Enquanto o UX Designer está preocupado em projetar a experiência do usuário como um todo. Existem outras especializações (ramificações) oriundas do UX para cada etapa do processo de desenvolvimento da experiência.

Elas são um bom caminho para quem quer ser um especialista em determinada disciplina de UX Design que mais se identifica. Vamos a elas:

UX Writer – É um estrategista de conteúdo Ele é responsável por desenvolver um guia de escrita e um fluxo de UX Writing. E o profissional onde trás essa visão de experiência do usuário para a camada de conteúdo, onde tudo que é escrito deve facilitar o entendimento do usuário.

UX Researcher – É o especialista em conduzir entrevistas e pesquisas com usuários e análise de comportamento para coletar dados valiosos para construção do produto.   

Product Designer – Assim como o UX Designer, ele também está preocupado com o projeto como um todo, porém focado no produto.  Ele é uma espécie de gestor das etapas fundamentais na criação de um produto.

Hoje em dia existe uma discussão sobre o termo e em muitos casos a substituição do termo UX ou UX/UI para Product Designer. Algumas pessoas se referem a UX como o profissional focado apenas no usuário, já Product como gestor de todo o produto. Enfim, essa discussão não tem uma resposta única e certeira, por enquanto.

Saiba mais sobre Product Design neste artigo!

Aproveite e depois da leitura deste artigo e também assista o vídeo a seguir sobre as funções de UX Designer, UX Researcher, UX Writer e UI Designer.

Diferenças entre UX e UI Design

UI Design e UX Design são áreas que se complementam e colaboram uma com a outra. Para ser mais preciso a área de UI Design está inserida dentro da área de Ux Design.

Basicamente, e teoricamente, o que difere é que o UI Designer desenvolve interface e o UX Designer se preocupa mais em como o usuário vai se sentir ao interagir com a interface e se encontrará valor quando interagir com os produtos ou serviços de uma empresa.

UI Design possibilita que uma ideia se concretize na interface e que o usuário consiga aproveitar o que está sendo apresentado. E o UX Design faz com o seja apresentado na interface garante boas sensações de uso.

Entretanto na prática vemos muitos designers que fazem as duas coisas. Apenas empresas muito bem organizadas e segmentadas tem essa separação de áreas.

Eu tenho um vídeo onde falo especificamente sobre isso.

Onde pode trabalhar um UX Designer?

O UX Designer pode atuar em todos tipos empresas que necessitam de desenvolver interfaces, produtos e serviços (digitais ou não) de uma forma geral que envolvam interação dos usuários, principalmente quando se trata de interfaces digitais.

Podem ser tanto empresas que prestam serviços do tipo, como agências e escritórios de Design, startups, consultorias, empresas de TI, até empresas que têm setores apenas para cuidar das suas interfaces, como bancos, ecommerces, entre outros.

Qual o salário médio de um UX Designer?

Segundo a Glassdoor, plataforma que ajuda profissionais a encontrar a empresa ideal e a descobrir salários em mais de 100.000 empresas, o salário médio para UX Designer no Brasil, baseado em 980 salários postados por funcionários na plataforma, de forma sigilosa, e que atuam nesta profissão, é de R$ 5.347,00 por mês (Pesquisa realizada em 19 de jan. de 2022).

Imagem obtida no site da Glassdoor

Mas esse números podem variar por causa de fatores como a região, segmento da empresa entre outros. A própria Glassdoor alerta que o salário pode variar de R $3.000,00 a R $9.000,00 em média.

Vale a pena trabalhar na área de UX Design? (Mercado de trabalho)

A área de UX Design tem se mostrado promissora, com grande procura por profissionais especializados em UX Design. E isso se reflete no crescimento da internet cada vez mais veloz e acessível, a necessidade do mercado em atrair seus consumidores através de produtos digitais e melhores soluções, e consumidores sedentos por novidades.

A seguir algumas informações sobre o Mercado de UX Design.

Os melhores salários entre as vertentes de Design

Levando em consideração o salário médio no Brasil de R$ 5.347,00 por mês a área se torna bem atraente em comparação com outras áreas (R$ 2.675 /mês para Web Designer e R$ 2.317 /mês para Designer Gráfico).

Mas não podemos considerar apenas o salário. Então vamos além.

Área que fornece uma alta satisfação

O gráfico da figura acima mostra que a pontuação média de satisfação de 1.326 entrevistados em 2018 é 72

Em uma pesquisa realizada pela MeasuringU, que é uma empresa de pesquisa quantitativa com foco na análise estatística do comportamento humano e na quantificação da experiência do usuário,com profissionais da área de UX em 2018 em diversos países, para saber o quão satisfeitos estão os profissionais de UX com seus empregos, revelou que a grande maioria relata alta satisfação no trabalho.

A satisfação média está perto do topo de outros trabalhos que foram identificados como de alta satisfação.

A pontuação média foi de 72, em uma escala de 1 a 100, sendo 1 insatisfeito e 100 totalmente satisfeito, onde pode-se mensurar sua satisfação geral no trabalho com sua posição atual.

Habilidade que as empresas estão precisando

The Hard Skills Companies Need Most in 2020

Em uma pesquisa publicada em Janeiro de 2020 pelo Linkedin denominada “The top skills companies need most”, que podemos traduzir como  “As principais habilidades que as empresas mais precisam” foi analisada as habilidades que estão em alta demanda em relação à oferta. 

E a habilidade de UX Design figurou entre as 5 principais Hard Skills.

A procura por profissionais da área de UX tem sido ótima

Imagem obtida no site da Folha de São Paulo

Segundo artigo da Folha de São Paulo de setembro de 2021 chamado “Disputado, profissional que cuida da experiência online do cliente cresce rápido”, as áreas de UX e UI têm atraído investimento de empresas com expansão do ecommerce e a crescente digitalização.

As notícias sobre o mercado de profissionais da área de UX tem sido são animadoras. E além disso podemos citar do constante crescimento da área de TI. Essa área está diretamente ligada a UX e possibilita muitas oportunidades.

Conteúdos do Chief para aprender sobre UX Design

Tenho que te parabenizar por ter chegado até aqui. Este artigo é bem extenso e repleto de informações importantes e acredito que você está sedento por saber ainda mais sobre UX Design.

Você pode adquirir conhecimentos como autodidata sem gastar um centavo sobre “UX e UI design” e “Design de interface do usuário” acessando nossa Playlist especializada no Youtube.

Clique no link para acessar a playlist!!!

Considerações Finais

Neste artigo procurei abordar questões relevantes sobre a área de UX Design. Pode ser que alguma dúvida que você possui não tenha sido abordada. Por isso peço que você utilize a seção de comentários e compartilhe conosco o seu pensamento.

UX Design é uma área que está em expansão e que vem despertando grande interesse de contratantes, por isso procurar por informação correta, ficar atento a charlatanismos e analisar com senso crítico é algo valioso para que não existam decepções com as possíveis escolhas.

Espero que você tenha gostado do artigo!

Compartilhe com seus amigos que queiram conhecer um pouco mais sobre UX Design e deixe seu comentário também.

E não deixe de conhecer a nossa Playlist de UX/UI Design no Youtube!!!

Forte abraço.

Até mais.
The post UX Design: O que é User Experience Design? O que faz um UX Designer? appeared first on Chief of Design.

UX Design: O que é User Experience Design? O que faz um UX Designer?
Fonte: Chef of Design